Acordo de comércio germano-soviético de 1939

Acordo comercial germano-soviético

Data chave
Assinatura 19 de agosto de 1939
Local de assinatura Berlim , Alemanha
Peças  Reich Alemão , União Soviética
Terminação Junho de 1941
Língua Alemão , russo

Logotipo do WikisourceVeja o tratado no Wikisource

O Acordo de Comércio Germano-Soviético (também chamado de Acordo de Comércio e Crédito Germano-Soviético ) foi um acordo econômico entre a União Soviética e a Alemanha nazista onde a União Soviética obteve um crédito de 200 milhões de Reichsmark em 7 anos com uma taxa de juros efetiva de 4,5 %. A linha de crédito seria utilizada nos próximos dois anos para a compra de bens de capital (equipamentos de fábrica, instalações, máquinas e ferramentas , navios, veículos e outros meios de transporte) na Alemanha e seria reembolsada, a partir de 1946, por o fornecimento de matérias-primas soviéticas. Este acordo foi o primeiro passo para melhorar as relações entre a União Soviética e a Alemanha. No dia seguinte à conclusão do acordo, a União Soviética se viu engajada na luta contra o Japão, em uma bem-sucedida campanha militar de quatro semanas no Extremo Oriente . O pacto germano-soviético foi assinado quatro dias após este acordo, o último revigorando as relações econômicas germano-soviéticas em deterioração , então foi adaptado e estendido com o acordo comercial germano-soviético de fevereiro de 1940 e o acordo germano-soviético relativo a fronteiras e comércio em janeiro de 1941 . Todos esses acordos terminaram quando a Alemanha invadiu a União Soviética em junho de 1941 , violando os tratados entre os dois países. O comércio entre os dois países forneceu aos alemães a maior parte dos recursos de que precisavam para invadir a União Soviética.

Contexto

Comércio tradicional e comércio nos tempos pré-nazistas

A Alemanha carecia de recursos naturais, incluindo muitas das matérias-primas essenciais necessárias para as operações econômicas e militares. Desde o final do XIX °  século , era altamente dependente das importações russas para estes materiais estratégicos. Antes da Primeira Guerra Mundial , a Alemanha importava 1,5 bilhão de marcos do Reich a cada ano da Rússia em matérias-primas e outros bens. Essas importações caíram após a Primeira Guerra Mundial. No início da década de 1930, as importações soviéticas diminuíram, o regime stalinista, mais isolacionista, fez valer o direito e o respeito ao Tratado de Versalhes na questão do desarmamento. Isso diminuiu a dependência da Alemanha das importações soviéticas.

Deterioração de relacionamentos

A tomada do Partido Nazista aumentou as tensões entre a Alemanha e a União Soviética, a ideologia racial nazista com a União Soviética povoada por  eslavos  " subumanos " governados por seus mestres "  Judeo-Bolcheviques  ". Apesar das tensões crescentes, em meados da década de 1930 a União Soviética fez esforços repetidos para restabelecer um contato mais estreito com a Alemanha; eles foram repelidos por Hitler, que não queria tais laços políticos.

As relações entre os dois países diminuíram em 1936, quando a Alemanha apoiou os nacionalistas espanhóis durante a Guerra Civil Espanhola , enquanto os soviéticos apoiaram seus oponentes, os republicanos espanhóis governaram parcialmente pelos socialistas, enquanto a Alemanha e o Japão assinaram o pacto anti-Comintern e que os grandes expurgos soviéticos haviam perturbado a diplomacia soviética.

Necessidades econômicas no final da década de 1930

No final dos anos 1930, devido a uma abordagem econômica autossuficiente e quando uma aliança com a Grã-Bretanha era impossível, a Alemanha precisava estabelecer relações mais estreitas com a União Soviética, e não apenas por razões econômicas. A Alemanha carecia de suprimentos estratégicos, como petróleo, alimentos, minérios de metal e borracha; contava com suprimentos soviéticos ou trânsito de suprimentos através da União Soviética e, portanto, tinha que recorrer à Rússia e à Romênia. Além disso, as necessidades alimentares da Alemanha aumentariam ainda mais, se ela conquistasse nações que também eram importadoras líquidas de alimentos. As importações soviéticas de grãos ucranianos ou os transbordos soviéticos de soja da Manchúria poderiam preencher a lacuna. Por sua vez, a União Soviética precisava, a curto prazo, de equipamento militar e armamentos para reforçar o débil Exército e a Marinha Vermelhos . A rede de transporte soviética era lamentavelmente subdesenvolvida, com estradas quase inexistentes e uma rede ferroviária já esticada até o limite.

Depois do Anschluss , em meados de 1938, a reconciliação econômica foi prejudicada por tensões políticas e pela crescente relutância de Hitler em negociar com a União Soviética. No entanto, as necessidades alemãs de matérias-primas estratégicas e as necessidades soviéticas de equipamento militar aumentaram após os acordos de Munique .

Negociações

Primeiras palestras sobre economia e outros tópicos

Dentro Outubro de 1938, A Alemanha procurou estender as relações econômicas entre os dois países; ela apresentou um plano aos soviéticos em1 ° de dezembro de 1938. Stalin, entretanto, não estava disposto a vender sua poderosa posição de negociação econômica pelo preço (baixo) que Hitler estava disposto a oferecer. Os soviéticos estavam prontos para iniciar negociações para discutir uma nova oferta alemã em fevereiro eMarço de 1939em Moscou. A Alemanha suspendeu as negociações em meados de março. Poucos dias depois, a Alemanha ocupou a Tchecoslováquia e depois a região de Klaipeda (Memel), tornando muito mais provável uma guerra alemã com a Polônia.

A Alemanha e a União Soviética concordaram em concluir um acordo econômico ao longo do início de 1939. Durante a primavera e o verão de 1939, os soviéticos negociaram um pacto político e militar com a França e a Grã-Bretanha. -Britanha, ao mesmo tempo em que discutiam com Autoridades alemãs um potencial acordo político germano-soviético. O7 de abril, O diplomata soviético Georgii Astakhov disse ao ministro das Relações Exteriores alemão que não havia necessidade de continuar a luta ideológica germano-soviética e que os dois países poderiam chegar a um acordo. Dez dias depois, o embaixador soviético Alexei Merekalov encontrou-se com o secretário de Estado alemão Ernst Weizsacker e apresentou-lhe uma nota pedindo a remoção rápida de todos os obstáculos para a execução de contratos militares assinados entre a URSS e a Tchecoslováquia antes de não ser ocupada pela Alemanha . De acordo com os relatórios alemães, ao final da discussão, o embaixador disse: “Não há motivo para a Rússia não viver conosco em relações normais. E que essas relações normais poderiam ficar cada vez melhores ” . Outras fontes dizem que pode ser um exagero ou relato impreciso das palavras do embaixador. Imediatamente após a reunião, o embaixador soviético voltou a Moscou e nunca mais voltou à Alemanha.

A probabilidade de guerra aumentou a produção militar na Alemanha e na União Soviética. O terceiro plano quinquenal soviético previa a inclusão de grandes quantidades de novas tecnologias e novos equipamentos industriais. Enquanto isso, os gastos militares alemães aumentaram para 23% do produto nacional bruto em 1939. Planejadores alemães em abril eMaio de 1939temia que a cessação do comércio sueco acabasse com o fornecimento de minério de ferro. Sem os suprimentos soviéticos, estimou-se que a Alemanha precisava encontrar fornecedores substitutos para cerca de 165.000 toneladas de manganês e quase 2 milhões de toneladas de petróleo por ano. A Alemanha já enfrentava uma grave escassez de borracha devido às recusas britânicas e holandesas ao comércio. Além da dependência das importações nacionais de gorduras e óleos alimentares, surgiram outros problemas alimentares devido à escassez de mão-de-obra no setor agrícola, o que exigia o emprego de crianças em idade escolar e estudantes. O8 de maio, as autoridades alemãs estimaram que a Alemanha tinha reservas de petróleo para apenas 3,1 meses.

Como parte da continuidade das discussões econômicas, o 17 de maio, Astakhov disse a um oficial alemão que queria reiterar "em detalhes que não havia conflito na política externa entre a Alemanha e a Rússia Soviética e, portanto, não havia razão para inimizade entre os dois países" . Três dias depois, o20 de maio, Molotov disse ao embaixador alemão em Moscou que queria apenas discutir questões econômicas e que era necessário estabelecer uma "base política" , que as autoridades alemãs viam como um "convite implícito" e uma "convocação virtual para um diálogo político " . O26 de maio, as autoridades alemãs temiam que os soviéticos reagissem favoravelmente às propostas da Grã-Bretanha e da França. O30 de maio, A Alemanha dirigiu seus diplomatas em Moscou para "negociações definitivas com a União Soviética" . As discussões que se seguiram foram conduzidas por meio de negociação econômica, porque as necessidades econômicas de ambos os lados eram consideráveis ​​e porque as discussões militares e diplomáticas foram rompidas em meados da década de 1930 após a criação do pacto anti-Comintern e da Guerra Civil Espanhola . deixando apenas essas negociações como o único meio de comunicação.

Sinais conflitantes

A posição soviética, entretanto, permaneceu confusa. O31 de maio, O discurso de Molotov parecia ser positivo, enquanto o 2 de junhoO comissário de Comércio Exterior soviético, Mikoyan, disse a um funcionário alemão que Moscou "havia perdido o interesse nessas negociações [econômicas], como resultado da procrastinação alemã inicial" . O15 de junho, o embaixador soviético teve uma discussão com o embaixador búlgaro em Berlim, Purvan Draganov, que serviu como intermediário não oficial durante as negociações com os alemães. O embaixador soviético explicou que um acordo com a Alemanha era mais adequado às necessidades soviéticas do que um acordo com a Grã-Bretanha e a França ou negociações malsucedidas que levassem a nenhum acordo. Draganov informou prontamente o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha sobre a conversa. Sete dias antes, os soviéticos concordaram que um alto funcionário alemão viria a Moscou para continuar as negociações que seriam realizadas em Moscou em3 de julho. Posteriormente, as negociações oficiais começaram em Berlim em22 de julho.

Enquanto isso, na esperança de parar a máquina de guerra alemã, em julho a Grã-Bretanha manteve discussões com a Alemanha sobre um plano potencial para resgatar a economia alemã altamente endividada de um custo de um bilhão de libras em troca do fim do programa de armas alemão. A imprensa britânica revelou a história e a Alemanha acabou rejeitando a oferta.

Abordar hostilidades passadas e finalizar acordos

O 25 de julho, a União Soviética e a Alemanha estavam muito perto de finalizar os termos de um acordo econômico. O26 de julho, durante o jantar, os soviéticos concordaram com uma proposta de agenda de três etapas que primeiro incluía uma agenda econômica e "um novo arranjo que levaria em consideração os interesses políticos vitais de ambos os lados" . O 1 st agosto, os soviéticos apresentou duas condições antes de negociações políticas podem começar: a assinatura de um novo tratado econômico ea terminação de ataques anti-soviéticos imprensa alemã. Os alemães aceitaram imediatamente. Dois dias depois, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Joachim von Ribbentrop, apresentou um plano no qual os países concordariam em não interferir nos assuntos do outro lado e em abandonar as medidas destinadas aos interesses vitais do outro lado. E "que não havia problema , Mar Báltico e Mar Negro , que não se resolveu entre nós dois ” .

Os alemães estavam discutindo antes das hostilidades entre os dois países na década de 1930. Eles estavam abordando seu terreno comum de anti-capitalismo , afirmando que "há um elemento comum na ideologia da Alemanha, Itália e Alemanha. A União Soviética: Oposição ao capitalista Democracias ” , “ nem nós nem a Itália temos nada em comum com o capitalista ocidental ” e “ não nos parece natural que um estado socialista pudesse ficar do lado. Democracias ocidentais ” . Os alemães explicaram que sua hostilidade ao bolchevismo pré-soviético havia desaparecido com as mudanças no Comintern e a renúncia soviética à revolução mundial . Astakhov chamou a conversa de "extremamente importante" .

A Alemanha planejou a invasão da Polônia para o25 de agostoe estava se preparando para a guerra contra a França; Os planejadores de guerra alemães estimaram em agosto que, com um bloqueio naval britânico esperado e hostilidade da União Soviética, a Alemanha deixaria de atender às suas necessidades de mobilização de guerra de 9,9 milhões de toneladas de petróleo e 260.000 toneladas de manganês. Naquela época, a Alemanha ainda importava 20% de seus alimentos, 66% de seu petróleo e 80% de sua borracha. Tinha apenas dois a três meses de borracha em estoque e três a seis meses de abastecimento de petróleo. Devido ao previsível bloqueio naval, a União Soviética se tornaria seu único fornecedor de muitos produtos.

O 5 de agosto, Autoridades soviéticas disseram que a conclusão do acordo comercial foi crucial para futuras negociações políticas. O próprio Hitler pegou o telefone para encerrar as negociações econômicas e fazer um acordo. O10 de agostoOs países trabalharam nos últimos detalhes técnicos menores, mas os soviéticos atrasaram a assinatura do acordo econômico por quase dez dias, até terem certeza de que também haviam firmado um acordo político. O embaixador soviético explicou que os soviéticos haviam iniciado suas negociações com os britânicos "sem muito entusiasmo" , numa época em que sentiam que a Alemanha não "chegaria a um acordo" e que as negociações paralelas com os britânicos não poderiam simplesmente ser rompidas quando eles foram iniciados após "consideração cuidadosa" . Enquanto isso, todos os estudos militares e econômicos alemães haviam chegado à conclusão de que a Alemanha não poderia ser vitoriosa sem, no mínimo, a neutralidade soviética. O Alto Comando da Wehrmacht emitiu um relatório alegando que a Alemanha só poderia se proteger de um bloqueio com uma estreita cooperação econômica com a União Soviética.

Acordo germano-soviético

Acordo econômico

Enquanto o tratado estava pronto em 19 de agostoàs 16 horas, os soviéticos anunciaram que não podiam assinar naquele dia, preocupando as autoridades alemãs, fazendo-as pensar que os soviéticos atrasavam a assinatura por motivos políticos. Quando a agência de notícias TASS publicou um relatório sobre as negociações franco-britânicas-soviéticas que tropeçaram no Extremo Oriente e "questões bastante diferentes, a Alemanha interpretou isso como um sinal de que a negociação ainda era possível e esperava chegar a um acordo com os soviéticos" . O20 de agosto às 2 da manhã, a Alemanha e a União Soviética assinaram o acordo comercial, datado de 19 de agosto, permitindo a Berlim fornecer certos equipamentos militares e civis alemães em troca de matérias-primas soviéticas.

O acordo cobria o comércio "atual", os soviéticos tendo que entregar 180 milhões de marcos em matérias-primas em troca, pelo que a Alemanha se comprometeu a fornecer 120 milhões de marcos de bens industriais alemães. De acordo com esse acordo, a Alemanha também concedeu à União Soviética um crédito de compra de 200 milhões de marcos em 7 anos, financiado pelo Golddiskontbank  (de) ( Gold Discount Bank , German). O crédito seria usado para financiar "novas encomendas" soviéticas na Alemanha, incluindo maquinário, produtos manufaturados, material de guerra e moedas fortes . Esse empréstimo seria 100% garantido pelo governo alemão, com uma taxa de juros de 5%. No entanto, o acordo continha um "protocolo confidencial" especificando que o governo alemão deveria reembolsar 0,5% dos juros, ou uma taxa efetiva de 4,5%. Os termos do empréstimo eram extremamente favoráveis: 1,5-2,5% mais baixos do que as taxas de desconto nas linhas de crédito na década de 1920 e início de 1930. A União Soviética começaria a pagar o empréstimo com materiais, primeiro sete anos depois (início de 1946).

Karl Schnurre, membro do Itamaraty, lembrou na ocasião que "a movimentação de mercadorias prevista no acordo poderia, portanto, chegar a mais de um bilhão de marcos nos próximos anos" . Schnurre também escreveu “que além do aspecto econômico do tratado, sua importância reside no fato de que as negociações também serviram para renovar contatos políticos com a Rússia e que o contrato de crédito foi considerado por ambas as partes como o primeiro passo decisivo na reorganização da relações políticas entre os dois países ” . O Pravda publicou um artigo sobre21 de agosto declarando que o acordo comercial de 19 de agosto "pode ​​parecer um passo sério para melhorar não só as relações econômicas, mas também políticas entre a URSS e a Alemanha. Molotov escreveu no Pravda que o acordo do 19 de agostofoi "melhor do que todos os tratados anteriores" e "nunca conseguimos alcançar um acordo econômico tão favorável com a Grã-Bretanha, França ou qualquer outro país . "

No início da manhã de 24 de agosto, a União Soviética e a Alemanha assinaram o acordo político e militar que acompanhou o acordo comercial, o Pacto Molotov-Ribbentrop . O pacto é um acordo mútuo de não agressão entre os dois países. Continha protocolos secretos que previam a divisão dos estados da Europa do Norte e do Leste em "  esferas de influência  " alemãs e soviéticas. Na época, Stalin considerou o acordo comercial mais importante do que o pacto de não agressão.

Após a assinatura, Ribbentrop e Stalin tiveram conversas calorosas, trocaram brindes e abordaram hostilidades anteriores entre os países na década de 1930. Eles caracterizaram a Grã-Bretanha, como ainda procurando perturbar as relações germano-soviéticas, concordou que o pacto anti-Comintern não tinha na União Soviética, mas na realidade, nas democracias ocidentais e "assustou principalmente a cidade de Londres [isto é, os financistas britânicos] e os comerciantes ingleses" .

Em 2010, Timothy Snyder fez a conexão entre a melhoria nas relações germano-soviéticas em 1939 e o objetivo de Stalin de romper o pacto anti-Comintern e travar uma guerra contra o Japão. Snyder disse:

“Em 20 de agosto de 1939, Hitler enviou uma mensagem pessoal a Stalin pedindo-lhe que recebesse Ribbentrop o mais tardar no dia 23. Ribbentrop partiu para Moscou, onde, como Orwell e Koestler observaram, suásticas adornavam o aeroporto da capital. Da pátria do socialismo. Esse, o choque ideológico final que separou Koestler do comunismo, foi realmente um sinal de que a União Soviética não era mais um Estado ideológico. Os dois regimes imediatamente encontraram um terreno comum em sua aspiração mútua de destruir a Polônia [...] A União Soviética concordou em atacar a Polônia com a Alemanha [...] Em agosto e setembro de 1939, Stalin estudou mapas não só da Europa oriental, mas da Ásia oriental. Ele havia encontrado uma oportunidade de melhorar a posição soviética no Extremo Oriente ... Stalin agora podia ter certeza de que nenhum ataque polonês-alemão viria do oeste ... Os soviéticos (e seus aliados mongóis) atacaram as forças japonesas (e o fantoche Manchoukuo ) [...] em 20 de agosto de 1939. A política de reaproximação de Stalin com Berlim em 23 de agosto de 1939 também foi dirigida contra Tóquio. O Pacto Molotov-Ribbentrop entre a Alemanha e a União Soviética, assinado três dias depois da ofensiva, anulou o Pacto anti-Comintern entre a Alemanha e o Japão. Ainda mais do que uma derrota no campo de batalha, a aliança soviético-nazista teve o efeito de um terremoto político em Tóquio. O governo japonês caiu, assim como vários outros nos meses seguintes. Enquanto a Alemanha parecia ter escolhido a União Soviética em vez do Japão como aliada, o governo japonês se viu em uma situação inesperada e confusa [...] se o acordo entre Moscou e Berlim permanecesse, o Exército Vermelho seria capaz de concentrar suas forças na Ásia, e não na Europa, [...] Hitler havia libertado as mãos de Stalin na Ásia, e os japoneses só podiam esperar que Hitler traísse seu novo amigo [...] Quando o 'Exército Vermelho derrotou os japoneses, em 15 de setembro, Stalin havia obtido exatamente o resultado que queria [...]. Ele substituiu o espectro de um cerco germano-polonês-japonês da União Soviética por um cerco muito real da Polônia germano-soviética, uma aliança que isolou o Japão. "

Eventos subsequentes e comércio total

Após a invasão alemã da Polônia , o Ministério Britânico de Guerra Econômica foi estabelecido em3 de setembro de 1939, para administrar o bloqueio econômico da Alemanha em Abril de 1940A Grã-Bretanha percebeu que o bloqueio não parecia estar funcionando por causa de brechas no bloqueio, dois grandes "buracos" no Mar Negro e no Mediterrâneo criados por vários países neutros, incluindo a Itália.

Importações alemãs em milhões de marcos do Reich
URSS Polônia e Danzig Finlândia Estônia Letônia Lituânia
1939 52,8 140,8 88,9 24,3 43,6 27,8

O 17 de setembro, o Exército Vermelho invadiu a Polônia oriental e ocupou o território polonês, que produziu até 70 por cento da produção de petróleo da Polônia antes da guerra.

Em outubro, três dos parceiros comerciais da Alemanha - os Estados Bálticos - Estônia , Letônia e Lituânia - não tiveram escolha a não ser assinar o chamado pacto de defesa e assistência mútua que permitiu à União Soviética estacionar tropas em seus territórios.

Tensões entre a Alemanha e a União Soviética também surgiram durante a invasão soviética da Finlândia emNovembro de 1939. Vários navios mercantes alemães foram danificados.

A Alemanha e a União Soviética continuaram as negociações econômicas, militares e políticas ao longo da segunda metade de 1939, até que um acordo comercial germano-soviético muito maior foi assinado em11 de fevereiro de 1940. Sob este acordo, a União Soviética se tornou um importante fornecedor de matérias-primas essenciais para a Alemanha, incluindo petróleo, manganês, cobre, níquel, cromo, platina, madeira e grãos.

Eles também receberam quantidades consideráveis ​​de outras matérias-primas vitais, incluindo minério de manganês e um milhão de toneladas de soja da Manchúria em trânsito pela União Soviética. O10 de janeiro de 1941, os dois países assinaram um acordo adicional que altera o acordo comercial de 1940, retificando fronteiras e resolvendo outros conflitos menores.

Durante o primeiro período do acordo de 1940 (11 de fevereiro de 1940 no 11 de fevereiro de 1941) e o segundo (11 de fevereiro de 1941 até a quebra do pacto), a Alemanha havia recebido enormes quantidades de matérias-primas, das quais mais de

Dentro Agosto de 1940, As exportações soviéticas representavam mais de 50% das importações totais da Alemanha, que naquela época haviam caído para 20.400 toneladas.

A cooperação terminou quando a Alemanha lançou a Operação Barbarossa e invadiu a União Soviética, a22 de junho de 1941. Os vários suprimentos que a URSS despachou para a Alemanha de 1939 a 1941 em proporções significativas deviam ser compensados ​​ou obtidos pelo aumento das importações de outros países.

Sem as entregas soviéticas dessas principais matérias-primas, a Alemanha dificilmente teria a capacidade de realizar seu ataque à União Soviética, muito menos de contemplar a vitória, mesmo com racionamento mais severo.

Notas e referências

(fr) Este artigo foi retirado parcial ou totalmente do artigo da Wikipedia em inglês intitulado “  German - Soviet Credit Agreement (1939)  ” ( ver lista de autores ) .

Notas

  1. O submarino soviético SC.323 danifica o vapor Oliva (1.308 TAB) ao largo de Uto com tiros de canhão . Este navio a vapor foi novamente danificado pelo submersível soviético S.1 ao largo de Rauma em 10 de dezembro de 1939. O canhão submersível soviético SC.322 danificou o navio alemão Helga Boge (2.181 TAB) quatro milhas ao norte de Revalstein. O mesmo submersível danificará, ainda canhão, o ss Gillhausen (4 339 TAB) ao sul de Hanko.

Referências

  1. (in) Documents on German Foreign Policy, 1918-1945. Series D (1937-1945) , Washington, DC, US Gov. Imprensa, 1949-1964 voar.  VI  : Os últimos meses de paz, março-agosto. 1939. voar.  VII  : Os últimos dias de paz, agosto 9 de setembro 3, 1939.
  2. Wegner 1997 , p.  99
  3. (em) Timothy Snyder , Bloodlands: Europe entre Hitler e Stalin , Basic Books,2010( ISBN  978-0-465-03297-6 , OCLC  882561334 , leia online )
  4. Ericson 1999 , p.  1-2
  5. Hehn 2005 , p.  15
  6. Ericson 1999 , p.  11-12
  7. Ericson 1999 , p.  14-15
  8. Hehn 2005 , p.  212
  9. (em) Joseph W. Bendersky , A History of Nazi Germany: 1919-1945 , Chicago, Burnham,2001, 2 nd  ed. , 244  p. ( ISBN  978-0-830-41567-0 , OCLC  231881920 , leitura online ) , p.  177
  10. (en) Rolf-Dieter Müller e Gerd R. Ueberschär , Hitler's War in the East, 1941-1945: A Critical Assessment , New York, Berghahn Books, al.  "Guerra e genocídio" ( n o  5),2002, 442  p. ( ISBN  978-1-571-81293-3 , OCLC  807351471 , ler online ) , p.  244
  11. Ericson 1999 , p.  17-18
  12. Ericson 1999 , p.  23–24
  13. (in) Carlos Caballero Jurado e Ramiro Bujeiro , A Legião Condor: Tropas Alemãs na Guerra Civil Espanhola , Oxford, Osprey Publishing, col.  "Elite" ( N O  131)2006( ISBN  978-1-472-80716-8 e 978-1-472-80715-1 , OCLC  869309084 , ler online ) , p.  5-6
  14. (em) Gerhard Weinberg , The Foreign Policy of Hitler's Germany Diplomatic Revolution in Europe 1933-36 , Chicago: University of Chicago Press,1970, p.  346
  15. Ericson 1999 , p.  27-28
  16. Ericson 1999 , p.  3-4
  17. Ericson 1999 , p.  29-30
  18. Ericson 1999 , p.  31-32
  19. Ericson 1999 , p.  34-35
  20. Ericson 1999 , p.  42-43
  21. Ericson 1999 , p.  23-35
  22. Shirer 1990 , p.  515-540
  23. Nekrich, Ulam e Freeze 1997 , p.  108-109
  24. (in) Geoffrey Roberts , "  Encontro Infamous? : The Merekalov - Weizsacker Meeting of 17 April 1939  ” , The Historical Journal , Cambridge University Press, vol.  35, n o  4,Dezembro de 1992, p.  921-926 ( resumo )
  25. (em) Memorando do Secretário de Estado do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha - Weizsacker  " sobre o Projeto Avalon
  26. Ericson 1999 , p.  43
  27. (em) Mieczyslaw B. Biskupski e Piotr Stefan Wandycz , Ideology, Politics, and Diplomacy in East Central Europe , Boydell & Brewer, et al.  "Estudos de Rochester na Europa Central" ( n S  5),2003, 272  p. ( ISBN  978-1-580-46137-5 e 978-1-580-46155-9 , ler online ) , p.  171-172
  28. Hehn 2005 , p.  177
  29. Ericson 1999 , p.  44
  30. Ericson 1999 , p.  45
  31. Nekrich et al. 1997 , p.  111
  32. Erickson 2001 , p.  516
  33. Nekrich, Ulam e Freeze 1997 , p.  111
  34. Ericson 1999 , p.  46
  35. (em) Adam Bruno Ulam , Stalin: The Man and His Era , Beacon Press,1989( ISBN  0-8070-7005-X ) , p.  508
  36. Nekrich, Ulam e Congelar 1997 , p.  112-113
  37. Ericson 1999 , p.  47
  38. Nekrich, Ulam e Freeze 1997 , p.  114
  39. Hehn 2005 , p.  218
  40. Ericson 1999 , p.  54-55
  41. Nekrich, Ulam e Freeze 1997 , p.  116
  42. Roberts 2006 , p.  30
  43. (en) Joachim C. Fest ( traduzido por  Richard e Clara Winston), Hitler , Orlando, Flórida, Harcourt Brace Publishing,2002( 1 st  ed. 1974), 844  p. ( ISBN  978-0-156-02754-0 , OCLC  868028007 ) , p.  589–590
  44. (em) Olli Vehviläinen , Finlândia na Segunda Guerra Mundial entre Alemanha e Rússia , Macmillan,2002, 216  p. ( ISBN  978-1-403-91974-8 , OCLC  759638078 , ler online ) , p.  30
  45. (en) Jean-Jacques Subrenat ( trad.  David Cousins), Estônia: Identidade e Independência , Amsterdã, Rodopi, al.  "Na fronteira de dois mundos / 2",2004( ISBN  978-9-042-00890-8 , OCLC  883585844 , ler online ) , p.  131
  46. Nekrich, Ulam e Congelar 1997 , p.  115
  47. Ericson 1999 , p.  56
  48. Erickson 2001 , p.  539-540
  49. Wegner 1997 , p.  101
  50. Shirer 1990 , p.  525
  51. Ericson 1999 , p.  57
  52. Shirer 1990 , p.  668
  53. Grenville e Wasserstein 2001 , p.  227
  54. Ericson 1999 , p.  61, 227-231
  55. Wegner 1997 , p.  99-100
  56. Grenville e Wasserstein 2001 , p.  228
  57. Nekrich, Ulam e Freeze 1997 , p.  118
  58. (en) Texto do Nazi - Pacto Soviético de Não-Agressão  " , na Universidade Fordham ,23 de agosto de 1939
  59. Philbin III 1994 , p.  43
  60. Shirer 1990 , p.  539
  61. Shirer 1990 , p.  540
  62. (em) Timothy Snyder , Bloodlands: Europe entre Hitler e Stalin , Basic Books,2010( ISBN  0465002390 , OCLC  449858698 ) , p.  115
  63. (em) Talbot C. Imlay , Enfrentando a Segunda Guerra Mundial: Estratégia, Política e Economia na Grã-Bretanha e na França de 1938 a 1940 , Oxford University Press,2003( ISBN  0-19-926122-9 ) , p.  122
  64. (em) Talbot C. Imlay , Enfrentando a Segunda Guerra Mundial: Estratégia, Política e Economia na Grã-Bretanha e na França de 1938 a 1940 , Oxford University Press,2003( ISBN  0-19-926122-9 ) , p.  113
  65. Ericson 1999 , p.  71
  66. (em) Gerhard Wettig , Stalin e a Guerra Fria na Europa , Landham, Md, Rowman & Littlefield,2008( ISBN  0-7425-5542-9 ) , p.  20-21
  67. (em) Caroline Kennedy-Pipe , Guerra Fria de Stalin: estratégias soviéticas na Europa 1943 a 1956 , Nova York, Manchester University Press,1995, 218  p. ( ISBN  978-0-719-04202-7 , leia online )
  68. (em) Don Kindell, British and Other Navies in World War 2 Day-by-Day: NAVAL EVENTS, DEZEMBER 1939 (Part 1 of 2); Sexta 1ª - 5ª feira 14  ” , em Naval-history.net
  69. Ericson 1999 , p.  103
  70. (en) Albert L. Weeks , Stalin's Other War: Soviet Grand Strategy, 1939–1941 , Rowman & Littlefield,2003( ISBN  0-7425-2192-3 ) , p.  74-75
  71. (em) Walter Moss , A History of Russia: Since 1855 , Anthem Press,2005( ISBN  1-84331-034-1 ) , p.  291
  72. Philbin III 1994 , p.  47
  73. Ericson 1999 , p.  152-153
  74. Ericson 1999 , p.  195-9
  75. Ericson 1999 , p.  208-9
  76. Roberts 2006 , p.  82
  77. Ericson 1999 , p.  181
  78. Ericson 1999 , p.  182

Veja também

Bibliografia

Documento usado para escrever o artigo : documento usado como fonte para este artigo.

links externos