Guillaume Lecointre

Guillaume Lecointre Imagem na Infobox. Guillaume Lecointre na Utopiales em novembro de 2015 em Nantes, França. Biografia
Aniversário 28 de fevereiro de 1964
Nacionalidade francês
Treinamento Universidade Paris-Diderot ( doutorado ) (até1993)
Atividades Zoólogo , ictiólogo , professor universitário
Outra informação
Trabalhou para Museu Nacional de História Natural
Membro de Sociedade Zoológica da França
Local na rede Internet glecointre.mnhn.fr
Prêmios

Guillaume Lecointre , nascido em28 de fevereiro de 1964, É zoólogo e sistemata francês .

Biografia

Em 1993 , ele obteve seu doutorado com uma tese sobre "Estudo do impacto da amostragem de espécies e comprimento de sequência na robustez das filogenias moleculares: implicações na filogenia dos teleósticos" na universidade. Paris-Diderot . Em 1998, na mesma universidade, obteve autorização para orientar pesquisas a partir de sua tese sobre "a relação entre homoplasia e a congruência de caracteres na reconstrução filogenética".

Carreira

Professor do Museu Nacional de História Natural , onde chefia o departamento de Sistemática e Evolução, investigador em Sistemática ( ciência das classificações), Guillaume Lecointre trabalha em particular para melhorar e explorar as propriedades dos métodos de construção de filogenias e da sua aplicação ao teleósteo peixes , de dados anatômicos , bem como dados moleculares (mais de uma centena de publicações profissionais).

Desde 1990, tem participado do aprimoramento do ensino das ciências da classificação, em todos os níveis de ensino, por meio de livros e da formação de professores. Seu trabalho Phylogenetic Classification of Living , co-escrito com Hervé Le Guyader , ajudou a desenvolver o ensino da classificação e foi traduzido para três idiomas.

Entre 1995 e 2005, foi também colunista do jornal Charlie Hebdo , onde escreveu artigos de ciência popular e, em particular, denunciou as pseudociências e o retorno do espiritualismo nas ciências.

Atualmente, ele está escrevendo uma coluna na revista Species . No total, ele é autor de cerca de 400 artigos de conhecimento popular.

Contribuições

Guillaume Lecointre ( p.  114 ) considera necessário relembrar: “o princípio da parcimônia ou princípio da economia de hipóteses ou Navalha de Ockham, implica que quando fazemos uma inferência sobre o mundo real, o melhor cenário ou a melhor teoria são aqueles que envolvem o menor número de hipóteses ad hoc , ou seja, não documentadas. "

Contrato tácito do pesquisador de ciências

Guillaume Lecointre, em consonância com a obra de Pierre Bourdieu  : “A profissão de cientista tem o objetivo coletivo de produzir conhecimento objetivo sobre o mundo real” ( p.  102 ). O conhecimento novo, devidamente editado, publicado em periódico especializado com revisão por pares, deve ser corroborado por, pelo menos, uma equipe independente para fazer parte do corpo objetivo de conhecimento. “Este princípio é válido para todas as ciências, história, sociologia, psicologia incluídas. Todos são chamados a produzir discursos de alcance universal porque são verificáveis. "( P.  102 )

Termos do contrato tácito

Guillaume Lecointre ( p.  102-111 ) considera necessário relembrar os termos do contrato tácito que condiciona a possibilidade de reprodutibilidade das experiências científicas:

  1. Ceticismo inicial sobre os fatos,
  2. Realismo de princípio,
  3. Materialismo metodológico,
  4. Racionalidade [e lógica].

Materialismos científicos, evolutivos e emergentistas

A evolução do materialismo científico do XIX °  século ao materialismo evolutiva contemporânea do XXI th  século é suportado pelo trabalho de Mario Bunge . Guillaume Lecointre faz parte dessa abordagem ao prefaciar a história das filosofias materialistas de Pascal Charbonnat com sua visão de cientista materialista e defensor tenaz do secularismo .

Um coletivo em torno de Muriel Gargaud e Guillaume Lecointre atualiza o conceito de evolução em conexão com o avanço da ciência, biológica, neurociência, ecologia, política, gestão, etc. e à luz de uma nova reflexão sobre o conceito de emergência .

Ciência em face do criacionismo

“Os criacionistas não podem ser cientistas, porque freqüentemente violam o contrato tácito declarado acima [em particular o princípio da parcimônia mencionado na § Navalha de Ockham acima] como base para todas as ciências. "( P.  111 )

"Desde a virada XVII th - XVIII th séculos, nossas inferências e premissas devem consultar as entidades que podemos compreender experimentalmente, imediatamente ou no futuro; portanto, entidades naturais; essa é a condição científica moderna [...] ( p.  120 ) “[...] o registro do conhecimento - que é de domínio público e, portanto, potencialmente universal, cujo desafio deve ser investigado e metodologicamente caracterizado [. ..] ( p.  125 )

Muitas pessoas não sabem que: "as [diferentes] esferas do espaço público [portanto da ciência] descritas por Caroline Fourest [... não podem ser confundidas com] a esfera do significado e simbolismo dos poderes públicos e a esfera da liberdade máxima (a esfera privada) ”( p.  125 ). “A validação cruzada de resultados científicos é um espaço secular no sentido francês do termo, sem, no entanto, formularmos coisas assim. Nossas opções metafísicas permanecem nos vestiários de nossos laboratórios e não interferem em nossos relatos de experiências ”( p.  127 ).

B. Latour confidencia que "as condições de ... e o contrato tácito de] pesquisa não estão no programa de treinamento científico" ( p.  93 ). Guillaume Lecointre pensa que “é hora de ensinar aos futuros pesquisadores uma explicação de seu contrato tácito, tanto em suas expectativas epistemológicas quanto em seus componentes sociológicos, econômicos e políticos” ( p.  129 ).

Guillaume Lecointre preconiza uma evolução da noção de distinção-separação entre as esferas pública e privada: as esferas do significado .

Membro de sociedades científicas

Preço

Publicações

Contribuições

Notas e referências

  1. SUDOC 044151101
  2. Decreto de 24 de março de 2005 que nomeia Guillaume Lecointre como professor do MNHN.
  3. edição especial do Nouvel Observateur , n o  61 Dezembro de 2005 / Janeiro de 2006, intitulado "A Bíblia contra Darwin".
  4. Lecointre Guillaume, As ciências virada creationisms. Esclareça novamente o contrato metodológico dos pesquisadores. , Versalhes, QUAE,2012, 172  p. ( ISBN  978-2-7592-1686-4 , leia online )
  5. Pascal Charbonnat, História das filosofias materialistas , Paris, Kimé,2013, 706  p. ( ISBN  978-2-84174-622-4 , leitura online ) , Prefácio à 2ª edição.
  6. Coletivo, Evolução: do universo às sociedades: Objetos e conceitos , Paris, Éditions Matériaux, coll.  "Ciência e filosofia",2015, 502  p. ( ISBN  978-2-37361-032-1 , leia online ).
  7. Fourest Caroline , A última utopia. Ameaças ao universalismo , Paris, Grasset Fasquelle,2009, 288  p. ( ISBN  978-2-246-70971-8 ) , § distinguir as esferas de restrições e liberdades p 272 a p 280
  8. O trabalho do pesquisador ,1995
  9. Guillaume Lecointre, novo membro do nosso conselho científico e de patrocínio, prêmio de secularismo 2009 .
  10. Desde janeiro de 2009.
  11. Preço recebido em 24 de janeiro de 2009 , consulte laicite-republique.org .
  12. Prêmio recebido em 23 de novembro de 2012 , veja em union-rationaliste.org

Apêndices

Artigos relacionados

links externos