Alain Borer



As informações que conseguimos compilar sobre Alain Borer foram cuidadosamente revisadas e estruturadas para torná-las tão úteis quanto possível. Você provavelmente veio aqui para saber mais sobre Alain Borer. Na Internet, é fácil se perder na confusão de sites que falam sobre Alain Borer e ainda não fornecem o que você quer saber sobre Alain Borer. Esperamos que nos informe nos comentários se você gostar do que leu sobre Alain Borer abaixo. Se as informações sobre Alain Borer que fornecemos não são as que você estava procurando, por favor nos informe para que possamos melhorar este site diariamente.

.

Alain Borer
Imagem na Infobox.
Alain Borer (Los Angeles 2017)
Biografia
Aniversário
Nacionalidade
Casa
Treinamento
Atividades
Outra informação
Trabalhou para
Prêmios
Trabalhos primários
  • Rimbaud na Abissínia (1984)
  • O céu e o mapa (2010)
  • Que amor ferido (2014)
  • Villeglé, o anarquivista (2019)

Alain Borer nasceu emem Luxeuil-les-Bains , Haute-Saône. É poeta , escritor-viajante, romancista, dramaturgo, crítico de arte , especialista em Arthur Rimbaud , ensaísta, professor de educação artística na École Supérieure des Beaux-Arts de Tours-Angers-LeMans até 2014, professor visitante de literatura francesa em Los Angeles (USC, University of Southern California ) desde 2005 e presidente nacional da Printemps des poètes . Alain Borer vive em Paris, Los Angeles e Chaumussay (South Touraine).

Biografia

Alain Borer, nascido em em Luxeuil-les-Bains (Haute-Saône), estudou em Genebra no Institut Florimont onde editou o jornal estudantil Le Bateau ivre . Em 1970, enquanto ele estava em hypokhâgne em Nancy, onde publicou novamente uma revista estudantil, sua primeira coleção de poemas, Fi , apareceu no Parisod em Lausanne . Em Paris, onde continuou os seus estudos em khâgne no Liceu Henri-IV , convidou Denis Roche e os poetas de Tel Quel , que fez objecto de uma tese que defendeu em Paris VII, sob a direcção de Julia Kristeva . Em 1976, seguiu os passos de Rimbaud na Etiópia com o filme Le Voleur de feu de Charles Brabant , com Léo Ferré , transmitido pela TF1 em 1978, e produziu um Rimbaud em cassetes da Radio France, com leituras de Laurent Terzieff .

Mestre motorista para completar seus estudos ( Memórias de um mestre motorista nos Tempos Modernos , maio de 1978), ele ingressou na Escola de Belas Artes de Tours em 1979 como professor de artes plásticas (entre seus colegas os pintores Pierre Antoniucci , Christian Henry, o escultor Peter Briggs ...; entre seus alunos: Bernard Calet, Ben l'Oncle Soul , Richard Fauguet, Françoise Manceau, Laurent Mauvignier , François Pagé ...)

Tendo reunido o que chama de “rimbaldothèque” exaustiva (todas as publicações de 1870 a 2000), Alain Borer explorou todos os vestígios de Arthur Rimbaud, de Charleville a Java, de Marselha a Londres ou Estocolmo, de Harderwijk a Harar e de Chipre ao Iêmen (procurou a casa de Rimbaud em Aden de 1990 a 1996), todos os lugares do que chamou, depois de outros, de “Rimbaldie”, encontraram as últimas testemunhas (Émilie Tessier Rimbaud em Vouziers, memória oral na Etiópia), a maior parte dos Rimbaldianos (de Étiemble a Bob Dylan ); trabalhou em particular com Allen Ginsberg , Philippe Soupault , Ernest Pignon Ernest , Hugo Pratt , Bruno Sermonne ...

Sua tradução de Rimbaud de Enid Starkie (Flammarion, 1981) tem sucesso; então, no outono de 1984, dois livros foram publicados simultaneamente, Rimbaud en Abyssinie (edições Seuil, coleção Fiction & Cie) e Un sieur Rimbaud, alegando ser um negociador com Philippe Soupault (editor de Lachenal & Ritter, Prêmio Bordin da Academia Francesa de 1985) . Em 1986, Alain Borer publicou Farewell to Rimbaud , depois em 1991, Rimbaud the hour of flight , ilustrado por Hugo Pratt , e desenvolveu sua demonstração da unidade da obra e da vida de Arthur Rimbaud na Œuvre-vie , a edição centenária, que publica cronologicamente "nada além de Rimbaud, mas todo Rimbaud" . Este livro foi alvo de críticas muito severas, como do especialista rimbaldiano Steve Murphy, por causa de uma edição "feita de forma apressada e indiscriminada". Borer também é criticado por publicar A Season in Hell After The Illuminations , que é contestado pela maioria dos especialistas e parece ser um erro cronológico óbvio. Na última edição das Obras Completas de Arthur Rimbaud na Pléiade, André Guyaux não guarda suas propostas e raramente cita a obra de Borer.

A partir de 1991, depois de ter dedicado trinta anos de sua vida principalmente à poesia e ao estudo de Rimbaud , Alain Borer publica um romance ( Koba , Prêmio Joseph-Kessel 2003), uma peça ( Icare , Prêmio Apollinaire 2008), um ensaio sobre Beuys (catálogo do Centro Pompidou ), e ainda poemas, em três registros diferentes (em lírico cósmico corredores, livros patafísicos e o que ele chama de "noemas")

Escritor-viajante, signatário do manifesto literário mundial de Saint-Malo , Alain Borer empreendeu em 2005 a convite de Édouard Glissant uma viagem pelos mares do Sul (dos Gambiers ao arquipélago Tuamotus ) a partir da qual reportou The Ciel & la carte , diário de viagem nos mares do Sul a bordo do La Boudeuse , que recebe cinco prêmios literários.

Alain Borer deu inúmeras leituras e palestras. Parte de sua obra aparece disseminada em vários prefácios, ensaios literários em resenhas, escritos sobre arte em catálogos ( Pierre Antoniucci , Barry Flanagan , Vivien Isnard, Henri Maccheroni , Volti ... ) e poemas em vários livros e resenhas, bem como em emissões de rádio na cultura francesa ( Germain Nouveau, Agenda Dada, Corrida Dada ... ). Participa do Grupo Actéon, “out of all commerce”, com André Velter e Zéno Bianu . Desde 2014, está empenhado na luta pela língua francesa com o seu ensaio De quel amour ferido, reflexões sur la langue française (Grand Prix Deluen de l'Académie française, 2014, Prix Mauriac 2016), que deu origem a inúmeras conferências e intervenções na imprensa.

Em Luna Park , em 2005, Marc Dachy escreveu: "O sucesso internacional de Rimbaud na Abissínia [nos Estados Unidos na tradução de Rosmary Waldrop, William Morrow, Nova York, 1991] nos fez esquecer que temos um escritor completo de grande escala, uma das mais dotadas de sua geração, cuja obra, às vezes sigilosa e dispersa em inúmeras revistas, ainda não pode ser percebida em sua totalidade, mas cuja escrita, sempre incandescente e inspirada, se revela com erudição e paixão, fantasia e humor, avanços profundos e inovadores ".

Obras literárias

Nos Estados Unidos
  • Rimbaud na Abissinia . Nova York, William Morrow, 1991
  • The Essential Joseph Beuys , The MIT Press, Cambridge, Massachusetts, 1997
Romances
  • Koba , Éditions du Seuil, "Fiction & Cie", 2002
Teatro
  • Paul des Oiseaux , CCC Tours, Richard Meier, 1986
  • The Song of Nothing Visible , Fourbis, 1991
  • Richard Mille , Le Cercle d'Art, 2005
  • Icare & I don't , Editions du Seuil, 2007
Ensaios sobre Rimbaud
  • Trechos rimados de Arthur Rimbaud , desenhos de Michel Gérard, coleção “Muro Torto”, Roma, Villa Médicis , 1980
  • Rimbaud , de Enid Starkie, tradução, prefácio e notas, Flammarion, 1982, reedição 1989
  • Rimbaud en Abyssinie , Éditions du Seuil, “Fiction & Cie”, 1984, reedição 1991, edição revista e ampliada, Points-Seuil, 2004
  • Um Sieur Rimbaud , afirmando ser um comerciante… Com Philippe Soupault, Arthur Aeschbacher e François Margolin, Lachenal & Ritter, 1984 ( Prêmio Bordin 1985 da Academia Francesa ); Reedição de Le Livre de poche, Hachette, 1989, com o título La Terre et les Pierres
  • “Nothing de Rimbe” , Intervenção / imagem de Ernest Pignon-Ernest, AREA, 1986, nova edição La Nués bleue, 1991
  • Rimbaud d'Arabie , Éditions du Seuil, "Fiction & Cie", 1991
  • Rimbaud, a hora do vôo , créditos de Hugo Pratt, col. "  Découvertes Gallimard / Littératures" ( n o  102 ), Paris: Gallimard, 1991, reedição 2001
  • Work-life , Centenary Edition, em colaboração, Arléa, 1991
  • Eu me lembro , FNAC & Institut du Monde Arabe, 1991
  • The Place and the Formula , Mercure de France, 1999
Ensaios de arte
  • Denis Rivière , catálogo da exposição, Galerie du Centre, Paris, 1987.
  • Albrecht Dürer , Obra gravada completa , Hubschmidt & Bouret, 1974, reedição Booking internacional 1991
  • Aleph ou o boi debaixo da língua, ensaio sobre Georges Badin , Shakespeare & Cie, Paris, 1976
  • Le rêve du Chacmol , ensaio sobre Olivier Seguin , editora do Vale do Loire, 1995
  • O culpado de Saint Martin , Quinze séculos de pintura Martiniana , catálogo do Museu de Belas Artes de Tours, Somogy, 1998
  • Lamentation of Joseph Beuys , catálogo da exposição Joseph Beuys , edições do Centre Pompidou, 1994, Bibliothèque des Arts, Lausanne, 2001
  • The Lifetime of Hugo Pratt and His Lost Empire: Ethiopia, Track of the Scorpion , Casterman, 2005
  • Chambord Os três corpos de Chambord, fotografias de Dominic Hofbauer , Monum, edições históricas, 2006
  • Villeglé o anarquivista , Gallimard, 2019
Testando
Histórias de viagens
  • Memórias de um mestre chofer , Modern Times, maio de 1978
  • Três dias com anjos, Caravans , n ° 1, Phébus, 1989
  • Dramas silenciosos em tabu, Populações em perigo, Escritores, Fotógrafos, Atenciosamente , Edições Michalon - Arte - Edições La Sept - Médecins Sans Frontières, 1995
  • A tentação de Sarajevo, Carnets de Sarajevo 1 , Gallimard, 2002
Poesia
  • Fábulas com pontas de cobre , Encres Vives, col. manuscritos, 1970
  • Fi , Parisod, Lausanne, prefácio de Michel Vachey, 1971
  • François Coupé , SAFC-Encres Vives, 1973
  • Oral, fortuitous and private Alexandrians , Encres vives, 1975; nova ed. aumentada, litografia de Erro, Graphium, Montpellier, 1980
  • Venusberg , precedido por um sonho de Michel Butor , capa de Jean-Luc Parant , linocut de Gauvin, Béthune, Ecbolade 1976; Reedição de 1983, desenhos de Vivien Isnard
  • Bestiário , col. "Les Poquettes volantes", La Louvière (Bélgica), Daily-Bul , 1979
  • Le Nuage de Magellan , I, guaches de Georges Badin , Musée d'art moderne de Céret , 1980
  • Le Nuage de Magellan , II, colagem de Peter Briggs, Bruxelas, Phantomas Library, 1983
  • Zona azul, La Chevelure de Bérénice  ; The Magellanic Cloud, extrato III, desenho de Barbara Thaden, Lachenal & Ritter, 1984
  • Les Très Riches Heures de Chuck Berry , fotomontagens de Joël Hubaut , Éditions de la CREM, 1991
  • Partidas presos , aquarelas de Jean-Claude Vignes, a área de 1995
  • O livro de repelir Apopis , noemas, frontispício de Pierre Antoniucci , La Main Courante, 1995
  • Impactos , noemas , guaches de Jacques Vimard, Biren, 1995
  • Jeil , noemas , intervenções de Pierre Zanzucchi, L'Échelle, Hôtel Beury, 2000
  • Placa-mãe , noemas, vice-versa, 2002
  • Lobos planos , ilustrados por Pierre Antoniucci, Georges Badin , Peter Briggs, Alain Gauvin, Christian Jaccard , Jacques Vimard , Pierre Zanzucchi, Rencontre, 2006
  • Jeil , Pierre Zanzucchi, Meeting, 2006
  • Muffled Lands , Jacques Vimard, 2007
  • Analectos , joias tuaregues de Kaïdin, 2005-2007
  • The craft to quote , tool by Christian Jaccard , Modernism, San Francisco, 2015
  • Selenics , noemas , desenho de Marie-Dominique Kessler , Crac, Genebra, 2017
  • Impactos , noemas , desenho de Marie-Dominique Kessler, Crac, 2018
  • Escritos do céu , noemas dito e visto, Crac , 2018
  • As horas desconhecidas , noemas disse e viu, Crac, 2019
Audiovisual

Poesia:

  • Pelo amor de Deus , CD Radio France, 1997

Em Rimbaud:

  • The Thief of Fire, filme de Charles Brabant . com Léo Ferré, TF1, 1978 e 1986
  • Arthur Rimbaud, contado por Alain Borer . textos lidos por Laurent Terzieff, cassetes Radio France, 1978 e 1989
  • Paul Verlaine , contado por Alain Borer. Cassetes Radio France, 1979
  • Nos terraços de Rimbaud . filme de Saad Salman, Paris, Les Productions de La Lanterne, 1990

Exposições

  • The Rest to See, L'Échelle, Hôtel Beury, 2006
  • La Sanglinière (fotografias), Château de Tours, 2007; Genebra, Andata.Ritorno, 2013
  • The Words Masts , Seuilly, La Devinière, 2013
  • Escritos do céu, noemas ditos e vistos , Genebra, Andata.Ritorno, 2018

Referências

  1. Apresentação | Alain BORER  ” (acessado em 18 de janeiro de 2020 )
  2. Apresentação Fr  " , em www.alainborer.fr (acessado em 25 de fevereiro de 2017 )
  3. Gérard Meudal, "  Le Rimbaldingue  ", Liberation ,
  4. Raphaël Sorin, "  Alain Borer em busca de Rimbaud  ", Le Monde ,
  5. Charles Brabant, Rimbaud, o ladrão de fogo  " , em alainborer.fr , TF1 INA ,(acessado em 8 de dezembro de 2019 )
  6. Laurent Terzieff e Alain Borer, Arthur Rimbaud , cassetes da Radio France,
  7. Bulletin de Culture Générale n ° 12  ", BCG Ecole des Beaux-Arts de Tours ,
  8. Jacqueline Risset, "  A descoberta da" casa Rimbaud "  ", La Nouvelle Revue Française , abril de 1996 n ° 519, pp 2-17
  9. Charles Brabant, O Ladrão de Fogo , Paris, TF1 INA DVD filmes de Doriane,
  10. suicídio de Rimbaud  " , em www.college-de-france.fr ,(acessado em 15 de março de 2020 )
  11. Fous d'Arthur  ", Le Monde ,( leia online )
  12. Gérard Meudal, "  Alain Borer, le Rimbaldingue  ", Liberation ,
  13. Raphaël Sorin, "  Alain Borer em busca de Rimbaud  ", Le Monde des livres ,( leia online )
  14. Alain Lessard, "  Alain Borer, No exílio de Rimbaud  ", Nuit Blanche ,
  15. Jean-Claude Guillebaud, "  The Flight Time  ", Le Nouvel Observateur ,
  16. Muriel Steinmetz, "  " O que é surpreendente sobre Rimbaud é a continuidade das rupturas "  ", L'Humanité , 26-27-28 de junho de 2015, p.19
  17. (Es) Johny Martinez Cano, Alain Borer tras Rimbaud  " , em literariedad.co ,(acessado em 8 de dezembro de 2019 )
  18. Veja Steve Murphy, RImbaud Strategies , Honoré Champion, 2009.
  19. Price  ", Le Monde ,
  20. Joseph Beuys, artista político o espectador o homem de feltro  ", Le Monde ,( leia online )
  21. Estados provisórios do poema, X, teatro e poesia  ", TNP, editor Cheyne ,
  22. Amadou Lamine Sall e Lilyan Kesteloot, "  Um pouco de memória, por favor!"  ", Le Monde ,( leia online )
  23. Édouard Glissant, viajante do mundo inteiro  ", Le Monde ,( leia online )
  24. Prêmio Mac Orlan Prize 2011; Prêmio Memória do Mar 2011; Prêmio Polinésia 2012; Prêmio Maurice Genevoix da Academia Francesa 2012; Prêmio Joseph Conrad
  25. Alain Borer, "  O significado perdido da Marselhesa  ", Le Point ,
  26. Patrick Kechichian, "  Le club des poètes  ", Le Monde ,( leia online )
  27. Jacques Drillon, "  Debates, idioma: defendendo o francês, ele está reagindo"  », The Obs ,
  28. Bernard Pivot, "  A outra derrota de Agincourt  ", Le Journal du dimanche (JDD) ,
  29. Thomas Mahler e Saïd Mahrane, "  Borer: 'Our French word factory is down"  ", Le Point ,, p.  1-5
  30. Xavier Houssin , "  Alain Borer, atalaia da língua  ", Le Monde.fr ,( ISSN  1950-6244 , ler online , consultado em 13 de dezembro de 2015 )
  31. Patrick Roeiers, "  Parte do país  ", Chateau Expos, Mairie de Tours ,, p.  3
  32. Jean-Marie Laclavetine, "  Permanence de la Courette  ", Chateau Expos - Mairie de Tours ,, p.  4

links externos

Esperamos que as informações que coletamos sobre Alain Borer tenham sido úteis para você. Se for o caso, não se esqueça de nos recomendar a seus amigos e familiares, e lembre-se que você pode sempre nos contatar se precisar de nós. Se, apesar de nossos melhores esforços, você acha que o que fornecemos sobre _título não é totalmente exato ou que devemos acrescentar ou corrigir algo, ficaríamos gratos se você nos avisasse. Fornecer as melhores e mais completas informações sobre Alain Borer e qualquer outro assunto é a essência deste website; somos movidos pelo mesmo espírito que inspirou os criadores do Projeto Enciclopédia, e por esta razão esperamos que o que você encontrou sobre Alain Borer neste website o tenha ajudado a expandir seu conhecimento.

Opiniones de nuestros usuarios

Tereza Batista

Esta entrada em Alain Borer me fez ganhar uma aposta, que menos do que dar uma boa pontuação.

Nelson Rezende

As informações sobre Alain Borer são muito interessantes e confiáveis, como o resto dos artigos que li até agora, que já são muitos, pois estou esperando meu encontro no Tinder há quase uma hora e ele não aparece, então isso me dá que me levantou. Aproveito para deixar algumas estrelas para a empresa e cagar na porra da minha vida.

Rubens Peres

As informações fornecidas sobre Alain Borer são verdadeiras e muito úteis. Bom.