Aristóteles



As informações que conseguimos compilar sobre Aristóteles foram cuidadosamente revisadas e estruturadas para torná-las tão úteis quanto possível. Você provavelmente veio aqui para saber mais sobre Aristóteles. Na Internet, é fácil se perder na confusão de sites que falam sobre Aristóteles e ainda não fornecem o que você quer saber sobre Aristóteles. Esperamos que nos informe nos comentários se você gostar do que leu sobre Aristóteles abaixo. Se as informações sobre Aristóteles que fornecemos não são as que você estava procurando, por favor nos informe para que possamos melhorar este site diariamente.

.

Aristóteles
Ἀριστοτέλης
Imagem na Infobox.
Retrato de um original em bronze de Lysippus .
Aniversário
384 AC
Stagira
Morte
322 AC
Chalcis
Treinamento
Escola / tradição
Principais interesses
Ideias notáveis
Silogismo , Poder / Ação, Matéria / Forma, Substância / Acidente , Categoria, Phronesis
Trabalhos primários
Influenciado por
Influenciado
A maior parte da filosofia ocidental , islâmica e judaica
Adjetivos derivados
Pai
Cônjuge
Crianças
Nicomaque ( en )
Pítias ( d )

Aristóteles (384-322 aC) é um antigo filósofo e polímata da Grécia . Ele está com Platão , de quem foi discípulo na Academia , um dos pensadores mais influentes que o mundo ocidental conheceu. Ele também é um dos poucos a ter abordado quase todas as áreas do conhecimento de sua época: biologia , física , metafísica , lógica , poética , política , retórica , ética e ocasionalmente economia . Em Aristóteles, a filosofia , originalmente “amor à sabedoria”, é entendida em um sentido mais amplo como a busca do conhecimento para si mesma, questionando o mundo e a ciência da ciência.

Para ele, a ciência inclui três áreas principais: ciência teórica, ciência prática e ciência produtiva ou poética (aplicada). A ciência teórica é o melhor uso que o homem pode fazer do seu tempo livre. É composta de "filosofia primária" ou metafísica , matemática e física, também chamada de filosofia natural . A ciência prática e orientada para a ação ( práxis ) é o reino da política e da ética . A ciência produtiva abrange o campo da técnica e da produção de algo externo ao homem. A agricultura entra em cena , mas também a poesia , a retórica e, em geral, tudo o que é feito pelo homem. A lógica, por outro lado, não é considerada por Aristóteles como uma ciência, mas como o instrumento que permite que a ciência avance. Exposto na obra Organon , baseia-se em dois conceitos centrais: o silogismo , que marcará fortemente a escolástica , e as categorias .

A natureza ( Physis ) ocupa um lugar importante na filosofia de Aristóteles. Segundo ele, os materiais naturais têm em si um princípio de movimento ( em telos echeïn ). Conseqüentemente, a física se dedica ao estudo dos movimentos naturais causados ​​pelos princípios próprios da matéria. Além disso, para sua metafísica, o deus dos filósofos é o primeiro motor, aquele que põe o mundo em movimento sem se mover. Da mesma forma, todas as coisas vivas têm uma alma, mas ela tem várias funções. As plantas têm apenas uma alma animada por uma função vegetativa, a dos animais tem uma função vegetativa e uma sensitiva, a dos homens também é dotada de uma função intelectual.

A virtude ética, segundo Aristóteles, está em equilíbrio entre dois excessos. Assim, um homem corajoso não deve ser imprudente ou covarde. Conclui-se que a ética aristotélica é muito marcada pelas noções de medida e phronesis (na sabedoria francesa ). Sua ética, como sua política e sua economia, estão orientadas para a busca do Bem. Aristóteles, nesta área, influenciou profundamente os pensadores das gerações seguintes. Em conexão com seu naturalismo, o Estagirita considera a cidade como uma entidade natural que não pode durar sem justiça e amizade ( philia ).

Quando ele morreu, seu pensamento foi esquecido por vários séculos. Só no final da Antiguidade é que voltou ao primeiro plano. Desde o fim do Império Romano até sua redescoberta no XII th  século, o Ocidente, em contraste com o Império Bizantino eo mundo muçulmano, tem acesso ao seu trabalho limitado. Desde sua redescoberta, o pensamento de Aristóteles influenciou fortemente a filosofia e a teologia do Ocidente durante os quatro a cinco séculos que se seguiram, não sem criar tensões com o pensamento de Agostinho de Hipona . Associado com o desenvolvimento de universidades , que começa no XII th  século, marca profundamente a escolástica e, através da obra de Tomás de Aquino , o cristianismo católico .

No XVII th  século, o avanço da astronomia científica com Galileu e Newton desacredita o geocêntrica . Segue-se um profundo recuo do pensamento aristotélico em tudo o que se refere à ciência. Sua lógica, instrumento da ciência aristotélica, também foi criticada na mesma época por Francis Bacon . Esta crítica continua a XIX th  século e XX th  século, quando Frege , Russell e Dewey profunda retrabalho e silogística generalizada. No XIX th  século, a sua filosofia está experimentando um ressurgimento do interesse. É estudado e comentado, entre outros, por Schelling e Ravaisson , depois por Heidegger e, depois dele, por Leo Strauss e Hannah Arendt , dois filósofos considerados por Kelvin Knight como neo-aristotélicos “práticos”. Mais de 2.300 anos após sua morte, seu pensamento ainda é estudado e comentado pela filosofia ocidental.

Antroponímia

O nome francês Aristóteles deriva do nome grego Aristotélês (em grego antigo  : Ἀριστοτέλης [ a r i s t o t e l ɛ ː s ] ).

É composto de aristos “o melhor” e telos “conclusão, realização, realização”.

Biografia

A vida de Aristóteles só é conhecida em linhas gerais. Sua obra contém muito poucos detalhes biográficos e poucos testemunhos de seus contemporâneos chegaram até nós. Seus doxógrafos (entre outros, Dionísio de Halicarnasso e Diógenes Laërce ) são vários séculos depois. Foi tutor de Alexandre, o Grande, a quem transmitiu o espírito crítico e filosófico e também o sentimento de pertença ao helenismo . Segundo seus biógrafos, em particular Diógenes Laërce , Aristóteles teria sido dotado de certo humor e gaguejaria ou teria um fio de cabelo na língua.

Anos de juventude

Aristóteles nasceu em 384 aC em Stagira , cidade de Chalkidiki localizada no Golfo Estrimônico, na Grécia, daí seu apelido de "Estagirita". Seu pai, Nicomaque , pertence à corporação Asclépiades . Ele é o médico e amigo do rei Amintas III da Macedônia . Sua mãe, Phéstias, parteira , é natural de Chalcis, na ilha de Eubeia . A família de Aristóteles afirma ser descendente de Machaon . Órfão de pai aos onze anos, foi criado por seu cunhado, Proxène d'Atarnée, na Mísia . Foi nessa época que ele fez amizade com Hérmias de Attarea , futura tirana de Mísia.

Por volta de 367, aos dezessete anos, foi admitido na Academia de Platão  ; ele ficou lá por vinte anos. Platão , tendo notado sua inteligência aguçada, dá-lhe o direito de ensinar retórica como um tutor. Ele se torna anagnótico de Platão, que o chama de "o leitor" ou "a inteligência da escola", em grego antigo "  Nοῦς τῆς διατριβῆς  ". Isso não impedirá Aristóteles de rejeitar a teoria das Idéias de Platão, justificando-se assim: Amigo de Platão, mas ainda mais da verdade  " . Treinado e profundamente influenciado pelos platônicos, ele acrescenta: “foram os amigos que introduziram a doutrina das Idéias. […] A verdade e a amizade são caras a nós dois, mas é um dever sagrado para nós dar preferência à verdade ” .
Aristóteles provavelmente participou dos Mistérios de Elêusis .

Tutor de Alexandre o Grande

Durante o período em que lecionou na Academia, Aristóteles acompanhou a vida política local, mas sem poder participar por causa de sua condição de meticuloso . Quando Platão morreu por volta de 348-347 aC, seu sobrinho Speusippus o sucedeu como estudioso . Aristóteles, irritado, parte para Atarnée com seu colega Xenócrates , uma partida talvez também ligada à crescente hostilidade para com os macedônios. Pouco antes, o rei Filipe II participou dos massacres em Olynthus , uma cidade amiga dos atenienses, e mandou arrasar Stagira , cuja população foi leiloada.

Em Atarnée en Troade , na costa da Anatólia , Aristóteles juntou-se a Hermias de Atarnea , amiga de infância e tirana desta cidade. Quando a Macedônia e Atenas fizeram as pazes em 346, Aristóteles instalou-se no pequeno porto de Assos na companhia de Xenócrates e dois outros filósofos platônicos, Erastos e Coriscos. Lá ele abriu uma escola de filosofia inspirada na Academia, onde seus ouvintes eram Calistenes , Teofrasto , da vizinha Lesbos, e também Nélée , filho de Coriscos. Ele continuou sua pesquisa biológica e começou a observar a fauna marinha. Após três anos, foi para Mitilene , na vizinha ilha de Lesbos , onde abriu uma nova escola.

Em 343, a pedido de Filipe II , tornou-se tutor do príncipe herdeiro, o futuro Alexandre, o Grande , então com treze anos. A escolha de Aristóteles por Filipe deve ter sido facilmente imposta, em parte por causa das relações de amizade que uniram o rei da Macedônia e o filósofo desde tenra idade. Aristóteles, um enciclopedista excepcional desse período, também é preferido ao velho Isócrates , a seus dois discípulos, Isócrates de Apolônia e Teopompe , bem como a Speusipo . Ele ensinou letras e provavelmente política a Alexandre por dois ou três anos no Nympheum em Miéza . Alexander recebe aulas na companhia de seus futuros companheiros de armas: Heféstion , Ptolémée , Perdiccas , Eumène , Seleucos , Philotas e Callisthène . Quando Alexandre se tornou regente aos quinze anos, Aristóteles deixou de ser seu tutor, mas permaneceu na corte pelos cinco anos seguintes. Segundo algumas fontes, Alexandre forneceu-lhe animais de suas caçadas e expedições para que estudasse, o que lhe teria permitido acumular a enorme documentação exibida em seus trabalhos zoológicos.

Por volta de 341, acolheu e casou-se com Pítias , sobrinha e filha adotiva de Hermias, refugiada em Pella , que lhe deu uma filha, também chamada Pítias. Viúvo em 338, tomou como segunda esposa uma esposa de Stagira, Herpyllis, de quem ele tem um filho a quem chama de Nicomaque. A Ética de Nicomaques , que se relaciona com a virtude e a sabedoria, não é dirigida ao pai de Aristóteles, morto há muito tempo, nem a seu filho que ainda não havia nascido na época em que este artigo foi escrito, mas menciona o filho de Nicomaques como editor de Ética em Nicomaque , ajudado por Teofrasto ou por Eudemus .

Aristóteles voltou a Atenas em 335, quando a cidade foi poupada por Alexandre, embora tivesse se revoltado contra a hegemonia macedônia na companhia de Tebas .

Fundação Lycée

Aristóteles fundou por volta de 335 aC sua terceira escola, o Lycée , em terras arrendadas, porque sendo meticuloso , não tinha direito à propriedade. O Liceu está localizado em um local de passeio ( peripatos ) por onde a professora e os discípulos passeiam nos tempos livres. Os aristotélicos são, portanto, "aqueles que caminham perto do Liceu" ( Lukeioi Peripatêtikoi , Λύκειοι Περιπατητικοί ), daí o nome de Escola peripatética que às vezes é usado para designar o aristotelismo. O Lycée inclui uma biblioteca, um museu ou Mouseîon , bem como salas de conferências e equipamentos para estudo e pesquisa.

Aristóteles dá dois tipos de aulas: a aula da manhã, “acromática” ou “  esotérica  ”, é reservada para discípulos avançados; o da tarde, "  exotérico  ", está aberto a todos. Ele mora na floresta do Monte Lycabettus .

Seu terceiro e último grande período de produção foi no Liceu (335-323), durante o qual provavelmente escreveu o Livro VIII da Metafísica , os Pequenos Tratados de História Natural , Ética em Eudemo , a outra parte da Ética a Nicômaco (livros IV, V , VI), a Constituição de Atenas , a Economia .

Últimos anos

Em 327 aC, Alexandre mandou que Calistenes , sobrinho de Aristóteles, fosse preso porque se recusou a se curvar à maneira persa diante dele e porque estaria envolvido na conspiração de Hermolaos e dos pajens. Callisthenes morreu durante seu cativeiro em Bactres . A morte e a desonra infligidas a seu sobrinho levam Aristóteles a se distanciar de seu ex-aluno, inclusive em termos de pensamento político, como tende a provar um de seus últimos escritos intitulado Alexandre ou as Colônias .

Com a morte de Alexandre o Grande em junho de 323, ameaçado pela agitação anti-macedônia levada ao auge em Atenas pela rebelião contra Antípatro , Aristóteles considerou prudente fugir de Atenas, uma fuga ainda mais justificada como Eurimedon, hierofante em Elêusis , traz contra ele uma acusação absurda de impiedade , censurando-o por ter composto um Hino à virtude de Hermias d ' Atarnée , uma espécie de poema reservado apenas para o culto dos deuses. Determinado a não permitir que os atenienses cometessem um "novo crime contra a filosofia" - sendo o primeiro a condenação à morte de Sócrates  - Aristóteles se refugia com sua segunda esposa, Herpyllis, e seus filhos, Pítias e Nicômaco, da ilha da Eubeia , a Chalcis, onde sua mãe herdou uma propriedade. Foi lá que morreu, aos 62 anos, provavelmente levado pela doença estomacal de que sofria há muito tempo. Em seu testamento, ele fez arranjos para a emancipação de seus escravos e pensou em garantir o futuro de todos os seus parentes. Seu corpo é transferido para Stagire .

Théophraste , seu colega estudante e amigo, o sucedeu à frente do Lycée. Na época de Teofrasto e seu sucessor, Straton de Lampsaque , o Lycée estava em declínio até a queda de Atenas em 86 aC. Escola é refundado a I st  século aC por Andrônico de Rodes e forte radiação experimentando até que os godos e hérulos demitido após Atenas, em 267 AD.

Aparência física

O busto do Museu de História da Arte de Viena , considerado um dos mais bonitos.

Aristóteles é baixo, atarracado, com pernas esguias e olhos pequenos e fundos. Seu vestido é vistoso e ele não hesita em usar joias. Fontes antigas descrevem Aristóteles com uma cabeça calva ( Vida Anônima ), olhos pequenos ( Diógenes Laërce , V, 1) e cabelos curtos e barbas ( Elien , III, 19). As estátuas de Aristóteles são numerosas na Antiguidade  ; o tipo de estátua em pé é atestado (uma estátua do palácio Spada é erroneamente identificada com o filósofo).

Aristóteles atribui grande importância aos retratos comemorativos, que podem ser vistos em seu testamento e no de Teofrasto e no testemunho de Plínio (XXXV, 106) que atesta um retrato pintado da mãe do Estagirita. Preservam-se 18 exemplares do busto de Aristóteles, bem como pasta de vidro com o rosto de perfil. Este retrato é muito próximo ao de Eurípides , a quem Aristóteles muito admira, composto por volta de 330-320 aC. A atribuição de sua criação a Lísipo não é certa.

Filosofia

Aparências e opiniões credíveis ( endoxa )

A abordagem de Aristóteles é oposta à de Descartes . Enquanto o filósofo francês inicia sua reflexão filosófica com uma dúvida metodológica, Aristóteles sustenta, ao contrário, que nossas capacidades de percepção e cognição nos colocam em contato com as características e divisões do mundo, o que, portanto, não requer ceticismo constante. Para Aristóteles, as aparências ( phainomena em grego), as coisas estranhas que percebemos, nos levam a pensar sobre o nosso lugar no universo e a filosofar. Uma vez despertado o pensamento, ele recomenda buscar a opinião de pessoas sérias ( endoxa vem da palavra endoxos que designa em grego um homem notável e de grande reputação). Isso não é tomar essas opiniões confiáveis ​​como verdades, mas testar sua capacidade de refletir a realidade.

Filosofia e ciência

No Protrepticus , obra juvenil, Aristóteles afirma que “a vida humana implica a exigência de se tornar um filósofo, isto é, amar ( philein ) e buscar a ciência, ou mais precisamente a sabedoria ( sophia )” . Naquela época, a filosofia era, portanto, para ele, uma vontade de saber. A filosofia, em última análise, busca o bem dos seres humanos. A filosofia pensa a totalidade. A ciência ou, para usar a palavra de Aristóteles, episteme , lida com campos particulares do conhecimento (física, matemática, biologia, etc. ). A filosofia teórica é, portanto, a primeira em relação à práxis , termo muitas vezes traduzido como “ciência prática” e ao qual se refere a política: “Aristóteles de fato distingue entre a felicidade que o homem pode encontrar na vida política, na vida ativa, e a felicidade filosófica que corresponde para a teoria, isto é, para um tipo de vida inteiramente dedicado à atividade da mente. A felicidade política e prática é felicidade aos olhos de Aristóteles apenas de forma secundária ” .

A distinção moderna entre filosofia e ciência do final do XVIII °  século , é em grande parte posterior a Aristóteles. É também subsequente ao artigo sobre "filosofia" na Encyclopédie de Diderot e d'Alembert .

Ciência

Épistèmè (ciência) e technè (arte, técnicas)

Aristóteles distingue cinco virtudes intelectuais: a techne , a episteme , a phronesis (prudência), a sophia ( sabedoria ) e nous (inteligência). A techne é frequentemente traduzida como arte ou técnica, enquanto a episteme traduz conhecimento ou ciência. No entanto, episteme não corresponde à noção da ciência moderna porque não inclui experimentação. Enquanto episteme é a ciência das verdades eternas, technè (arte, técnica) é devotada ao contingente e lida com o que o homem cria. A medicina é ao mesmo tempo episteme , porque estuda a saúde humana, e technè , porque é necessário tratar um doente para produzir saúde. Embora a episteme possa ser aprendida na escola, a technè vem da prática e do hábito.

A ciência usa a demonstração como ferramenta de pesquisa. Demonstrar é mostrar a necessidade interna que governa as coisas, é ao mesmo tempo estabelecer uma verdade por um silogismo fundado em certas premissas . A ciência demonstrativa “parte de definições universais para chegar a conclusões igualmente universais” . Porém, na prática, o modo de demonstração das diferentes ciências difere de acordo com a especificidade de suas disciplinas.

A divisão ternária das ciências (teórica, prática e produtiva) não inclui a lógica, porque esta última tem a tarefa de formular "os princípios de um argumento correto que todos os campos de pesquisa têm em comum" . A lógica visa estabelecer em um alto nível de abstração as normas de inferências (relações de causa e efeito) que devem ser seguidas por alguém que busca a verdade, e evitar inferências espúrias. É desenvolvido em uma obra conhecida desde a Idade Média sob o nome de Organon (palavra que significa instrumento em grego). O que é chamado de "ciência produtiva" relaciona-se com technè e produção ( poïesis ); a ciência prática faz parte da práxis (ação) e da episteme (ciência) na medida em que também busca inferências estáveis ​​dentro de uma ciência.

Ciência especulativa ou contemplativa

pintura de um homem
Rembrandt , Filósofo em contemplação .

A ciência especulativa ou teórica ( θεωρία , "contemplação") é desinteressada, constitui o fim em si da alma humana e a complementação do pensamento. Constitui o melhor uso que o homem pode fazer do seu tempo livre ( skholè ), durante o qual, desvinculado das preocupações materiais, pode dedicar-se à contemplação desinteressada da verdade. É por isso que certos especialistas de Aristóteles, como Fred Miller , preferem falar de ciências contemplativas em vez de ciências teóricas. Existem tantas divisões da ciência teórica quantos são os objetos de estudo, ou seja, diferentes campos da realidade (gêneros, espécies, etc. ) Aristóteles distingue entre "filosofia primeira" - metafísica futura , que tem por objeto de estudo a totalidade do que é - matemática que se relaciona com os números, isto é, as quantidades em geral, extraídas da realidade por abstração, e a física ou filosofia natural. A física, em primeiro lugar, atesta o desejo de compreender o universo como um todo. Seu objetivo é mais resolver quebra-cabeças conceituais do que realizar pesquisas empíricas. Também procura as causas em geral, bem como a primeira e a última causa de qualquer movimento em particular. A filosofia natural de Aristóteles não se limita à física propriamente dita. Inclui biologia, botânica, astronomia e possivelmente psicologia.

Ciências práticas ( práxis )

detalhe de uma pintura
Detalhe A Escola de Atenas , afresco do Vaticano de Raphael (início XVI th  século). Platão (à esquerda) aponta o dedo para o céu, símbolo de sua crença nas Idéias. Aristóteles (à direita) vira a palma da mão para o chão, um símbolo de sua crença na observação empírica.

Ação ( práxis , em grego antigo πρᾶξις ), em oposição à produção ( poïesis ), é, segundo Aristóteles, a atividade cujo fim é imanente sobre a atividade (o agente), em oposição à produção, atividade cujo fim (o produzido objeto) é externo ao sujeito da atividade. As ciências práticas dizem respeito à ação humana, às escolhas a serem feitas. Eles entendem de política e ética. A ciência prática ( práxis ) está subordinada à razão prática ( phronesis )

Ciência produtiva ou poética ( τέχνη )

É uma questão de saber-fazer ou de técnica, que consiste numa disposição adquirida pelo uso, com o objetivo de produzir um objeto que não tem o seu princípio em si mesmo, mas no agente que o produz (em oposição à produção natural ) A techne estando a serviço da produção, é o domínio da utilidade e do prazer, é sempre o individual e o singular. Agricultura, construção de barcos, medicina, música, teatro, dança, retórica pertencem à ciência produtiva.

Ciência em Aristóteles e Platão: hilemorfismo em oposição ao idealismo

Busto de Platão . Cópia romana de um original grego do último trimestre do IV º  século aC.

Segundo Aristóteles, Platão concebe “a essência ou ideia ( εἶδος , eïdos ) como um ser existente em si mesmo, independentemente da realidade sensível”, de modo que a ciência deve ir além do sensível para alcançar “inteligíveis, universais, imutáveis ​​e existentes em si mesmos ” . Essa forma de ver tem, segundo ele, dois grandes inconvenientes: complica o problema ao criar seres inteligíveis e leva a pensar as ideias, o universal, como independente do sensível que, segundo ele, nos separa do conhecimento do o real.

Para Aristóteles, a essência ou forma ( Eidos morphè ) não pode ser encarnada em um material ( ὕλη , Hule ). Isso o levou a desenvolver "a tese conhecida como do hilemorfismo que consiste em pensar a imanência , a conjunção necessária, em qualquer realidade existente, da matéria ( hulè ) e da forma ( morphè ) que a modela" .

Mas, ao fazer isso, ele se vê confrontado com o problema do universal. Na verdade, para Platão, essa questão não se coloca, uma vez que o universal pertence ao domínio das idéias. Para Aristóteles, o universal consiste antes em uma intuição da forma ou essência e no fato de fazer uma afirmação, como a definição de um homem como um "animal político" .

Lógica

Organon

O Organon é composto de um conjunto de tratados sobre como conduzir o pensamento justo. O título do livro, "organon", que significa "instrumento de trabalho", constitui uma posição contra os estóicos, para os quais a lógica faz parte da filosofia.

O Livro I, chamado Categorias , é dedicado à definição de palavras e termos. O Livro II, dedicado às proposições, é denominado em grego Περὶ ἑρμηνείας / Peri Hermeneias , isto é, "Da interpretação". Os especialistas geralmente se referem a ele pelo nome latino De Interpretatione . O Livro III, denominado Early Analytics , trata do silogismo em geral. O Livro IV, denominado Segundos Analíticos , é dedicado a silogismos cujos resultados são fruto da necessidade ( ex anankês sumbanein ), ou seja, são as consequências lógicas da premissa ( prótase ). O Livro V, denominado Tópicos , é dedicado às regras de discussão e aos silogismos cujas premissas são prováveis ​​(raciocínio dialético a partir de opiniões geralmente aceitas). O Livro VI, chamado Refutações Sofísticas , é considerado como uma seção final ou como um apêndice do Livro V. No Livro II de Interpretação , certos capítulos são particularmente importantes, como o capítulo 7 do qual o quadrado lógico deriva, bem como o capítulo 11 que é na origem da lógica modal .

Investigação, demonstração e silogismo

Em Early Analytics , Aristóteles busca definir um método destinado a permitir uma compreensão científica do mundo. Para ele, o objetivo de uma pesquisa ou investigação é levar a “um sistema de conceitos e proposições hierarquicamente organizados, baseado no conhecimento da natureza essencial do objeto de estudo e em alguns outros. Princípios primeiros necessários” . Para Aristóteles, “a ciência analítica (analytiké épistémè) [...] ensina-nos a conhecer e a enunciar as causas por meio de demonstrações bem construídas” . O objetivo é alcançar verdades universais sobre o assunto em si a partir de sua natureza. Na Segunda Análise , ele discute como proceder para alcançar essas verdades. Para isso, devemos primeiro conhecer o fato, depois a razão pela qual esse fato existe, então, as consequências do fato e as características do fato.

Pintura representando um professor na cadeira em frente aos seus alunos.
Universidade no XIV th  século. O escolástico é fortemente influenciado por Aristóteles.

A demonstração aristotélica repousa sobre o silogismo que ele define como "um discurso no qual, postas certas coisas, algo diferente desses dados necessariamente resulta dele pelo mero fato desses dados" .

O silogismo é baseado em duas premissas , uma maior e uma menor, das quais uma conclusão necessária pode ser tirada. Exemplo:

Major: Os seres humanos são mortais.
Menor: Mulheres são seres humanos.
Conclusão: Mulheres são mortais.

Um silogismo científico deve ser capaz de identificar a causa de um fenômeno, seu porquê. Esse modo de raciocínio questiona a regressão infinita que ocorre, por exemplo, quando uma criança nos pergunta por que tal e tal coisa funciona assim, e uma vez que a resposta é dada, ela nos pergunta sobre o porquê da premissa. nossa resposta. Para Aristóteles, é possível acabar com essa regressão ao infinito tomando certos fatos vindos da experiência ( indução ) ou vindos de uma intuição como certos o suficiente para servir de base ao raciocínio científico. Porém, para ele, a necessidade de tais axiomas deve ser explicada àqueles que os contestam.

Definições e categorias

Definição, essência, espécie, gênero, diferença, predicado

Uma definição (em grego antigo ὅρος, ὁρισμός / horos, horismos ) é para Aristóteles, “uma conta que significa que o que é, é para algo ( λὀγος ὁ τὸ τί ἦν εἶναι σημαίνει , Logos ho to ti einai sêmaine  ” ); afirma a própria essência da coisa considerada . Aristóteles quer dizer com isso que uma definição não é puramente verbal, mas traduz o ser profundo de uma coisa, que os latinos traduziram pela palavra essentia (essência).

Surge então uma das questões centrais da metafísica aristotélica: o que é uma essência Para ele, apenas espécies ( eidos ) têm essências. A essência, portanto, não é específica de um indivíduo, mas de uma espécie que ele define por seu gênero ( genos ) e sua diferença ( diafora ). Exemplo “  um ser humano é um animal (gênero) que tem a capacidade de raciocinar (diferenciar)” .

O problema da definição coloca o do conceito de predicado essencial. Uma pregação é uma afirmação verdadeira, como na frase "  Bucéfalo é negro", que apresenta uma pregação simples. Para que uma pregação seja essencial, não basta que seja verdadeira, ela também deve fornecer precisão. É o que acontece quando se declara que Bucéfalo é um cavalo. Para Aristóteles, "uma definição de X não deve ser apenas uma pregação essencial, mas também deve ser uma pregação apenas para X" .

Categorias

A palavra categoria deriva do grego kategoria, que significa predicado ou atributo. Na obra de Aristóteles, a lista de dez categorias está presente nos Tópicos I, 9, 103 b 20-25 e nas Categorias 4,1 b 25 - 2 a 4. As dez categorias podem ser interpretadas de três maneiras diferentes: tipos de predicados semelhantes ; como uma classificação de sermões; como tipos de entidades.

francês Grego antigo Latina Pergunta Exemplo
1. Coisa, substância ousia / ουσία substantia Quem é esse um humano, um cavalo
2. Quantidade, Tamanho poson / πόσον quantitas Quanto / que tamanho, que peso é a coisa um metro, um quilo
3. Qualidade, Natureza poion / ποίον qualitas De que tipo é isto Que qualidade tem marrom gostoso
4. Relacionamento, Link pros ti / πρὸς τί relatio Como isso se relaciona com outra pessoa ou algo assim duplo, meio, maior
5. Onde, coloque pou / ποῦ ubi Cadê no mercado
6. Quando, hora mate / πότε quando Quando é ontem ano passado
7. Posição, Estado keisthai / κεῖσθαι situs Em que posição ele está deitado
8. Ter echein / ἔχειν habitus O que tem a coisa ou a pessoa calçar sapato, estar armado
9. Faça, execute poiein / ποιεῖν ação O que essa coisa faz corte, queime
10. Paixão (no sentido de sofrer) paschein / πάσχειν passio O que a coisa sofre está cortado, está queimado

Dialética, Aristóteles contra Platão

Para Platão, a palavra "dialética" tem dois significados. Trata-se, antes de mais nada, da "arte de proceder por meio de perguntas e respostas" para chegar à verdade. Nesse sentido, está no centro do método filosófico, conforme evidenciado pelos muitos diálogos platônicos. A dialética é também, para Platão, "a arte de definir com rigor uma noção graças a um método de divisão , ou método dicotômico  " . Para Aristóteles, ao contrário, a dialética não é muito científica, pois sua argumentação é apenas plausível. Além disso, ele considera as divisões da coisa estudada como subjetivas e capazes de induzir o que queremos demonstrar. Apesar de tudo, para ele, a dialética é útil para testar certas opiniões credíveis ( endoxa ), para abrir caminho a princípios primeiros ou para confrontar outros pensadores. De um modo geral, o Estagirita atribui à dialética três funções  : a formação do ser humano, a conversação e a "ciência conduzida de maneira filosófica ( pros tas kata epistêmas filosóficos )" .

Aristóteles e Platão reprovam os sofistas por usarem o verbo, a palavra, para fins mundanos, sem buscar sabedoria e verdade, dois conceitos próximos a eles. Em seu livro Sophistic Refutations , Aristóteles chega ao ponto de acusá-los de recorrer a paralogismos , isto é, a raciocínios falsos e às vezes deliberadamente enganosos.

Psicologia: corpo e alma

Aristóteles discute a psicologia em Sobre a alma , que trata da questão de um ponto de vista abstrato, e em Parva Naturalia . A concepção aristotélica de psicologia é profundamente diferente daquela dos modernos. Para ele, a psicologia é a ciência que estuda a alma e suas propriedades. Aristóteles aborda a psicologia com certa perplexidade tanto quanto ao modo de proceder à análise dos fatos psicológicos, quanto a se ela é uma ciência natural. Em On the Soul , o estudo da alma já é domínio das ciências naturais, em Parts of the Animals , não inteiramente. Um corpo é uma matéria que possui vida potencial. Só adquire vida real por meio da alma que lhe dá sua estrutura, seu fôlego de vida. Segundo Aristóteles, a alma não é separada do corpo durante a vida. É apenas quando a morte ocorre e o corpo não se move mais. Aristóteles concebe o vivente como um corpo animado ( ἔμψυχα σώματα , empsucha sômata ), ou seja, dotado de uma alma - que se chama anima em latim e psuchè em grego. Sem a alma, o corpo não é animado, não está vivo. Aristóteles escreve sobre o assunto: “É fato que a alma desaparecida, o vivente não existe mais e nenhuma de suas partes permanece a mesma, exceto no que diz respeito à configuração externa, pois, na lenda, os seres transformados em pedra” . Aristóteles, em oposição aos primeiros filósofos, coloca a alma racional no coração, e não no cérebro. Segundo ele, a alma também é a essência ou a forma ( eïdos morphè ) dos seres vivos. É o princípio dinâmico que os move e os guia para seus próprios fins, que os empurra para realizar suas potencialidades. Como todas as coisas vivas têm alma, segue-se que os animais e as plantas entram no âmbito da psicologia. No entanto, nem todas as coisas vivas têm a mesma alma ou, melhor, nem todas as almas têm as mesmas funções. A alma das plantas tem apenas uma função vegetativa, responsável pela reprodução, a dos animais tem funções vegetativas e sensitivas; a alma do ser humano tem três funções: vegetativa, sensitiva e intelectual. A cada uma das três funções da alma corresponde uma faculdade. À função vegetativa que encontramos em todos os seres vivos, corresponde a faculdade de nutrição, porque o alimento como tal está necessariamente ligado aos seres vivos; a percepção corresponde à função sensitiva; à função intelectual corresponde o espírito ou a razão ( νοῦς , noûs ), isto é, "a parte da alma graças à qual conhecemos e compreendemos" ( Da alma , III 4, 429 a 99-10). A mente está em um nível mais alto de generalidade do que a percepção e pode alcançar a estrutura abstrata do que está sendo estudado. A essas três funções, Aristóteles acrescenta o desejo, o que permite entender por que um ser animado inicia uma ação com vistas a um objetivo. Supõe, por exemplo, que o homem deseja compreender.

Biologia

borda
Teofrasto , criador com Aristóteles das ciências biológicas, representado como um professor-pesquisador medieval.

“Na verdade, o ser mais inteligente é aquele que sabe usar bem o maior número de ferramentas: a mão parece realmente não ser uma ferramenta, mas várias. "

Partes de animais ,
686 b.

Apresentação

A ciência da biologia nasceu do encontro na ilha de Lesbos entre Aristóteles e Teofrasto . O primeiro concentra seus estudos em animais e o segundo em plantas. No que diz respeito a Aristóteles, as obras dedicadas à biologia representam mais de um quarto de sua obra e constituem o primeiro estudo sistemático do mundo animal. Eles permanecerão sem igual até o  século E XVI : o mais antigo é a História dos animais , na qual Aristóteles freqüentemente aceita opiniões comuns sem as verificar. Em Parts of the Animals , ele volta a algumas afirmações anteriores e as corrige. O terceiro trabalho, Geração de animais , é o mais recente, pois é anunciado no anterior como tendo que complementá-lo. Trata-se exclusivamente da descrição dos órgãos sexuais e seu papel na reprodução, tanto em vertebrados quanto em invertebrados. Uma parte trata do estudo do leite e do sêmen, bem como da diferenciação dos sexos. Além dessas três obras principais, há livros mais curtos que tratam de um assunto específico, como Sobre o Movimento dos Animais ou Marche des Animaux . Este último livro ilustra o método do autor: “partir dos factos, compará-los, depois, por um esforço de reflexão, tentar compreendê-los para os apreender com exactidão” .

Nada se sabe sobre a pesquisa que ele conduziu antes de escrever esses livros; Aristóteles não deixou nenhuma indicação de como ele coletou as informações e como ele lidou com elas. Para James G. Lennox , "é importante ter em mente que estamos estudando textos que apresentam, de forma teórica e altamente estruturada, os resultados de uma investigação real da qual conhecemos apenas alguns detalhes" . É claro, porém, que Aristóteles trabalhou em equipe, principalmente para a pesquisa histórica e que “o Liceu foi desde o início o centro da atividade científica coletiva, um dos mais antigos que podemos encontrar. 'Alcançar' . A escola reuniu-se em torno de Aristóteles tendo adquirido “o hábito da investigação concreta realizada com método e rigor” , “a observação e a experiência desempenharam um papel considerável no nascimento de toda uma parte da obra” .

Método

Em Parts of the Animals , composta por volta de 330, Aristóteles começa estabelecendo elementos do método. O estudo dos fatos não deve descurar nenhum detalhe e o observador não deve se deixar enojar pelos animais mais repulsivos porque "em todas as produções naturais há algo admirável" e cabe ao cientista descobrir para o quê um animal tem algumas peculiaridades. Tal teleologia permite a Aristóteles ver nos dados que observa uma expressão de sua forma. Observando que "nenhum animal tem presas e chifres" e que "um animal com apenas um casco e dois chifres nunca foi observado", Aristóteles conclui que a natureza só dá o que é necessário. Da mesma forma, vendo que os ruminantes têm vários estômagos e dentes estragados, deduz que um compensa o outro e que a natureza fornece algum tipo de compensação.

Aristóteles aborda a biologia como um cientista e busca identificar regularidades. Ele observa a este respeito: "a ordem da natureza aparece na constância de fenômenos considerados nem como um todo ou na maioria dos casos" ( Part.an. , 663 b 27-8): se os monstros (vai fazer ), como as ovelhas de cinco patas, são exceções às leis naturais, apesar de tudo, são seres naturais. Simplesmente, sua essência ou forma não age da maneira que deveria. Para ele, o estudo da vida é mais complexo do que o do inanimado. Com efeito, o vivente é um todo organizado do qual não se pode separar uma parte sem problemas, como no caso de uma pedra. Daí a necessidade de considerá-lo como um todo ( hólon ) e não como uma totalidade informe. Daí, também, a necessidade de estudar a parte apenas em relação ao todo organizado do qual é membro.

Às vezes, no entanto, o desejo de acumular o máximo de informações possível faz com que ele retenha sem examinar declarações imprecisas:

“Um trabalho como o Animal Research é essencialmente ambíguo: nele se encontram, lado a lado, pode-se dizer, observações cuidadosas e delicadas, por exemplo dados precisos sobre a estrutura do aparato visual da toupeira ou sobre a conformação dos dentes em humanos e animais, e afirmações, ao contrário, bastante inaceitáveis, que constituem erros graves e às vezes grosseiros, como os seguintes: testáceos são animais sem olhos, as mulheres não têm o mesmo número de dentes do homem, e outros erros do mesmo tipo. "

foto de um manuscrito
Historia animalium et al. , Constantinopla , XII th  século. (Biblioteca Medicea Laurenziana), pluteo 87.4).

Apesar dessas falhas devido a generalizações apressadas, especialmente em História dos Animais , Aristóteles costuma duvidar de afirmações apoiadas por seus predecessores, recusando-se, por exemplo, a acreditar na existência de cobras com chifres ou de um animal que teria três fileiras de dentes. Ele prontamente critica crenças ingênuas e se opõe a elas com observações precisas e pessoais de grande exatidão. Em suma, deixou "uma obra incomparável em termos de riqueza de fatos e ideias, principalmente se olharmos para a época em que o viu nascer" , justificando este testemunho de Darwin  : Linné e Cuvier foram meus dois deuses em muito direções diferentes, mas são apenas crianças em idade escolar em comparação com o velho Aristóteles ” .

Aristóteles não apenas descreve os aspectos fisiológicos, mas também se interessa pela psicologia animal, mostrando que “o comportamento e o modo de vida dos animais diferem de acordo com seu caráter e modo de alimentação, e que na maioria deles 'entre eles estão os traços de uma verdadeira vida psicológica análoga à do homem, mas de uma diversidade de aspectos muito menos marcada ” .

Tudo indica que as obras da biologia foram acompanhadas por vários livros de placas anatômicas instituídas a partir de dissecações minuciosamente realizadas, mas infelizmente desaparecidas. Estes representavam em particular o coração, o sistema vascular, o estômago dos ruminantes e a posição de certos embriões. As observações relativas à embriogênese são particularmente notáveis: "o aparecimento precoce do coração, a descrição do olho do pintinho ou o estudo detalhado do cordão umbilical e os cotilédones da matriz são perfeitamente precisos" . Ele então observou embriões de pinto em vários estágios de seu desenvolvimento, após uma ninhada de três dias, dez dias ou vinte dias - sintetizando observações que eram numerosas e contínuas.

Classificação das coisas vivas

Aristóteles se esforçou para classificar os animais de forma consistente, usando a linguagem cotidiana. Ele faz as distinções básicas entre gênero e espécie , distinguindo entre animais de sangue (vertebrados) e animais sem sangue ou invertebrados (ele não conhece invertebrados complexos com certos tipos de hemoglobina ). Os animais de sangue são inicialmente divididos em quatro grandes grupos: peixes, pássaros, quadrúpedes ovíparos e quadrúpedes vivíparos. Em seguida, ele expandiu o último grupo para incluir cetáceos, focas, macacos e, em certa medida, humanos, constituindo assim a grande classe dos mamíferos. Da mesma forma, ele distingue quatro tipos de invertebrados: crustáceos, moluscos, insetos e testáceos. Longe de serem rígidos, esses grupos apresentam características comuns pelo fato de participarem da mesma ordem ou do mesmo ramo . A classificação de viver por Aristóteles contém elementos que foram usados até o XIX th  século . Como naturalista, Aristóteles não sofre com a comparação com Cuvier  :

“O resultado alcançado é surpreendente: partindo dos dados comuns, e aparentemente apenas submetendo-os a modificações bastante leves, o naturalista, entretanto, chega a uma visão do mundo animal de uma objetividade e penetração inteiramente científicas, excedendo claramente as tentativas semelhantes tentadas até o XVIII th  século. Além disso, e sem esforço, são sugeridas grandes hipóteses: a suposição de uma influência do meio e das condições de existência sobre as características do indivíduo (tamanho, fertilidade, longevidade); a ideia de uma continuidade entre os seres vivos, do homem à mais humilde planta, uma continuidade que não é homogênea e anda de mãos dadas com profundas diversidades; enfim, o pensamento de que essa continuidade implica um desenvolvimento progressivo e atemporal, pois o mundo é eterno. "

Aristóteles pensa que as criaturas são classificadas em uma escala de perfeição, das plantas aos humanos. Seu sistema tem onze graus de perfeição classificados de acordo com seu potencial ao nascer. Os animais mais elevados dão à luz criaturas quentes e úmidas, os mais baixos, ovos secos e frios. Para Charles Singer , "nada é mais notável do que os esforços [de Aristóteles] para [mostrar] que as relações entre os seres vivos constituem uma scala naturæ ou" escala de seres " .

No total, são 508 nomes de animais "muito desigualmente distribuídos entre os oito gêneros principais"  : 91 mamíferos, 178 pássaros, 18 répteis e anfíbios, 107 peixes, 8  cefalópodes , 17  crustáceos , 26 testáceos e 67 insetos e afins.

Fisica

Física como ciência da natureza

A física é a ciência da Natureza ("física" vem do grego physis ( φύσις ) que significa "natureza"). Para Aristóteles, seu objeto é o estudo dos seres inanimados e seus componentes (terra, fogo, água, ar, éter). Esta ciência não visa, como hoje, transformar a natureza. Ao contrário, ela busca contemplá-lo.

Segundo Aristóteles, os seres naturais, sejam eles quais forem (pedra, vida, etc.), são constituídos pelos primeiros quatro elementos de Empédocles aos quais ele acrescenta o éter, que ocupa o que está acima da Terra.

  • a Terra , que é fria e seca: hoje corresponde à ideia de sólido.
  • a água , que é fria e úmida: hoje é a ideia do líquido.
  • o Ar , que é quente e úmido, hoje é a ideia do gás.
  • o Fogo , que é quente e seco: é hoje a ideia de plasma e calor.
  • o Éter , substância divina, são feitos de esferas celestes e corpos pesados ​​(estrelas e planetas).

A natureza, de acordo com Aristóteles, tem um princípio interno de movimento e repouso. A forma, a essência dos seres, determina o fim, de modo que, para o Estagirita, a natureza é ao mesmo tempo causa motriz e fim ( Parte, an. , I, 7, 641 a 27). Ele escreve ( Meta. , Δ4, 1015 ab 14-15): “A natureza, em seu sentido primitivo e fundamental, é a essência dos seres que têm, em si mesmos e como tais, o seu princípio de movimento” . Ele também faz uma distinção entre os seres naturais, que têm esse princípio em si mesmos, e os seres artificiais, criados pelo homem e que estão sujeitos ao movimento natural apenas pela matéria que os compõe, de modo que para ele, "a arte imita a natureza" .

Além disso, no pensamento de Aristóteles, a natureza é dotada de um princípio de economia, que ele traduz por seu famoso preceito: "A natureza não faz nada em vão e nada supérfluo" .

Quatro causas

Aristóteles desenvolve uma teoria geral das causas que perpassa toda a sua obra. Se, por exemplo, queremos saber o que é uma estátua de bronze, teremos que saber a matéria de que é feita (causa material), a causa formal (o que lhe dá forma, por exemplo, a estátua representa Platão), a causa eficiente (o escultor) e a causa final (lembre-se de Platão). Para ele, uma explicação completa requer ter sido capaz de lançar luz sobre essas quatro causas.

francês Definições e / ou exemplos
1. Causa material . É definido pela natureza da matéria-prima de que o objeto é composto (a palavra natureza para Aristóteles se refere tanto à potencialidade do material quanto à sua forma finita última).
2. Causa formal . Este conceito se refere ao de forma na filosofia aristotélica. Por exemplo, a causa formal de uma estátua de Hermes é se assemelhar a Hermes.
3. Causa eficiente . É por exemplo o escultor que esculpe a estátua de Hermes.
4. Causa final . Em grego, telos . É o objetivo ou o fim de algo. Esta é a razão pela qual uma estátua de Hermes foi feita. Os especialistas de Aristóteles geralmente acreditam que para ele a natureza tem seus próprios objetivos, diferentes daqueles dos homens.

Substância e acidente, ato e poder, mudança

Foto de um bloco de mármore
“Assim, diz-se que a estátua de Mercúrio está no mármore onde será esculpida. » ( Metafísica , V, 7).

Em Aristóteles, a substância é o que necessariamente pertence à coisa, enquanto o acidente é "o que realmente pertence a uma coisa, mas que não pertence a ela necessariamente ou na maioria das vezes" ( Metafísica , Δ30, 1025 a 14).

Poder ou potencialidade ( δύναμις / dunamis ) ecoa o que o ser poderia se tornar. Por exemplo, uma criança pode potencialmente aprender a ler e escrever: ela tem a habilidade. A potência é o princípio da imperfeição, e isso é modificado pelo ato, que provoca a mudança. O ato ( energeïa ) “é o que produz o objeto acabado, o fim. É o ato, e é em vista do ato que o poder é concebido ” ( Metafísica , Θ8, 1050 a 9 ). A enteléquia ( en, telos, echeïn ) "significa literalmente o fato de ter ( echein ) em si o seu fim ( τέλος / telos ), o fato de chegar gradativamente ao seu fim e à sua própria essência" .

Essas noções permitem ao filósofo explicar o movimento e a mudança. Aristóteles distingue quatro tipos de movimento: na substância, na qualidade, na quantidade e no lugar. O movimento, com ele, é devido a um casal: uma potência (ou potencialidade) ativa, externa e operativa, e uma capacidade passiva ou potencialidade interna que se encontra no objeto que sofre a mudança. A entidade que causa a mudança transmite sua forma ou essência para a entidade afetada. Por exemplo, a forma de uma estátua é encontrada na alma do escultor, antes de se materializar por meio de um instrumento na estátua. Para Aristóteles, no caso em que existe uma cadeia de causas eficientes , a causa do movimento está no primeiro elo.

Para que haja mudança, deve haver uma potencialidade, ou seja, o fim inscrito na essência não foi alcançado. No entanto, o movimento real não esgota necessariamente a potencialidade, não leva necessariamente à plena realização do que é possível. Aristóteles distingue entre mudança natural ( phusei ), ou de acordo com a natureza ( kata phusin ), e mudanças forçadas ( βίαι / biai ) ou contrárias à natureza ( para phusin ). Aristóteles, portanto, de alguma forma supõe que a natureza regula o comportamento das entidades e que as mudanças naturais e forçadas formam um par oposto. Os movimentos que vemos ocorrendo na Terra são retilíneos e finitos; a pedra cai e permanece em repouso, as folhas voam e caem, etc. Eles são, portanto, imperfeitos, como o é o mundo sublunar em geral. Pelo contrário, o mundo supralunar, o do éter "não gerado, indestrutível, livre de crescimento e alteração" , é o do movimento circular eterno.

Movimento e evolução não têm começo, pois a ocorrência da mudança pressupõe um processo anterior. De modo que Aristóteles postula que o universo depende de um movimento eterno, o das esferas celestes que, por sua vez, depende de um motor eternamente ativo. Porém, ao contrário do que costuma acontecer em casa, o primeiro motor não transmite a potência de atuação em um processo de causa e efeito. Na verdade, para Aristóteles, a eternidade justifica a finitude causal do universo. Para entender isso, devemos lembrar que, segundo ele, se os homens são emitidos sem fim, gerando pelos pais (cadeia causal infinita), sem o sol, sem seu calor (cadeia causal finita), eles não poderiam viver.

Para Aristóteles, "é percebendo o movimento que percebemos o significado" ( Phys ., IV, 11, 219 a 3). Porém, os seres eternos (as esferas celestes) escapam do tempo, enquanto os seres do mundo sublunar estão no tempo que se mede a partir dos movimentos das esferas celestes. Como esse movimento é circular, o tempo também é circular, daí o retorno regular das estações. O tempo nos permite perceber a mudança e o movimento. Marca a diferença entre um antes e um depois, um passado e um futuro. É divisível, mas sem partes. Ele não é corpo nem substância, mas é.

Ele rejeita o ponto de vista dos atomistas e considera absurdo querer reduzir a mudança a movimentos elementares insensíveis. Para ele, “a distinção de 'poder' e 'ato', de 'matéria' e 'forma' permite dar conta de todos os fatos" .

Cosmologia

Mundo subunar e supralunar

No Tratado sobre o Céu e a Meteorologia , Aristóteles demonstra que a Terra é esférica e que é absurdo apresentá-la como um disco plano. Ele argumenta que os eclipses lunares mostram seções curvas e que mesmo uma ligeira mudança do norte para o sul resulta em uma alteração óbvia da linha do horizonte. Mas seu principal argumento reside na ideia de que o movimento dos corpos sólidos seria naturalmente centrípeto  : tal movimento originalmente arrastava os sólidos ao redor do centro do Universo, seus impulsos recíprocos adquirindo uma forma esférica, a Terra. Ele divide o globo em cinco zonas climáticas correspondentes à inclinação dos raios do sol: duas zonas polares, duas zonas temperadas habitáveis ​​em cada lado do equador e uma zona central no equador tornada inabitável devido ao forte calor que reina lá. Ele estima a circunferência da Terra em 400.000 estádios , ou cerca de 60.000 km. A concepção geocêntrica de Aristóteles, junto com a de Ptolomeu , dominará a reflexão por mais de um milênio. Essa concepção do cosmos, no entanto, Aristóteles deriva em grande parte de Eudoxo de Cnido (cuja teoria das esferas ele aperfeiçoou), com a diferença de que Eudoxo de forma alguma defende uma posição realista , como Aristóteles o faz. Ptolomeu também não apóia esta posição realista: sua teoria e a de Eudoxus são para eles apenas modelos teóricos que permitem cálculos. Assim, a influência do aristotelismo, que mostra o sistema de Ptolomeu como a "realidade" do cosmos nas reflexões filosóficas, até XV th  século.

Aristóteles distingue duas grandes regiões do cosmos: o mundo sublunar , o nosso, e o mundo supralunar , o do céu e das estrelas, que são eternos e não admitem qualquer mudança porque são feitos de éter e têm uma vida verdadeiramente divina. e que é autossuficiente. A Terra é necessariamente estacionária, mas está no centro de uma esfera animada por um movimento rotacional contínuo e uniforme; o resto do mundo participa de uma revolução dupla, uma específica para o "primeiro céu" fazendo uma revolução diurna de leste a oeste, enquanto a outra faz uma revolução reversa de oeste para leste e se divide em tantas revoluções distintas quantas forem planetas. Este modelo é ainda mais complicado pelo fato de que não são os planetas que se movem, mas as esferas translúcidas no equador das quais eles são fixos: três esferas eram necessárias para explicar o movimento da lua, mas quatro para cada um dos planetas.

Influência da cosmologia na ciência e na representação do mundo

Segundo Alexandre Koyré, a cosmologia aristotélica leva por um lado a conceber o mundo como um todo finito e bem ordenado onde a estrutura espacial incorpora uma hierarquia de valor e perfeição: "" Acima "da terra pesada e opaca, centro do sublunar região de mudança e corrupção ” , elevam-se “ as esferas celestes de estrelas imponderáveis, incorruptíveis e luminosas ... ” Por outro lado, na ciência, isso nos leva a ver o espaço como um “ conjunto diferenciado de lugares intramundanos ” , que se opõem a “ o espaço da geometria euclidiana - extensão homogênea e necessariamente infinita ” . Isso tem como consequência introduzir no pensamento científico considerações baseadas em noções de valor, perfeição, significado ou fim, bem como vincular o mundo dos valores ao mundo dos fatos.

Metafísico

borda
A grande biblioteca de Alexandria tinha as obras de Aristóteles (O mesa aqui. Von Corven, XIX th  século).

A palavra metafísica não é conhecida por Aristóteles, que usa a expressão filosofia primária . A obra denominada Metafísica é composta por notas bastante heterogêneas. O termo "metafísica" foi atribuído à I st  século porque os escritos que compõem foram classificados "após a física  " na biblioteca de Alexandria . O prefixo meta, que pode significar depois ou além, do termo "  metafísico  " ( meta ta phusika ), pode ser interpretado de duas maneiras. Em primeiro lugar, é possível entender que os textos devem ser estudados depois da física. Também é possível entender o termo como significando que o objeto dos textos está hierarquicamente acima da física. Mesmo que, em ambos os casos, seja possível perceber uma certa compatibilidade com o termo aristotélico da filosofia primeira, o uso de uma palavra diferente é muitas vezes percebido pelos especialistas como o reflexo de um problema, especialmente porque os textos reunidos sob o nome de a metafísica é atravessada por duas questões distintas. Por um lado, a filosofia primária é vista como "ciência dos primeiros princípios e das primeiras causas" , isto é, do divino; esta é uma questão agora chamada de teológica. Por outro lado, os livros Γ e K são atravessados ​​por um questionamento ontológico relativo à "ciência do ser como ser" . De modo que às vezes falamos de uma "orientação onto-teológica" da filosofia primária. Para complicar as coisas, Aristóteles parece, em certos livros (o livro E em particular), introduzir a questão ontológica do livro gama (o que é que faz tudo o que é) Dentro de uma questão de tipo teológico (qual é a primeira causa que traz a ser o todo do que é).

Física e metafísica

No livro E, capítulo 1, Aristóteles observa: "A física estuda seres que são separados ( χωριστά ) mas não imóveis, enquanto a ciência primária tem por seus objetos seres separados e imóveis [...] Se não houvesse outra substância além daquelas que são constituídos pela natureza, a física seria a ciência primária. Mas, uma vez que existe uma substância imóvel, então a ciência dessa substância deve ser anterior às coisas sensíveis do mundo dos fenômenos, e a metafísica deve ser a filosofia primária. E a tarefa desta ciência será considerar o ser enquanto tal e o conceito e qualidades que lhe pertencem como ser ” (E 1, 1026 a 13-32). Além disso, se a física estuda toda a forma-matéria ( ἔνυλα εἴδη ) do mundo visível, a metafísica ou a filosofia primária estuda a forma como forma, ou seja, o divino "presente nesta natureza imóvel e separada" (E1, 1026 a 19- 21). Para um especialista como A. Jaulin, a metafísica estuda, portanto, “os mesmos objetos que a física, mas na perspectiva do estudo da forma” .

Para Aristóteles, enquanto a física estuda os movimentos naturais, isto é, os movimentos causados ​​pelo princípio específico da matéria, a metafísica estuda os “motores imóveis” , aqueles que fazem as coisas se moverem sem serem eles próprios movidos. “As duas substâncias sensíveis [matéria, e a substância composta] são o objeto da Física, porque envolvem movimento; mas a substância imóvel é o objeto de uma ciência diferente [filosofia primária] ” ).

Conseqüentemente, “a metafísica é de fato a ciência da essência e, por outro lado, os“ axiomas ”que basicamente expressam a natureza de Deus são universais” .

Deus como o principal motor e a filosofia da religião

Nossa representação convencional de Aristóteles torna-o um metafísico puramente intelectualista; no entanto, de acordo com Werner Jaeger , Aristóteles também deve ser considerado o fundador da filosofia da religião porque sua dialética é "inspirada de dentro por um sentimento religioso vivo, do qual todas as partes da organização lógica de sua filosofia são permeadas e informadas ” . Depois da teologia da velhice de Platão , Aristóteles traz a primeira prova da existência de Deus em seu diálogo Sobre a Filosofia ( Περὶ φιλοσοφίας ), escrevendo no fragmento 16 do livro III: “Podemos considerar que em qualquer campo onde haja uma hierarquia de graus, e, portanto, uma aproximação maior ou menor da perfeição, necessariamente existe algo absolutamente perfeito. Ora, dado que, em tudo o que existe, tal gradação de coisas mais ou menos perfeitas se manifesta, há portanto um ser de absoluta superioridade e perfeição, e esse ser bem pode ser Deus ” . Ora, é precisamente a natureza, o reino das Formas estritamente hierárquicas, que se rege segundo Aristóteles por esta gradação: tudo o que é inferior está ligado a outro que é superior. No reino das coisas existentes, portanto, há também uma coisa de perfeição final, a causa final mais elevada e o princípio de todo o resto. Este ontológica argumento , ligada à teleológica argumento de acordo com Aristóteles Física , constitui o que os grandes escolásticos irá chamar o argumentum ex graus . Esta é a primeira grande tentativa de lidar cientificamente com o problema de Deus. Essa especulação científica, entretanto, não exclui a experiência pessoal da intuição de Deus, especialmente na piedade com que Aristóteles evoca a divindade do cosmos. “A contemplação maravilhada de Aristóteles diante da ordem imutável dos astros, intensificada a ponto de se tornar uma intuição religiosa de Deus” , vai ao encontro de Platão e não deixa de anunciar a maravilha de Kant .

No livro intitulado Metafísica , o conhecimento de Deus pelo homem é identificado com o conhecimento de Deus por ele mesmo. O ego é o espírito, o νοῦς / noûs , que é dito “vindo de fora” ( θύραθεν εἰσίων ) e “o divino em nós” , ( τὸ θεῖον ἐν ἡμῖν ). E é através dos νοῦς / noûs que o conhecimento de Deus entra em nós, Aristóteles, portanto, o define como o pensamento do pensamento ( νοήσεως νόησις , noeseos noesis  " ), ou seja, como um ser que pensa seu próprio pensamento, inteligência e o ato de inteligência sendo um e o mesmo em Deus: “Deus é feliz, ele é perfeito demais para pensar em si mesmo como outra coisa que não ele mesmo. Portanto, a Inteligência Suprema pensa em si mesma ... e seu Pensamento é pensamento de pensamento ” . Nesse sentido, é uma forma pura ou ato, sem matéria, que lança todos os movimentos: de fato, Aristóteles descreve deus como o primeiro motor imutável e incorruptível, e que, posteriormente, atualiza tudo o que é. Ele perpetuamente desfruta de prazer puro e simples, pois não há apenas uma atividade de movimento - atividade transitiva ou de fabricação no sentido aristotélico do grego ἔργον  - mas também uma atividade imóvel, imanente e perfeita, que atinge seu fim em todos os momentos., e esta "atividade de imobilidade" , ἐνέγεια ἀκινησίας , tipo de atividade por excelência, é plenamente realizada no ato puro que Aristóteles chama de "a vida eterna perfeita" , ζῷον ἀΐδιον ἄριστον , porque o ato da inteligência é vida: ἡ γὰα νγει ἐν ζῳή .

Em Aristóteles, deus, definido no final de sua obra Sobre a Oração como "o νοῦς ou algo maior que o νοῦς  " , é absolutamente transcendente , de modo que é difícil descrevê-lo senão de forma negativa, é isso dizer em comparação com o que os homens não têm. Para Céline Denat, “O Deus aristotélico, gozando de uma vida perfeita que consiste na pura atividade da contemplação inteligível, certamente constitui para o homem de alguma forma 'um ideal', o modelo de uma existência desprovida de imperfeições e limites próprios” . No entanto, essa teologia negativa , que influenciará os neoplatônicos, não é assumida por Aristóteles. Pierre Aubenque observa: “A negatividade da teologia é simplesmente encontrada no modo de fracasso; não é aceita por Aristóteles como a realização de seu projeto que era, sem dúvida, fazer uma teologia positiva ” .

Ontologia aristotélica

A questão ontológica do ser como ser não é abordada em Aristóteles como o estudo de uma matéria constituída pelo ser , mas como o estudo de um sujeito, o 'ser, visto desde o ângulo como ser . Para Aristóteles, a palavra "ser" tem vários significados. O primeiro significado é o de substância ( ousia ), o segundo, o de quantidade, qualidades, etc., desta substância. Apesar de tudo, para ele, a ciência do ser como ser centra-se antes de tudo na substância. Faça a pergunta "o que é ser" " Volta à questão " qual é a substância “ Aristóteles aborda no livro de Metafísica o princípio da não contradição (PNC), ou seja, “ o mesmo atributo não pode ser atribuído e não ser atribuído ao mesmo sujeito ” ( Meta 1005 b 19). Se esse princípio é central para Aristóteles, ele não tenta prová-lo. Ele prefere mostrar que essa hipótese é necessária, se queremos que as palavras tenham um significado.

Em Metafísica Z, 3, Aristóteles apresenta quatro explicações possíveis do que é a substância de x. Pode ser "(i) a essência de x ou (ii) predicados universais de x, ou (iii) um gênero ao qual x pertence, ou (iv) um sujeito do qual x é o predicado" . Para Marc Cohen, “uma forma substancial é a essência da substância, e isso corresponde a uma espécie. Visto que uma forma substancial é uma essência, é o que é denotado pelo definiens da definição. Visto que apenas os universais são definíveis, as formas substanciais são universais ” . O problema é que se Aristóteles em Metafísica Z, 8 parece pensar que as formas substanciais são universais, em Metafísica Z, 3 ele exclui essa possibilidade. Daí duas linhas de interpretação. Para Sellars (1957), Hartman (1977), Irwin (1988) e Witt (1989), as formas substanciais não são universais e existem tantas formas substanciais quanto tipos particulares de uma coisa. Para outros, (Woods (1967), Owen (1978), Code (1986), Loux (1991) e Lewis (1991)), Aristóteles não significa em Z, 13 que os universais não são uma substância, mas algo mais sutil que significa não exclui "que haja apenas uma forma substancial para todos os particulares pertencentes à mesma espécie" .

Em Z, 17, Aristóteles levanta a hipótese de que a substância é tanto princípio quanto causa. Na verdade, se existem quatro tipos de causas (materiais, formais, eficientes e finais), a mesma coisa pode pertencer a vários tipos de causas. Por exemplo, em De Anima (198 a 25), ele afirma que a alma pode ser uma causa eficiente, formal e final. Para que a essência não seja apenas uma causa formal, mas também uma causa final e eficiente. Simplificando, para Aristóteles, Sócrates é um homem "porque a forma ou a essência do homem está presente na carne e nos ossos que constituem" seu corpo.

Se Aristóteles, na Metafísica Z , distingue matéria e corpo, no livro Θ, ele distingue entre realidade e potencialidade. Assim como a forma tem precedência sobre a matéria, a realidade tem precedência sobre a potencialidade por duas razões. Em primeiro lugar, a realidade é o fim, é para ela que existe o potencial. Então, a potencialidade pode não se tornar uma realidade, é portanto perecível e, como tal, inferior ao que é porque “o que é eterno deve ser inteiramente real” .

Para Pierre Aubenque , a ontologia de Aristóteles é uma ontologia da divisão entre a essência imutável e a essência sensível. De modo que é a mediação da dialética que torna possível uma unidade "propriamente ontológica, isto é, que depende apenas do discurso que dela sustentamos e que sem ela entraria em colapso" .

Ética

Aristóteles abordou questões éticas em duas obras, Ethics in Eudemus e Ethics in Nicomaques . A primeira está ligada ao período anterior à fundação do Lycée, entre os anos 348 e 355, e apresenta um primeiro estado de seu pensamento sobre o assunto, em uma apresentação simples e acessível, partes da qual serão retomadas posteriormente em a Ética em Nicomaque . Ambos os livros têm mais ou menos as mesmas preocupações. Eles começam com uma reflexão sobre o eudemonismo , ou seja, sobre felicidade ou realização. Eles continuam com um estudo da natureza da virtude e excelência. Aristóteles também discute os traços de caráter necessários para alcançar essa virtude ( arety ).

Para Aristóteles, a ética é um campo da ciência prática, cujo estudo deve permitir aos seres humanos viver uma vida melhor. Daí a importância das virtudes éticas (justiça, coragem, temperança, etc.), vistas como um misto de razão, emoções e habilidades sociais. No entanto, Aristóteles, ao contrário de Platão, não acredita que "o estudo da ciência e da metafísica é um pré-requisito para uma compreensão completa do nosso bem" . Para ele, a boa vida exige que tenhamos adquirido "a capacidade de compreender em cada ocasião quais são as ações mais de acordo com a razão" . O importante não é seguir regras gerais, mas adquirir "através da prática as aptidões deliberativas, emocionais e sociais que nos permitem colocar em prática a nossa compreensão geral do bem-estar" . Seu objetivo não é "saber o que a virtude é em sua essência", mas mostrar como fazer para se tornar virtuoso.

Aristóteles considera a ética como um campo autônomo que não requer nenhuma especialização em outros campos. Por outro lado, a justiça é diferente do bem comum e inferior a ele. Além disso, ao contrário de Platão, para quem a justiça e o bem comum devem ser buscados para si e para seus resultados, para Aristóteles, a justiça deve ser buscada apenas por suas consequências.

O bom: uma noção central

borda
Contemplação do Mar Egeu por Thanasis Stephopoulos.

Toda ação tende a um bem que é seu fim. O que é chamado de bem supremo, ou bem soberano, é denominado por Aristóteles eudaimonia e designa tanto felicidade quanto bem viver, εὖ ζῆν / eu zên . Ser εὐδαίμων / eudaimon é o fim mais elevado do ser humano, aquele ao qual todos os outros fins (saúde, riqueza, etc.) estão subordinados. É por isso que o filósofo Jean Greisch propôs traduzir o termo eudaimonia ( εὐδαιμονία ), por florescer e não por felicidade. Para Aristóteles, o bem supremo tem três características: é desejável por si mesmo; não é desejável para a busca de outros bens; outros bens são desejáveis ​​com o único propósito de obtê-los. Assim, Aristóteles faz da ética uma ciência constitutiva da política  : “Para a condução da vida, o conhecimento deste bem tem grande peso [...] e depende da ciência suprema e arquitetônica por excelência (que) é obviamente a política porque ela é isso que determina quais entre as ciências são as que são necessárias nas cidades ” . O fim último do ser humano também está ligado ao ἔργον / ergon , isto é, à sua tarefa, à sua função que, para ele, consiste em usar a parte racional do homem de forma consistente. À virtude ( ἀρετή , aretê  " ) e excelência . Para viver bem, devemos praticar atividades "que por toda a vida atualizem as virtudes da parte racional da alma" .

Existem várias concepções de felicidade. A forma mais comum é o prazer, mas esse tipo de felicidade é peculiar às "pessoas mais grosseiras" porque está ao alcance dos animais. Felicidade superior é aquela que a estima da sociedade confere, porque “procuramos ser homenageados por homens sãos e por aqueles por quem somos conhecidos, e queremos ser homenageados por nossa excelência” . Essa forma de felicidade é perfeitamente satisfatória porque "a vida das pessoas boas não precisa que o prazer se acrescente a ela como um falso acréscimo, mas tem o seu prazer em si mesma" . Mas a felicidade é ainda maior: é aquela que vem da contemplação, entendida como busca da verdade, do imutável, do que encontra o seu fim em si mesmo. Algo divino: “Não é como homem que viveremos assim, mas segundo o elemento divino que está presente em nós” . Aristóteles dedica todo o último livro de sua Ética a essa forma de felicidade .

Não devemos confundir riqueza com felicidade: “Quanto à vida do empresário, é uma vida de constrangimento, e obviamente a riqueza não é o bem que buscamos: é uma só coisa. Útil, meio para outra” .

Teoria das virtudes

Aristóteles distingue dois tipos de virtudes  : as virtudes intelectuais, que "dependem em grande medida dos ensinamentos recebidos" e as virtudes morais, que são "produto do hábito"  : "É praticando atos justos que nos tornamos justos, moderados ações nos tornamos moderados, e ações corajosas nos tornamos corajosos ” . Em ambos os casos, essas virtudes estão em nós apenas no estado de poder. Todos os homens livres nascem com potencial para se tornar moralmente virtuosos. A virtude não pode ser uma simples boa intenção, deve também ser ação e realização. Depende do caráter ( ethos ) e do hábito de fazer bem que os indivíduos devem adquirir. A cautela é sabedoria prática por excelência.

As virtudes intelectuais incluem:

  1. ciência ( episteme ), que se baseia na indução e procede por silogismo  ;
  2. arte ( technè ), que é "uma certa disposição acompanhada por uma regra verdadeira" , como arquitetura  ;
  3. prudência ( phronesis ) ou "a arte de deliberar corretamente sobre o que é bom e benéfico"  ;
  4. compreensão intuitiva ( nous ) que está entrando em princípios  ;
  5. sabedoria teórica ( sophia ), considerada como “a forma mais completa de conhecimento” .

Uma pessoa intemperante não segue a razão, mas as emoções . No entanto, a virtude moral é um meio-termo entre dois vícios, um por excesso e outro por defeito: “É um trabalho e tanto ser virtuoso. Em tudo, aliás, é difícil encontrar os meios ” . Existem quatro formas de excesso em Aristóteles: “(a) impetuosidade causada pelo prazer , (b) impetuosidade causada pela raiva , (c) fraqueza causada pelo prazer, (d) fraqueza causada pela raiva” .

"Em todas as coisas, enfim, devemos antes de tudo estar vigilantes contra o que é agradável e contra o prazer, porque nesta matéria não julgamos com imparcialidade . " A pessoa que se domina e mostra temperança, apesar de estar sujeita às paixões ( pathos ), retém a força para seguir a razão e demonstra autodisciplina. Isto é reforçado pelo hábito: “É abstendo-nos dos prazeres que nos tornamos moderados e, uma vez moderados, é então que somos mais capazes de praticar esta abstenção” .

Por outro lado, existem pessoas que não acreditam no valor das virtudes. Aristóteles os qualifica como maus ( kakos, phaulos ). O seu desejo de dominação ou luxo não conhece limites ( πλεονεξία / pleonexia ) mas deixa-os insatisfeitos, porque não conseguem alcançar a harmonia interior. Como Platão, ele acredita que a harmonia interior é necessária para viver uma vida boa. Levamos uma vida ruim quando nos permitimos ser dominados por forças psicológicas irracionais que nos levam a objetivos fora de nós mesmos.

Desejo, deliberação e desejo racional

“Existem três fatores predominantes na alma que determinam a ação e a verdade: sensação, intelecto e desejo. Infelizmente, os nossos desejos não conduzem necessariamente ao bem, mas podem levar a promover a satisfação imediata, a dispersão: queremos algo porque nos parece bom, e não nos parece bom porque o queremos ” . Para agir bem, o homem deve guiar-se pela razão: “Assim como a criança deve viver conforme as prescrições de seu governador, também a parte concupiscível da alma deve se conformar à razão” . Ele pode, assim, realizar o desejo racional e então, por meio do estudo dos meios e da deliberação, chegar à escolha considerada.

"Existem três fatores que orientam nossas escolhas, e três fatores nossas repulsões: o belo, o útil, o agradável e seus opostos, o feio, o prejudicial e o doloroso . " A deliberação leva a uma escolha racional sobre os meios para atingir o fim: "Deliberamos não sobre os fins em si, mas sobre os meios para alcançar os fins . " Virtude e vício resultam de escolhas voluntárias: “A escolha não é comum ao homem e aos seres destituídos de razão, ao contrário do que ocorre com a luxúria e a impulsividade. [...] O homem que se controla [...] age por escolha e não por concupiscência ” .

“Aristóteles ainda não usa as noções de livre arbítrio , liberdade , responsabilidade  ” , mas de certa forma lança as bases sobre as quais essas noções serão construídas, distinguindo entre ações voluntárias e involuntárias. Eles não podem ser devolvidos à nossa vontade e, portanto, não podemos ser responsabilizados por eles. No entanto, em Aristóteles, a ignorância não leva necessariamente ao perdão. De fato, há casos em que a ignorância do ser humano deve ser punida porque cabia a ele ser informado. Portanto, quando às vezes percebemos nossa ignorância e nosso erro, reconhecemos que erramos. No entanto, nos casos em que os homens experimentam restrições externas às quais não podem resistir, eles não são responsáveis ​​por sua conduta. De modo geral, para Aristóteles, a vontade se relaciona com o fim desejado e a escolha com os meios para alcançá-lo. Enquanto Platão insiste no fim e considera os meios como subordinados, escravos dos fins, Aristóteles se pergunta sobre as dissonâncias entre fim e meio. De modo que, para o Estagirita, fins e meios são igualmente importantes e interagem.

Cuidado e deliberação sobre os meios para chegar a um fim

Para Aristóteles, o “  phronese  ” não é apenas o  latim “  prudentia ”. É a consequência "de uma cisão na razão e do reconhecimento dessa cisão como condição para um novo intelectualismo crítico" . Portanto, essa phronesis não é a virtude da alma racional, mas da parte desta alma que se relaciona com o contingente . Enquanto para Platão a cisão é encontrada entre as Formas (ou Idéias) e o contingente, ou melhor, a sombra, a cópia das formas, com Aristóteles, é o mundo real que se divide em dois. Essa divisão não implica, como em Platão, uma hierarquia entre as duas partes da alma razoável. No Estagirita , phronese surge da incapacidade da ciência "para conhecer o particular eo contingente, que são, no entanto, o domínio próprio da ação" . A phronêsis costumava preencher "a distância infinita entre os meios efetivos reais e a realização do fim" . A phronêsis está relacionada com a intuição, com o olhar, pois não é indecisão. Pierre Aubenque observa a esse respeito: “Ao mesmo tempo um homem de pensamento e ação, herdeiro dos heróis da tradição, o phronimos une nele a lentidão da reflexão e o imediatismo do olhar, o que não. um: une meticulosidade e inspiração, espírito de previsão e espírito de decisão ” .

Teoria da Medição

Para Aristóteles, cada virtude ética está em equilíbrio entre dois excessos. Por exemplo, uma pessoa corajosa fica entre o covarde que tem medo de tudo e o imprudente que não tem medo de nada. No entanto, a virtude não pode ser quantificada, não é a média aritmética correta entre dois estados. Por exemplo, em alguns casos, uma grande raiva será necessária, enquanto em outra circunstância um nível muito baixo de raiva será exigido. Esta interpretação da medida é geralmente aceita. Por outro lado, é amplamente rejeitada a interpretação que consiste em pensar que para ser virtuoso deve-se atingir uma meta situada entre duas opções. Na verdade, para Aristóteles, o importante não é ser "morno", mas descobrir o que convém ao caso presente. Para agir com retidão, deve-se agir de forma a ser "  καλός / kalos  " (nobre, ou belo), porque os homens têm pelas atividades éticas a mesma atração que têm pela beleza das obras de arte . Fiel aos seus princípios educacionais , Aristóteles considera que os jovens devem aprender o que é "  καλόν / kalon  " e desenvolver aversão ao que é "  αἰσχρόν / aischron  " (feio ou envergonhado).

A teoria da medida ajuda a entender quais qualidades são virtuosas, como coragem ou temperança , porque se situam entre dois extremos e quais emoções (rancor, inveja), quais ações (adultério, roubo, assassinato) são ruins em todas as circunstâncias. Ao contrário de Platão , Aristóteles tem um grande interesse pela família e está muito preocupado com as virtudes que lhe são necessárias.

A teoria da medição não faz parte do processo deliberativo voltado para o estudo dos meios a serem implementados para atingir um objetivo. Pertence ao processo que conduz à virtude e que permite definir a boa meta: “A virtude moral, de fato, garante a retidão da meta que perseguimos, e a prudência a dos meios para alcançá-la” .

Política

Um extrato em grego da Política de Aristóteles (livro I, 1252 b 1-8).

A Política é um dos mais antigos tratados de filosofia política na Grécia antiga e a única obra antiga que analisa a problemática da cidade e também o conceito de escravidão. Aristóteles examina a maneira como a cidade deve ser organizada (em grego: πόλις , polis ). Também discute as concepções expostas por Platão em A República e As Leis , bem como vários modelos de constituições.

Princípios

A ciência política ( πολιτικὴ ἐπιστήμη / politikê epistêmê ) é antes de mais nada uma ciência prática que visa o bem e a felicidade dos cidadãos: “O Estado mais perfeito é obviamente aquele em que cada cidadão, seja ele qual for, pode, graças às leis , para praticar a virtude da melhor maneira possível, e para garantir a maior felicidade ” . A política também é uma ciência produtiva quando se trata de criação, preservação e reforma de sistemas políticos. Na Ética de Nicomaques , Aristóteles afirma que a ciência política é a ciência mais importante da cidade, aquela que deve ser estudada primeiro pelos cidadãos, antes mesmo da ciência militar, a gestão da casa (que se tornará muito mais tardia com Adam Smith , economia) e retórica. A ciência política não se limita à filosofia política como é agora, mas também inclui a ética e a educação.

A ética e a política têm em comum a busca do Bem . Eles participam da technê politikê , ou arte política, cujo objeto é o bem comum e o bem dos indivíduos.

Para uma empresa ser sustentável, ela deve primeiro ser justa. A justiça é usada para qualificar nossos relacionamentos com nossos semelhantes, quando eles são marcados pela amizade. Portanto, é a virtude completa que nos faz buscar tanto a nossa própria como a dos outros. Na prática, ajuda se for apoiado por leis que falam o certo e o errado. A relação justiça / lei é bilateral. Na verdade, a justiça, que é antes de tudo uma virtude ética, também serve de padrão para a lei.

Segundo Aristóteles, o homem só pode viver entre os homens: “Sem amigos ninguém escolheria viver, mesmo que tivesse todos os outros bens” . Ele distingue três tipos de amizade: amizade útil (uma faz serviços); amizade baseada no prazer (por exemplo, se fica feliz em jogar cartas com alguém) e amizade verdadeira onde se “ama o outro por si mesmo” . Este último tipo de amizade é em si uma virtude que participa do bem comum. Se uma cidade pode viver sem esta forma de virtude, para durar deve pelo menos alcançar a concórdia que permita chegar a uma comunidade de interesses: “A amizade também parece constituir o elo entre as cidades, e os legisladores parecem ligar a ela. um preço maior do que a própria justiça: na verdade, a concórdia, que parece ser um sentimento próximo da amizade, é o que os legisladores procuram acima de tudo, enquanto o espírito de facção, que é seu inimigo, eles perseguem com mais energia ” .

Pressupostos da Filosofia Política de Aristóteles

De acordo com Fred Miller , a filosofia política de Aristóteles é baseada em cinco princípios:

  1. O princípio da teleologia  : a natureza tendo um fim, os seres humanos têm, portanto, uma função (uma tarefa) a assumir.
  2. O princípio da perfeição: “o bem ou felicidade final ( eudaimonia ) do ser humano consiste na perfeição, na plena realização de sua função natural, que ele vê como o movimento da alma concedido à razão” .
  3. O princípio da comunidade: a comunidade mais perfeita é a cidade-estado . Com efeito, não sendo nem muito grande nem muito pequeno, corresponde à natureza do homem e permite alcançar a boa vida.
  4. O princípio de governo sob a lei.
  5. O princípio da regra da razão. Como Platão , Aristóteles pensa que a parte não racional do homem deve ser governada pela parte racional.

Educação

Aristóteles dedica vários capítulos de sua Política à Educação. Ele atribui ao legislador “o estrito dever de legislar sobre educação” e considera que “a educação dos filhos deve ser um dos principais objetos de cuidado do legislador” . Claramente oposto ao coletivismo de Platão , ele vê na educação o meio "de trazer de volta à comunidade e à unidade o Estado, que é múltiplo" . Por isso, dedica uma longa reflexão às modalidades que deve assumir: “a educação deve ser necessariamente uma e a mesma para todos os seus membros” e “a educação das crianças e das mulheres deve estar em harmonia com a organização política” . Aristóteles quer que a educação inclua necessariamente "duas épocas distintas, dos sete anos à puberdade e da puberdade aos 21 anos" . Quanto aos objetivos educacionais, opta por uma posição que Marrou considera “notável finesse”:

“A educação física, longe de ter como objetivo selecionar campeões, deve visar ao desenvolvimento harmonioso da criança; da mesma forma, a educação musical rejeitará qualquer pretensão de competir com os profissionais: ela aspirará apenas a formar um amador esclarecido, que terá praticado a técnica musical na medida em que tal experiência direta lhe seja útil. "

Aristóteles critica Atenas porque aquela cidade não "entendia que a educação não era apenas um problema político, mas talvez o mais importante"  ; ele não é mais terno para com Esparta, que visa, em primeiro lugar, inculcar as virtudes guerreiras nos jovens. O filósofo fala como um precursor, pois em sua época “a existência de uma verdadeira educação pública assumida pelo Estado permaneceu uma originalidade das cidades aristocráticas (Esparta, Creta)” . Foi somente no período helenístico que as meninas das principais cidades frequentaram as escolas primárias e secundárias, ou a palestra e o ginásio, na mesma base que os meninos .

A cidade e o naturalismo político

Aristóteles, no livro I de sua obra Política , considera a cidade e o direito como naturais . Segundo ele, o ser humano primeiro formava um casal para se reproduzir, depois criava aldeias com senhores naturais , capazes de governar, e escravos naturais , usados ​​como força de trabalho. Finalmente, várias aldeias se uniram para formar uma cidade-estado.

Para Aristóteles, o homem é "um animal político", ou seja, um ser que vive em uma cidade (em grego: polis ). Ele vê a prova de que os homens são seres sociais no fato de que "a natureza, que nada faz em vão, os dotou de uma linguagem que lhes permite compartilhar conceitos morais como a justiça" . O homem não é o único animal social, pois abelhas, vespas, formigas e grous também são capazes de se organizar para um objetivo comum.

A noção de natureza, e em particular a de natureza humana, não é fixada em Aristóteles. Na verdade, ele considera que o humano pode transformar sua condição em escravo natural, ou mesmo em um humano semidivino.

Atores políticos

Só cidadão pleno é aquele que pode exercer as funções de juiz e magistrado: “O traço eminentemente distintivo do verdadeiro cidadão é o gozo das funções de juiz e magistrado” . No entanto, essas funções requerem um caráter virtuoso do qual muitos são incapazes. É necessário, portanto, excluir do status de cidadão aqueles que não poderiam governar a cidade. Como essas funções são concedidas por uma constituição e as constituições variam entre as cidades, há cidades onde muito poucos são cidadãos plenos.

Aristóteles tem uma visão hierárquica da sociedade: ele classifica o homem livre acima de outros seres humanos como o escravo , a criança , a mulher . Ele escreve :

“Assim, o homem livre comanda o escravo de maneira bem diferente, do marido para a mulher e do pai para o filho; e ainda assim os elementos essenciais da alma existem em todos esses seres; mas eles estão lá em vários graus. O escravo está absolutamente privado de vontade; a mulher tem um, mas em subordem; a criança tem apenas um incompleto. "

Ela coloca em uma classe mais baixa os lavradores, artesãos, comerciantes, marinheiros ou pescadores, e todas as "pessoas de uma fortuna muito pobre para viver sem trabalhar" . Todas essas pessoas são, de fato, incapazes de cumprir a função de magistrado e de se dedicarem à busca da felicidade por meio da filosofia, pois isso requer muito tempo livre. A tarefa mais importante do político é a de legislador ( Nomothète ). Aristóteles costuma comparar o político a um artesão, pois, como este, ele cria, usa e reforma quando necessário o sistema jurídico. Mas suas operações devem ser realizadas de acordo com princípios universais. Para Aristóteles, o cidadão, isto é, aquele que tem o direito ( ἐξουσία , exousia ) de participar da vida pública, tem um papel muito mais ativo, está muito mais envolvido na gestão da cidade do que nas nossas democracias modernas.

Teoria geral das constituições e cidadania

Porém, para florescer, a cidade deve ser bem governada. Cidade feliz é aquela que se rege por uma boa constituição, “a constituição sendo definida pela organização das várias magistraturas” . É importante que a constituição seja aceita por todos os cidadãos e, para tanto, que todas as classes participem de alguma forma do poder. Por isso, ele rejeita o sistema defendido por Hippodamos de Miletus porque exclui as duas classes trabalhadoras do poder: "Mas se os artesãos e os trabalhadores são excluídos do governo da cidade, como podem ter algum apego a ele" " Esta análise de outras constituições, incluindo as de Esparta , de Cartago a Creta e Atenas .

De acordo com Aristóteles, existem dois tipos principais de constituição: constituições corretas que levam ao bem de todos, e constituições desviantes, que beneficiam apenas aqueles que governam. Ele distingue três formas de constituições corretas: realeza, aristocracia e governo constitucional. Aristóteles diferenciava as formas de governo de acordo com o número de governantes: um na tirania e realeza, alguns na aristocracia ou oligarquia e muitos na democracia e na república. A "aristocracia" para ele não se refere necessariamente a um privilégio de nascimento, mas se refere ao melhor no sentido de mérito pessoal, enquanto "democracia" ou "regime popular" se refere ao exercício do poder pelo povo.

As seis formas de governo
Correto Divergente
Uma régua Monarquia Tirania
Alguns governantes Aristocracia (= o melhor) Oligarquia (= os mais ricos)
Muitos governantes Politeia ou governo constitucional Democracia

Os governantes devem ser escolhidos com base em sua excelência política, ou seja, devem ser capazes de governar não para o benefício de um determinado grupo, mas para o bem de todos: "todas as pretensões (de governar) formuladas no nome de outro critério (riqueza, nascimento, liberdade) são, como tais, desclassificados e reenviados ” . Segundo Aristóteles, a cidade-estado não pretende, como acreditam os oligarcas, maximizar sua riqueza, nem, como acreditam os pobres que defendem a "democracia", promover a igualdade. Seu objetivo é possibilitar uma boa vida de excelentes ações.

Uma constituição é excelente se garantir a felicidade dos cidadãos e se for capaz de durar. De acordo com Miller, a constituição menos ruim seria aquela em que o poder fosse controlado por uma grande classe média. Há várias razões para isso. Em primeiro lugar, não sendo nem muito ricos nem muito pobres, os membros dessa classe são naturalmente mais moderados e inclinados a seguir a razão do que outros. Além disso, eles são menos propensos a aderir a facções violentas e irredutíveis, o que torna as cidades mais estáveis:

Portanto, também está claro que a melhor comunidade política é aquela formada por pessoas comuns, e que as cidades que podem ser bem governadas são aquelas em que a classe média é grande e, na melhor das hipóteses, mais forte do que as outras duas, ou pelo menos um dos dois, porque ajuda a inclinar a balança e evitar excessos contrários. "

No entanto, segundo Pierre Pellegrin , seria fútil procurar saber se Aristóteles é "partidário da aristocracia, da democracia ou de um" governo das classes médias " , porque esta questão " não tem que ser " . Aristóteles, de facto, ao afirmar que existe "uma constituição excelente", e ao mesmo tempo que reconhece que a constituição desta é necessariamente progressiva, avisa que as situações são diversas de acordo com a cultura local e que "em cada situação concreta há uma e apenas uma forma constitucional que é excelente ” . O único princípio universal válido para todas as constituições é o da igualdade proporcional: "Cada um deve receber na proporção de sua excelência" .

Sem tratar sistematicamente o problema das leis, Aristóteles mostra a sua interdependência com a constituição: “tal e tal lei, apenas numa constituição, seria injusta noutra, porque em contradição com o espírito desta constituição. [...] A introdução de um novo dispositivo legislativo pode ter efeitos devastadores na constituição ” . Mostra também a rivalidade que se instala entre duas cidades regidas por sistemas opostos: «quando têm às suas portas um Estado constituído por um princípio oposto ao seu, ou quando este inimigo, por mais remoto que seja, detém um poder maior. Veja a luta de Esparta e Atenas: em todos os lugares os atenienses derrubavam as oligarquias, enquanto os lacedemônios derrubavam as constituições democráticas ” .

Influência deste trabalho

Como a maioria das obras de Aristóteles, esta não foi editada para publicação, mas destinada ao seu ensino. Isso resulta em lacunas, inconsistências e ambigüidades devido ao estado de incompletude do texto. Nem temos quaisquer comentários gregos antigos como em outros tratados, nem uma tradição indireta que possa ajudar a fazer correções ou restaurar o texto autêntico nas passagens corrompidas. Mas isso em nada altera a unidade de estrutura da obra e de um pensamento que continua a ser "a mais importante e rica contribuição da Antiguidade no campo da ciência política" .

Em sua época, a análise política de Aristóteles não teve uma forte influência, pois muitas cidades-estado já haviam perdido sua independência em benefício de Alexandre o Grande , de quem ele era o tutor. Poucos comentado e muito tempo esquecido, o livro foi redescoberto até XIII th  século, quando o pensamento de Aristóteles é invocado em uma reflexão sobre agostiniano e, posteriormente, na disputa entre o papado eo império.

A economia

rosto de um homem
Tomás de Aquino , médico da Igreja Católica marcado pelo pensamento de Aristóteles. Pintura de Fra Angelico , 1395-1455.

Apresentação do Pensamento de Aristóteles

Aristóteles discute questões econômicas em Ética em Nicômaco 5.5 e Política I, 8-10; em ambos os casos, são subseções dentro de estudos que tratam de tópicos mais fundamentais. Na Ética a Nicômaco , ele diferencia entre justiça distributiva ( διανεμητικός / dianemetikos ), que trata da forma como as honras, bens e outros são distribuídos, e justiça corretiva ( διορθωτικός / diorthotikos ). No primeiro caso, a justiça não consiste em uma distribuição igualitária entre pessoas desiguais, mas em um equilíbrio percebido como justo. No segundo caso, o da justiça corretiva, o estagirita distingue entre trocas voluntárias e involuntárias. No caso de troca involuntária, a justiça só intervém se houve fraude e não tem que buscar se houve um preço justo .

Aristóteles reconhece explicitamente a necessidade econômica da escravidão em uma época em que a mecanização não existia: “se as naves estivessem tecendo por si mesmas; se o arco tocasse a cítara sozinho, os empresários ficariam sem operários e os senhores, escravos ” . Seu tratado sobre política é mesmo o único texto da Antiguidade que estuda a escravidão como conceito.

Também reflete sobre a natureza do dinheiro, da qual afirma o aspecto puramente convencional, pois o dinheiro só tem valor "por lei e não por natureza". É graças ao dinheiro que a troca entre diferentes bens pode ser equilibrada. Mas uma questão assombra Aristóteles: o dinheiro é apenas um instrumento de troca ou uma substância que tem seu próprio fim ( telos ) Ele condena o empréstimo com juros e usura "porque é uma forma de aquisição nascida do próprio dinheiro, e não dando-lhe a destinação para a qual foi criado" . Em Política , ele afirma claramente que o dinheiro só deve ser usado para facilitar a troca de mercadorias:

“O dinheiro só deve ser usado para troca; e o interesse que dele deriva multiplica-se, como o indica suficientemente o nome que lhe é dado pela língua grega ( tokos ), os seres aqui produzidos são absolutamente semelhantes aos seus pais. Os juros são o dinheiro do dinheiro e, de todas as aquisições, é o que há de mais contrário à natureza. "

Ele adverte contra a aquisição comercial desenfreada - a cremática  - que “não tem limite nem mesmo para o objetivo que persegue, pois seu objetivo é justamente a opulência e o enriquecimento indefinidos” .

Aristóteles viu o perigo que o desenvolvimento da economia de mercado representava para a cidade. A parte econômica de sua obra interessou especialmente a Santo Tomás de Aquino e ao catolicismo, aos quais forneceu as bases de seu ensinamento social . Sua influência também é forte no pensamento social do Islã. Hoje em dia, o pensamento econômico de Aristóteles também é estudado por aqueles que querem moralizar a economia. Por muito tempo, Aristóteles foi atribuído, na Idade Média, à Economia , cuja autenticidade é de fato altamente duvidosa.

Pensamento não focado na análise econômica

Joseph Schumpeter foi um dos primeiros a se questionar sobre a existência no pensamento de Aristóteles de uma análise econômica, ou seja, um "esforço intelectual ... destinado a compreender os fenômenos econômicos" . Sua pesquisa o levou a concluir que havia uma intenção analítica que não levava a nada sério. Além disso, para ele, o estagirita teria tratado a economia apenas pela ponta do telescópio e teria negligenciado a escravidão que então constituía a base da economia e do grande comércio marítimo, o outro ponto-chave do poder ateniense. De maneira que Aristóteles restringe o campo da economia às trocas entre produtores livres então muito marginais. Com efeito, o Estagirita trata apenas das “relações de troca que têm por quadro a comunidade” , o que aliás é coerente com a sua política.

Para o Atoll Fitzgibbons, Adam Smith decidiu substituir a filosofia aristotélica que ele via como um freio à liberdade e ao crescimento econômico por um sistema igualmente vasto, mas mais dinâmico.

Poïética ou ciência produtiva

Retórica

estátua
Platão e Aristóteles desanimadores.
Luca della Robbia , 1437-1439. Painel de mármore da fachada norte, registro inferior, do campanário de Florença.

Aristóteles escreveu três grandes obras de retórica: Poética , Retórica e Tópicos .

Segundo Aristóteles, a retórica é acima de tudo uma arte útil. Definido como "a faculdade de considerar, para cada questão, o que pode ser conveniente para persuadir" , é um "meio de argumentar, usando noções comuns e evidências racionais, a fim de obter a aceitação de idéias. Para um público" . Sua função é comunicar ideias apesar das diferenças de linguagem das disciplinas. Aristóteles fundou a retórica como uma ciência oratória independente da filosofia.

Os três gêneros da fala
Público Tempo agir Valores Tipo de argumento
judicial Juízes Passado Acusar - defender Justo injusto Entimema (ou dedutivo)
deliberativo conjunto Futuro Aconselhar - aconselhar contra Útil - prejudicial Exemplo (ou indutivo)
epidítico Espectador Presente Aluguel - culpa Nobre - vil Amplificação

Cada tipo de discurso corresponde a uma série de técnicas e a um determinado momento. O discurso judicial requer o passado, pois é sobre fatos consumados que a acusação ou defesa se relaciona. A deliberação requer o futuro porque consideramos os desafios e as consequências futuras da decisão. Finalmente, o gênero epidítico ou demonstrativo enfatiza a amplificação .

Aristóteles define as regras da retórica não apenas na Retórica, mas também nos livros V e VI do Organon . Ele a baseia na lógica , que também codificou. A seção Tópicos define o quadro das possibilidades argumentativas entre as partes, ou seja, os lugares retóricos. Para Jean-Jacques Robrieux , “traça-se assim, com Aristóteles, o caminho de uma retórica baseada na lógica dos valores” .

Além de uma teoria da inferência retórica exposta no Livro I da Retórica , Aristóteles propõe nesta mesma obra uma teoria das paixões (livro II) e uma teoria do estilo (livro III).

Poética (tragédia e épico)

A última obra do corpus aristotélico, provavelmente uma das mais conhecidas de Aristóteles, La Poétique trata da “ciência da produção de um objeto que se denomina obra de arte” . Se Aristóteles considera a poesia, a pintura, a escultura, a música e a dança artes, em seu livro ele se interessa principalmente pela tragédia e pela epopéia e, de maneira muito anedótica, pela música. Aristóteles menciona uma futura obra de comédia que é uma das obras que faltam.

O papel do poeta, no sentido aristotélico, isto é, do escritor, não é tanto escrever versos, mas representar uma realidade, ações; este é o tema da mimese . Porém, o poeta não é um historiador-cronista: “o papel do poeta não é dizer o que realmente acontece, mas o que poderia acontecer na ordem do provável ou do necessário [...] é por isso que a poesia é mais filosófica e mais nobre que a crônica: a poesia trata do geral, a crônica do particular. O termo geral designa o tipo de coisa que certa categoria de homens faz ou diz provável ou necessariamente ” . Na tragédia, a história é mais importante do que os personagens.

Em uma história, "o episódio é a reversão da ação na direção oposta" . Unidade de ação é sem dúvida a regra mais importante; é obtido pela representação de uma ação única em torno da qual toda a tragédia se organiza. Outra regra importante é o respeito à plausibilidade: a história deve apresentar apenas eventos necessários e plausíveis; não deve conter o irracional ou o ilógico, pois isso quebraria a adesão do público ao programa que está assistindo. Se a história contém elementos ilógicos, eles devem estar fora da história como em Édipo Rex , de Sófocles .

O fenômeno da catarse , ou purificação das paixões, ligado à tragédia, tem sido objeto de várias interpretações. Para Beck, “as emoções são purificadas analiticamente (como por um processo de discernimento exposto na cena vista e produzindo um esboço, uma espécie de abstração, para que [...] o prazer do espectador [...] seja também um prazer inteligente. " . ao interpretar a visão" clássica "do mal ou do doloroso longe desse tipo de paixão. a interpretação médica, por sua vez, acredita que " o efeito do poema é fisiologicamente aliviar o espectador " .

O texto da Poética , redescoberto na Europa a partir de 1453 , foi amplamente comentado e invocado como autoridade. O XVII th  século Francês erroneamente atribui a regra de três unidades para composição dramática.

Pequenos tratados: sono e sonhos

Breve apresentação de tratados

Aristóteles dedicou três pequenos tratados à questão do sono e dos sonhos: Sobre o sono e o despertar , Sobre os sonhos e Sobre a adivinhação no sono . Esses tratados estendem a reflexão do tratado Sobre a Alma , ao qual às vezes se referem indiretamente, e visam explorar os fenômenos psicológicos em relação às suas bases fisiológicas.

A concepção aristotélica do sonho

o psicanalista Sigismund Freud
Freud comentou passagens do livro de Aristóteles Divination in Sleep

Como Xenófanes e Heráclito , Aristóteles rejeita totalmente as ideias correntes em sua época de quem via o sonho uma aparição divina: “Só que o sonho não pode ser para quem vê, nem sinal nem causa da realidade que se segue; é apenas uma coincidência ” .

Ele não suspeita do simbolismo do sonho ou de sua dimensão narrativa, mas permanece fixo na ilusão que ele cria e em seu significado alucinatório. Ao fazer isso, ele se afasta da concepção de Platão em A República de que a alma durante o sono é liberada do espaço e do tempo e pode ir em busca da Verdade. Quando questionado se o sonho é produzido pela parte perceptual da alma ou sua parte intelectual, Aristóteles exclui os dois e afirma que é obra da imaginação:

“Assim, durante a noite, a inatividade de cada um dos sentidos particulares e a incapacidade de agir onde estão [...] trazem de volta todas essas impressões, que durante a vigília eram insensíveis, para o próprio centro da sensibilidade; e eles se tornam perfeitamente claros. "

Os sonhos, portanto, nos fazem reviver experiências da vida desperta, mas de uma forma atenuada, porque as percepções feitas durante o dia deixaram rastros na mente, "um resíduo de sensação" (461 b). Ele não atribui ao sonho nem finalidade, nem função, nem significado, mas o vê como uma produção quase mecânica. Portanto, não é necessário atribuir importância a ele.

Para interpretar adequadamente os sonhos, você deve saber reconhecer as semelhanças:

“Além disso, o intérprete mais hábil dos sonhos é aquele que melhor sabe reconhecer suas semelhanças [...] porque as imagens dos sonhos são mais ou menos como as representações de objetos na água, como nós. Já foi dito: quando o movimento do líquido é violento, a representação exata não ocorre e a cópia não se parece em nada com o original. "

Freud , que comenta essa passagem, vê também nos jogos de semelhança "os primeiros alicerces de qualquer construção de sonho" . Aristóteles também estava interessado em sonhos lúcidos e deu o primeiro testemunho escrito de que se pode ter consciência de sonhar enquanto se está sonhando:

“Se sentimos que estamos dormindo, se temos consciência da percepção que revela a sensação do sono, a aparência se mostra bem; mas há algo em nós que diz que ela aparece como Coriscus, mas que não é Coriscus; porque muitas vezes quando dormimos, há algo na alma que nos diz que o que vemos é apenas um sonho. "

Posteridade

antiguidade

Após sua morte, Aristóteles caiu no esquecimento por pelo menos dois motivos. Por um lado, o seu discípulo e sucessor Teofrasto dificilmente se preocupou em desenvolver o seu ensino, mas preferiu dedicar-se às próprias pesquisas sobre as plantas e sobre a noção de "primeiro motor". Por outro lado, Aristóteles não encontrou realmente uma escola propriamente dita, no sentido doutrinário do termo. Finalmente, Straton de Lampsaque , que sucedeu a Teofrasto, parece ter "se afastado de muitos aspectos do ensinamento de seu fundador, e em particular de seu ensinamento político" . De acordo com uma anedota relacionada por Estrabão , as obras de Aristóteles e Teofrasto são deixados no fundo de uma adega e esquecido, até que descobriram que eu st  século  aC. AD pelo bibliófilo Apellicon , que os compra. Sylla obtém a biblioteca de Apellicon e a transporta para Roma, onde o gramático Tyrannion empreende uma edição e manda fazer uma cópia para Andrônico de Rodes , por volta de 60 aC. AD . Este último foi o décimo primeiro sucessor de Aristóteles à frente do Liceu . Foi ele quem estabeleceu a “forma e o cânone dos escritos de Aristóteles” e quem “consagrou a forma de filosofar que predominou entre os aristotélicos até ao final da Antiguidade” .

Na época romana, o aristotelismo era pouco valorizado, preferia o epicurismo ou o estoicismo . Aristóteles é, no entanto, comentado pela tradição neoplatônica e integrado nesta filosofia, que tenta uma síntese entre Platão , Aristóteles e as correntes espirituais do Oriente. Foi através dos neoplatônicos, em particular Plotino , Porfírio e Simplício , que o aristotelismo penetrou no primeiro cristianismo.

A física de Aristóteles teve alguma influência na alquimia , especialmente na greco-alexandrina. Na verdade, alquimistas como Zosima ou Olympiodorus o citam e usam seus conceitos para pensar sobre a transmutação de metais (em particular gênero / espécie, substância / acidente, ato / poder). No entanto, filósofos familiarizados com o aristotelismo, como Proclo e mais tarde Avicena, refutarão a possibilidade teórica da transmutação dos metais, baseando-se em uma interpretação diferente de Aristóteles. Segundo eles, a fixidez das espécies (tipos de metais) não permite que um metal se transforme em outro.

Por volta do ano 500, sob o rei Ostrogodo Teodorico, o Grande , o filósofo latino Boécio traduziu Lógica e Analítica e também deixou três livros de comentários sobre Aristóteles . A Alta Idade Média ocidental terá acesso principalmente ao pensamento de Aristóteles por meio desta obra.

Influência em pensadores bizantinos

No Oriente, os escribas cristãos gregos desempenharam um papel importante na preservação da obra de Aristóteles, comentando e copiando-a (a imprensa não existia então). John Philoponus é o primeiro cristão a grega comentar em profundidade Aristóteles VI th  século; é seguido, no início do século VII E  , por Etienne de Alexandria . Jean Philopon também é conhecido pela crítica à noção da eternidade do mundo de Aristóteles. Depois esquecendo séculos, no final do XI th  século e no início do XII th  século Eustratius e Michael de Éfeso escrever novos comentários sobre Aristóteles , aparentemente sob a orientação de Anna Comnena . Uma edição crítica desses comentários foi publicada em Berlim em 23 volumes (1882-1909).

Penetração no mundo muçulmano

Textos gregos são primeiro traduzidos para o siríaco por Sergius de Reshaina e grave Sebôkht durante o VI th  século, em seguida, por Jacques Edessa e Atanásio de Balad na seguinte século. Após a perseguição por Bizâncio aos judeus e cristãos hereges da Síria ( monofisitas , nestorianos ), eles se refugiaram em territórios vizinhos e legaram suas bibliotecas a escolas muçulmanas.

Desde a fundação de Bagdá , o VIII º  século, o califado abássida incentiva uma atividade de tradução intenso, incluindo estudiosos cristãos de árabe como Hunayn ibn Ishaq , seguidos mais tarde por Ibn Zura e Yahya ibn Adi , refletindo o corpus lógico-filosófica em direção síria, em seguida, em direção Árabe. O califa Al-Mansur , que reinou de 754 a 775, e especialmente seu sucessor Al-Ma'mūn , que reinou de 786 a 833, se dedicaram a integrar o conhecimento grego à cultura árabe e enviaram emissários a Bizâncio e às principais cidades do mundo em busca de manuscritos de Aristóteles.

Para facilitar o estabelecimento de um novo vocabulário técnico, glossários Árabe Síria são feitas a partir do IX th  século. Por outro lado, trabalhos em matemática ou astronomia muitas vezes foram traduzidos diretamente para o árabe, sem um intermediário siríaco. Por meio da IX th  século, "árabe começa a superar a linguagem siríaca como uma questão médica aprendeu" . Essas obras são amplamente distribuídas em todo o mundo árabe-muçulmano.

Aristóteles deixou uma marca bastante profunda na teologia islâmica em seus primórdios. Al-Fârâbî , Avicena e Averroes escreveram muito sobre Aristóteles. Suas idéias influenciaram São Tomás de Aquino e outros filósofos cristãos ocidentais. Al-Kindi considerava Aristóteles como o único representante da filosofia e Averróis fala de Aristóteles como o exemplo para qualquer futuro filósofo. Os pensadores muçulmanos medievais freqüentemente apresentam Aristóteles como o “primeiro professor”. Este título de "mestre" foi posteriormente adotado por filósofos ocidentais influenciados pela filosofia islâmica , como Dante .

Como os filósofos gregos, seus colegas muçulmanos consideram Aristóteles um filósofo dogmático, o autor de um sistema fechado. Eles acreditam que Aristóteles compartilha a maior parte da filosofia de Platão . Alguns chegaram a atribuir as idéias neoplatônicas a Aristóteles.

Idade Média Ocidental

Redescoberta de Aristóteles no Ocidente

Durante a Alta Idade Média , apenas as obras de Aristóteles traduzidas por Boécio no final da Antiguidade são conhecidas em parte do Ocidente . Mas suas obras circulam na Espanha muçulmana, onde são estudadas por pensadores árabes, notadamente Averróis . Em outra parte do Ocidente, os textos de Aristóteles são conhecidos e copiados pelos monges gregos e traduzidos pelos latinos.

Durante o renascimento do XII th  século , há um grande movimento de tradução de textos árabes para o latim, às vezes em espanhol, mas também em hebraico com a família de rabinos Ibn Tibbon . Além das obras de Aristóteles, traduzimos as obras científicas gregas que foram traduzidas para o árabe, bem como as obras de filósofos muçulmanos. Este movimento teve início em 1100 em várias cidades da Espanha, em particular em Toledo , onde se desenvolveu uma importante escola de tradutores com Gérard de Cremona e Michael Scot . Outros centros de tradução estão ativos em Palermo , Roma , Veneza , Pisa e também no Monte Saint-Michel .

Porém, na Sicília e na França, é diretamente do grego que os textos de Aristóteles são conhecidos. Na verdade, Henri Aristippe , Alberto , o Grande e Guilherme de Moerbeke , um amigo próximo de Santo Tomás de Aquino , traduzem do grego antigo .

Aristóteles e Tomás de Aquino

vitral representando Tomás de Aquino
São Tomás de Aquino , o introdutor do aristotelismo no pensamento cristão do XIII th  século.

No XIII th  século, filosofia aristotélica, revisado por Thomas de Aquino , tornou-se a doutrina oficial da Igreja Latina , apesar de alguns altos e baixos, como em 1277 a convicção de um conjunto de propostas aristotélicas pelo bispo de Paris Étienne Tempier . Também se torna a referência filosófica e científica para toda reflexão séria, dando origem à escolástica e ao tomismo .

Santo Tomás de Aquino é fundamentalmente um aristotélico, embora seu pensamento também se baseie em outras fontes. Como com o Estagirita, com Tomás de Aquino a filosofia inclui a ciência prática e a ciência teórica que, por sua vez, se dividem em vários campos. No entanto, Tomás de Aquino apresentou certas reviravoltas ao pensamento aristotélico. Por um lado, subordina a filosofia à teologia, ela própria ao serviço do conhecimento de Deus. Por outro lado, integra "todas as ciências aristotélicas em uma ordem única e hierárquica", ela própria subordinada à teologia.

Cary Nederman acusa Tomás de Aquino de ter usado as tendências aristocráticas de Aristóteles para justificar seu próprio desgosto pelas artes mecânicas, especialmente o trabalho manual. Knight ameniza essa crítica. Por um lado, nota que na sua última obra, que ficou inacabada, Tomás de Aquino situa o ideal de nobreza, dominante na época, sob o patrocínio de Aristóteles e a marca do selo aristotélico da arete , de excelência. Além disso, Tomás de Aquino, baseando-se no pensamento de Aristóteles, introduziu a luta contra a pobreza no campo político. Para que suas preocupações econômicas e sociais o façam considerá-lo mais igualitário do que Aristóteles. Porém, Tomás de Aquino substituindo Aristóteles a busca do bem comum tende a desviar o cristianismo do espiritual e a empurrar para o domínio temporal, para a política e para o mundo. Afasta-se assim do pensamento de Santo Agostinho , cuja teoria das duas cidades introduz uma distância maior entre o temporal e o espiritual.

Renascimento

rosto de um homem
Leonardo Bruni , Chanceler de Florença e tradutor de Aristóteles, Platão , Demóstenes e Plutarco .

Durante o Renascimento (1348-1648), a obra de Aristóteles foi amplamente estudada nas universidades. Sua lógica é ensinada em todos os lugares e sua filosofia da natureza amplamente difundida, especialmente nas faculdades de medicina de Bolonha e Pádua. Estudamos particularmente De anima II e III e Física . Sua metafísica, por sua vez, é disseminada principalmente nas universidades protestantes. O ensino de sua filosofia moral difere muito de um estabelecimento para outro. De um modo geral, a ética é muito mais estudada do que a política.

Durante este período, os comentários sobre Aristóteles são muito numerosos. Richard Blum registrou 6.653 entre 500 e 1650.

Aristóteles e republicanismo

Aristotelismo de Pádua XV th e XVI th  séculos negligencia aspecto teleológico de se concentrar, como um resultado de Marsílio de Pádua , sobre as virtudes civis como a fidelidade ao estado e suas réguas. Quando Leonardo Bruni retraduz Política e Ética para Nicomaques , ele está menos preocupado com problemas conceituais do que movido pelo desejo de "oferecer obras escritas em excelente latim que permitam a seus compatriotas florentinos se imaginarem como modelos da virtude aristotélica" . Em seguida, o republicanismo , segundo Kelvin Knight , desenvolveu a noção de um estado soberano referindo-se à ideia aristotélica de uma comunidade política autossuficiente. O republicanismo individualista, que um autor de língua inglesa como John M. Najemy , especialista em Maquiavel, opõe ao republicanismo corporativista, é, por sua vez, marcado pela ética aristotélica e, um pouco como ele, vincula "a ética da excelência ao bom nascimento, boa educação, alimentação e lazer ” .

Lutero e Aristóteles: história de uma oposição

Martinho Lutero vê a Igreja Católica como tomista ou aristotélica e se opõe ao estagirita em vários pontos:

  • Como Santo Agostinho , e ao contrário de Aristóteles, ele não baseia a política na virtude dos governantes.
  • Como o apóstolo Paulo, ele deseja destruir a sabedoria dos sábios. Nessa perspectiva, a ética de Aristóteles é a pior porque se opõe à graça divina e às virtudes cristãs.
  • Finalmente, e mais importante, ele entende a ideia aristotélica da capacidade dos homens de se tornarem melhores por meio da prática como a fonte de justificação por meio das obras. É sobre a ideia de que os homens podem contribuir para a sua salvação por si próprios, ideia à qual ele se opõe sola fide , ou seja, o fato de que só a fé pode contribuir para a graça.

O sucessor de Lutero, Philippe Mélanchthon , se reconecta com Aristóteles. Porém, com ele, a ética não visa a felicidade temporal. Ao contrário, tende a disciplinar a ação dos homens para que possam agir de acordo com a vontade divina. Em suma, a ética apóia a ação da graça.

Nascimento da ciência moderna e questionamento de Aristóteles

A partir de 1600, a lógica de Aristóteles e sua astronomia foram questionadas. Francis Bacon , um dos pais da ciência e da filosofia modernas, contesta o abuso de referências à autoridade de Aristóteles em sua obra Sobre o progresso e a promoção do conhecimento (1605): "Le savoir derivado de Aristóteles, se for retirado do exame livre, não vai subir mais alto do que o conhecimento que Aristóteles tinha ” . No início do XVII °  século, Galileo , defendendo a teoria heliocêntrica , o conflito com a Igreja Católica e com a maioria das pessoas instruídas que, seguindo Aristóteles, mantém a tese de geocêntrica . Apesar da condenação de Galileu, o heliocentrismo , apesar de tudo, triunfará com Isaac Newton . Para Alexandre Koyré , a transição do geocentrismo aristotélico para o heliocentrismo tem duas consequências principais:

“A) a destruição do mundo concebido como um todo finito e bem ordenado, no qual a estrutura espacial encarnava uma hierarquia de valor e perfeição, um mundo em que“ acima ”da terra pesada e opaca, centro da região sublunar de mudança e corrupção, as esferas celestes "ergueram-se" das estrelas imponderáveis, incorruptíveis e luminosas ...

b) a substituição da concepção aristotélica de espaço, conjunto diferenciado de lugares intramundanos, pela de espaço na geometria euclidiana - extensão homogênea e necessariamente infinita - doravante considerada idêntica, em sua estrutura, ao espaço real do universo. O que por sua vez implicava a rejeição pelo pensamento científico de todas as considerações baseadas em noções de valor, perfeição, significado ou fim e, por fim, a desvalorização completa do Ser, o divórcio total entre o mundo dos valores e o mundo dos fatos. "

Aristóteles e da filosofia do XVII th para o início do XIX °  século

Segundo Alexandre Koyré , o mundo de Descartes “é um mundo matemático rigorosamente uniforme, um mundo de geometria reificada, do qual as nossas ideias claras e distintas nos dão um conhecimento óbvio e certo” . Pelo contrário, o de Aristóteles é “colorido, multifacetado e dotado de determinações qualitativas” , é “o mundo da nossa vida e da nossa experiência quotidiana” .

Em Aristóteles, os homens têm em si princípios que os impulsionam a atingir sua finalidade. Christian Wolff , seguindo Leibniz , transforma essas várias tendências hierárquicas "em uma única conta de um mundo e um universo providencialmente projetado para o benefício da humanidade" , de acordo com o princípio da teleologia . Segundo Pierre Aubenque , foi Leibniz quem, apesar de Lutero , garantiu a continuidade da tradição aristotélica na Alemanha.

Kant também transforma vários conceitos aristotélicos. Em primeiro lugar, indo ainda mais longe que Leibniz e Wolff, propõe um "Deus salvador da virtude e garante do bem completo" e, por outro lado, modifica o sentido da razão prática. Em Aristóteles, o que é prático está ligado às circunstâncias, é uma adaptação de uma ideia geral, enquanto em Kant é algo universal que não está ligado às circunstâncias. Os dois filósofos também não têm a mesma abordagem para a noção de conceito: “Um conceito, para Kant, existe apenas na mente dos indivíduos. Em contrapartida, uma forma, para Aristóteles, é um verdadeiro universal que se substancia em várias substâncias das quais permanece externo, mas que pode ser apreendido pela mente humana ” .

Hegel , seguindo Wolff e Kant, estende ainda mais o campo da teleologia , que não diz mais respeito apenas ao ser humano, mas também ao sistema. Além disso, passa de um universal atemporal a um processo temporal e histórico - uma mudança que marca fortemente as teleologias modernas. Hegel também tem uma concepção diferente de indivíduos daquela de Aristóteles. Segundo ele, os humanos são partes de um todo universal que lhes confere identidade, papel e funções; o Estagirita, ao contrário, é mais individualista, insiste mais na centralidade do ser humano visto como ser. No que diz respeito à estética, Hegel situa-se a meio caminho entre a percepção de uma obra de arte como technè que encontramos em Aristóteles, e a do fruto do gênio que encontramos em Kant e nos românticos .

Karl Marx às vezes é percebido como parcialmente aristotélico porque se encontra nele a ideia de uma ação livre que permite realizar o potencial dos seres humanos.

Período contemporâneo

No XIX th  século, há um retorno à metafísica aristotélica, que começou com Schelling e continuou com Ravaisson , Trendelenburg e Brentano .

No XX th  século Heidegger também voltar a Aristóteles. Kelvin Knight acredita que a desconstrução da "tradição" filosófica (que ele entende sobretudo como neokantismo ) realizada por este filósofo permite que Leo Strauss e Hannah Arendt reabilitem a filosofia prática de Aristóteles que, segundo eles, foi corrompida por ciência, direito natural e a importância dada à produção. No entanto, esse retorno a Aristóteles não impede um movimento para afastar o pensamento de Heidegger. Kelvin Knight escreve sobre este assunto "esses filósofos rejeitam parcialmente a interpretação de Aristóteles de Heiddeger, recusando-se em particular a ver, como ele, o Estagirita como a fonte da tradição teórica na filosofia" . Da mesma forma, eles se recusam a usar a palavra Dasein e preferem os termos aristotélicos de práxis e phronesis . De modo geral, Kelvin Knight classifica Leo Strauss , Hannah Arendt e Hans-Georg Gadamer em uma corrente que ele descreve como "neo-aristotélica prática" . Segundo ele, esses filósofos retomariam a tese de Heidegger segundo a qual Aristóteles se colocaria na continuidade de Platão e insistiria no fato de que Aristóteles concebe a ética como separada da metafísica e do conhecimento técnico. Além disso, Gadamer e Arendt “assimilam a ideia de juízo estético da terceira crítica de Kant ao que Aristóteles chama de phronesis  ” .

Mais recentemente, Alasdair MacIntyre procurou reformar a tradição aristotélica, de modo a dar-lhe um viés anti-elitista e, assim, responder às objeções dos socioliberais e nietzschianos . Kelvin Knight chama essa tentativa de “aristotelismo revolucionário” . Na França, Pierre Aubenque insiste no esquecimento, na tradição aristotélica, do caráter aporético da obra de Aristóteles. Essa incompletude do pensamento aristotélico explica, segundo este filósofo, por que o cristianismo e o islamismo valorizaram tanto o pensamento do estagirita. Ele escreve sobre a interpretação cristã ou islâmica: “porque ela tinha ouvido outra palavra, os silêncios de Aristóteles pareciam-lhe mais acolhedores a essa palavra do que a palavra concorrente de Platão; era mais fácil cristianizar (ou islamizar) um Aristóteles que não tinha a opção religiosa do que filosofar nos termos de um platonismo que era outra religião ” . A outra forma de preencher os silêncios de Aristóteles consiste, segundo Pierre Aubenque, em ampliar a cisão ao assumir a incompletude do pensamento; esse é o caminho percorrido pelo neoplatonismo . Segundo a interpretação de Aubenque, “a divindade do homem é menos a degradação do divino no homem do que a aproximação infinita do divino pelo homem” . No XX th  século, dois filósofos têm proposto uma lógica competindo de Aristóteles: John Dewey com o seu livro de lógica: a teoria da investigação e Bertrand Russell . Dewey afirma ser quem foi mais longe na novidade contra Aristóteles. Ele considera, de fato, que "não é suficiente extrapolar o Organon , como Bacon e Mill fizeram , nem adorná-lo com adornos matemáticos, como fez Russell  ", mas que deve ser baseado em novas bases. O que interessa a Dewey na lógica não é tanto averiguar o verdadeiro caráter da coisa pelo raciocínio dedutivo e formal, mas, como indica o subtítulo, estabelecer um elo entre ideia e ação, com base tanto na intuição quanto no estudo e verificação de essa ideia.

As feministas, por sua vez, acusam Aristóteles de ser sexista e misógino . Essa acusação se baseia no fato de que Aristóteles atribui ao homem um papel ativo na procriação e, na política, atribui um lugar de destaque aos homens.

Nos anos 1960-1970, alguns pesquisadores examinaram as traduções para o árabe de cartas que Aristóteles teria escrito a Alexandre, o Grande . Em partes de uma dessas cartas que Pierre Thillet considera, em 1972, relativamente confiável, Aristóteles não se coloca mais no quadro de uma cidade, mas após a conquista da Pérsia por Alexandre, no quadro de 'um ' Estado cuja diversidade étnica poderia até mesmo tender a ser apagado por deportações em massa de população " . Observe, entretanto, que Pierre Carlier, em 1982, em um artigo intitulado Estudo sobre a alegada carta de Aristóteles a Alexandre transmitida por vários manuscritos árabes, afirma que esta carta é muito posterior à época de Aristóteles.

Apesar de tudo, mais de 2.300 anos após sua morte, Aristóteles continua sendo um dos homens mais influentes que o mundo já conheceu. Ele trabalhou em quase todos os campos do conhecimento humano conhecidos em sua época e ajudou a abrir vários outros. Segundo o filósofo Bryan Magee , “é duvidoso que um ser humano tenha conhecido mais coisas do que ele” .

Aristóteles em obras de ficção

O cartunista Sam Kieth fez dele um dos personagens (junto com Platão e Epicuro ) em sua história em quadrinhos Epicuro, o Sábio .

Trabalho

Informações gerais sobre a obra

Sabemos que Aristóteles escreveu diálogos para o público em geral à maneira de Platão . Restam apenas fragmentos raros ( Eudemus , Philosophy, Du bien , etc.). Esses diálogos representam os “discursos exotéricos” ( τερικοὶ λόγοι ) de Aristóteles, destinados a um grande público. Cícero não hesita em qualificar sua eloqüência como um "rio de ouro" e em julgar seus livros (agora perdidos) melhor escritos do que os de Platão.

Os trinta e um tratados que nos restam provêm principalmente de notas de curso ou escritos dirigidos ao público especializado do Liceu . Ao lado dos "discursos exotéricos" (para uso do público), existem apenas aulas orais também chamadas de notas "acromáticas", coleções de palestras destinadas a discípulos avançados.

Os especialistas de Aristóteles se perguntam como os escritos que conhecemos foram reunidos. Na verdade, sua organização às vezes parece arriscada e seu estilo tem pouco a ver com o que diz Cícero.

Cerca de trinta obras de Aristóteles foram perdidas. Os especialistas questionam se essa perda distorceu ou não a compreensão da obra de Aristóteles. Em sua História da Filosofia dos Gregos , Eduard Zeller responde negativamente:

“Todas as obras em questão pertencem aos últimos anos da vida de Aristóteles. Se um dia uma descoberta feliz enriquecesse nosso conhecimento da ordem cronológica desses escritos, não haveria esperança de que a obra mais antiga nos levasse de volta a uma época em que Aristóteles ainda estava trabalhando em seu sistema. Em todas as suas partes, ele se apresenta a nós como um todo completo; em nenhum lugar ainda vemos o arquiteto trabalhando. "

Deve-se notar que esta posição data de uma época em que ainda dominava “a imagem de um Aristóteles sistemático” . Desde os escritos de Werner Jaeger , particularmente seu livro Aristóteles de 1923 , Fundamentos para uma História de sua Evolução , a tese da unidade doutrinária do pensamento aristotélico não é mais dominante.

Questão de interpretação da obra

O trabalho diante de nós se baseia em documentos reunidos livros I st  século aC por Andrônico de Rodes sem que esta tenha conhecido uma proposta de ordem de Aristóteles ou os "prós e contras da abordagem, motivações e oportunidades editoriais” . O corpus temos, portanto, escrito para o IV th  século, mas editou a I st  século BC. Para Pierre Aubenque , essa mudança de vários séculos, juntamente com a negligência do pensamento de Aristóteles ao mesmo tempo, levou a uma forte dissociação do homem de Aristóteles da filosofia conhecida por seu nome. Além disso, a intenção do autor sendo desconhecida, os exegetas foram levados a fazer suposições que levaram a linhas de interpretação divergentes.

retrato de um homem.
Werner Jaeger
de Max Liebermann.

Até o final do XIX °  século, considerou-se que o pensamento de Aristóteles formou uma coerente completa e, por isso, que os comentaristas têm "concluído" o pensamento de Aristóteles quando necessário. Segundo Pierre Aubenque, os comentadores gregos sistematizaram o pensamento de Aristóteles a partir do neoplatonismo e "dos comentadores escolásticos, a partir de uma certa ideia do Deus da Bíblia e da sua relação com o mundo" .

Em 1923, Werner Jaeger em uma obra intitulada Aristóteles: Fundamentos para uma história de sua evolução inaugura um método de interpretação genética que vê a filosofia de Aristóteles "como um sistema dinâmico de conceitos" em evolução. Ele distingue três fases sucessivas: o tempo da Academia, os anos de viagem e, finalmente, a segunda estada em Atenas. A primeira fase seria a do dogmatismo platônico (obras da juventude, Ética de Eudemus , Protrepticus ). A segunda fase seria a do nascimento de um platonismo crítico e o surgimento de uma filosofia de transição durante a qual Aristóteles faz correções ao platonismo enquanto aborda vários temas platônicos: identificação da teologia e astronomia, princípio do primeiro motor imóvel (ideia que tem sua origem nas Leis de Platão) e conceito de alma das estrelas. Finalmente, a terceira fase corresponderia à segunda estada em Atenas e marcaria o apogeu da filosofia aristotélica. Durante esta terceira fase, Aristóteles se engaja em pesquisas empíricas e cria um novo tipo de ciência baseado na investigação, descrição e observação de coisas particulares. Jaeger, portanto, oferece uma visão sistemática, mas em evolução do pensamento de Aristóteles.

Essa forma de ver a evolução do pensamento de Aristóteles é contestada. Foi criticado primeiro por Ingemar Düring e depois por Hans-Georg Gadamer , que acredita que a análise de Jaeger é baseada no que ele vê como contradições. Agora, é possível que o que ele percebe como contradições seja simplesmente o que no pensamento de Aristóteles é "complicado, matizado, fora da estrutura do senso comum cotidiano" . Para superar esses defeitos, Pierre Aubenque prefere partir da hipótese segundo a qual não temos certeza de que Aristóteles "desenhou um sistema perfeitamente coerente" . Para ele, a metafísica de Aristóteles seria aporética e não devemos buscar uma interpretação sistematizadora, mas, ao contrário, interpretar as dificuldades ou aporias de modo a proceder "a uma elucidação metódica do fracasso" da sistematização.

Catálogo das obras de Aristóteles

Em Lives of the Philosophers (V, 21-27), Diógenes Laërce estabeleceu um catálogo das obras de Aristóteles compreendendo 157 títulos e que ainda faz referência mesmo que muitos escritos tenham sido perdidos. Provavelmente vem da Biblioteca de Alexandria . Isso é bastante semelhante ao dos Onomatologos estabelecido por Hesychios de Mileto . O catálogo mais completo nos foi transmitido por dois autores árabes, Ibn-el-Kifti em sua História dos estudiosos e Ibn-Abi-Oseibia em sua História de médicos famosos .

As obras são tradicionalmente abreviadas pelas iniciais de seus títulos em latim: assim, PN para Pequenos Tratados de História Natural ( Parva naturalia ), GA para Geração de Animais . Os números referem-se às colunas da edição Bekker da Academia de Berlim (1831): assim, a História dos animais ( HA ) ocupa as colunas 486 a - 638 b.

A lógica ( Organon )

A ciência prática (moral e política)

A ciência produtiva

As ciências teóricas

As obras zoológicas

Os pequenos tratados

  • Psicologia de Aristóteles . Livretos (Parva naturalia)
  • Sensação e sensibilidade ( sensu e sensilibus )
  • De memória e reminiscência
  • Sono e vigília
  • Sonhos
  • Adivinhação no sono
  • Longevidade e vida curta
  • Da juventude e velhice
  • De respirar
  • De vida e morte

Apêndices

Bibliografia

Edições antigas

As primeiras edições mais notáveis ​​de Aristóteles são as de:

  • Opera omnia (em grego). Alde Manuce , Veneza (1495-1498), in-fol. Veneza , Alde Manuce. 5 partes em 7 volumes. Obras completas com exceção de Retórica e Poética , publicadas pelo mesmo Alde Manuce em 1508 em uma coleção de tratados sobre retórica ( leia online ).
  • Sebastián Fox Morcillo , De naturæ philosophia seu de Platonis et Aristotelis consensione libri quinque , 1554, ( ler online ).
  • Sylburg ( Frankfurt , 1585-86), tudo em grego.
  • Guillaume Duval, ( Paris , 1619 e 1654), in-fol., Grego-Latim.
  • Ópera de Aristotelis , Bekker e Brandis, grego-latim, com uma escolha de comentários, edição da Academia de Berlim, (Berlim, 1830-1836), 4 vols. em-4. T. I e II: os dois primeiros volumes, que contêm as obras de Aristóteles, servem de base para todas as referências ao texto de Aristóteles: a paginação e as anotações de colunas e linhas são reproduzidas em todas as edições científicas. Estes livros estão disponíveis online: ópera de Aristotelis , tomo 1 e tomo 2 . Os volumes 3, 4 e 5 contêm traduções latinas da Renascença e dos eruditos: ópera de Aristotelis , tomo 3 , tomo 4 e tomo 5 .
  • The Didot Collection , (1848-1860). T. IV: Scholia in Aristotelem , 1836: trechos de comentários em grego. T. V, 1870: Aristotelis fragmenta (la) Valentin Rose, “  Aristotelis fragmenta  ” . ; Index aristotelicus de Hermann Bonitz.
  • Comentários sobre Aristóteles: Commentaria in Aristotelem Graeca (CAG), edição da Academia de Berlim, 1882-1909, 23 vols. : Alexandre d'Aphrodise , Ammonios (filho de Hermias) , Jean Philopon , Thémistios , Simplicios , etc., Walter de Gruyter, 1891, 919 p. 

Edições e traduções

Estudos

  • (fr) Jacques Blamont , Le Chiffre et le Songe: história política da descoberta , Éditions Odile Jacob ,, 944  p. ( ISBN  978-2-7381-0193-8 , leitura online ) , p.  424-456.
  • Émile Chambry, Émeline Marquis, Alain Billault e Dominique Goust ( traduzido  do grego antigo por Émile Chambry), Lucien de Samosate  : Obras completas , Paris, Éditions Robert Laffont , col.  "  Livros  ",, 1248  p. ( ISBN  978-2-221-10902-1 ) , "Seitas em leilão".
  • Étienne Akamatsu , cap.  I "Repères" , em Ética em Nicomaque: com o texto integral dos livros VIII e IX , Bréal ,, 159  p. ( ISBN  9782842917821 , leia online )
  • Donald J. Allan ( traduzido por  Ch. Lefèvre), Aristote le philosophe , Libraire général française, coll.  "O livro de bolso",, 251  p.
  • (pt) Hans Arens (ed.), Teoria da Linguagem de Aristóteles e sua Tradição. Textos de 500 a 1750 , Amsterdam, Benjamins,.
  • Pierre Aubenque , O problema de estar em Aristóteles , Presses Universitaires de France ,, 551  p.
  • Pierre Aubenque , Prudence in Aristotle , PUF ,, 551  p.
  • (pt) Anonymous, Aristotle  " , Internet Encyclopedia of Philosophy,(acessado em 5 de fevereiro de 2015 )
  • (es) Fernando Báez , Los primeros libros de la humanidad: El mundo antes de la imprenta y el libro electrónico , Madrid, Forcola,, 621  p. ( ISBN  978-84-15174-75-2 )
  • Olivier Battistini , Alexandre , o Grande: um filósofo armado , Paris / 86-Ligugé, Ellipses , coll.  "Biografias e mitos históricos",, 432  p. ( ISBN  978-2-340-02841-8 ).
  • Philippe Beck , Prefácio: Logics of impossibility , Gallimard , col.  " Telefone ",, 73  p.em Aristote ( traduzido por  Joseph Hardy ), Poétique , Gallimard , coll.  " Telefone ",, 163  p.
  • Jean-Marie Bertrand, “  Território dado, território atribuído: nota sobre a prática da atribuição no mundo imperial de Roma  ”, Cahiers du centre Gustave Glotz , vol.  2 n o  2
  • Janine Bertier, História dos animais: tradução, apresentação e notas , Paris, Gallimard , coll.  "Fólio de ensaios",( ISBN  978-2-07-038779-3 )
  • Christian Bouchet, De sonhos acordados a sonhos lúcidos , Grenoble, Le Mercure dauphinois,.
  • Louis Bourgey, Observação e experiência em Aristote , Paris, Vrin,.
  • (pt) Jerry Brotton , A história do mundo em doze mapas , Londres, Penguin Books ,, 514  p. ( ISBN  978-0-14-103493-5 )
  • Céline Denat , Aristóteles , Paris, Ellipses ,.
  • Gérard Deledalle , Apresentação da Lógica de John Dewey , PUF ,.
  • Thomas De Koninck , Aristóteles, inteligência e Deus , Paris, PUF , col.  “Étienne Gilson Chair”,, 208  p. ( ISBN  978-2-13-057038-7 )
  • (in) MI Finley , Aristóteles e Análise Econômica  " , Past and Present , n o  47,( leia online , consultado em 5 de fevereiro de 2015 )
  • (pt) Annibale Fantoli , The Disputed Injunction and its Role in Galileo's Trial , McMullin,.
  • (pt) Athol Fitzgibbons , sistema de Liberdade, Riqueza e Virtude de Adam Smith , ClarendonPress Oxford,.
  • Sigmund Freud ( trad.  Meyerson), The Interpretation of Dreams , Paris, PUF ,.
  • (pt) David Gallop , Aristóteles sobre sono e sonhos: um texto e tradução com introdução, notas e glossário , Peterborough (Ontário), Broadview Press,.
  • Marie-Geneviève Guesdon , "enciclopédias em Língua Árabe: enciclopédias e bibliotecas, Sumer no XXI th  século" em todo o conhecimento do mundo , Paris, Bibliothèque nationale de France / Flammarion,.
  • Pierre Hadot , O que é filosofia antiga , Gallimard , col.  "Fólio de ensaios",.
  • Henri Hugonnard-Roche (  trabalho de tradução ), “Traduções do grego para o siríaco e de siríaco para Árabe” , em Jacqueline Hamesse e Maria Fattori, Encontros de culturas em filosofia medieval: Traduções e tradutores de antiguidade tardia a XIV th  século , Instituto Medieval,, 402  p.
  • Werner Jaeger ( traduzido por  Olivier Sedeyn), Aristote: Fundamentos para uma história de sua evolução , L'Éclat,, 512  p. ( ISBN  978-2-84162-014-2 , leia online )
  • (pt) Kelvin Knight , Aristotelian Philosophy , Polity Presse,, 246  p.
  • Alexandre Koyré , Do mundo fechado ao universo infinito , Gallimard , coll.  " Telefone ",.
  • Jacques Le Goff , Intelectuais na Idade Média , Paris, Le Seuil ,.
  • Jean Lombard, Aristóteles e medicina. O fato e a causa , Paris, L'Harmattan, 1999,160 p. ( ISBN  2-7475-7051-7 )
  • Jean Lombard, Aristote, Política e educação , Paris, L'Harmattan, 1994, 152 p. ( ISBN  2-7384-2749-9 )
  • (pt) Stephen F. Mason , A History of the Sciences , Macmillan General Reference,( ISBN  978-0-02-093400-4 )
  • (pt) Johannes Morsink, “  Was Aristotle's Biology Sexist  ” , Journal of the History of Biology , vol.  12, n o  1,( DOI  10.1007 / bf00128136 , leia online )
  • (pt) Scott Meikle , Aristotle's Economic Thought , Oxford, Clarendon Press ,.
  • Pierre-Marie Morel , Aristóteles , Paris, Flammarion ,.
  • Henri-Irénée Marrou , História da educação na antiguidade , Seuil ,.
  • (pt) Pierre Pellegrin , "Aristotle's Politics" , em Christopher John Shields , The Oxford handbook of Aristotle ,.
  • Pierre Pellegrin , O vocabulário de Aristóteles , Paris, Elipses ,.
  • Dr. Clodius Piat, “  Deus e a natureza de acordo com Aristóteles  ”, Revue Philosophique de Louvain , vol.  n ° 30,, p.  167 a 181 ( ler online , consultado em 19 de novembro de 2019 )
  • Léon Robin , Aristote , Paris, University Press of France ,( leia online ).
  • Jean-Jacques Robrieux , Elementos de retórica e argumentação , Paris, Dunod , col.  "Sup letters",, 225  p. ( ISBN  2-10-001480-3 )
  • Philippe-André Rodriguez, "  Imperialismo institucional e a questão da raça em Aristóteles  ", European Journal of History ,, p.  751-767 ( ler online )
  • Olivier Sedeyn , “Apresentação do tradutor” , in Werner Jaeger , Aristote: Fundamentos para uma história da sua evolução , L'Éclat,, 512  p. ( ISBN  978-2841620142 )
  • (in) Christopher Shields , Aristotle , London, Routledge ,( ISBN  978-0-415-28332-8 )
  • (in) Richard Sorabji (ed.), Aristotle Transformed , Londres,.
  • (en) Collectif, Stanford Encyclopedia of Philosophy , The Metaphysics Research Lab, Center for the Study of Language and Information (CSLI), Stanford University ( leia online )
    • (pt) Iswan Bodnar , "Aristotle's Natural Philosophy" , em Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (en) Marc S. Cohen , "Aristotle's Metaphysics" , em Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • ( fr ) Andrea Falcon , "Aristotle on Causality" , em Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (pt) Loyd Gerson , "Plotinus" , em Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (pt) Richard Kraut , "Aristotle's Ethics" , na Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (pt) Heinrichl Kuhn , "Aristotelianism in the Renaissance" , na Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (pt) James G. Lennox , "Aristotle's Biology" , em Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (pt) Ralph McInermy , "Saint Thomas Aquinas" , em Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (pt) Fred Miller , "Aristotle's Political Theory" , na Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (pt) Richard Parry , “  Espisteme and Techne  ” , na Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (pt) Christof Rapp , "Aristotle's Rhetoric" , em Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (pt) Christopher Shields , "Aristotle" , em Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (pt) Christopher Shields , "Aristotle's Psychology" , na Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online ).
    • (pt) Robin Smith , "Aristotle's Logic" , em Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (pt) Paul Studtman , "Aristotle's Categories" , na Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online )
    • (pt) Katja Vogt , "Ancient Skepticism" , em Stanford Encyclopedia of Philosophy ,( leia online ).
  • Pierre Thillet , “  Aristóteles conselheiro político de Alexandre, o conquistador dos persas  », Revue des Études Grecques ,( leia online , consultado em 7 de fevereiro de 2015 )
  • (pt) Sitta Von Reden , Review of Aristotle's Economic Thought by S. Meikle  " , The Classical Review ,.
  • Anouk Waber, escritor de Aristóteles: retórica a serviço do pensamento científico (tese de doutorado), Friburgo,, 269  p. ( leia online ).

Artigos relacionados

Na posteridade

links externos

Diretório de recursos filosóficos antigos

Artigos de dicionário

Transmissões de rádio

Notas e referências

Notas

  1. Stagira , na atual região de Aristotelis e que não foi integrada ao reino da Macedônia até 348, sob o reinado de Filipe II .
  2. Mais tarde, ele adota o filho de Proxene, Nicanor .
  3. Esta não é a opinião de Michel Crubellier em sua obra: Aristote: le philosophe et les savoirs , Éditions du Seuil, 2002 ( ISBN  9782020333887 ) .
  4. A palavra "Lycée" vem do fato de o local ser próximo a um santuário dedicado a Apollo Lycien.
  5. Vidas de Homens Ilustres , p.  509-513 .
  6. Nesse ponto, de acordo com Christopher Shields, professor de filosofia da Universidade de Oxford, a questão permanece debatida entre os aristotélicos, mesmo que a maioria inclua a psicologia na filosofia natural.
  7. Robert Blanché apresentou em 1966, em Structures intellectuelles , o hexágono lógico , que é uma extensão do quadrado lógico .
  8. "Das 1462 páginas da edição Bekker, 426, ou quase um terço, são dedicadas a questões de biologia. » ( Louis 1956 , p.  V).
  9. respeito de uma tradução das partes dos animais , Darwin escreveu em uma carta de fevereiro de 1882: “Raramente li algo que me interessasse mais. » Citado por Barbara Clayton,« Um erro curioso a respeito de suturas cranianas em partes de animais de Aristóteles, ou, o uso e abuso da nota de rodapé », Glossator: Practice and Theory of the Commentary , 3 (2010).
  10. A palavra grega κλίμα significa "inclinação", particularmente "inclinação da terra em direção a um pólo vindo do equador".
  11. No final da Crítica da Razão Prática , Kant escreve: “Duas coisas enchem a mente de admiração e respeito sempre renovados e crescentes, quanto mais você pensa sobre isso, o céu estrelado acima de mim e a lei moral em mim . "
  12. A notação aqui é deus com "d" minúsculo, porque é o deus dos filósofos, a menos que se cite um autor que escreva Deus com "D" maiúsculo.
  13. Com Platão, a educação também é a parte principal da ciência política.
  14. O significado do termo natureza ( phusis) na Política não é diretamente comparável ao significado que lhe dá em outros escritos. Em sua obra Física , a palavra natureza é usada para designar o princípio interno que produz o movimento ou o repouso. Mas é difícil usar essa definição na política, porque a cidade também é, para ele, fruto da inteligência dos homens que lhe deram suas leis. A Cidade-Estado é “natural” porque decorre de uma inclinação natural para a convivência.
  15. Ele dedicou um estudo separado à Constituição de Atenas , escrita após 328.
  16. Cícero traduz Politeia como Res publica . Pellegrin 1990 , p.  572 pela Constituição ou Governo Constitucional.
  17. Na terminologia usada por Aristóteles, "democracia" significa o poder do povo com a exclusão dos aristocratas (os melhores) ou grandes proprietários de terras. Além disso, pode-se traduzir por “regime popular”, como Pellegrin 1990 , p.  563 ou por “demagogia” como Pellegrin 2012 , p.  571 e Barthélemy-Saint-Hilaire em Política , Livro III, capítulo 5.
  18. Os tratados usados ​​por Aristóteles para seu ensino são chamados de "acromáticos" (grego: ἀκρόασις , "ação de ouvir"). No entanto, essas não são anotações feitas por seus alunos. Veja Pellegrin 1990 , p.  11
  19. Em contraste, A República de Platão era conhecida dos árabes e foi o assunto de um comentário de Averróis . Veja Pellegrin 1990 , p.  6-14.
  20. A passagem precisa sobre este ponto está em Retórica , I, 1355 a.
  21. O relato de Strabo pode ser encontrado em Geografia , XIII, 2, 54 .
    De acordo com Pierre Louis, “É improvável que as obras 'esotéricas' de Aristóteles tenham sido preservadas apenas nos arquivos do filósofo e que cópias não tenham sido feitas não apenas para a Biblioteca de Alexandria , mas novamente para a de Pérgamo . Ao contrário, há sérias razões para acreditar que as obras científicas de Aristóteles estavam nessas duas bibliotecas e, conseqüentemente, para questionar o relato de Estrabão e Plutarco. " Louis 1956 , p.  VIII.
  22. Cada um desses tradutores traduziu apenas uma parte do imenso corpus aristotélico; para cada um deles, você pode consultar os detalhes das traduções nos artigos da Wikipedia a eles dedicados. Os detalhes das traduções do corpus aristotélico na Idade Média são objeto de estudo e debate; ver, por exemplo, o artigo Aristóteles no Monte Saint-Michel . As traduções de Aristóteles feitas no Monte Saint-Michel são preservadas no scriptorial .

Referências

  1. Pronúncia em grego transcrita de acordo com o padrão API .
  2. https://archive.org/details/BaillyDictionaryGrecFrancais/page/n267/mode/2upview=theater
  3. (em) Ingemar Düring , Aristóteles na Antiga Tradição Biográfica , Gotemburgo, Almqvist & Wiksell,, 492  p..
  4. René Antoine Gauthier e Jean-Yves Jolif, Introdução à Ética em Nicomaque , t.  I, 1958-1959.
  5. (it) Carlo Natali , Bios teórico: La vita di Aristotele e organizzazione della sua scuola , Bologna, Il Mulino ,, 213  p. ( ISBN  978-88-15-03222-5 ).
  6. Morel 2003 , p.  17
  7. Pellegrin 2014 , p.  9
  8. Lucien de Samosate 2015 , p.  371
  9. Akamatsu 2001 , p.  11
  10. Shields 2008 , p.  2
  11. Pellegrin 2014 , p.  10
  12. Cícero , do orador , III, 35, 141.
  13. Pseudo-Ammonius, “Life of Aristotle” , em Valentin Rose, Aristotelis fragmenta , t.  5, Berlim, 1831-1870, p.  428.
  14. Aristóteles, Ethics to Nicomaques , I, 4, 1996 a 12-17.
  15. Denat 2010 , p.  39
  16. (em) Journeys with Demeter  " em Journeys with Demeter (acessado em 29 de abril de 2019 )
  17. Jaeger 1997 , p.  110-111.
  18. Diodoro da Sicília , Biblioteca Histórica [ detalhe das edições ] [ ler online ] , XVI, 52, 9; Plutarco , Parallel Lives [ detalhe das edições ] [ ler online ] , Alexandre , 7.
  19. Marguerite Yourcenar , La Couronne et la lira de 2015, Éditions Gallimard, páginas 308-309.
  20. Jaeger 1997 , p.  113-115.
  21. Jean Aubonnet, Introdução à Política de Aristóteles, edição de Belles Lettres, p.  XI e XLIX.
  22. Charles Hummel, "  Aristote  ", Perspectives: Quarterly Review of Comparative Education, Paris, UNESCO: International Bureau of Education, vol.  XXIII, n osso  1-2,, p.  37-50 ( leia online [PDF] ).
  23. Battistini 2018 , p.  33
  24. Plínio, o Velho , História Natural [ detalhe das edições ] [ ler online ] , VIII, 17.
  25. Shields , 2007 , p.  19
  26. Jaeger 1997 , p.  115
  27. Ivan Gobry , The Practical Philosophy of Aristotle , Lyon, University Press of Lyon,, 200  p. ( ISBN  978-2-7297-0521-3 , leitura online ) , p.  21-23.
  28. Werner Jaeger 1997 , p.  237.
  29. Shields 2008 , p.  3
  30. Paul Goukowsky , O mundo grego e o Oriente: Alexandre e a conquista do Oriente , t.  2, PUF , col.  "Povos e Civilizações",( 1 st  ed. 1975), p.  254.
  31. Léon Robin 1944 , p.  6-7.
  32. Diógenes Laërce ( tradução  do grego antigo), Vidas, doutrinas e frases de ilustres filósofos , vol.  2, Paris, biblioteca geral francesa , col.  "O livro de bolso",, 1398  p. ( ISBN  2-253-13241-1 ) , p.  556.
  33. Lucien de Samosate 2015 , p.  358
  34. Aristóteles, Metafísica , vol.  M, cap.  1.
  35. Paul Faure, Alexandre , Fayard, 1985, p.  106 .
  36. Jean Aubonnet, Introdução à Política de Aristóteles, edição de Belles Lettres, p.  XC a XCII.
  37. Jean Aubonnet, Introdução à Política de Aristóteles, edição de Belles Lettres, p.  XCIII-XCIV.
  38. Diógenes Laërce manteve o texto deste hino em Vidas, doutrinas e frases de ilustres filósofos , livro V, 7 .
  39. Akamatsu 2001 , p.  12
  40. Vidas, Doutrinas e Sentenças de Ilustres Filósofos , Livro V, 12 a 16 .
  41. "Aristotle's School" no site da Civilização Grega da Universidade Estadual de Portland, Universidade Estadual de Portland, nd Web. 30 de outubro de 2009.
  42. François Queyrel (aviso) e Richard Goulet (ed.), Dicionário de filósofos antigos , Paris, CNRS,, "Aristóteles de Stagira", p.  444-445
    Baseado em estudos de retratos de Gisela Marie Augusta Richter .
  43. Shields 2008 , p.  7
  44. Shields , 2008 , p.  9
  45. Shields 2008 , p.  8
  46. Aristóteles, Le Protreptique , 16  p. ( leia online ) , p.  5, # 18
  47. Denat 2010 , p.  7
  48. Hadot 1995 , p.  125
  49. Denat 2010 , p.  15
  50. Parry 2014 , p.  16
  51. Shields , 2008 , p.  22
  52. Shields , 2008 , p.  14
  53. Shields , 2008 , p.  6
  54. Denat 2010 , p.  17
  55. Shields , 2008 , p.  19
  56. Shields 2008 , p.  5
  57. Denat 2010 , p.  41
  58. Smith 2008 , p.  2
  59. Lennox 2011 , p.  2
  60. Denat 2010 , p.  44
  61. Lennox 2011 , p.  3
  62. Análise inicial , 1, 24 a 18-20, citado em Denat 2010 , p.  44
  63. Denat 2010 , p.  47
  64. Denat 2010 , p.  51
  65. Smith 2008 , p.  17
  66. Aristóteles, Metafísica , Livro Z, 6, 1031 b 6.
  67. Smith 2008 , p.  18
  68. Smith 2008 , p.  19
  69. Para mais detalhes, veja As Categorias em uma tradução da Irmã Pascale Nau (op) no Wikisource e de Barthélemy Saint-Hilaire (1844) no remacle.org com original em grego e notas .
  70. Denat 2010 , p.  52
  71. Denat 2010 , p.  53
  72. Denat 2010 , p.  54
  73. Topics , 101a 27-28, 101a34 citado em Shields 2008 , p.  17
  74. Denat 2010 , p.  55
  75. Shields 2010 , p.  2
  76. Pellegrin 2012 , p.  1432.
  77. Shields 2010 , p.  4
  78. Denat 2010 , p.  80
  79. Partes de animais , I, 7, 641 a 18-21.
  80. Denat 2010 , p.  81
  81. Mason 1962 , p.  45
  82. Denat 2010 , p.  81-82.
  83. Denat 2010 , p.  85
  84. Shields 2010 , p.  11
  85. Pellegrin 2012 , p.  1027.
  86. Louis 1956 , p.  137
  87. Lennox 2011 , p.  1
  88. História Animal  " (acessado em 22 de outubro de 2014 ) .
  89. Bourgey 1955 , p.  88-89.
  90. Aristóteles,  " a remacle.org (acessada 22 de outubro de 2014 ) .
  91. Bourgey 1955 , p.  93
  92. BOURGEY 1955 , p.  9
  93. Frédéric Ducarme, “  Por que estudar invertebrados Alguns argumentos de Aristóteles  ” , em No Bones , Smithsonian Institute,.
  94. Bourgey 1955 , p.  70
  95. Mason 1962 , p.  43–44.
  96. Denat 2010 , p.  83
  97. Denat 2010 , p.  89
  98. Bourgey 1955 , p.  74-75.
  99. Bourgey 1955 , p.  75-77 e 89.
  100. Bourgey 1955 , p.  83
  101. Bourgey 1955 , p.  95
  102. Bertier 1994 , p.  12
  103. Bourgey 1955 , p.  91-92.
  104. Bourgey 1955 , p.  94
  105. Bourgey 1955 , p.  87
  106. Bourgey 1955 , p.  131-132.
  107. Bourgey 1955 , p.  137
  108. Bourgey 1955 , p.  139, nota 2.
  109. Bourgey 1955 , p.  140
  110. (em) Ernst Mayr, The Growth of Biological Thought , Harvard University Press ,, p.  201–202.
  111. (in) Arthur Lovejoy , The Great Chain of Being , Harvard University Press ,.
  112. (in) Charles Singer , Uma curta história da biologia , Oxford,.
  113. Bertier 1994 , p.  28
  114. Denat 2010 , p.  58
  115. Bodnar 2012 , p.  2
  116. Denat 2010 , p.  59.
  117. Denat 2010 , p.  62
  118. Partes de animais , 661 b 23. Citado por Denat 2010 , p.  63
  119. Shields , 2010 , p.  3
  120. Denat 2010 , p.  65
  121. Denat 2010 , p.  68
  122. Denat 2010 , p.  68-69.
  123. Bodnar 2012 , p.  3
  124. Bodnar 2012 , p.  5
  125. Bodnar 2012 , p.  7
  126. Bodnar 2012 , p.  9
  127. Denat 2010 , p.  72-73.
  128. Bodnar 2012 , p.  8
  129. Bodnar 2012 , p.  10
  130. Bodnar 2012 , p.  9
  131. Denat 2010 , p.  74-75.
  132. Robin 1944 , p.  136
  133. Jacques Blamont 1993 , p.  39
  134. James Evans, História e prática da astronomia antiga , Paris, Les Belles Lettres , p.  50-52.
  135. (grc) Aristóteles, Do céu , p.  II, 14, 296 a 20-297 b 10.
  136. Pierre-Michel Lerner, O Mundo das Esferas 1. Gênese e triunfo de uma representação cósmica , Paris, Les Belles Lettres ,, p.  29-54
  137. Do Céu , Livro II, cap. 14
  138. Brotton , 2012 , p.  30-32.
  139. Paolo Rossi, Nas origens da ciência moderna , Threshold ,, 384  p. ( ISBN  978-2-02-066680-0 ) , p.  29-33.
  140. Robin 1944 , p.  113-114.
  141. Robin 1944 , p.  116-117.
  142. Robin 1944 , p.  117
  143. Koyré 2003 , p.  11
  144. Denat 2010 , p.  116
  145. Denat 2010 , p.  117
  146. Citado em Denat 2010 , p.  120
  147. Werner Jaeger 1997 , p.  220-221.
  148. Citado em Denat 2010 , p.  123
  149. Denat 2010 , p.  121
  150. Atendido. , Λ1, 1069 a 37 P. Citado em Denat 2010 , p.  124
  151. Robin 1944 , p.  109
  152. Werner Jaeger 1997 , p.  155
  153. Platão , The Laws [ detalhe das edições ] [ ler online ] , X, 899 b; Epinomis , 991 d.
  154. Werner Jaeger 1997 , p.  157
  155. Tratado sobre o céu , II, 1, 284 b 3.
  156. Werner Jaeger 1997 , p.  158.
  157. Werner Jaeger 1997 , p.  161-162.
  158. Fragmento 12 do tratado Sobre Filosofia , preservado por Cícero , De natura deorum , II, 5, 13.
  159. Epinomis , 987 d - 988 a.
  160. Werner Jaeger 1997 , p.  160
  161. Metafísica , Livro A, 2, 983 a 5-11.
  162. Werner Jaeger 1997 , p.  457 nota 85.
  163. Metafísica ( trad.  J. Tricot), t.  II, livro Lambda, 9, 1074 b 33-35, p.  701.
  164. Metafísica , livro Lambda, 7, 1072 b 25.
  165. Política , Livro VII, 1323 b 23-26; Ética para Nicomaques , X, 8, 1178 b 8.
  166. Metafísica , Livro Θ, 6, 1048 b 18-35 e 8, 1050 a 23 sq.
  167. Metafísica , Livro Λ, 7 1072 b 29.
  168. Denat 2010 , p.  130
  169. Aubenque 1983 , p.  488.
  170. Cohen 2012 .
  171. Cohen 2012 , 4.1.
  172. Cohen 2012 , 6.1.
  173. Cohen 2012 , 4.2.
  174. Cohen 2012 , 10.1.
  175. (in) Wilfrid Sellars, Substance and Form in Aristotle  " , Journal of Philosophy , n o  54,.
  176. (em) Edwin Hartman, Substance, Body, and Soul , Princeton, Princeton University Press ,.
  177. (em) TH Irwin, Aristotle's First Principles , Oxford, Clarendon Press.
  178. (em) Charlotte Witt, Aristotelian Essentialism Revisited  " , Journal of History of Philosophy , n o  27,, p.  285-298.
  179. (em) Michael Woods, "Problem in Metaphysics Z" , em Moravcsik (ed.) Aristotle: A Collection of Critical Essays , Nova York,.
  180. (em) Joseph Owens, A Doutrina do Ser na Metafísica Aristotélica Toronto: Pontifício Instituto de Estudos Medievais,.
  181. (em) Alan Code, "Aristotle: Essence and Accident" em R. Gandy e R. Warner, (Eds.) Philosophical Grounds of Rationality: Intentions, Categories, Ends ,.
  182. (em) Michael J. Loux, Primary Ousia: An Essay on Aristotle's Metaphysics Z and H , Ithaca, Cornell University Press ,.
  183. (in) Frank A. Lewis, Substance and Predication in Aristotle , Cambridge, Cambridge University Press ,.
  184. Cohen 2012 , 10.3.
  185. Cohen 2012 , 11.3.
  186. Cohen 2012 , 11.5.
  187. Cohen 2012 , 12.1.
  188. Aubenque 1983 , p.  quatrocentos e noventa e sete.
  189. Knitting 1959 , p.  16
  190. Kraut 2011 , p.  1
  191. Ética Nicomaques , II, 1103 b.
  192. Kraut 2011 , 3,2.
  193. Kraut 2011 , p.  2
  194. Ethics in Nicomaque , X, 4, 1178 a 10-20 ( p.  530 da edição GF de 2004).
  195. Ética a Nicomaques , I, 1094 a.
  196. Ética Nicomaques , I, 1095 b.
  197. Ética a Nicomaques , I, 1099 a.
  198. Ética a Nicomaques , X, 1177 a.
  199. Denat 2010 , p.  141
  200. Ética a Nicomaques , I, 1096 a.
  201. Ética a Nicomaques , II, 1103 a.
  202. Denat 2010 , p.  150
  203. Kraut 2011 , p.  4
  204. Ética a Nicomaques , VI, 1141 a.
  205. Ética a Nicomaques , II, 1109 a.
  206. Kraut 2011 , p.  7
  207. Ética a Nicomaques , II, 1109 b.
  208. Ética Nicomaques , II, 1104 um.
  209. Ética para Nicomaques , V, 1139 a
  210. Metafísica , Λ7, 1072 a 27-30.
  211. Denat 2010 , p.  146
  212. Ética em Nicomaques , III, 1119 b.
  213. Denat 2010 , p.  145
  214. Ética em Nicomaques , III, 5, 1112 b 11-16.
  215. Denat 2010 , p.  147
  216. Ética em Nicomaques , III, 1111 b.
  217. Denat 2010 , p.  148
  218. Ética em Nicomaques , livro III.
  219. Denat 2010 , p.  149.
  220. Aubenque 2002 , p.  132
  221. Aubenque 2002 , p.  135
  222. Aubenque 2002 , p.  3
  223. Aubenque 2002 , p.  146
  224. Aubenque 2002 , p.  148
  225. Aubenque 2002 , p.  142
  226. Kraut 2011 , 5.1.
  227. Kraut 2011 , 5.1.3.
  228. Kraut 2011 , 5.2.
  229. Ética a Nicomaques , VI, 1144 a.
  230. Kraut 2011 , 5.3.
  231. Pellegrin 2012 , p.  561.
  232. Política , livro VII, 1324 a, p.  199 .
  233. Miller 2012 , p.  1
  234. Denat 2010 , p.  158.
  235. Allan 1970 , p.  186.
  236. Denat 2010 , p.  162
  237. Denat 2010 , p.  161
  238. Ética Nicomaques , VIII, 1155 um.
  239. Denat 2010 , p.  159.
  240. Denat 2010 , p.  160
  241. Miller 2012 , p.  33
  242. Miller 2012 , p.  34
  243. Miller , 2012 , p.  35
  244. Marrou , p.  150
  245. Política , Livro VII, 1337 a.
  246. Política , Livro II, V, 1263 b 36-37.
  247. Pellegrin 1990 , p.  28
  248. Marrou , p.  149-150.
  249. Philippe-André Rodriguez , "  Imperialismo institucional e a questão da raça em Aristóteles  ", European Review of History: Revue européenne d'histoire , vol.  23, n o  4,, p.  751-767 ( ISSN  1350-7486 , DOI  10.1080 / 13507486.2016.1154927 , ler online , acessado em 4 de maio de 2017 ).
  250. Política , II, 5, 1257 a 22 ( p.  125 ).
  251. Pellegrin 2012 , p.  566.
  252. Pellegrin 2012 , p.  570.
  253. Política , Livro I, XIII, 1260 a 9-14 ( p.  45 ).
  254. Política , p.  310 .
  255. Miller , 2012 , p.  2
  256. Miller 2012 , p.  3
  257. Pellegrin 1990 , p.  33
  258. Política , II, 5, 1268 a.
  259. Pellegrin 1990 , p.  40
  260. Pellegrin 1990 , p.  52
  261. Miller , 2012 , p.  4
  262. Pellegrin 1990 , p.  313, IV, 11, 1296 a.
  263. Pellegrin 1990 , p.  42
  264. Pellegrin 1990 , p.  39
  265. Pellegrin 1990 , p.  41
  266. Pellegrin 1990 , p.  50
  267. Política , VIII, 6, 9, p.  429 .
  268. Eduard Zeller , A Filosofia dos Gregos considerada em seu desenvolvimento , Volume II, cap. II, p. 753 sq.
  269. Pellegrin 1990 , p.  18
  270. Finley 1970 , p.  5
  271. Finley 1970 , p.  5-7.
  272. Política , Livro I, Cap. II p.  13 , 1253 b 37 .
  273. Pellegrin 2012 , p.  561 e 567.
  274. Von Reden 1997 , p.  330
  275. Política , Livro I, IV, p.  37 , 1258 b 4-8 .
  276. Política , Livro I, Cap. III p.  34 , 1257 b 28-30 .
  277. Pellegrin 2012 , p.  582
  278. Meikle 1995 , p.  15
  279. Meikle 1995 , p.  1
  280. Aristóteles ( traduzido  André Wartelle, pref.  Pierre-Emmanuel Dauzat), Economia , Paris, Les Belles Lettres , col.  "Clássicos no seu bolso",, 104  p. ( ISBN  2-251-79967-2 ).
  281. Finley 1970 , p.  3
  282. Finley 1970 , p.  12
  283. Fitzgibbons 1995 , p.  v.
  284. Retórica , I, 1355 b.
  285. Robrieux 1993 , p.  11
  286. Robrieux 1993 , p.  13
  287. Michel Meyer, Introdução à Retórica, Paris, O livro de bolso, 1991, p.  8 .
  288. Beck 1990 , pág.  11
  289. Beck 1990 , pág.  39
  290. Beck 1990 , pág.  35-36.
  291. Beck 1990 , pág.  35
  292. Poetics 9, 1451, a 36-b 10.
  293. Poética , 1452a
  294. Michel Magnien, Introdução à Poética, p.  44 .
  295. Beck 1990 , pág.  52
  296. Beck 1990 , pág.  21
  297. Michel Magnien, Introdução à Poética, p.  50-98 .
  298. Gallop 1990 , p.  1-2.
  299. Gallop 1990 , p.  9
  300. Adivinhação no sono , I, §11.
  301. Gallop 1990 , p.  18, 458 b 30-25.
  302. Sonhos , III, §2.
  303. Gallop 1990 , p.  25
  304. Adivinhação durante o sono , II, §12, 464 b.
  305. Freud 1967 , p.  275.
  306. Bouchet 2013 .
  307. Sonhos .
  308. Cavaleiro 2007 , p.  41
  309. Pellegrin 1990 , p.  15
  310. Knight 2007 , p.  42
  311. Knight 2007 , p.  43
  312. Cristina Viano, "  Aristóteles e a Alquimia Grega: Transmutação e o Modelo Aristotélico entre Teoria e Prática  ", Revue d'histoire des sciences , vol.  49, Sem ossos  2-3,, p.  192-196 ( ler online , consultado em 22 de junho de 2016 ).
  313. Pierre Hadot , "Boèce" , em Encyclopædia universalis ,.
  314. Sorabji 1990 , p.  20, 28, 35–3s6.
  315. Sorabji 1990 , p.  233–274.
  316. Sorabji 1990 , p.  20–21; 28–29, 393–406; 407-408.
  317. Le Goff , p.  19
  318. Guesdon , p.  118
  319. Baez 2013 , p.  347-349.
  320. Hugonnard-Roche 1990 , p.  145
  321. Hugonnard-Roche 1990 , p.  147
  322. Hugonnard-Roche 1990 , p.  140
  323. Rasa'il I, 103, 17, Abu Rida.
  324. Comm. Magnum em Aristóteles , De Anima , III, 2, 43 Crawford.
  325. al-mua'llim al-thani , Aristutalis .
  326. (in) Seyyed Hossein Nasr , The Islamic Intellectual Tradition in Persia , Curzon Press,( ISBN  0-7007-0314-4 ) , p.  59-60.
  327. (em) "Aristutalis" na Enciclopédia do Islã.
  328. Jacques Verger, "tradutores" em O Renascimento do XII th  século , Paris, Le Cerf,( 1 st  ed. Milão, 1996), p.  89-98.
  329. Jose S. Gil, “Os tradutores do período de D. Raymundo: as suas personalidades e traduções (1125-1187), em Rencontres de Cultures dans la philosophie medieval , Louvain-la-Neuve, 1990
  330. Aristóteles no Monte Saint-Michel .
  331. McInermy 2014 .
  332. Cavaleiro 2007 , p.  55
  333. Cavaleiro 2007 , p.  56
  334. Kuhn 2005 , 2.
  335. Kuhn 2005 , p.  1
  336. Knight 2007 , p.  61
  337. Knight 2007 , p.  62
  338. Knight 2007 , p.  64
  339. Knight 2007 , p.  68
  340. Knight 2007 , p.  70
  341. Michèle Le Dœuff, BACON chancellor FRANCIS (1560 or 1561-1626)  " , em universalis.fr (acessado em 4 de abril de 2013 )
  342. (em) Richard Blackwell , Galileo.
  343. Koyré 2003 , p.  128
  344. Knight 2007 , p.  72
  345. Aubenque 1983 , p.  2
  346. Knight 2007 , p.  74-75.
  347. Knight 2007 , p.  79
  348. Knight 2007 , p.  82
  349. Knight 2007 , p.  86
  350. Knight 2007 , p.  95
  351. Knight 2007 , p.  98
  352. Knight 2007 , p.  102
  353. Aubenque 1983 , p.  506.
  354. Aubenque 1983 , p.  507.
  355. Aubenque 1983 , p.  503.
  356. Deledalle 2006 , p.  47
  357. Morsink 1979 , p.  83-112.
  358. (em) Cynthia A. Freeland, Feminist Interpretations of Aristotle , University Park (Pa.), Pennsylviana State University Press,, 369  p. ( ISBN  0-271-01730-9 ).
  359. Thillet 1972 , p.  538.
  360. Bertrand 1991 , p.  140-141.
  361. (em) Bryan Magee , The Story of Philosophy , Dorling Kindersley ,, 240  p. ( ISBN  978-1-4053-5333-5 ) , p.  34.
  362. (em) D. Aviva Rothschild Graphic Novels: um guia bibliográfico para livros em quadrinhos , bibliotecas ilimitadas,, 246  p. ( ISBN  978-1-56308-086-9 , leia online ).
  363. Aristóteles, Política , III, 6, 1278 b 31; VII, 1, 1323 a 22.
  364. Aristóteles, Metafísica , M, 1, 1076 a 26.
  365. Hermann Bonitz, "Index Aristotelicus" , na ópera Aristotelis , t.  V, I. ​​Bekker,, 104b44-105a49.
  366. (em) David Ross, Metafísica de Aristóteles , t.  2, Oxford, Clarendon Press ,, p.  408-410.
  367. Shields 2008 , p.  4
  368. Aulu-Gelle , noites no sótão , XX, 5, 5.
  369. Octave Hamelin , o sistema de Aristotle , Paris, F. Alcan,, 427  p. , p.  53-57.
  370. Louis 1956 , p.  XX
  371. (La) William David Ross, Aristotelis Fragmenta selecta , t.  X, Oxford, Oxford University Press ,, 160  p.
  372. (em) William David Ross, "Aristotle's Select Fragments" , em As obras de Aristóteles traduzidas para o inglês , t.  XII, Oxford, Clarendon Press,.
  373. (It) E. Bignone, L'Aristote perduto e la Formazione di Epicuro , Florença,.
  374. P.-M. Schuhl (eds.), Aristóteles. Riqueza, Oração, Nobreza, Prazer, Educação , PUF ,.
  375. B. Dumoulin, Pesquisa sobre o primeiro Aristóteles (Eudemus, Filosofia, Protrepticus) , Vrin,, 181.  p.
  376. Morel 2003 , p.  22
  377. Aubenque 1983 , p.  3
  378. Aubenque 1983 , p.  4
  379. Aubenque 1983 , p.  6
  380. Jaeger 1997 , p.  123 e seguintes.
  381. Sedeyn 1997 , p.  XII.
  382. Aubenque 1983 , p.  13
  383. Aubenque 1983 , p.  16
  384. P. Moraux, as velhas listas dos trabalhos de Aristóteles , Louvain, 1952. Citado por Louis 1956 , p.  V.
  385. Psicologia de Aristóteles. Livretos (Parva naturalia) [“Parva naturalia”] ( ler online ).
  386. Sono e vigília ( leia online ).
  387. Respiração ( leia online ).

Esperamos que as informações que coletamos sobre Aristóteles tenham sido úteis para você. Se for o caso, não se esqueça de nos recomendar a seus amigos e familiares, e lembre-se que você pode sempre nos contatar se precisar de nós. Se, apesar de nossos melhores esforços, você acha que o que fornecemos sobre _título não é totalmente exato ou que devemos acrescentar ou corrigir algo, ficaríamos gratos se você nos avisasse. Fornecer as melhores e mais completas informações sobre Aristóteles e qualquer outro assunto é a essência deste website; somos movidos pelo mesmo espírito que inspirou os criadores do Projeto Enciclopédia, e por esta razão esperamos que o que você encontrou sobre Aristóteles neste website o tenha ajudado a expandir seu conhecimento.

Opiniones de nuestros usuarios

Robson Rodrigues

Isso mesmo. Fornece as informações necessárias sobre Aristóteles.

Marcos Barreto

Obrigado. O artigo sobre Aristóteles me ajudou.

Severina Aparecido

Acho muito interessante a forma como esta entrada em Aristóteles está escrita, lembra-me dos meus anos de escola. Que tempos bonitos, obrigado por me trazer de volta a eles.