Ayurveda



As informações que conseguimos compilar sobre Ayurveda foram cuidadosamente revisadas e estruturadas para torná-las tão úteis quanto possível. Você provavelmente veio aqui para saber mais sobre Ayurveda. Na Internet, é fácil se perder na confusão de sites que falam sobre Ayurveda e ainda não fornecem o que você quer saber sobre Ayurveda. Esperamos que nos informe nos comentários se você gostar do que leu sobre Ayurveda abaixo. Se as informações sobre Ayurveda que fornecemos não são as que você estava procurando, por favor nos informe para que possamos melhorar este site diariamente.

.

Dhanvantari , a divindade associada ao Ayurveda.

O Ayurveda é uma forma de medicina tradicional não convencional nativa da Índia, mas também praticada em outras partes do mundo, incluindo instituições acadêmicas das Índias Ocidentais relacionadas à medicina tradicional, que contribuíram para sua visibilidade internacional.

O āyurveda , ayurveda ou mesmo a medicina ayurvédica - por escrito devanāgarī  : आयुर्वॆद, a "ciência da vida", dos termos sânscritos āyus (vida) e veda (ciência ou conhecimento) - extrairia suas fontes no Véda , conjunto de textos sagrados da Índia antiga. Neste caso, é uma abordagem médica   " holística " que data da civilização védica e ainda praticada na Índia, Nepal e em todo o subcontinente indiano , particularmente no Sri Lanka, onde o número de praticantes ayurvédicos é. Maior do que o de profissionais treinados na medicina moderna remédio .

Na Índia, desde novembro de 2014, é promovida pelo Ministério do Yoga fundado pelo primeiro-ministro nacionalista Narendra Modi .

Os críticos dessa prática, no entanto, denunciam o uso de metais pesados ​​como chumbo, mercúrio ou arsênico quando não submetidos aos processos tradicionais de purificação. Além disso, embora o Ayurveda seja uma das práticas médicas tradicionais às quais a Organização Mundial da Saúde tenta aplicar os princípios científicos da medicina moderna, geralmente não é promovido ou reconhecido pela comunidade científica que o considera como uma pseudo-medicina. As associações que lutam contra as aberrações sectárias também apontam regularmente as ligações entre os movimentos sectários e as práticas da medicina não convencional, como o Ayurveda.

Origens do Ayurveda

As origens do Ayurveda remontam, segundo alguns, aos Vedas , um conjunto de textos revelados muito antigos que datam do período védico ( segundo milênio aC ). O Veda (singular) - isto é, Conhecimento - é dividido em quatro Vedas: o Rig-Veda , o Yajur-Veda , o Sama-Veda e o Atharva-Veda . Além disso, cada Veda tem um Upaveda , um "Veda subordinado", sendo o Ayurveda o Veda subordinado do Atharva Veda.

Ayurveda, como todos os Vedas, é dito ser nityam e apaurusheyam (literalmente: eterno e não criado pelo homem - portanto, “revelado”). Originalmente, os princípios de cura estabelecidos no Atharva-Veda baseavam-se principalmente no som ou na fala. Os hinos eram então um meio de cura e sua recitação simples tinha, segundo o texto, o poder de curar tudo e não se baseava em medicamentos.

Os Seis Samhitas do Ayurveda

A literatura ayurvédica é dividida em seis Samhitas ("tratados" ou "coleções"), cada um dos quais leva o nome de seu autor. Os três primeiros, cujos autores são Charaka , Sushruta e Vagbhata , são os mais importantes e formam o Bṛhattrayī , “os três maiores” do Ayurveda, enquanto os três últimos formam o Laghutrayi , “os três menores”.

Os três principais

  • Charaka Samhita ( IAST  : Caraka samhita ): escrito por Charaka , é o texto fundador do Ayurveda. Sua datação é incerta, mas teria sido composta antes de nossa era. Ele lida principalmente com o diagnóstico e tratamento de doenças com medicina interna ( Kaya Chikitsa ).
  • Sushruta Samhita  : tratado sobre cirurgia (em sânscrito  : Shalya Chikitsa ) escrito por Sushruta , é o segundo texto mais importante do Ayurveda. Também teria sido escrito antes de nossa era.
    O documento escrito mais antigo relativo ao trabalho de Sushruta é o Manuscrito Bower - datado IV th  século . Este último cita Sushruta diretamente e é de particular interesse para historiadores por causa da importância da medicina indiana e seus conceitos na Ásia Central .
    Dwivedi & Dwivedi, em História da Medicina: Sushruta, o Clínico-Professor por Excelência (2007), escrevem sobre Sushruta :

“O principal canal de transmissão do conhecimento nesse período foi a tradição oral. A língua usada era o sânscrito - o sânscrito védico desse período (2000-500 aC ). A compilação mais autêntica de seus ensinamentos e obras está atualmente disponível em um tratado chamado Sushruta Samhita . Ele contém 184 capítulos e descrições de 1120 doenças, 700 plantas medicinais, 64 preparações de substâncias minerais e 57 preparações à base de substâncias animais. "

  • Vagbhatta Samhita  : Considerado uma apresentação organizada e estruturada do conhecimento apresentado em Charaka Samhita e Sushruta Samhita , este resumo simplificado das duas primeiras compilações ainda é usado hoje em muitas universidades indianas.

Os três mineiros

  • Madhava Nidana Samhita  : cobre a classificação das doenças e seus sintomas
  • Sharngadhara Samhita  : contém a descrição das preparações ayurvédicas usadas durante o Panchakarma ( IAST : Pañcakarma) e detalha as etapas do diagnóstico de pulso
  • Bhava-Prakasha Samhita  : além de 10.000 vermes, detalha as características de muitos alimentos, bem como de certas plantas e minerais.

Underwood e Rhodes em 2008 argumentam que esta primeira fase da medicina tradicional indiana identificou febre ( takman ), tosse , tuberculose, diarreia , edema , abscesso , convulsões , tumores e doenças de pele (incluindo lepra ). Tratamento de condições complexas - incluindo angina , diabetes , hipertensão e cálculos - também foram realizados durante este período, cirurgia plástica , cirurgia de catarata , punção para evacuação de fluidos do abdômen (ascite), extração de corpos estranhos, tratamento de anal fístulas , tratamento de fraturas , amputação , cesariana e sutura de feridas eram conhecidas. O uso de ervas e instrumentos cirúrgicos tornou-se generalizado.

O peregrino chinês Fa Hsien (c. 337-422) escreveu sobre o sistema de saúde do Império Gupta (320-550). Ele também descreveu o processo de abordagem institucional da medicina indiana que aparece nas obras de Charaka, que menciona uma clínica e descreve seus equipamentos. Madhava (700), Sarngadhara (1300) e Bhavamisra (1500) compilaram trabalhos sobre a medicina indiana. As obras médicas de Sushruta e Charaka foram ambas traduzidas para o árabe durante o Califado dos Abássidas (750). Essas obras árabes chegaram à Europa por meio deles. Na Itália , a família Branca da Sicília e Gaspare Tagliacozzi de Bolonha aprenderam as técnicas Sushruta .

Ao longo dos tempos, o Ayurveda foi preservado em seus princípios básicos, apesar das influências estrangeiras ( grega , chinesa , persa , tibetana ). Este sistema caiu em desuso durante vários séculos após as invasões muçulmanas do norte da Índia a partir do VIII th  século . Ao mesmo tempo, o Ayurveda reapareceu na Europa durante o Renascimento . Com as várias colonizações europeias, principalmente britânicas, esse medicamento foi submetido a muitas pressões, e foi banido pelos ingleses. Foi apenas com a Independência, em 1947 , sob a influência de Mahatma Gandhi , que o Ayurveda foi novamente reconhecido.

Hoje, o Ayurveda parece despertar mais interesse por sua abordagem do bem-estar holístico do que por seu aspecto médico (este último está se desenvolvendo cada vez mais e a pesquisa médica está em andamento).

Princípios básicos

O propósito do Ayurveda é triplo: a manutenção da saúde, a cura de doenças e a autorrealização. O Ayurveda descreve o ser humano como sendo composto pelos cinco Mahabhutas ( IAST  : mahābhūta, os cinco elementos), os três doshas (as energias básicas dos vivos), os sete dhatus (os tecidos) e os dezesseis shrotas (os canais que conduzem os doshas por todo o corpo).

Os Mahabhutas

Os mahabhutas são os cinco grandes "elementos" que formariam todo o universo, incluindo o corpo humano:

  • Akasha ( IAST : Ākāśa): espaço
  • Vayu ( IAST : Vāyu): ar
  • Agni ou tejas  : fogo
  • Jala ou Ap : água
  • Prithivi ( IAST : pṛthivī ou pṛthvī): a terra

De acordo com o Ayurveda, somos parte integrante do cosmos e os elementos primordiais que constituem o universo também nos permeiam em todos os aspectos. Esses cinco elementos não devem ser entendidos em um sentido literal, mas representam as noções de espaço, movimento, calor, fluxo e solidez.

Os Doshas

Os doshas do Ayurveda e os cinco elementos dos quais são compostos.

Os doshas são as três energias fundamentais cujo equilíbrio garante a saúde:

  • Vāta  : energia cinética;
  • Pitta  : a energia da transformação;
  • Kapha  : a energia da coesão.

Essas forças estão presentes em vários graus em cada indivíduo. Essa doutrina dos três doshas - ou humores - é essencial. Os dosha (s) dominantes de um indivíduo determinam suas tendências, bem como seus pontos fortes e fracos. O vaidya , o médico ayurvédico, aconselha o paciente sobre um estilo de vida de acordo com sua prakriti - sua constituição ayurvédica, mistura dos três doshas - em particular uma dieta que é benéfica para ele ao harmonizá-la com o universo.

Os três doshas são compostos pelos cinco Mahabhutas (elementos):

  • Vāta  : Éter e ar (movimento)
  • Pitta  : Fogo e água (transformação)
  • Kapha  : Terra e água (coesão)

As chamadas constituições duplas são as mais frequentes (por exemplo Pitta - Kapha as mais frequentes no Ocidente). Na verdade, é raro ser composto de um único Dosha ou de todos os três (tridósico).

Os Doshas determinam o aspecto físico e psicológico da pessoa.

O Dhatus

Os dhatus são os sete principais tecidos que formam o tecido do corpo humano.

  • Rasa  : plasma
  • Rakta  : tecido sanguíneo
  • Mamsa  : músculos
  • Meda  : tecido adiposo
  • Asthi  : tecido ósseo, cartilagem, unhas, pelos corporais e cabelos.
  • Majja  : medula óssea e tecido nervoso
  • Shukra  : tecidos reprodutivos

Eles são a massa do corpo humano. Embora estruturalmente importantes, eles não estão diretamente envolvidos na causa da doença.

Os Shrotas

Os shrotas são os dezesseis canais internos, grosseiros e sutis, que participam dos processos gerais de assimilação e eliminação, transmitindo os três doshas .

O maior shrota é o sistema digestivo, enquanto outros são vistos apenas sob um microscópio, em células individuais, onde são considerados porosos. Outros ainda atuam apenas nos níveis molecular, atômico e subatômico.

A medicina moderna conhece apenas três desses shrotas  : o anna vaha shrota (o sistema digestivo), o rakta vaha shrota (o sistema circulatório) e o prana vaha srota (o sistema respiratório).

Seu funcionamento adequado é considerado vital e sua disfunção, devido ao desequilíbrio dos doshas , leva à doença.

Prática

O diagnóstico

Charaka , considerado um dos principais fundadores da Ayurveda, afirma que “é o paciente e não a doença que é o objeto do tratamento. " Para Vaidya (médico ayurvédico), a doença" não existe "como tal. Seria apenas a expressão de um desequilíbrio dos três doshas que deveriam ser harmonizados. É, portanto, uma questão de primeiro estabelecer a natureza desse desequilíbrio (quais são os doshas viciados), depois procurar as causas e, finalmente, encontrar um remédio .

O praticante começa com Darshana , a observação visual do corpo durante a qual suas características físicas são observadas, e Sparshana , o exame tátil por palpação, percussão e ausculta de suas várias partes, bem como de certos órgãos internos.

Para estabelecer a natureza do desequilíbrio, o vaidya pratica um método de diagnóstico de pulso denominado Nadi Pariksha (ou Nadi Vigyan , dependendo das regiões da Índia onde é praticado), que é diferente daquele usado pela medicina moderna. Aqui, três dedos (dedo indicador, médio e anular) são colocados na artéria radial do paciente no pulso. Ao exercer diferentes modos de pressão, o vaidya coleta informações sobre os doshas de uma pessoa e, dessa forma, determina seu vikriti - o estado de desequilíbrio de seus doshas.

O desequilíbrio sendo designado, ele determina a causa. Segundo esse método, a origem do afeto é interna e externa: a disfunção se deve a um bloqueio dos shrotas - a primeira manifestação material dos doshas no corpo - mas também ao estilo de vida da pessoa. Prashna é o questionamento do paciente que permite definir os possíveis erros dietéticos e comportamentais que poderiam estar na origem do desequilíbrio. O Ayurveda atribui grande importância à história pessoal do paciente, à sua história familiar, médica e profissional, bem como à sua experiência psicológica considerada determinante para o seu estado de saúde.

Panchakarma

Mesa de massagem ayurvédica adaptada ao Shirodhara  (in) , tratamento durante o qual uma fina corrente de óleo quente flui continuamente na testa do paciente deitado.

O conceito de Panchakarma - do sânscrito Pancha ( IAST Pañca): cinco e Karma  : ação (em devanāgarī  : पञ्चकर्म) - refere-se aos cinco procedimentos de purificação e rejuvenescimento descritos nos manuais Ayurveda e cujo objetivo é purificar o corpo e a mente causando a eliminação de elementos tóxicos do corpo.

Seguindo o princípio de que é melhor prevenir do que remediar, o Ayurveda aconselha a “desintoxicação” periódica, se possível a cada mudança de estação. Embora o corpo tenha naturalmente um sistema de filtragem de impurezas, as toxinas costumam se acumular muito rapidamente. A desintoxicação é então necessária para manter o equilíbrio do corpo e da mente e evitar qualquer doença.

Durante um tratamento ayurvédico que pode se estender de alguns dias a várias semanas e dependendo da condição do paciente, do tipo de médico e da tradição a que pertence (Ayurveda do Norte ou Ayurveda do Sul), vários métodos podem ser aplicados embora todos obedeçam a uma lógica única: elimine as toxinas embutidas nas profundezas das células, usando sequencialmente técnicas que irão primeiro trazê-las à superfície e, em seguida, eliminá-las através da pele e do sistema digestivo:

  • Snehana (a ingestão de manteiga clarificada) e mais tarde Virechana (uma leve purga) permitirá que as toxinas se soltem gradualmente das células;
  • Abhyanga (massagem com óleo) trará essas toxinas à superfície por meio de técnicas de massagem adaptadas, ministradas por técnicos experientes;
  • Svedana (suor) e Basti (um enema leve) definitivamente evacuam essas toxinas para o exterior.

Além disso, os procedimentos variam de acordo com a condição dos pacientes, um grande número de técnicas adicionais podem ser adicionadas ao Panchakarma "básico": Nasya, por exemplo, um tratamento para os seios da face, muitas vezes é prescrito porque o último é "a porta de o cérebro. ". Shirodhara  (in) , em que um pouco de óleo quente é derramado continuamente na testa alongada do paciente, é considerado como causador de uma sensação de bem-estar excepcional e é freqüentemente usado para distúrbios nervosos. Pattra Potali , um tipo de suor, trata problemas nas articulações.

Alguns procedimentos mais desconfortáveis, como Vamana (vômito terapêutico) e Raktamoksha (sangramento) são usados ​​para condições específicas (distúrbios dosha Kapha no primeiro e problemas sanguíneos no segundo) e raramente fazem parte do Panchakarma básico.

Os rasayanas

Rasayanas são compostos de plantas e minerais destinados a serem ingeridos. O objetivo desses suplementos dietéticos seria manter a saúde do indivíduo, restaurá-la quando necessário e fortalecer o sistema imunológico.

Entre os rasayanas mais famosos estão Brahmi, Triphala e Amrit Kalash.

Dietética ayurvédica

O Ayurveda incorpora um sistema de recomendações nutricionais. Ananda S. Chopra (2003), sobre o tema dietética ayurvédica, escreve:

“A dietética ayurvédica inclui uma série de recomendações, que vão desde o preparo e consumo de alimentos, a bons hábitos de saúde diurnos e noturnos, vida sexual e regras de conduta moral. "

- Ananda S. Chopra

O Ayurveda evita recomendações gerais porque cada indivíduo é único. As prescrições dietéticas são, portanto, estabelecidas de acordo com o tipo ayurvédico de cada um e levam em consideração os ritmos naturais, como as seis estações indianas e os diferentes horários do dia, que também influenciam os doshas .

  • Os Seis Sabores
    Para o Ayurveda, cada alimento é composto por um ou mais destes seis sabores: doce, azedo, salgado, amargo, picante e adstringente e trata-se de conhecer seu impacto positivo ou negativo sobre os doshas individuais para combiná-los da melhor maneira possível.

Existem compêndios que explicam os sabores contidos em cada tipo de alimento (carne, vegetais, laticínios, gorduras, adoçantes, legumes, frutas, ervas e especiarias, cereais, bem como nozes e sementes) e seus efeitos em cada dosha . Por outro lado, também existem tabelas que, a partir de cada dosha , listam os sabores que correspondem a eles. Munido dessa nomenclatura, é fácil traçar um plano alimentar adequado para Vata , Pitta e Kapha . Exemplo: uma pessoa do tipo Vata deve adotar uma dieta que diminua o elemento Vata, promovendo sabores doces, azedos e salgados que correspondem a alimentos como frutas doces, laticínios, manteiga clarificada, trigo, arroz, milho, aspargos, beterraba, cebolas, rabanetes,  etc.

De acordo com a Ayurveda, uma refeição balanceada deve sempre conter todos os seis sabores para nutrir e satisfazer plenamente o corpo e a mente.

Estilo de vida e higiene pessoal

Svastha varta , às vezes traduzido como "higiene pessoal", vai muito além da limpeza física, pois também inclui recomendações de estilo de vida, como:

  • Dinacharya , a rotina diária
  • Ritucharya , correções sazonais
  • Sadachara , os comportamentos certos
  • Rasayana , fortalecendo o sistema imunológico
  • Vajikarana , manutenção do sistema reprodutivo
  • Ioga

Na Ayurveda, a higiene diária - tomar banho, lavar os dentes, cuidar da pele e limpar os olhos - é uma recomendação forte. Também é aconselhável ungir diariamente o corpo com óleo e fazê-lo penetrar por meio de um auto-abhyanga , uma forma de automassagem que, como o tradicional abhyanga praticado no paciente durante o Panchakarma , permitirá a drenagem de toxinas para O exterior e irá causar, além de uma profunda sensação de bem-estar, uma longa série de benefícios para a saúde.

Doença mental

Para a medicina ayurvédica, não há oposição entre fenômenos somáticos e fenômenos psicológicos. As patologias mentais são explicadas como o resto das patologias por um desequilíbrio dos doshas . No Ayurveda clássico, também falamos de "possessão" por entidades malignas.

Corpo / mente

O Charaka Samhita evoca a influência do espírito, de ações passadas e encarnações anteriores, sobre o corpo. Segundo essa tradição, ao longo do ciclo das reencarnações, o ser permanece. O corpo físico desaparece com a morte, mas a vida é vista como um continuum. O carma afeta o corpo sutil. Durante as diferentes vidas, as ações do homem deixam em sua psique saṃskāras , traços ou marcas, que determinam seus vāsanās , suas tendências, estas sendo expressas na forma de desejos na vida presente.

Para o Ayurveda, a mente tem quatro funções principais:

  • Indriya Abhigraha que corresponde à integração das funções sensoriais,
  • Svasya Nigraha que corresponde ao controle de si mesmo,
  • Uha que corresponde ao raciocínio,
  • Vichara ( IAST : vicāra) que corresponde ao julgamento e deliberação.

Algumas fontes raras, como a de Gananath Obeyesekere, acreditam que o funcionamento psíquico é bastante semelhante no Ayurveda ao descrito nas teorias psicanalíticas.

Pesquisa científica

Na Índia, a pesquisa em medicina ayurvédica é controlada em grande parte por uma rede nacional de institutos de pesquisa provenientes do governo indiano , como o Conselho Central de Pesquisa em Ayurveda e Siddha (CCRAS) e o Departamento de Ayurveda, Yoga e Naturopatia, Unani, Siddha e Homeopatia (AYUSH).

Mesmo defensores fervorosos do Ayurveda, como D r  MS Valiathan, um eminente cardiologista indiano, admitem que "os estudos clínicos que atendem aos critérios da Organização Mundial de Saúde foram desanimadores na Índia, apesar da superlotação de pacientes em hospitais ayurvédicos. “ Por exemplo, uma revisão sistemática dos tratamentos ayurvédicos para a artrite reumatóide concluiu que as evidências eram insuficientes, uma vez que a maioria dos estudos não foi conduzida corretamente e que um estudo de alta qualidade não mostrou nenhum benefício.

Por ser um medicamento tradicional , muitos produtos ayurvédicos não foram testados em estudos científicos e ensaios clínicos rigorosos  : nos Estados Unidos , o Centro Nacional de Medicina Complementar e Alternativa (NCCAM) indica que “A maioria dos ensaios clínicos com remédios ayurvédicos mostra deficiências, que são conduzidos de acordo com protocolos de pesquisa questionáveis, que os grupos de controle não são adequados ou que apresentam outros vieses que podem afetar significativamente os resultados. "

Controvérsias

Rasa Shastra é o ramo da Ayurveda que trata do uso medicinal de metais. Sua adição em quantidades infinitesimais a preparações de ervas e minerais tem sido praticada por milênios usando técnicas rigorosas. As possíveis reações adversas são descritas em textos tradicionais ayurvédicos, mas os médicos atuais relutam em admitir que certos compostos podem às vezes ser tóxicos e que é difícil encontrar informações confiáveis ​​sobre essa toxicidade.

De acordo com um estudo de 1990 sobre medicamentos ayurvédicos dispensados ​​na Índia, 41% dos produtos testados continham arsênio e 64% chumbo e mercúrio, ou seja, metais pesados sabidamente prejudiciais à saúde, se usados ​​em grande quantidade. Além disso, um estudo de Robert B. Saper et al. publicado em 2004 no Journal of the American Medical Association também encontrou altos níveis de metais pesados em um quinto das preparações ayurvédicas feitas no sul da Ásia e colocadas à venda em Boston: “Alguns dos fabricantes envolvidos certificaram que testaram seus produtos em pesquisa de metais potenciais, mas verifica-se que estes produtos foram-lhes contaminado também ", disse D r  Robert B. Saper, diretor do departamento de medicina integrativa na Escola de medicina da Universidade de Boston e autor sênior do estudo. “O consumidor médio”, diz ele, “não tem como determinar quais desses produtos estão poluídos e quais estão livres de contaminantes”. O estudo revela ainda que, se tomado nas dosagens de acordo com as instruções dos fabricantes, essa taxa de 20% “pode resultar na ingestão de metais pesados ​​acima dos padrões regulatórios aceitos”.

Quatro anos depois, em 2008, a mesma equipe realizou um estudo de 230 preparações, desta vez compradas na Internet e produzidas na Índia ou nos Estados Unidos, e constatou que 20% dessas preparações continham chumbo, mercúrio ou arsênico.

Os defensores do Ayurveda afirmam que a toxicidade desses materiais é inexistente quando submetidos aos processos de purificação tradicionais chamados samskaras e shodhanas , mas que alguns laboratórios não aderem a esses processos e, portanto, alguns dos produtos colocados à venda são capazes de causar envenenamento. Acredita-se que o último seja atribuído a métodos de preparação inadequados e à falta de treinamento dos profissionais da medicina tradicional indiana. Em uma carta à Academia Indiana de Ciências , Patwardhan Bhushan - diretor da Escola Interdisciplinar de Ciências da Saúde da Universidade de Pune  - cita Saper e indica que a contaminação e a negligência durante os processos de fabricação modernos, mais rápidos do que os métodos de preparação tradicionais, são a fonte de reclamações sobre o nível de toxicidade dos produtos.

Falando sobre este assunto, o Sr. S. Valiathan, presidente da Indian National Science Academy , observou que “a falta de monitoramento dos produtos colocados à venda e os poucos laboratórios de teste disponíveis significam que o controle de qualidade dos medicamentos ayurvédicos é extremamente difícil de alcançar Neste momento ".

Após o estudo realizado por Saper et al. o governo indiano exigiu que os medicamentos ayurvédicos especificassem seu conteúdo de metal diretamente no rótulo do produto, já que nem sempre foi assim até então. Essas preparações, de fato, representam um sério problema de rotulagem: os medicamentos ayurvédicos estão sob a jurisdição da Lei de Medicamentos e Cosméticos , uma lei que data de 1940, e seus rótulos devem estar de acordo com seus requisitos. Infelizmente, isso nem sempre é respeitado e nem sempre é fácil saber o que está em uma preparação.

O último século testemunhou muitas mudanças na fabricação de medicamentos ayurvédicos. Nos tempos antigos, os médicos preparavam seus próprios medicamentos. Hoje, apenas um punhado de praticantes ainda segue essa prática. Por outro lado, a fabricação e comercialização de formulações ayurvédicas se tornou uma indústria florescente e esses remédios são principalmente de dois tipos: as formulações clássicas, preparadas de acordo com as etapas descritas no Samhita tradicional, e as formulações modernas patenteadas pelos grandes laboratórios que hoje usam extratos de plantas e estão gradualmente se afastando dos métodos ancestrais. Além desse setor formal, há também um grande setor informal de curandeiros não reconhecidos que comercializam seus produtos em suas próprias barracas, bem como um mercado paralelo não regulamentado e extremamente florescente na Internet. Drogas adulteradas, portanto, circulam em abundância.

Patentes e biopirataria

A Índia, que abriga 7,8% das espécies animais e vegetais do planeta em apenas 2,5% da massa de terra, está muito exposta aos riscos da biopirataria . A apropriação ilegítima dos recursos da biodiversidade e do conhecimento tradicional indígena na forma de depósitos de patentes por empresas privadas ou centros de pesquisa é um assunto particularmente sensível, uma vez que em, o Centro Médico da Universidade de Mississippi entrou com um pedido de patente no Escritório de Marcas e Patentes dos Estados Unidos para apropriar o uso de açafrão , uma planta herbácea com virtudes terapêuticas. A patente foi contestada pelo Conselho de Pesquisa Científica e Industrial da Índia, sob o argumento de que os praticantes tradicionais ayurvédicos já sabiam sobre as propriedades terapêuticas da substância há séculos, tornando esta patente um caso claro de biopirataria .

A partir de 1997, depois que camponeses do norte do país protestaram violentamente contra o patenteamento pela empresa americana de sementes RiceTec de uma variedade de arroz basmati chamada “kasmati”, o governo indiano percebeu a extensão do problema e começou a trabalhar nele. ' está fortemente envolvida na promoção da medicina tradicional. O relatório Sharma e Bodeker, que estudou as várias atividades do governo em favor do Ayurveda, observa:

“Na Índia, o governo se envolveu na produção de remédios tradicionais quando o Central Drug Research Institute patenteou dois novos medicamentos feitos de antigas fórmulas ayurvédicas. Um, uma mistura de pimenta preta , pimenta longa e gengibre , reduz pela metade a dosagem do antibiótico rifampicina no tratamento da tuberculose e outras infecções micobacterianas . O outro é um impulsionador da memória produzido a partir de uma planta tradicional chamada brahmi . Outros produtos patenteáveis ​​feitos de açafrão e um arbusto, o nim , geraram polêmica na Índia e em outros países. Em agosto, o Escritório de Marcas e Patentes dos Estados Unidos revogou uma patente dos Estados Unidos sobre as propriedades de cicatrização de feridas da cúrcuma quando o governo indiano revelou que havia evidências do uso dessa substância nessa indicação há séculos. "

- Relatório Sharma e Bodeker

Para remediar o saque de seus conhecimentos tradicionais por laboratórios farmacêuticos, o governo deu início a um projeto faraônico para identificar know-how em medicina tradicional e já foram listadas 250 mil formulações. Centenas de cientistas descascam os antigos tratados da medicina ayurvédica para identificar as virtudes já comprovadas das frutas ou plantas medicinais. Esta “biblioteca digital de conhecimento tradicional” de 30 milhões de páginas já cancelou várias patentes. O pedido apresentado em 2007 pelo laboratório farmacêutico chinês Livzon junto à União Europeia e que dizia respeito à utilização de hortelã e Andrographis ( equinácea indiana) no tratamento da gripe aviária foi rejeitado.

Situação atual

Índia

Na Índia, quase 80% da população usa alguma forma de medicina tradicional , incluindo o Ayurveda. O país tem cerca de 440.000 médicos, 2.300 hospitais e 24.000 clínicas ayurvédicas. No entanto, seu número varia muito de um estado para outro.

Em 1970, o Ato do Conselho Médico Central Indiano foi aprovado pelo Parlamento da Índia para padronizar as qualificações exigidas para a prática do Ayurveda e estabelecer instituições credenciadas para seu estudo e pesquisa associada. A organização do ensino é confiada a um departamento do Ministério da Saúde e Família, o Departamento de Ayurveda, Yoga e Naturopatia, Unani, Siddha e Homeopatia (AYUSH) e desde novembro de 2014, este departamento é gerido pelo Ministério do Yoga fundado por O primeiro-ministro Narendra Modi após uma remodelação do gabinete. O papel deste ministério, liderado por Shripad Yesso Naik, é desenvolver todos os medicamentos tradicionais da Índia, como ayurveda, unani e siddha, homeopatia e naturopatia.

De acordo com Narendra Modi , "o Yoga ganhou reconhecimento mundial para aqueles que querem viver sem estresse e optam por uma abordagem holística da saúde" e o Ayurveda alcançará reconhecimento semelhante "se apresentado da maneira correta. Como um modo de vida" . Em setembro de 2014, antes da Assembleia Geral da ONU, já havia dito: “Não se trata de exercitar, mas de descobrir o sentido da harmonia consigo mesmo, com o mundo e com o mundo. Natureza”.

No final de 2014, mais de 250 faculdades emitem diplomas oficiais e o governo indiano também apóia a pesquisa e o ensino do Ayurveda por meio de diversos canais, tanto em nível nacional quanto estadual , o que ajudou a institucionalizar a medicina tradicional para que ela pudesse ser estudada em todos os lugares. O patrocínio estatal do Conselho Central de Pesquisa em Ayurveda e Siddha (CCRAS) também tem sido fundamental para sua promoção: os estudos realizados por esta instituição abrangem pesquisa em plantas medicinais, padronização de medicamentos, farmacovigilância , literatura , pesquisa ayurvédica e clínica .

Muitos hospitais e clínicas são administrados por profissionais que se beneficiam da ajuda dessas instituições em áreas urbanas e rurais. Mukherjee e Wahile citam estatísticas da Organização Mundial da Saúde para demonstrar a popularidade da medicina tradicional , da qual 80% da população dependeria para cuidados básicos de saúde.

Nepal

De acordo com um estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS), quase 75% da população nepalesa usa remédios fitoterápicos e o Ayurveda continua sendo a forma de medicamento mais amplamente praticada no país.

Sri Lanka

Em todo o subcontinente indiano , a tradição ayurvédica permanece muito viva, especialmente no Sri Lanka, onde esta última é muito semelhante à tradição indiana e onde o número de praticantes ayurvédicos é maior do que o de profissionais treinados na medicina moderna . O governo do Sri Lanka estabeleceu um “Ministério da Medicina Indígena” em 1980 para restaurar e regulamentar a prática no país. O Instituto de Medicina Indígena afiliado à Universidade de Colombo oferece graduação em medicina e cirurgia ayurvédica.

Existem atualmente 62 hospitais ayurvédicos e 208 dispensários no sistema público, e eles atendem a quase 3 milhões de pessoas a cada ano (cerca de 11% da população total do Sri Lanka). No total, cerca de 20.000 praticantes ayurvédicos estão registrados no país. Além disso, a fabricação e a comercialização de medicamentos ayurvédicos possibilitaram sua comercialização bem-sucedida por várias empresas farmacêuticas.

A nível mundial

As instituições acadêmicas indianas ligadas à medicina tradicional ajudaram a dar visibilidade internacional ao Ayurveda. Kurup (2003) comenta notavelmente sobre o papel da Universidade Ayurvédica de Gujarat:

“A Universidade Ayurvédica de Gujarat assinou um memorando de entendimento com nove institutos Ayurvédicos operando no Japão , Austrália , Holanda , Itália , Argentina e Alemanha para coordenar e facilitar a globalização do Ayurveda por meio da colaboração universitária. Anteriormente, o Instituto de Medicina da Rússia havia assinado o MoU com o governo indiano, no qual a Universidade Ayurvédica de Gujarat também era uma das autoridades responsáveis ​​pela implementação. "

- Kurup

Os postulados e a história do Ayurveda também são objeto de pesquisa de estudiosos indianos, como Dominik Wujastyk no Instituto Francês de Pondycherry, Reino Unido e Viena.

Estados Unidos

O Ayurveda está começando a ser aceito no mundo ocidental, uma vez que a pesquisa médica acadêmica estuda seus vários postulados. Nos Estados Unidos, por exemplo, o Centro Nacional de Medicina Complementar e Alternativa (NCCAM) gasta uma parte significativa de seu orçamento anual de US $ 123 milhões para pesquisas médicas ayurvédicas. Os alunos que desejam treinar geralmente fazem seus estudos na Índia ou nos Estados Unidos, onde muitas instituições agora emitem diplomas adequados. A prática da Ayurveda, que não é oficialmente reconhecida neste país, requer um diploma prévio emitido em outra vertente de cuidados de saúde.

Federação Russa

Em 2014, na 15 ª  Índia-Rússia, o presidente anuais Putin e primeiro-ministro indiano Modi acordos-chave sinal; sua declaração conjunta inclui que os dois países irão incentivar sua cooperação para promover a saúde e a boa forma por meio dos métodos tradicionais indianos de Yoga e Ayurveda, incluindo centros e acampamentos de Yoga e centros ayurvédicos.

Galeria

Bibliografia

Bibliografia francesa, obra de popularização

  • Documento usado para escrever o artigo : documento usado como fonte para este artigo. Michel Angot , Caraka-Samhita: Tratado sobre Ayurveda: Volume 1: O Livro dos Princípios (Sutrasthana) e O Livro do Corpo (Sarirasthana) , vol.  1, Paris, Belles Lettres,, 768  p. ( ISBN  978-2-251-72052-4 e 2-251-72052-9 )

Bibliografia inglesa, trabalho de popularização

  • David Frawley , Ayurvedic Healing , Lotus Press, Twin Lakes, Wisconsin

Bibliografia científica

  • AS Chopra (2003). em "Ayurveda", Medicine Across Cultures , editado por Selin, Helaine & Shapiro, H. 75-83. Kluwer Academic Publishers. Estados Unidos da América: ( ISBN  1-40201-166-0 ) .
  • Girish Dwivedi e Shridhar Dwivedi (2007). História da Medicina: Sushruta - o Clínico - Professor por Excelência . Centro Nacional de Informática (Governo da Índia) .
  • Stanley Finger (2001). Origins of Neuroscience: A History of Explorations Into Brain Function . EUA: Oxford University Press. ( ISBN  0-19514-694-8 ) .
  • PNV Kurup (2003) em "Ayurveda - A Potential Global Medical System", Scientific Basis for Ayurvedic Therapies editado por Mishra, LC 1-14. CRC Press: ( ISBN  0-84931-366-X ) .
  • P. Kutumbian (2005). Ancient Indian Medicine . Orient Longman. ( ISBN  8-12501-521-3 ) .
  • Lock, Stephen et al. (2001) The Oxford Illustrated Companion to Medicine . EUA: Oxford University Press. ( ISBN  0-19262-950-6 ) .
  • KS Mitra e PR Rangesh (2003). em "Irritable Colon (Grahni)", Scientific Basis for Ayurvedic Therapies editado por Mishra, LC CRC Press: ( ISBN  0-84931-366-X ) .
  • HM Sharma e Gerard C. Bodeker (1997). em Medicina Alternativa (sistema médico) . Enciclopédia Britânica 2008.
  • E. Ashworth Underwood e P. Rhodes (2008). Doutora em História da Medicina . Enciclopédia Britânica 2008.
  • D. Wujastyk (2003). The Roots of Ayurveda: Selections from Sanskrit Medical Writings . Penguin Classics: ( ISBN  0-14044-824-1 ) .
  • Ananda S. Chopra , "Āyurveda" , em Selin, Helaine, Medicine Across Cultures: History and Practice of Medicine in Non-Western Cultures , Norwell, MA, Kluwer Academic Publishers ,, 75–83  p. ( ISBN  1-4020-1166-0 , leia online )

Notas e referências

  1. Kurup 2003.
  2. Ayus no Dicionário de Herança Sânscrita .
  3. Veda no Heritage Dictionary sânscrito .
  4. Medicina ayurvédica: conceito central, princípios terapêuticos e relevância atual , Arvind Chopra, MD, DNB e Vijay V. Doiphode, MASc, PhD, em Clínicas Médicas da América do Norte , Volume 86, Edição 1, p.  75-89 .
  5. Medicina ayurvédica e literatura indiana sobre epilepsia , S. Jain (Indian Epilepsy Centre, Delhi) e PN Tandon (National Brain Research Centre, Manesar, Índia) em Neurology Asia 2004 ; 9 (Suplemento 1): 57-58.
  6. Sharma & Bodeker na Enciclopédia Britânica 2008 .
  7. (em) Ananda S. Chopra e Selin, Helaine (edição), Medicine Across Cultures: History and Practice of Medicine in Non-Western Cultures , Norwell, MA, Kluwer Academic Publishers ,, 416  p. ( ISBN  1-4020-1166-0 , leia online ) , “Āyurveda” , p.  75-83.
  8. (en) Saúde e bem-estar (do Sri Lanka) na Enciclopédia Britânica (2008).
  9. Ministro do Yoga nomeado na Índia - Shripad Yesso Naik torna-se o novo Ministro dos Medicamentos, encarregado de práticas tradicionais como Ayurveda, Yoga e Homeopatia. , O ponto ,.
  10. Referências para treinamento em Ayurveda , Organização Mundial da Saúde, 2010.
  11. Uma breve revisão do Ayurveda , JE Sigdell, US National Library of Medicine, National Institutes of Health, 1982.
  12. (en-US) “  Indian Doctors Fight Against Quackery,  ” em sciencebasedmedicine.org (acessado em 26 de fevereiro de 2019 ) .
  13. Desmistificando propriedades míticas das cinzas de ouro antigas  " , na Nature India ( DOI  10.1038 / nindia.2017.126 , acessado em 26 de fevereiro de 2019 ) .
  14. (en-US) “  Medicina baseada na ciência versus outras formas de conhecimento  ” , em sciencebasedmedicine.org (acessado em 26 de fevereiro de 2019 ) .
  15. UNADFI | União Nacional de Associações para a Defesa de Famílias e Pessoas Vítimas de Seitas  ” , em UNADFI (acesso em 3 de fevereiro de 2019 ) .
  16. O" Marketing Espiritual de Guru Baba Ramdev  " , no UNADFI (acessado em 3 de fevereiro de 2019 ) .
  17. Movimento Hindu | UNADFI  ” , em www.unadfi.org (acessado em 3 de fevereiro de 2019 ) .
  18. Na sombra de um guru  " , em UNADFI (acessado em 3 de fevereiro de 2019 ) .
  19. “  Dia Mundial do Yoga  ” , no UNADFI (acessado em 3 de fevereiro de 2019 ) .
  20. “  A meditação mindfulness ,  ” em UNADFI (acessada 03 de fevereiro de 2019 ) .
  21. A estrela mundial do bem-estar em Paris  " , no UNADFI (acesso em 3 de fevereiro de 2019 ) .
  22. (in) Ayurveda, Nature's Medicine , David Frawley e Subhash Ranade, Lotus Press, 2001.
  23. (pt) Palavras de Ramana Maharshi , Vedantatattva.org
  24. Michel Angot , Caraka-Samhitâ: Tratado sobre Ayurveda: Volume 1: O Livro dos Princípios (Sutrasthana) e O Livro do Corpo (Sarirasthana) , vol.  1, Paris, Belles Lettres,, 768  p. ( ISBN  978-2-251-72052-4 e 2-251-72052-9 ).
  25. (in) Os antigos escritos ayurvédicos .
  26. Uma breve história do Ayurveda por Rob Lightbearer, The Healing Sphere.
  27. Kutumbian, páginas XXXII - XXXIII .
  28. Wujastyk, página XXVI .
  29. Sushruta, o clínico-Mestre por excelência , Indian Journal of Doenças do Tórax e Ciências Afins (Delhi, Índia: Vallabhbhai Patel Chest Institute, U. de Delhi National College / of Chest Physicians) 49: 243-244. (Republicado pelo Centro Nacional de Informática, Governo da Índia).
  30. Asian Medical Systems , Charles Leslie, Motilal Banarsidass Publishing, (1998).
  31. (em) Samhita - संहिता , Pravara Medical Trust.
  32. (em) The Ancient Ayurvedic Writings , Michael S. Dick and the Ayurvedic Institute.
  33. Vincent Rousselet-Blanc e Philippe Maugars Ayurveda diária , Hachette pratique, 2011.
  34. Wujastyk, páginas XV - XVI .
  35. bloqueio et al. página 607.
  36. (em) BB Aggarwal, C. Sundaram, N. Malani e H. Ichikawa, Curcumin: the Indian solid gold  " , Adv Exp Med Biol , vol.  595,, p.  1-75 ( PMID  17569205 ).
  37. (em) TS Panchabhai, Kulkarni e UP Rege NN, Validação de reivindicações terapêuticas de Tinospora cordifolia: uma revisão  " , Phytother Res , vol.  22, n o  4,, p.  425-41 ( PMID  18167043 , DOI  10.1002 / ptr.2347 ).
  38. (en) NT Tildesley DO Kennedy, Perry EK et al. , “  Salvia lavandulaefolia (sábio espanhol) melhora a memória em voluntários jovens saudáveis  ” , Pharmacol Biochem Behav , vol.  75, n o  3,, p.  669-74 ( PMID  12895685 ).
  39. (in) S. Akhondzadeh Sr. Noroozian Sr. Mohammadi, S. Ohadinia, AH Jamshidi e M. Khani, extrato de Salvia officinalis no tratamento de pacientes com doença de Alzheimer leve a moderada: um duplo-cego, randomizado e placebo - ensaio controlado  ” , J Clin Pharm Ther , vol.  28, n o  1,, p.  53-9 ( PMID  12605619 ).
  40. (em) DC Koh, A. e K. Armugam Jeyaseelan, Snake venom components and their Applications in biomedicine  " , Cell Mol Life Sei , vol.  63, n o  24,, p.  3030-41 ( PMID  17103111 , DOI  10.1007 / s00018-006-6315-0 ).
  41. (em) R. Govindarajan, Mr. Vijayakumar e P. Pushpangadan, Antioxidant approach to disease management and the role of 'Rasayana' herbs of Ayurveda  ' , J Ethnopharmacol , vol.  99, n o  2, p.  165–78 ( PMID  15894123 , DOI  10.1016 / j.jep.2005.02.035 ).
  42. (em) R. Subapriya e S. Nagini, Medicinal properties of neem leaves: a review  " , Curr Med Chem Anticancer Agents , Vol.  5, n o  2, p.  149-6 ( PMID  15777222 , leia online ).
  43. (in) Princípios básicos de Ayurveda , Jiva Institute of Vaishnava Studies. Vrindavan, Índia.
  44. Chopra 2003 , p.  75
  45. Ayurveda  " (acessado em 14 de maio de 2019 ) .
  46. Sushruta indica que o bloqueio desses dutos pode causar reumatismo severo , algumas formas de paralisia e convulsões epilépticas ( The Roots of Ayurveda: Selections from Sanskrit Medical Writings, Wujastyk, D., Penguin Books , páginas XIX - XX , 2003). Os banhos de vapor ajudam a restaurar o equilíbrio dos três doshas , eliminando as toxinas que obstruem os shrotas e é por isso que muitos tipos de suor são recomendados nesses casos ( cf. supra O Panchakarma ).
  47. (in) Ayurveda Revisited , Sharadini Arun Dahanukar e Urmila Mukund Thatte, edições Ramdas Bhatkal, Bombay, India, em 1989.
  48. Para o Shirodhara  (in) , a tradicional mesa de massagem ayurvédica é complementada por um pilar que está pendurado no topo de um recipiente de cobre com óleo quente. Durante o tratamento, esse óleo flui em um fino fluxo contínuo na testa do paciente deitado cuja cabeça repousa sobre a almofada e é coletado em uma espécie de pia (aqui em aço inoxidável) para finalmente fluir mais baixo (exceto foto) em um banheira reservada para este uso. Este tratamento, que pode durar mais de uma hora, é conhecido por induzir uma profunda sensação de bem-estar e é muito utilizado para distúrbios nervosos.
  49. (em) Sharma, AK (2003) em "Panchakarma Therapy in Ayurvedic Medicine" Scientific Basis for Ayurvedic Therapies editado por Mishra, LC 43. CRC Press: ( ISBN  0-84931-366-X ) .
  50. massagens e os tratamentos ayurvédicos, para além da sua ação relaxante, têm uma vocação preventiva e curativa. Como as plantas, eles visam reequilibrar a terra, nutrir ou dessaturar, remover a tensão, relaxar a mente ...
  51. Para todo o corpo: massagens abhyanga e udvartana , pinda sveda ...
    • A cabeça: shirodhara, shiropitchou, shirobasti, shiroabhyanga ,
    • O sistema nervoso central: shirodhara, nasya ,
    • Os olhos: netrabasti ,
    • O coração: hroudbasti ,
    • Os joelhos: jānudhara, jānubasti ,
    • Verso : katibasti .
  52. Massagens e tratamentos corporais geralmente apoiam uma abordagem mais ampla: plantas, dieta, etc. Sua importância é de primeira ordem quando o desequilíbrio afeta em particular a pele, os músculos, o tecido adiposo, o esqueleto e as articulações. Para algumas condições, eles podem até ser usados ​​como um tratamento simples, além de qualquer Panchakarma (ciática, hérnia de disco, espondilite, fadiga ocular, espasmos / contraturas / cãibras, hiperatividade, pele seca, erupções cutâneas,  etc. )
  53. Muitos tratamentos ayurvédicos funcionam com base no princípio da absorção pela pele de matérias-primas aplicadas ao corpo. Uma massagem ou tratamento ayurvédico é a aplicação de uma matéria-prima adaptada ao perfil, patologia e sintomas do paciente. Deve ser absolutamente de qualidade para oferecer benefícios reais. Essas matérias-primas podem ser:
    • óleos: gergelim, rícino, coco, mostarda, nim, amêndoa doce, caroço de damasco ou óleos medicinais com plantas como Chandanbala lakshadi (com sândalo), cauda de Dashamoula ou Mahanarayan ...
    • de ghee (manteiga clarificada): puro ou medicalizado como triphala , Dadima , mahatikta ghrouta ...
    • misturas de especiarias e plantas em pó ( chournas ) contidas em compressas quentes ( Pinda Sveda ) aplicadas ao corpo,
    • preparações médicas: leite, pudim de arroz, leitelho, etc.
  54. Chopra, página 78.
  55. O enxaguatório bucal Gandouch , por exemplo, é uma das práticas de higiene que fazem parte da Ayurveda.
  56. (en) Gananath Obeysekere "A Teoria e Prática da Medicina Psicológica na Tradição Ayuvédica" Cultura, Medicina e Psiquiatria , 5, 1977, p.  155-181 .
  57. (em) Deborah P. Bhattacharyya "Psychiatric pluralism in Bengal, India" Social Science and Medicine , 17, 1983, p.  947-956 .
  58. (pt) KC Dube, Aditya Kumar, Sanjay Dube. "Psychiatric Training and Therapies in Ayurved" American Journal of Chinese Medicine , XIII (1), 1985, p.  13-22 .
  59. (en) Kapur RL. "O papel dos curandeiros tradicionais na unidade de cuidados de saúde mental na Índia rural" Social Science and Medicine , 13, 1979, p.  27-31 .
  60. Guy Mazars. Medicina indiana . Paris: PUF, 1995. 127  p. (O que eu sei N o  2962).
  61. Pesquisa em Ayurveda , Conselho Central de Pesquisa em Ayurveda e Siddha (CCRAS).
  62. Departamento de Ayurveda, Yoga e Naturopatia, Unani, Siddha e Homeopatia (AYUSH) .
  63. "Ayurveda sob o scanner" Frontline , Volume 23, Issue 07, abr. 08-21, 2006.
  64. (em) J. Park e E. Ernst, Ayurvedic medicine for reumatoid arthritis: a sistemática review  " , Semin. Arthritis Rheum. , vol.  34, n o  5,, p.  705–13 ( PMID  15846585 , DOI  10.1016 / j.semarthrit.2004.11.005 ).
  65. (in) Medicina Ayurveda: Uma Introdução , Centro Nacional de Medicina Complementar e Alternativa (NCCAM).
  66. (in) , e CB Jha Sudhaldev Mohaptra "Caracterização físico-química do bhasma Ayurvédico (Swarna makshika bhasma): Uma abordagem para a padronização", International Journal of Ayurveda Research , abril-junho de 2010.
  67. (en) Urmila Thatte e Supriya Bhalerao “Farmacovigilância dos medicamentos ayurvédicos na Índia” Indian Journal of Pharmacology 2008.
  68. (in) Paul I. Dargan "Envenenamento por metais pesados ​​de medicamentos tradicionais ayurvédicos: um problema emergente" Int. J. Environment and Health 2008; 2 (3/4): 463–74.
  69. (en) RB Saper, SN Kales, J. Paquin et al. “Heavy metal content of Ayurveda herbal medicine products” JAMA 2004; 292 (23): 2868–73.
  70. (em) Robert B. Saper, Russel S. Phillips, Stefanos N. Kales et al. “Chumbo, mercúrio e arsênico em medicamentos ayurvédicos manufaturados nos EUA e na Índia vendidos pela Internet” JAMA 2008.
  71. Segundo o indianista Michel Angot , “o Ayurveda original não é mercurial”. Fonte: Tratado de Ayurveda de Caraka-Samhitâ , volume I, tradução de Michel Angot, edições Les Belles Lettres, página 272, nota 982 ( ISBN  978-2-251-72052-4 ) .
  72. (en) Bhushan et al. “Heavy Metals and Ayurveda” Current Science , Vol. 88, n o  10, 25 de maio de 2005. Academia Indiana de Ciências.
  73. (en) MS Valiathan. “Ayurveda: Colocando a casa em ordem” Current Science , vol. 90, n o  1, 5-6, 10 de janeiro de 2006 Indian Academy of Sciences.
  74. (em) [1] , Lei de Medicamentos e Cosméticos, Governo da Índia, Ministério da Saúde e Bem-Estar Familiar.
  75. (en) Supriya Bhalerao, Renuka Munshi e Dipti Kumbhar “Um levantamento das informações de rotulagem fornecidas para medicamentos ayurvédicos comercializados na Índia” Indian Journal of Pharmacology , Out-Dez 2010.
  76. Patente US n o  5401504.
  77. Basmati , Estudos de caso TED.
  78. (em) "Representative Database of 1200 Ayurvedic, Unani and Siddha formulations" , Traditional Knowledge Library, India.
  79. Corporate Activity and Human Rights in India , publicado por Gabriella Wass, Human Rights Laws Network, Índia.
  80. (em) "Recursos médicos" Departamento de Ayurveda, Yoga e Naturopatia, Unani, Siddha e Homeopatia (AYUSH).
  81. (en) "Hospitals and Dispensaries under Central Government Health Scheme (CGHS) (1991-2013)" , Indiastat.com
  82. Lei do Conselho Central de Medicina da Índia, Conselho Central de Medicina da Índia.
  83. Wujastyk, página XXII .
  84. (en) Ministério da Saúde e Bem-Estar da Família .
  85. (in) Relatório Anual 2013 , Departamento de Ayurveda, Yoga e Naturopatia, Unani, Siddha e Homeopatia (AYUSH).
  86. (in) "Ministério do Yoga na Índia como um método para resolver os problemas mundiais" , Embaixada da Índia, Yerevan, Armênia.
  87. "Na Índia, a ioga também obtém seu ministério" Le Figaro , 10 de novembro de 2014.
  88. (em) "Farmacovigilância de medicamentos ayurvédicos na Índia" Indian Journal of Pharmacology .
  89. Wujastyk, página XVI .
  90. (en) Departamento de Ayurveda, Yoga e Naturopatia, Unani, Siddha e Homeopatia (AYUSH) .
  91. (en) Conselho Central de Pesquisa em Ayurveda e Siddha (CCRAS).
  92. (in) Mukherjee PK Wahile A. "Abordagens integradas para o desenvolvimento de medicamentos de Ayurveda e outro sistema indiano de medicamentos" Journal of Ethnopharmacology 2006; 103 (1): 25-35. PMID 16271286 .
  93. Dr. Md. Zulfeequar Alam, Medicamentos à base de ervas , APH Publishing,, 122  p. ( ISBN  978-81-313-0358-0 , apresentação online ).
  94. (in) Arjun Guneratne , cultura e meio ambiente no Himalaia , Routledge,, 256  p. ( ISBN  978-0-415-53314-0 e 0-415-53314-7 , OCLC  774638075 , ler online ) , p.  84-85.
  95. (en) Ministério da Medicina Indígena .
  96. (in) Instituto de Medicina Indígena .
  97. (in) Estatística , Ministério da Medicina Indígena.
  98. (in) Quem Somos , Ministério da Medicina Indígena.
  99. (em) Gujarat Ayurved University .
  100. (em) Dominik Wujastyk , Universidade de Viena, Departamento de Estudos do Sul da Ásia, Tibete e Budismo.
  101. (in) Ayurveda: A Comprehensive Guide to Traditional Indian Medicine for the West , Frank John Ninivaggi, Praeger Press, 2007.
  102. (en) National Center for Complementary & Alternative Medicine .
  103. (in) Programas e Requisitos de Treinamento Ayurveda , Portal de Educação, EUA .
  104. (in) Escolas ayurvédicas nos EUA , Fundação Educacional Light on Ayurveda, Inc. (LOAEF) .
  105. (em) Declaração Conjunta sobre a Visita do Presidente Russo Vladimir Putin à Índia: Texto Completo (Item 33) .
  106. Mitra & Rangesh, página 363.
  107. (em) Clifford, Terry (2003) Tibetan Buddhist Medicine and Psychiatry . 42. Publicações Motilal Banarsidass . ( ISBN  81-208-1784-2 ) .
  108. (em) G Miller, Botanical influences are cardiovascular disease  " , Altern Med Rev , Vol.  3, n o  6,, p.  422-31 ( PMID  9855567 ).
  109. (em) AA e AS Mungantiwar Phadke (2003) "Immunomodulation: Therapeutic Strategy through Ayurveda" in Scientific Basis for Ayurvedic Therapies editado por Mishra, LC 72. CRC Press: ( ISBN  0-8493-1366-X ) .
  110. do dedo, página 66.
  111. Mitra & Rangesh, página 319.
  112. (em) Thomas P. Kasulis, Roger T. Aimes, Wimal Dissanayake (1993) Self as Asian Body in Theory and Practice . Imprensa da Universidade Estadual de Nova York . 104. ( ISBN  0-7914-1079-X ) .
  113. (em) S. Sahu & SC Mishra (2003) " Benign growths, Cysts , and Malignant Tumors" in Scientific Basis for Ayurvedic Therapies editado por Mishra, LC 300. CRC Press: ( ISBN  0-8493-1366-X ) .

Veja também

Artigos relacionados

Esperamos que as informações que coletamos sobre Ayurveda tenham sido úteis para você. Se for o caso, não se esqueça de nos recomendar a seus amigos e familiares, e lembre-se que você pode sempre nos contatar se precisar de nós. Se, apesar de nossos melhores esforços, você acha que o que fornecemos sobre _título não é totalmente exato ou que devemos acrescentar ou corrigir algo, ficaríamos gratos se você nos avisasse. Fornecer as melhores e mais completas informações sobre Ayurveda e qualquer outro assunto é a essência deste website; somos movidos pelo mesmo espírito que inspirou os criadores do Projeto Enciclopédia, e por esta razão esperamos que o que você encontrou sobre Ayurveda neste website o tenha ajudado a expandir seu conhecimento.

Opiniones de nuestros usuarios

Davi Mesquita

Para quem como eu procura informações sobre Ayurveda, essa é uma opção muito boa.

Jaqueline De Mello

O artigo sobre Ayurveda está completo e bem explicado. Eu não adicionaria ou removeria uma vírgula.

Marilene Sampaio

Obrigado. O artigo sobre Ayurveda me ajudou.