Charles Dickens



As informações que conseguimos compilar sobre Charles Dickens foram cuidadosamente revisadas e estruturadas para torná-las tão úteis quanto possível. Você provavelmente veio aqui para saber mais sobre Charles Dickens. Na Internet, é fácil se perder na confusão de sites que falam sobre Charles Dickens e ainda não fornecem o que você quer saber sobre Charles Dickens. Esperamos que nos informe nos comentários se você gostar do que leu sobre Charles Dickens abaixo. Se as informações sobre Charles Dickens que fornecemos não são as que você estava procurando, por favor nos informe para que possamos melhorar este site diariamente.

.

Charles Dickens
Descrição desta imagem, também comentada abaixo
Charles Dickens em Nova York em 1868.
Aniversário
Landport , perto de Portsmouth , Reino Unido
Morte
Gad's Hill Place  (en) em Higham ( Kent ) no Reino Unido
Nacionalidade Bandeira do Reino Unido britânico
Atividade primária
Autor
Linguagem escrita inglês
Gêneros
Romance , teatro, artigos, contos

Trabalhos primários

Assinatura de Charles Dickens

Charles John Huffam Dickens (pronuncia-se [ t ʃ ɑ r l z d ɪ . K ɪ n z ] ), nascido em Landport , perto de Portsmouth, no condado de Hampshire , na costa sul da Inglaterra,e morreu em Gad's Hill Place  (em) para Higham em Kent , o , é considerado o maior romancista da era vitoriana . Desde seus primeiros escritos, ele se tornou imensamente famoso, sua popularidade aumentando constantemente com suas publicações.

A experiência marcante de sua infância, que alguns consideram a chave de seu gênio, foi, pouco antes da prisão de seu pai por dívidas em Marshalsea , sua contratação aos doze anos de idade com Warren, onde colou rótulos em potes de polimento por mais de um ano. Embora tenha retornado à escola por quase três anos, sua educação permaneceu incompleta e sua grande cultura deve-se principalmente ao seu esforço pessoal.

Ele fundou e publicou vários semanários, compôs quinze romances importantes, cinco livros menores ( novelas em inglês), centenas de contos e artigos sobre assuntos literários ou sociais. Sua paixão pelo teatro o levou a escrever e dirigir peças, atuar comédia e fazer leituras públicas de suas obras que, em turnês muitas vezes exaustivas, rapidamente se tornaram extremamente populares na Grã - Bretanha e nos Estados Unidos .

Charles Dickens foi um defensor incansável dos direitos da criança, da educação para todos, do status das mulheres e de muitas outras causas, incluindo a das prostitutas .

Ele é apreciado por seu humor , sua sátira de maneiras e personagens. Quase todas as suas obras foram publicadas em folhetins semanais ou mensais, género que ele próprio inaugurou em 1836  : este formato é restritivo mas permite uma reacção rápida, mesmo que signifique modificar a acção e as personagens ao longo do caminho. Os enredos são organizados e muitas vezes enriquecidos com eventos contemporâneos, mesmo que a história se passe antes.

Publicado em 1843 , A Christmas Carol teve um amplo impacto internacional, e sua obra tem sido elogiada por escritores renomados, como William Makepeace Thackeray , Leo Tolstoy , Gilbert Keith Chesterton e George Orwell , por seu realismo , seu espírito cômico , seu arte de caracterização e a agudeza de sua sátira . Alguns, no entanto, como Charlotte Brontë , Virginia Woolf , Oscar Wilde ou Henry James , o criticaram por falta de regularidade no estilo , por privilegiar a veia sentimental e por se contentar com análises psicológicas superficiais.

Dickens foi traduzido para muitas línguas, com seu endosso para as primeiras versões francesas. Sua obra, constantemente reeditada, sempre conhece muitas adaptações para teatro, cinema, music hall, rádio e televisão.

Biografia

A biografia de Dickens, publicada após sua morte e que há muito tem autoridade, é a de John Forster , Life of Charles Dickens  : amigo íntimo, confidente e conselheiro, seu testemunho, escreve Graham Smith, "tem uma intimidade que só um vitoriano culto . e o próprio autor, poderia trazer ” . Mesmo assim, mas soube-se muito mais tarde, Forster mudou ou apagou qualquer coisa que pudesse ter parecido estranho em sua época. Dickens, um deus da Inglaterra e além, era, portanto, apresentado como um homem irrepreensível, especialmente porque ele mesmo foi quem orquestrou a partitura de sua vida: ele queria que Forster fosse seu biógrafo e sua copiosa troca de cartas servisse para esculpir a estátua de um comandante; assim como seus Fragmentos autobiográficos , consagrados à infância em 1824 e também confiados a Forster pouco depois de março ou abril de 1847, que o pintam como vítima em vinhetas que maximizam a ameaça e o perigo, daí a angústia e o sofrimento.

Infância e adolescência

Uma infância feliz

Vindo de uma família pobre, Charles Dickens nasceu aos 13 anos, Mile End Terrace em Landport, um pequeno subúrbio de Portsmouth , Portsea, na sexta-feira. Ele foi o segundo de oito filhos, mas o primeiro filho, de John Dickens (1785-1851) e Elizabeth Dickens, nascida Barrow (1789-1863). Ele foi batizado em 4 de março na Igreja de Santa Maria, Kingston, Portsea. Seu pai era encarregado do pagamento da tripulação no Gabinete de Pagamento da Marinha Real , mas depois de Waterloo e o fim da guerra na América , a base naval foi reduzida e ele foi transferido para Londres. Em janeiro de 1815 mudou-se para Norfolk Street, perto de Oxford Street . Charles, de sua breve estada em Portsmouth, guarda algumas lembranças, incluindo uma apreensão de armas . De Londres, que a criança frequenta dos três aos quatro anos, ela guarda a imagem de uma visita à Soho Square , a lembrança de uma compra: uma varinha Arlequim. Em abril de 1817 , uma nova família de mutação envia para o arsenal de Medway em Chatham em Kent . A família mudou-se para lá na Ordnance Street 2, em uma casa confortável, com duas criadas, a jovem Mary Weller, a babá da criança, e Jane Bonny, de idade avançada.

Logo, depois de frequentar a escola dominical com sua irmã Fanny, de quem era muito próximo, foi matriculado na instituição de William Giles, filho de um pastor batista , que o achou brilhante; Charles leu os romances de Henry Fielding , Daniel Defoe e Oliver Goldsmith , que permanecerão seus professores. Os irmãos estão felizes apesar das mortes prematuras: além de "Charley", a irmã mais velha Frances (Fanny) (1810-1848), e os mais novos, Alfred Allen, que morreu alguns meses de idade, Letitia Mary (1816-1893), Harriet, também falecida em criança, Frederick William (Fred) (1820-1868), Alfred Lamert (1822-1860) e Augustus (1827-1866), aos quais foram acrescentados James Lamert, um parente, e Augustus Newnham, órfão de Chatham. Os mais velhos se entregam a jogos de mímica, recitais de poesia, concertos de música folclórica e também apresentações teatrais. A criança é livre para vagar pelo campo, sozinha ou em longas caminhadas com seu pai ou Mary Weller, então com treze anos, mais raramente na companhia de Jane Bonny, ou para observar a atividade da cidade portuária. Mais tarde, nas suas descrições de paisagens rurais, foram as imagens de Kent que tomou como modelo. "Esse período, escreveu ele, foi o mais feliz da minha infância"  : foi também em Chatham que Charles fez sua estreia literária escrevendo esquetes que executava na cozinha ou de pé sobre uma mesa da pousada vizinha.

Essa vida despreocupada e esse início de educação tiveram um fim abrupto quando a família teve que ir para Londres com uma redução no pagamento, um prelúdio para o declínio financeiro. Charles, de dez anos, ficou alguns meses em Chatham com William Giles, depois voltou para a capital, deixando esta memória desiludida da viagem: “Em todos esses anos que se passaram, será que alguma vez perdi o cheiro úmido da palha Onde Fui lançado como um jogo e levado, com a carruagem paga, para Cross Keys, Wood Street, Cheapside, Londres Não havia nenhum outro passageiro dentro e engoli meus sanduíches na solidão e no cinza, e a chuva continuou caindo, e eu achei a vida muito mais feia do que eu nunca imaginei. "

A queda da Casa Dickens

Esta queda deve ser qualificada no que diz respeito ao contexto familiar, representativo da pequena burguesia vitoriana . Os avós paternos eram servos de cúpula hierárquica, governanta e copeiro, o que lhes rendia o respeito de seus senhores. Em The Stormy House , Sir Lester Dedlock nunca para de elogiar a Sra. Rouncewell, sua governanta de Chesney Wold.

Uma ascensão social discreta

Essa pequena prosperidade e a influência de que desfrutam serviram como trampolim para a ascensão social de seu filho John. Seu trabalho representa uma posição invejável na burocracia vitoriana , com várias promoções e um salário anual subindo de £ 200  em 1816 para £ 441  em 1822. É um bom comércio, um emprego permanente, com o favor de superiores, adquirido pela diligência e competência. Determinado a subir na escala social, mas "imprudentemente imprudente" de acordo com Peter Ackroyd, ele se mostra incapaz de administrar seu dinheiro. Em 1819, ele já havia contraído uma dívida de £ 200  , representando quase a metade de seus emolumentos anuais, e causado uma briga com seu cunhado que o fiou; outras dívidas estão pendentes em Chatham, de onde uma descida ao inferno agravada por mudanças, uma transferência mal paga para Londres, uma cidade cara, resultando em novas dívidas e um estilo de vida gradualmente reduzido a nada. Em 1822, os Dickens mudaram-se para Camden Town , nos arredores da capital, e John Dickens colocou suas esperanças no plano de sua esposa de abrir uma escola. Assim, a família mudou-se novamente no Natal de 1823 para 4 Gower Street, uma casa rica capaz de acomodar estudantes em residência. A escola, no entanto, não atrai ninguém e, depois de algumas semanas, a renda cai para a pobreza.

Charles privado de escolaridade e da fábrica de graxa de sapato

Enquanto a irmã mais velha ingressava no Conservatório de Música, onde estudou até 1827 , Charles, aos 12 anos e arrependido da escola, passava seu tempo "limpando botas" . James Lamert está construindo um teatro em miniatura, algo para despertar a imaginação, como visitas ao padrinho Huffam que fornece os barcos, ou ao tio Barrow em cima de uma livraria cujo barbeiro é o pai de Turner , ou à avó Dickens que doa um relógio de prata e conta às fadas contos e histórias, sem dúvida usados ​​em Barnaby Rudge (os motins de Gordon ) e The Tale of Two Cities (a Revolução Francesa ). Quinze meses depois, a vida de Charles muda repentinamente e fica para sempre de cabeça para baixo.

No início de 1824 , James Lamert ofereceu ao menino um emprego, uma oferta que seus pais agarraram avidamente, e Charles entrou na fábrica de Blacking de Warren em Hungerford Stairs on the Strand . É um armazém de depilação e tingimento onde ele tem, dez horas por dia, para colar rótulos em garrafas por 6 xelins por semana, o suficiente para ajudar sua família e pagar o aluguel da Sra. Ellen Roylance, uma amiga então imortalizada, com " Algumas mudanças e enfeites " , em Mrs Pipchin de Dombey et Fils . Ele então aluga um sótão escuro de Archibald Russell na Lant Street em Southwark . Archibald Russell, "um velho cavalheiro robusto, diz John Forster , de uma natureza feliz, mergulhado na bondade, com uma esposa já idosa e calma, e um filho adulto particularmente ingênuo" , trabalha como escrivão no tribunal de falências: esta família pode-se argumentar inspirou as Guirlandas da Loja de Antiguidades , enquanto o tribunal foi copiado nas cenas do julgamento dos papéis póstumos do Pickwick Club .

A prisão do pai em Marshalsea

O 20 de fevereiro de 1824John Dickens é preso por uma dívida de £ 40  com um padeiro e mantido na prisão de Marshalsea em Southwark . Todos os seus pertences, inclusive os livros, foram apreendidos e logo se juntaram à esposa e aos filhos mais novos. Aos domingos, Charles e sua irmã Frances passam o dia na prisão. Esta experiência servirá de pano de fundo para a primeira metade de La Petite Dorrit , que apresenta o Sr. William Dorrit, preso por dívidas nesta prisão onde cresce sua filha Amit, a heroína do romance. Após três meses da morte de sua mãe, John Dickens herdou £ 450  , mais algum trabalho freelance para a British Press e uma pensão de invalidez de £ 146  do Almirantado. Com a promessa de pagamento no final da herança, ele foi libertado em 28 de maio, e a família se refugiou com a Sra. Roylance por alguns meses, depois encontrou acomodação em Hampstead e, finalmente, na Johnson Street em Somers Town. Charles permanece na fábrica que, mais humilhada, o transfere para a vitrine de uma loja na rua Chandos. Foi só em março de 1825 que John Dickens, por brigar com o dono e, apesar da intercessão da Sra. Dickens que tentava acalmar as coisas, tirou o filho dela e o colocou de volta nos bancos da escola.

Um trauma primário , depois um novo ferimento

Este episódio em sua vida representou um trauma para Dickens do qual ele nunca se recuperou. Embora ele o tenha transposto para David Copperfield através do armazém de Murdstone e Grinby e insinuado isso em The Great Expectations (o "  Blacking Ware'us  " [ wharehouse ]), ele nunca se abriu a ninguém, exceto sua esposa e Forster. Ao longo de sua vida, "[ele] sempre ficou surpreso que pudéssemos ter nos livrado [dele] tão facilmente naquela idade", e seu trabalho, escreve Forster, parecia particularmente desanimador para ele: "Ela era uma mulher velha. casa dilapidada caindo em ruínas, que terminava naturalmente no Tamisa, e estava literalmente nas mãos dos ratos [...] Meu trabalho era cobrir os potes com graxa de sapato, primeiro com um pedaço de papel oleado, depois com um pedaço de papel azul ; amarrá-los em redondo com um barbante e depois cortar bem o papel em toda a volta, até que fique todo bonito como um frasco de unguento comprado na farmácia. Quando um certo número de potes grandes atingiu esse ponto de perfeição, tive que colar uma etiqueta impressa em cada um e passar para os outros potes. "

Louis Cazamian lembra que “a grosseria do ambiente, dos camaradas, a tristeza daquelas horas no fundo de uma oficina sórdida ferem a ambição instintiva da criança” . “Nenhuma palavra pode expressar a agonia secreta de minha alma ao cair em tal sociedade, escreve Dickens, [...] e sentir as esperanças que tive desde cedo, de crescer para ser um homem educado e distinto, destruídas em meu coração. " Além disso, Cazamian acrescenta, " a memória deste evento irá assombrá-lo para sempre. Ele vai associar a isso o arrependimento de sua infância abandonada, de sua educação perdida. Daí seu esforço constante para apagar o passado, a busca por roupas, a atenção aos requintes da polidez pessoal. Daí, também, as páginas melancólicas cada vez que ele remonta a tristeza de uma criança. O trabalho manual deixou-o com a impressão de uma mancha ” .

Dickens acrescenta nos Trechos Autobiográficos  : “Escrevo sem ressentimentos, sem raiva, porque sei que tudo o que aconteceu moldou o homem que sou. Mas eu não esqueci de nada, nunca esquecerei, é impossível para mim esquecer, por exemplo, que minha mãe estava muito ansiosa para que eu voltasse para Warren ' , nova ferida explicando as crianças abandonadas ou entregues a eles - a própria pessoas com quem ele povoou seu trabalho, Oliver , Nell , Smike , Jo , David , Amit , Pipetc.

Muitas vezes menosprezada pelos comentários de seu filho, Elizabeth Dickens é encontrada em certos personagens de mulheres estúpidas, como a mãe de Nicholas Nickleby . Graham Smith escreve que o ressentimento de Dickens permanece objetivamente injusto. Sua mãe lhe ensinou as noções básicas de educação, leitura, escrita, história, latim; testemunhas elogiam seu senso de humor, o grotesco, seu talento como atriz e imitadora, todos dons repassados ​​ao filho. De tudo isso, ele conclui, Dickens lucrou, mas nunca reconheceu sua dívida.

O declínio da objetividade

Graham Smith também discute os sentimentos de Dickens: adorado e querido em família, explica ele, foi tratado melhor do que os pobres pequeninos que trabalhavam ao seu lado, bastante simpático com ele, em particular um certo Bob Fagin. Ser objetivo, porém, é deixar de lado as expectativas desse superdotado de 12 anos. Sem os problemas do pai, ele teria sido prometido a Oxford ou Cambridge . No entanto, nunca mais deixou o uniforme do pequeno operário e povoou seu trabalho com pais incompetentes, com exceção dos pais adotivos, Sr. Jarndyce ou Joe Gargery . O herói de David Copperfield é uma criança, entregue a um padrasto cruel, que grita: "Eu não tive nenhum guia ou conselho, nenhum incentivo e nenhum consolo, nenhum apoio de ninguém, nada que eu possa lembrar... " Assim, por John Forster , por alguns de seus colegas, Wilkie Collins em particular, Bulwer-Lytton , Thackeray , por si só, à medida que a vida de Dickens foi gradualmente transformada em uma lenda ou um mito , o do grande típico vitoriano , enérgico, criativo, empreendedor, autodidata. Dickens, aliás, nunca deixou de trazer água para este moinho: mesmo na casa de Warren, ele escreve, ele se esforçava para trabalhar tão bem e até melhor do que seus companheiros na miséria.

Retorno à escola e entrada na vida profissional

Em 1825, Charles voltou à escola na Wellington School Academy em Hampstead Road, onde estudou por cerca de dois anos e ganhou o Prêmio Latino. A instituição não era do seu agrado: "Muitos aspectos, escreve ele, deste ensino arruinado, todos desarticulados, e o relaxamento da disciplina pontuado pela brutalidade sádica do diretor, os aparidores. Trapos e a atmosfera geral de dilapidação são representados em O estabelecimento do Sr. Creakle . "

Este foi o fim de sua educação oficial, pois em 1827 ele entrou no mercado de trabalho, seus pais lhe garantiram um emprego administrativo no escritório de advocacia Ellis and Blackmore, de Holborn Court, Gray's Inn , onde trabalhou de maio de 1827 a novembro de 1828 com tarefas tediosas, mas, escreve Michael Allen, "que ele saberá tirar proveito do seu trabalho" . Ele então se juntou à empresa de Charles Molloy em Lincoln's Inn . Três meses depois, com apenas 17 anos, mostrou, segundo Michael Allen, grande autoconfiança ao embarcar, provavelmente sem a aprovação dos pais, na carreira de estenógrafo repórter freelance do Doctors 'Commons, onde compartilha um prática com um primo distante, Thomas Carlton. Com a ajuda de seu tio JH Barrow, ele aprendeu taquigrafia de acordo com o método Gurney, descrito em David Copperfield como "aquele selvagem mistério taquigrafado" , e em uma carta a Wilkie Collins de 6 de junho de 1856, ele lembra que é aplicou-se a ele desde os quinze anos de idade com "energia celestial ou diabólica" e que ele era o "melhor taquígrafo do mundo" . Em 1830, além dos registros do Doctors 'Commons, ele acrescenta, "ao seu repertório" das crônicas dos debates na Câmara dos Comuns para o Espelho do Parlamento e o Sol Verdadeiro . Nos quatro anos seguintes, construiu sólida reputação, passando logo como um dos melhores repórteres, o que lhe rendeu uma contratação em tempo integral pelo The Morning Chronicle . Essa experiência jurídica e jornalística foi bem aproveitada em Nicholas Nickleby , Dombey et Fils e, especialmente, La Maison d'Âpre-Vent , cuja sátira feroz sobre a lentidão judicial chamou a atenção do público para o fardo que o humilde representa para o humilde. indo ao tribunal.

Maturidade jovem

Esses anos trouxeram para Dickens, explica Michael Allen, além de um bom conhecimento da província ( Birmingham , Bristol , Edimburgo , Exeter , Hemlsford e Kettering), com diligências, revezamentos, hospedarias e cavalos, uma intimidade com Londres que se tornou " o centro giratório de sua vida ” . Também aprofundou seu amor pelo teatro ( Shakespeare , music hall , farsa ou drama ), que frequenta, segundo Forster, quase todos os dias e do qual conhece atores e músicos, muitas vezes apresentados por sua irmã Fanny. Mesmo que, não sem hesitação, tenha escolhido as letras, acrescenta Michael Allen, ele se dá na representação, cuidando do seu vestido à extravagância, muito chamativo ("vistoso"), e observa as pessoas, imitando os sotaques, imitando maneirismos , todos encontrados em seus livros.

O primeiro amor: Maria Beadnell

1830: Charles Dickens tem dezoito anos e se apaixona por Maria Beadnell, um ano mais velha que ele. Seu pai, um bancário sênior da Mansion House , uma pequena burguesia da Lombard Street, um bairro prestigioso da City de Londres , mal aprecia essa amizade, mesmo um futuro casamento, com um jornalista obscuro, filho de um ex-prisioneiro por dívidas, com quem mudou sete vezes na frente dos credores, para finalmente ficar sozinho em 1834 na Pousada de Furnival. Portanto, os Beadnells enviam a filha para uma instituição educacional em Paris, e Charles só pode enviar cartas inflamadas. «Não amei e não posso amar outra pessoa viva que não a ti» , escreveu-lhe ele, mas Maria, insensível à sua «torrente de poesia medíocre» , não se comprometeu. O casal voltou a se ver quando a jovem voltou, cuja falta de ardor, no entanto, acabou entediando Dickens: logo depois de seu vigésimo primeiro aniversário, ele devolveu cartas e presentes com as seguintes palavras: "Nossos encontros não têm sido pouco mais recentemente do que manifestações de indiferença cruel de um lado e do outro, eles apenas alimentaram a dor de um relacionamento que há muito se tornou mais do que desesperador. Muito tempo depois, ele confidencia a John Forster que seu amor o ocupou "inteiramente por quatro anos, e que ele ainda está bastante atordoado com isso" . Esse fracasso "o determinou a superar todos os obstáculos e o empurrou para sua vocação de escritor" . Maria serviu de modelo para a personagem de Dora Spenlow em David Copperfield (1850), charmosa mas tola e incapaz de administrar sua casa.

No entanto, "O que interessa acima de tudo ao leitor, escreve Graham Smith, é que Maria, agora Sra. Winter, mãe de duas filhas, reaparece na vida de Dickens em 1855"  : em 9 de fevereiro, dois dias depois, ela lhe escreve no Por ocasião do seu quadragésimo terceiro aniversário, e Dickens, casado e pai de nove filhos vivos, interessado no jogo, "conduz à distância, com forte sentimento e um pouco de escárnio, um flerte quase infantil" . A aventura terá um epílogo grotesco (ver Um casamento cada vez mais abalado ), mas o tema, já esboçado em David Copperfield , surge "da frustração amorosa, da miséria sexual"  : Maria, a ex-Dora, é mudada então em Flora Finching ( 1855).

Primeiras publicações: atividade frenética e sucesso esmagador

As primeiras páginas de Dickens aparecem na Revista Mensal de dezembro de 1833, às quais são acrescentadas seis edições, cinco não assinadas e a última, de agosto de 1834, assinada pelo pseudônimo Boz . Sua originalidade atrai a atenção do Morning Chronicle , cujo crítico musical e artístico é George Hogarth, pai da jovem Catherine que Charles acaba de conhecer; o novo escritor é contratado lá por £ 273  por ano. O Morning Chronicle logo publicou cinco "esboços de rua" sob o mesmo pseudônimo, e sua originalidade parecia tal que a revista irmã, a Evening Chronicle , da qual George Hogarth se juntou, aceitou a oferta de mais vinte com um aumento de salário. a 7 guinéus por semana. O sucesso foi imediato, e quando a série terminou em setembro de 1835, Dickens recorreu a Bell's Life in London , que o pagou ainda melhor. Pouco depois, o editor John Macrone se ofereceu para publicar os esboços em volume com ilustrações de George Cruikshank , uma oferta com um adiantamento de £ 100  e imediatamente aceita.

1835 foi um ano próspero: em fevereiro, a primeira série de Esquisses de Boz apareceu e imediatamente Chapman e Hall ofereceram a Dickens os papéis póstumas do Pickwick Club em vinte episódios, o primeiro começando em 31 de março. Em maio, ele concordou em escrever um romance em três volumes para Macrone e, três meses depois, assinou outro romance com Richard Bentley . Onze novos esboços são publicados, principalmente no Morning Chronicle , aos quais são adicionados um panfleto político, Sunday under Three Heads , e duas peças, The Strange Gentleman em setembro e The Village Coquette em dezembro. Em novembro, ele assumiu o comando da Bentley's Miscellany mensal e, no mês seguinte, uma segunda série de Esquisses apareceu . Durante esse tempo, a história do Sr. Pickwick se torna tão popular que a reputação de Dickens atinge seu apogeu, suas finanças prosperam e sua autoridade cresce. O outro lado da moeda é que nem todos os compromissos podem ser honrados e que ocorrem negociações intermináveis ​​com os editores, muitas vezes acompanhadas de brigas. Dickens então decide se dedicar inteiramente à literatura e se demite do Morning Chronicle . O coroamento desse redemoinho foi o encontro, em dezembro de 1836, de John Forster , autor, crítico e conselheiro literário, que em breve seria um amigo próximo, confidente e futuro primeiro biógrafo.

Casamento com Catherine Hogarth

1835: noivado, depois casamento

Charles Dickens se apaixonou por Catherine, a filha mais velha de George Hogarth, com quem trabalhou e cuja família via com frequência. Segundo os críticos, Catarina é descrita como "jovem, simpática, alegre, cuidadosa, ativa, quieta", ou "mulherzinha pouco bonita, com olhos azuis sonolentos, nariz arrebitado, queixo se esquivando de seres sem vontade  " . As cartas de Dickens para ele não são tão apaixonantes quanto as que escreveu para Maria Beadnell. Ele vê em Catherine, ele escreve, "uma fonte de conforto e descanso, uma pessoa a quem [ele pode] recorrer ao lado da lareira, uma vez que [seu] trabalho esteja concluído, para explorar [sua] virada gentil e [ela] encantadora modos, a recreação e a alegria que a triste solidão de um apartamento de solteiro nunca proporciona ” . Noivos em 1835, os jovens se casaram emna Igreja de São Lucas em Chelsea . A lua de mel de uma semana foi passada em Chalk perto de Gravesend , Kent , então o casal mudou-se para Furnival's Inn antes de se mudar para Bloomsbury . Foi em Chalk que Dickens encontrou a forja onde o tio de Pip, Joe Gargery , trabalhava , e foi lá que ele escreveu as primeiras edições de seus Pickwick Papers .

1836-1842: os primeiros anos

O casamento é a princípio razoavelmente feliz e os filhos não demoram muito para chegar: Charles depois de nove meses, Mary no ano seguinte e Kate em 1839. A família muda de residência com o passar dos anos e de acordo com as estações do ano, com mais freqüência perto de Strand e no lado norte da Oxford Street , com duas excursões para Hampstead . Uma dessas mansões é a 48 Doughty Street , hoje Museu Charles Dickens , onde, de 1837 a 1839, Dickens escreveu suas primeiras obras importantes e recebeu muitos colegas escritores. Os feriados costumam ser passados ​​em Broadstairs , na grande casa agora chamada de Casa Desolada , na Ilha de Thanet , na extremidade de Kent . Em 1838 , Dickens publicou Nicholas Nickleby com, em conclusão, uma visão de felicidade conjugal, os dois heróis se amando em uma campanha idílica com vários filhos, espelho, segundo Jane Smiley, da vida dos sonhos da autora.

No entanto, foi no final desses anos de atividade febril que as dificuldades conjugais começaram a surgir. Um deles nasceu de um drama familiar.

Morte de Mary Scott Hogarth

Mary Scott Hogarth (1820-1837) veio em fevereiro de 1837 para morar com os Dickens para ajudar sua irmã grávida novamente. Charles assume uma verdadeira idolatria por esta adolescente que, segundo Fred Kaplan, torna-se "[uma] amiga íntima, uma irmã excepcional, uma companheira em casa" . O, ao retornar de um passeio, “[Maria] sobe para o quarto em perfeita saúde e, como sempre, muito animada. Antes que ela pudesse se despir, ela é acometida por um violento desmaio e morre, após uma noite de agonia, em meus braços durante a tarde às 3 horas. Tudo o que poderia ser feito para salvá-la foi feito. Os habilidosos na arte acham que ela tinha doença cardíaca ” . Dickens tira dele um anel que ele usará pelo resto de sua vida e fica com todas as suas roupas. Foi a única vez que ele não conseguiu escrever e perdeu a entrega de duas publicações, as de Oliver Twist e Pickwick Papers . Ele escreve o epitáfio, chama sua primeira filha de "Mary": "Acho que nunca houve um amor como aquele que eu tive por ela" , confidenciou a seu amigo Richard Jones. Catarina também lamenta a morte de sua irmã, mas sente amargura ao ver seu marido ainda de luto, sonhando com Maria todas as noites, mês após mês. Em 29 de fevereiro de 1842, ele escreveu a John Forster que ela permaneceu para ele "o espírito que guia sua vida, [...] apontando inflexivelmente o dedo para cima por mais de quatro anos" .

Mary aparece como um palimpsesto no qual Dickens inscreveu sua imagem de feminilidade, depois projetada em seus personagens, inicialmente um tanto vazios como em Rose Maylie , um pouco menos com Esther Summerson e a heroína homônima Amit Dorrit , aos quais se acrescentam Little Nell e Agnes Wickfield . Assim, o pergaminho foi preenchido, o personagem mais complexo, ainda “anjo da lareira” mas com iniciativa, bom senso e, talvez, alguns desejos.

1842-1858: o advento das dificuldades

Catherine é responsável pela organização de recepções e jantares, às vezes muito importantes, com celebridades da literatura como Thomas e Jane Carlyle , Elizabeth Gaskell e Samuel Rogers . A Sra. Carlyle e a Sra. Gaskell contaram suas memórias de uma recepção e não têm nada além de elogios às qualidades de anfitriã e à culinária da Sra.

Em 1841, ela acompanhou o marido à Escócia, onde o casal foi recebido com respeito e, em fevereiro do ano seguinte, Dickens preparou uma travessia do Atlântico. Catherine, inicialmente relutante, finalmente decide acompanhá-lo. Em Boston , os Dickens foram aclamados imediatamente e, em Nova York , a pressão voltou a aumentar. No Canadá , eles são recebidos pela "elite da sociedade" e admiram as Cataratas do Niágara, cuja queda traz a Dickens os ecos da voz de Maria; eles participam de produções teatrais. Durante todo o tempo, Catherine “cumpre seus deveres como esposa de um homem famoso com grande graça e charme” . Após seu retorno em junho, Dickens ridicularizou os americanos em suas Notas Americanas , depois na Parte II, de Martin Chuzzlewit . Logo depois, a família mudou-se para a Itália por um ano, mas Dickens fez viagens solo para Paris ou Boulogne-sur-Mer, das quais ele gostava muito.

Desencantamento

Insensível às suas dificuldades, Dickens intimida a esposa, reclamando da falta de entusiasmo dela e de repetidas gravidezes. Em 1851, logo após o nascimento de seu nono filho, Catherine adoeceu e, no ano seguinte, chegou Eduardo, o último. Dickens "torna-se cada vez mais instável e imprevisível" e abre seu desânimo a Wilkie Collins  : "Os bons e velhos tempos, os bons e velhos tempos! Será que algum dia recuperarei o estado de espírito no momento, me pergunto ... Tenho a impressão de que o esqueleto que mora no meu armário doméstico está ficando muito grande. “ Dickens também tenta obter a internação de sua esposa em um asilo sem sucesso.

A maturidade de um artista

The Dream of Dickens  ", de Robert W. Buss (1804-1875) (inacabado).

Dickens está no auge de sua popularidade, que nunca vai diminuir. Ao mesmo tempo, ele escreveu Pickwick Papers e Oliver Twist , então desceu para Nicholas Nickleby , que seguiu em cascata The Antiques Store e Barnaby Rudge , apresentado no que Graham Smith chama de "este vetor de publicação. Artificial e sem muito sucesso" que foi O Relógio do Mestre Humphrey . Essa performance se deve em parte às demandas da série mensal, mas o dinamismo é excepcional: Dickens publica ao mesmo tempo uma pequena burletta , Is She his Wife , coletâneas curtas, Sketches of Young Gentlemen e Sketches of Young Couples , sem mencionar as revisões de Memórias de Joseph Grimaldi e a paródia de papéis pic -nic , realizados para ajudar a viúva de John Macrone, editor da Esquisses de Boz , que morreu aos vinte anos -oito.

"Cinquenta Seres Vivos" (John Forster)

John Forster sempre capturou essa energia: “[...] a velocidade, o ardor e a força prática, a abordagem curiosa, febril, enérgica em todos os aspectos [...] como de um homem de ação e de negócios lançado ao mundo . Luz e movimento fluíram de todos os lados nele [...] era a vida e a alma de cinquenta seres vivos. " . As vendas testemunham o entusiasmo do público, elas não param de crescer (apenas Barnaby Rudge sabe um declínio para 30.000): 7.500 para Oliver Twist , 50.000 para a primeira edição de Nicholas Nickleby , 60.000 para O Relógio de Mestre Humphrey , 100.000 para o fim do Antiquário  ; e o mundo literário, com algumas exceções, incluindo Charlotte Brontë , que prefere Thackeray a ele , o elogia. Michael Allen escreve que as comparações florescem: a alma de Hogarth , o Cruikshank dos escritores, o Condestável do romance, igual a Smollett , Sterne , Fielding , um novo Defoe , o herdeiro de Goldsmith , o inglês Cervantes , um Washington Irving , Victor Hugo , Wordsworth , Carlyle e até Shakespeare . Seu ex-mestre de Chatham se dirige a ele com o epíteto "inimitável" associado a Boz: Dickens se apropria dele e se qualifica para ele ao longo de sua vida.

A chuva de convites: cooptação pelo Garrick Club e Athenæum , círculo eleitoral - recusado porque Dickens exige um assento feito sob medida -, franquia de Edimburgo (junho de 1841), jantares de gala, conferências onde brilha com inteligência e virtuosismo, reunidos em coleções ( Discursos ) Em Edimburgo, onde Lord Jeffrey o recebeu, ele foi aclamado no teatro pela multidão em pé, enquanto a orquestra tocava de improviso "  Charley is my Darling ". As cidades são cobertas por retratos de Pickwick ou Nickleby, em louças, roupas, pôsteres e armários, e a própria cara de Dickens, agora popularizada por Maclise e Francis Alexander, é conhecida em todo o país e além do Atlântico. Muitos observadores prevêem um resultado parabólico: “Ele voou como um foguete; ele vai cair como um pedaço de madeira ” , previu Abraham Hayward a partir de outubro de 1837. No entanto, Dickens não se enfraqueceu e se tornou o colaborador ou amigo da maioria dos grandes jornalistas ou autores, como Leigh Hunt , William Harrison Ainsworth , Edward Bulwer - Lytton , Albany Fontblanque, Douglas Jerrold, Walter Savage Landor,  etc. Como Michael Allen escreve, sua energia criativa apenas aumentou dez vezes e os comentaristas agora saúdam esta voz cuja originalidade sabe como falar com todos.

Relações tumultuadas com sua família

Os filhos têm se seguido praticamente de ano para ano e seu pai está muito interessado neles, então os negligencia enquanto eles lutam para alcançar o nível esperado e muitas vezes precisam de sua ajuda financeira. Além disso, eles não são os únicos: pais, irmãos e irmãs, todos estão olhando para este novo feliz. Dickens tinha uma relação com o pai tingida de afeto e desconfiança: até cerca de 1839, ele frequentemente o convidava para o teatro, para jantares, nas férias, para reuniões com amigos; depois, John Dickens, cujas atividades jornalísticas estão se esgotando, é como se levado pelo furacão de seu filho e retoma seus maus hábitos. Charles percebe isso em março e muda seus pais para Exeter , Devonshire , longe das tentações e credores de Londres. Por cerca de £ 400  , ele pagou as dívidas e pagou as despesas da nova casa. A estada dura três anos, até o dia em que, no auge da exasperação, ele percebe que John acumulou outras dívidas, secretamente vende amostras de seus manuscritos ou de sua assinatura e coleta do editor do jornal local, solicita seu próprio banco e seu amigo Macready . Em seguida, publica um aviso no qual avisa que as dívidas que circulam em seu nome não serão honradas. Exilando o pai no exterior, ele pensou nisso, mas, ao retornar da América em 1842, acabou repatriando a família pobre não muito longe dele. A imprudência recomeçou e Charles, embora tentando mudar de idéia, às vezes deixava sua raiva explodir: em setembro de 1843, ele escreveu a John Forster que estava "confuso com a audácia de sua ingratidão" , que era "Uma cruz insuportável para carregar " que " o desmoraliza completamente e cujo fardo se torna insuportável " . A partir de agora, ele assume o papel de chefe da família, cuida da educação dos irmãos, encontra seu trabalho, a orienta e a repreende, a leva de férias, a instala e, caso um deles desapareça, garante o bem-estar de sua família. De acordo com Michael Allen, Dickens encontrou tempo e dinheiro para todos, "mas pagou um preço alto em ansiedade por suas escapadas"  : Fred se casa com uma garota de dezoito anos, se safa. Separa, é condenado por adultério e processado , recusa-se a pagar, abandona o trabalho e foge para o exterior; preso no retorno, foi preso, afundou no alcoolismo e morreu aos 48 anos; Augusto abandona a esposa que ficou cega depois de dois anos, emigrou para a América com outra mulher, morreu aos 39 anos em Chicago, onde sua concubina cometeu suicídio no ano seguinte.

A presença indispensável de Georgina Hogarth

Assim que ele voltou da América, a casa de sua cunhada, Georgina , cresceu. Já tia Geórgui , ela cuida muito dos meninos, ensinando-os a ler antes de entrarem na escola e, muitas vezes, ocupa o lugar de honra em recepções. Ela é ajudada por uma empregada doméstica, Anne Cornelius, cuja filha mais tarde frequenta uma escola no norte de Londres, onde duas, então três sobrinhas de Dickens também são educadas, que paga todas as taxas. Georgina é ao mesmo tempo criada, preceptora e dona da casa, status muito superior ao de Anne Cornelius que viaja na segunda classe enquanto a família está na primeira. Ela às vezes acompanhava Dickens em suas longas caminhadas e cada vez mais compartilhava de suas atividades teatrais e até literárias, servindo como sua secretária quando, de 1851 a 1853, ele escreveu sua famosa História da Inglaterra para crianças . Dickens pretende casar-se com ela, oferecendo-lhe belas festas, por exemplo, Augustus Leopold Egg (1816-1863), estudante do Beaux-Arts de Londres e futuro pintor de renome. Ele também divide o palco com Dickens durante suas produções, para as quais costuma desenhar os figurinos: Georgina recusa todos, e seu cunhado entediado escreve a uma amiga, quando ela completou 33 anos.: “Duvido muito que ela vai se casar. "

O momento mais crucial na vida de Georgina coincide com o momento mais crucial na vida de Dickens, quando, oprimido por sua esposa, ele decide se separar dela.

1858: separação de Catherine Dickens

Dickens, não vendo mais sua esposa com olhos de jovem, falando dela com desprezo aos amigos, descobrindo também que ela não cuida suficientemente dos filhos, busca consolo em outro lugar. Quando Maria Beadnell, agora Sra. Henry Winter, esposa de um comerciante e mãe de duas filhas, se lembra dele, ele sonha que ainda a ama, encontra-a em segredo, depois a convida para jantar com seu marido. A reunião se transforma em um desastre, e Dickens, julgando sua tentativa "absurda", jura que "não faremos de novo" . Dona Dickens, por sua vez, não se vê sem amargura suplantada em casa por Georgina e, a partir de 1850, sofre de melancolia e confusão mental, agravada em 1851 após o nascimento de Dora, que morrerá aos oito meses. Em 1857, o casal alugou um quarto separado, embora Dickens insistisse em que as aparências fossem mantidas. A família passa alguns momentos felizes em Gads Hill's Place, mas os respites são de curta duração e logo parece impossível para eles continuarem morando juntos.

Na primavera de 1858 , uma pulseira de ouro, extraviada pelo joalheiro, voltou acidentalmente para a Tavistock House . Catherine acusa o marido de ter um relacionamento romântico com a jovem atriz Ellen Ternan , o que Dickens nega, alegando que ele está acostumado a recompensar seus melhores artistas dessa forma. Para que o processo de divórcio fosse implementado ao abrigo da Lei das Causas Matrimoniais de 1857, recentemente aprovada , a mãe e tia materna de Catherine, Helen Thompson, insistiu que fossem procuradas provas de adultério. Contra Ellen Ternan e também contra Georgina Hogarth, que, depois de ter trabalhado para salvar o casamento, ao lado de Dickens. Para encurtar os rumores, Dickens a faz redigir um certificado que declara sua virgo intacta . Em 29 de maio de 1858, um documento declarando a impossibilidade de morar junto foi assinado pelo casal e rubricado pela Sra. Hogarth e Helen Thompson. Dickens pergunta por escrito à esposa se ela se opõe a que uma declaração conjunta seja tornada pública; o primeiro apareceu em 12 de junho na Household Words , reproduzido por vários jornais diários e semanais, incluindo The Times , depois outro no New York Tribune .

Gad's Hill Place: HF Chorley, Kate Perugini, Mary Dickens , Charles Dickens, CA Collins e Georgina.

Logo Catherine vai morar com seu filho Charley em Gloucester Crescent, 70, com uma pensão de £ 600  . Ela nunca mais teve permissão de colocar os pés na casa da família, nem de aparecer na frente do marido, aposentada com os outros filhos e Georgina em Gad's Hill Place, onde ele escreve suas obras em um chalé suíço reconstruído no meio do jardim . Ela não faltou defensores, entre outros William Makepeace Thackeray , Elizabeth Barrett Browning ou Angela Burdett-Coutts, uma amiga de longa data que se separou de Dickens.

A "traição" de Georgina leva Graham Smith a investigar seus motivos: rejeitando a ideia de que ela amava secretamente seu cunhado além do afeto, ela deve ter, ele pensa, se preocupado com as crianças agora. com um escritor tão renomado e gostando da companhia que frequenta. Quanto a Dickens, Graham Smith vê no apelido que lhe dá, "a virgem", a chave de sua atitude: ignorando as convenções, ele encontrou nela seu ideal de dona de casa, como a descreve. Em Agnes Wickfield , "angelical, mas competente em casa " .

Trabalho árduo e frutífero

Calmo ou inquieto, cada ano traz sua cota de trabalho árduo e sucesso. Os Dickens mudavam frequentemente de domicílio e, em 1842, ao retornar da América, Charles desarraigou sua família e foi morar em Gênova , de onde voltou após um ano com suas fotos da Itália . No ano seguinte, foi na Suíça , depois em Paris , que passou vários meses, ausências essas não isentas de repercussões, mal-entendidos e rixas com os editores.

Em 1850, Dickens teve sua fotografia tirada pela primeira vez em um daguerreótipo por Antoine Claudet  : uma imagem de um homem respeitável, sólido, barbeado, rosto severo e elegante em seus trajes, um retrato de um homem de negócios; ele parece alto, embora tenha apenas cinco pés e oito polegadas, ou 1,72  m  ; uma certa solenidade permeia suas feições, que se endurecerá com o envelhecimento prematuro. O luto, independentemente das preocupações, se seguiu em sua vida: a perda de sua irmã Fanny aos trinta e oito anos em 1848, logo seguida pela de sua pequena Dora em 1850, depois de seu pai em 1851. Foi um momento de morte, introspecção onde começa a escrever uma autobiografia , depois confidencia na primeira pessoa a David Copperfield , "de todos os meus livros, aquele que mais amo" , que só foi decifrado após a publicação da biografia de John Forster .

Anteriormente, em 1843 , ele entrou no coração das multidões com A Christmas Carol , um assunto já abordado em seus Sketches of Boz e The Pthumous Papers of the Pickwick Club , mas que, junto com Tiny Tin, Scrooge, os fantasmas do passado de Noël, Presente e futuro, promove sua fama à universalidade. Livrinho imediatamente oferecido ao palco, permanecendo até hoje o mais adequado de todos, associa o Natal e Dickens na consciência coletiva , até porque, de 1850 a 1867 , cada final de ano traz sua nova oferenda.

De 1846 a 1858, em colaboração com Angela Burdett-Coutts (1814-1906), criou o Urania Cottage , estabelecimento destinado a acolher as chamadas mulheres "perdidas", uma conquista que, ao longo dos doze anos da sua gestão, permitiu cerca de uma centena de moradores para se reintegrarem à sociedade. Ao contrário de outras instituições desse tipo baseadas na repressão, ele opta por educar por meio da leitura, da escrita, da administração do lar e, sobretudo, da profissão. Ao separá-los de seu ambiente, ele pretende transformar “como num passe de mágica” os excluídos por novos hábitos e princípios, a experiência, escreve Jenny Hartley, que “terá sido como escrever um romance, mas com pessoas reais” .

Dickens sempre gostou do palco. Com seus pais na Bentinck House, ele criou uma pequena empresa familiar e, no Queen's Theatre em Montreal, em 1842, ajudou os oficiais da guarnição, The Goldstream Guards , a fazer um show. Em 1845, então em 1850, reunindo atores profissionais e amigos, ele começou a encenar e produzir, chegando a participar de Captain Bobadill em Every Man In His Humor of Ben Jonson to Royalty Theatre , 73 Dean Street , Soho . Decoração, atuação, acessórios, maquiagem, figurinos, ele é popular diante do público, sua trupe chama a atenção e é muito procurada em Londres e nas províncias ( Birmingham , Manchester , Liverpool ), na Escócia ( Edimburgo , Glasgow ) Em 1851, The Merry Wives of Windsor of Shakespeare é adicionado ao diretório e uma nova peça de Edward Bulwer-Lytton , Não tão ruim quanto nós parecemos , é dada a mais de 1200 espectadores em Sunderland, onde o novo teatro foi considerado inseguro, Dickens coloca Catherine e Georgina longe do palco. A cada vez, algumas pegadinhas são dadas no encore, onde Dickens, mudando rapidamente de roupa, interpreta vários personagens, todos alegres e sem lucro, as inscrições indo para instituições de caridade, especialmente a Guilda de Literatura e Arte , fundada com Lytton para os necessitados atores. Até a Rainha Vitória foi conquistada e divulgou, na primavera de 1857, que gostaria de assistir a uma apresentação de The Frozen Deep .

1851 foi o ano em que Dickens adquiriu Gad's Hill Place perto de Rochester , no portão do qual Charles e seu pai ficaram com inveja cerca de trinta anos antes. A região, “o berço da sua imaginação” , tornou-se uma nova fonte de inspiração: Chatham , Rochester , os pântanos circundantes serviram de cenário para Les Grandes Espérances (1860-1861); Rochester é o Cloisterham do mistério de Edwin Drood , e vários ensaios de The Uncommercial Traveller , incluindo "  Dullborough Town  " e " Chatham Dockyard  ", também estão localizados lá.

O jornalismo foi um dos fundadores das atividades de Dickens: em 1845 participou do lançamento do Daily News , de vocação liberal, publicado por Bradbury e Evans e dirigido por ex-funcionários, entre eles John Forster e George Hogarth, WH Wills, Mark Lemon e Douglas Jerrold . Logo Dickens se tornou seu editor por um breve período, com o enorme salário anual de £ 2.000  e, com um bônus adicional, seu próprio pai foi encarregado dos repórteres. Enquanto trabalhava em David Copperfield , ele projetou e implementou palavras de agregado familiar e, ao contrário de seus passagens em Miscelânea de Bentley , o relógio do Mestre Humphrey ou The Daily News , ele cuidou de seu próprio até sua morte. Jornais, palavras de agregado familiar mudando título em 1859 para Todos o ano todo . Com a ajuda do editor associado WH Wills, Wilkie Collins que ele conheceu em 1851 e outros jovens escritores, as décadas de 1850 e 1860 foram férteis em eventos jornalísticos que Dickens transmitiu a um público apaixonado por qualidade, vendas. Subindo na época do Natal para 100.000 por Palavras em casa , 300.000 para todo o ano . Sua paixão jornalística foi passada para seu filho mais velho, Charley, que, após a morte de seu pai, continuou a escrever e administrar o jornal até 1888.

Perto do fim de sua vida, Dickens proclamou sua alta ideia de sua vocação: “Quando comecei a me dedicar à literatura na Inglaterra, resolvi calmamente em meu coração que, sucesso ou fracasso, a literatura seria minha única profissão [...]. fiz um contrato comigo mesmo, segundo o qual, por meio da minha pessoa, a literatura surgiria, por si mesma, por si e por si mesma. " Se Dickens sempre defendeu, e muitas vezes de maneira brilhante, a imagem de um homem dedicado ao serviço de cartas e aos leitores, às vezes notou John Drew, em suas negociações com editores, o caráter imperioso de seu temperamento prevalecia sobre sua" resolução calma " : como evidenciado pela última edição de Household Words, fundando All the Year Round , pelo contrário, tão eloqüente quanto as declarações públicas solenes.

Os últimos doze anos

Ellen Ternan

O , quando acabava de fazer dezoito anos, Ellen (Nelly) Ternan foi notada por Dickens no teatro Haymarket . A impressão é tão forte que, em dezembro, ele abre sua confusão para sua amiga Sra. Watson.

No ano seguinte, ele a recrutou com sua mãe e uma de suas irmãs para interpretar no novo Free Trade Hall em Manchester , uma peça de Wilkie Collins , The Frozen Deep ("  The Frozen Abyss  "), confiando os papéis mais importantes à Sra. Ternan e Maria, enquanto Ellen interpreta a personagem secundária de Lucy Crayford. Essas representações, alimentando o sentimento nascido em 1857, tiveram muitas repercussões para Dickens. Subjugado por Ellen, pela idade de sua filha Katey , ele não a esquece mais, confia-lhe algumas de suas obras e dirige sua carreira, hospedando-a com sua família na Inglaterra como na França, onde muitas vezes se junta a ela em Condette perto de Boulogne . A partir de 1860, observou-se, ele cruzou regularmente o Canal da Mancha e, entre 1861 e 1863, não se ocupou com nenhum romance importante nem deu muitas leituras. A presença do casal na França foi confirmada em junho de 1865 durante o acidente ferroviário de Staplehurst, quando o trem que os trazia de volta da França em um vagão de primeira classe na frente do comboio descarrilou entre Headcorn e Staplehurst em.

Os trabalhadores removeram dezesseis metros da ferrovia, mas o comboio partiu mais cedo do que o esperado, sem sinalização de alerta programada. Os primeiros oito carros despencam no pequeno rio Beult, abaixo de um viaduto baixo sem grades de proteção, e muitos passageiros permanecem presos nos escombros. Graças ao seu pequeno tamanho, Dickens consegue se desvencilhar da janela, liberta seus companheiros, garante que Ellen e sua mãe sejam imediatamente levadas para Londres, depois vem em auxílio dos feridos.

Nelly foi atingida no braço esquerdo, que continuará enfraquecido. Dickens, temendo que sua conexão pudesse ser descoberta, insiste que o nome dos Ternans seja retirado das reportagens da imprensa, e ele se abstém de testemunhar na investigação oficial para a qual foi intimado. O acidente resultou em dez mortes e quarenta feridos, incluindo quatorze gravemente. Durante a publicação de O amigo comum em 1865 , Dickens acrescentou um posfácio irônico voltando ao acidente: de fato, o manuscrito do último episódio permaneceu em seu casaco e, depois de três horas, ele repentinamente se lembra dele, sobe no carro suspenso inclinado e consegue recuperar as folhas.

Nelly é quase clandestina, torna-se uma mulher invisível. No entanto, ambiciosa, viva, inteligente, muito agradável na sociedade, intelectualmente ativa e culta, sua vida parou. Para Dickens, ela se tornou uma fonte constante de conforto e uma boa conselheira, sua arte no palco e leituras públicas, por exemplo, progredindo muito.

O que era essa jovem para Dickens

Peter Ackroyd escreve sobre Ellen Ternan que "ela era obstinada e ocasionalmente dominadora [...] muito inteligente e, para uma mulher cuja educação foi passada no palco do teatro itinerante, notavelmente cultivada" . EDH Johnson observa a mudança que ocorre na obra de Dickens a partir de 1858 , especificando por exemplo que “o nome da jovem certamente influenciou a escolha do das heroínas dos três últimos romances, Estella , Bella Wilfer e Helena Landless  ” , no nome evocativo de Lawless, o nome do meio de Ellen, todos os primeiros nomes evocando o brilho ( hèlè ) da estrela, a estrela ( stella ), beleza, luz. Seu temperamento voluntário representa, acrescenta ele, um afastamento do "ideal de doce santidade" personificado por Florence Dombey , Agnes Wickfield , Esther Summerson e Amit . Além disso, "seus últimos trabalhos sem dúvida exploram a paixão sexual com uma intensidade e acuidade sem precedentes em seu trabalho" . Finalmente, O mistério de Edwin Drood foi inspirado por uma notícia relacionada à família Ternan, quando um dos muitos irmãos do pai de Nelly, que saiu para dar uma caminhada um dia, nunca mais voltou.

Peckham (em laranja), distrito de Southwark , onde Dickens hospedou Ellen Ternan.

Ficou estabelecido se Dickens amava apaixonadamente Ellen, mas só depois da publicação de Dickens and His Daughter, de Gladys Storey, em 1939, os detalhes se tornaram conhecidos: Kate disse a ele que seu pai e a atriz tinham um filho, morto aos quatro dias de idade, nascimento atestado pela entrada enigmática de abril de 1857 relativa a Slough no diário de Dickens: "Chegada e Perda" . Pode ter havido várias gestações, e Nelly teria se referido a “perda de um filho” . Gladys Storey não corrobora essas afirmações, mas, após sua morte em 1978, diversos documentos foram depositados no Museu Charles Dickens , onde, listados e analisados, confirmam, segundo Claire Tomalin, os fatos revelados. O casal morava em Slough , Dickens se passando por "  Mr. John Tringham of Slough" ou mesmo " Mr. Turnan", em Windsor Lodge , Peckham , também com pseudônimos, e na França perto do castelo de Slough.  'Hardelot . Michael Slater observa que o romancista comprou para Nelly uma grande mansão em Ampthill Square, St. Pancras, onde ela morou de 1859 a 1862, também corroborado por Claire Tomalin. Durante todos esses anos, Ellen trabalhou para "usar suas células cinzentas para se cultivar", como disse Kate Perugini a Gladys Storey. Durante as separações, a correspondência passou por WH Wills, um amigo próximo de Dickens, repórter da Household Words e All the Year Round , por exemplo, durante a turnê americana de 1867-1868.

Não é certo que Ellen Ternan aceitou de bom grado a intimidade de um homem além da idade de ser seu pai. Sua filha Gladys relata que ela falou de Dickens em termos entusiasmados, mas o biógrafo Thomas Wright a descreve como lamentando amargamente seu caso, "que começou quando ela era jovem e sem um tostão [...] culpando-se a si mesma. Afastando-se cada vez mais dele" . De acordo com EDH Johnson, ela teria recusado por muito tempo. “Ellen”, acrescenta Thomas Wright, “se ela cedeu [...], parece que o fez sem calor e com um triste sentimento de culpa” . Ele confiou no Cônego William Benham de Margate, a quem ela confidenciou: "Eu tenho [...] de sua própria boca, ele escreve, ela detestava o simples pensamento desta intimidade" . Na época dessa confiança, Ellen, agora Sra. Robinson de Southsea , Hampshire , havia se retirado para uma pequena cidade provinciana, uma viúva muito respeitável. Quando Georgina soube que Thomas Wright estava coletando documentos, ela ficou muito preocupada que certos detalhes "de natureza privada" não fossem publicados sobre seu cunhado, ao que ela foi informada de que "teria sido cruel, de fato, revelá-los tão prematuramente ”  ; na verdade, a biografia não apareceu até 1935 .

Leituras públicas

A paixão de Dickens pelo palco e a popularidade de que goza o levaram a fazer leituras públicas de suas obras. Ele começou em eventos de caridade apresentando-se para pequenos grupos de amigos, depois se interessou por públicos maiores. A partir de 1858, fez tanto sucesso que passou a lucrar com isso e, até o fim da vida, esses recitais constituíram a maior parte de sua atividade. Segundo uma testemunha da época, “a sua leitura não é apenas tão boa como uma peça, é melhor do que a maioria delas, porque a sua atuação como ator atinge os cumes” . Entre abril de 1858 e fevereiro de 1859, ele deu cento e oito apresentações, que lhe renderam £ 1.025  , ou seja, quase metade de seus ganhos literários, que não ultrapassavam £ 3.000  por ano. Para além do aspecto financeiro, porém, a paixão que o habita quando está perante um público é tal que se torna quase obsessivo, que entra em transe e a sala se transporta de entusiasmo, Dickens, segundo testemunhas, segurando-a sob seu feitiço, exercendo um poderoso fascínio. Ele cruzou a Inglaterra, Escócia, Irlanda, e quanto mais suas viagens duram, maior o número de ouvintes. Suas cartas estão cheias de orgulho, e George Dolby, agora seu agente, escreve que "além dos benefícios financeiros, o prazer que sente excede a ordem das palavras" . As testemunhas são unânimes em homenagear esta maestria, o talento da leitura, o génio da declamação: hipnotismo, encanto, aguçado sentido do cenário, tais são as palavras levantadas, e o gesto acompanha a palavra, o suspense é visto habilmente poupado, os efeitos de voz permanecem impressionantes. Mesmo Mark Twain , inicialmente cético e irritado com "a ênfase muito inglesa do personagem" , cede ao que chama de "a esplêndida mecânica". Quase tive a impressão de ver as rodas e roldanas funcionando ” . Birmingham , Sunderland , Edimburgo , suas explosões de felicidade a tanta glória se sucedem: "Eu realmente tive muito sucesso"  ; “Nunca contemplei um público com tanto encanto”  ; “O triunfo que lá recebi supera tudo o que conheci. A cidade foi invadida e varrida ”etc. . Em Belfast, eles o param na rua, cobrem-no de flores, recolhem as pétalas que ele tocou; os homens choram, tanto e até mais que as mulheres.

No final da década de 1860, amigos e familiares estavam preocupados com o cansaço que atormentava Dickens em suas viagens, as quais, como tudo o mais que empreendia, eram cheias de emoção. Seu relato do assassinato de Nancy por Sikes em Oliver Twist , em particular, que hipnotiza o público, deixa-o ofegante de exaustão, e seu filho Charley o avisa: "Nunca ouvi nada mais bonito, mas faça mais. “ Soma-se a isso o trauma de ter que pegar o trem, o que, desde o acidente de Staplehurst, está se tornando cada vez mais difícil. Seu médico particular, o doutor Francis Carr Beard, cujas anotações indicam batimentos cardíacos alarmantes, principalmente durante a cena de Oliver Twist , acaba proibindo-o desses recitais. Dickens o ignorou, partiu para uma nova turnê americana em 1867 e outra em outubro de 1868 nas estradas inglesas. Ele chegou ao fim de suas forças depois de setenta e quatro apresentações das cem planejadas. De agora em diante, na tranquilidade de Gad's Hill Place, frequentemente com Ellen Ternan , ele se dedica ao seu último romance e encontra um pouco de descanso. A estrela que era, no entanto, e contra o conselho de todos, incluiu em seu cronograma doze recitais de despedida em Londres no final de 1869 e o último de janeiro a março de 1870. Três meses depois, o, ele morre e, estranha coincidência, cinco anos depois do desastre  do trem em Staplehurst (in) , que tanto o marcou.

The Ultimate Dickens

Os dois últimos romances

O décimo quarto romance de Dickens, e o último a ser concluído, The Common Friend , apareceu de maio de 1864 a novembro de 1865. Ele apresenta uma visão panorâmica da sociedade inglesa condenada à superficialidade urbana e ganância destrutiva, incluindo o Tâmisa. , Decoração, atriz e acima tudo um símbolo, carrega os corpos de lixo disputados por urubus humanos. Já o mistério de Edwin Drood , que ficou incompleto, seria o culminar dos temas e motivos explorados ao longo da obra. Alguns críticos, Edmund Wilson por exemplo, vêem em seu herói, Jasper, um autorretrato, um homem dividido, tanto mundano quanto imaginário, socialmente familiar, mas alienígena ameaçador. Nesse caso, o personagem ausente, Edwin, provavelmente teria retornado, este retorno simbolizando “ressurreição e vida”, como o sacrifício de Carton .

Morte de Dickens

Há dúvidas quanto às circunstâncias exatas da morte de Dickens. A crítica ainda não foi decidida, mas parece inclinar-se para a versão de John Forster .

A versão oficial

Georgina estava em Gad's Hill Place em 8 de junho de 1870, quando, depois de trabalhar em sua cabana, Dickens se juntou a ela às 18 horas para jantar, com o rosto desfeito. Ela pergunta se ele se sente mal: "Sim", ele responde, "muito mal por uma hora." “ Ela quer chamar um médico, ao qual ele respondeu não (não), e desmaia. Georgina corre dizendo: "Venha deitar-se"  ; "Sim, no chão", ele sussurra antes de perder a consciência. Georgina liga para o médico local, depois vovó, Katey e Charley, que se juntam a ela. Ela também pode mandar buscar Ellen Ternan . Essa é a versão contada por John Forster , que afirma tirá-la da boca de Georgina.

A versão não oficial

Há outro, que lhe confere um papel completamente diferente: Dickens não se incomoda em casa, mas em Winsdor Lodge, Peckham , onde Ellen Ternan reside . Ellen o carrega morrendo, se não morto, em uma carruagem para Gad's Hill Place, a 38 quilômetros de distância, onde ele é puxado para perto da mesa para simular a cena contada por Forster.

Para apoiar esta versão dos fatos, o testemunho mais importante, de acordo com David Parker, curador do Museu Charles Dickens , é o de um certo Sr. JC Leeson, cujo avô, o reverendo J. Chetwode Postans, é nomeado pastor em 1872 da Igreja Congregacional Linden Grove em frente ao Windsor Lodge. O guardião da igreja, estacionado diante dele, teria misteriosamente confidenciado a ele que "Dickens não morreu na colina de Gad" , declarações cujo significado não aparece até que a verdadeira história do caso de Dickens seja conhecida e o motivo de suas visitas frequentes para Peckham. O ator Felix Aylmer , então em relação com o Sr. Leeson, reúne os dados, então publica logo após seu Dickens Incognito , publicado em 1959, mas sem se referir a ele e mantendo a versão de Forster. David Parker atribui essa atitude não ao fato de Aylmer ter dúvidas, mas porque não quer correr o risco de causar um escândalo: por um lado, não se sente autorizado intelectualmente; por outro lado, ele teme que isso prejudique sua carreira, tanto é “sagrado” tudo o que toca Dickens. Em qualquer caso, tendo os documentos em seu poder sido entregues ao Museu Charles Dickens por sua irmã após sua morte em 1979, "o arquivo relativo a Peckham pode, por recomendação minha como curador", explica David Parker, ser analisado. Por pesquisadores ” .

Conclusões como estão

Se essa hipótese fosse verdadeira, Georgina Hogarth seria cúmplice de uma mistificação: na morte de Dickens, ouvindo apenas sua lealdade, ela teria participado do último ato de uma persistente camuflagem desde 1858, data do encontro com a jovem atriz, ou uma dúzia de anos. No entanto, Claire Tomalin tem o cuidado de não tomar partido, e David Parker, julgando que ela não está errada, encontra muitos motivos para desacreditar a hipótese de Peckam: pouca confiabilidade das testemunhas, impossibilidades práticas, papel dos criados e, especialmente, o testemunho do médico, Dr. . Stephen Steele, imparcial, diz ele, porque ele não é o médico pessoal de Dickens, e confirma ter encontrado inconsciente no chão para 18  h  30 .

Em última análise, o estado atual da pesquisa devolveria a Georgina Hogarth a veracidade de sua versão dos fatos, conforme ela a entregasse a John Forster .

Canto dos Poetas

Concluindo seu artigo sobre a vida pública dickensiana, John Drew escreve que, por uma ironia final, seu último esforço para dominar o destino foi frustrado. A imensa popularidade que tanto acalentava não queria que seus restos mortais fossem enterrados, como ele desejava, "gratuitamente, sem ostentação e estritamente em particular no pequeno cemitério próximo ao muro do Castelo de Rochester" . Com grande pompa, a nação o presenteou com um túmulo no Canto dos Poetas da Abadia de Westminster , e todos prantearam.

Venda de sua biblioteca

Em 1878, Henry Sotheran & Co comprou a Biblioteca Charles Dickens em Gad's Hill Place (contendo 1.020 livros) e a colocou à venda em seu catálogo para 30 de novembro e 31 de dezembro de 1878.

Dickens, o reformador

De acordo com Hugh Cunningham, torna-se difícil considerar Dickens um reformador, embora essa tenha sido sua reputação durante sua vida e muito depois de sua morte. Não que ele não tenha matado os males da sociedade, mas sem se opor a eles com um sistema coerente, suas respostas aos problemas levantados ficam marcadas na esquina por sua fé na capacidade do ser humano de acessar o bem. Pelos padrões do seu trabalho, a transformação experimentada pela Grã-Bretanha no XIX th  século é medido pela passagem da ferrovia diligência, do campo para a cidade, o mundo rural para as fábricas. Três homens que o influenciaram compreenderam e analisaram essa convulsão: Adam Smith, que defende o laissez-faire, Thomas Malthus, que recomenda o controle da natalidade, e Jeremy Bentham , defensor da maior felicidade para o maior número por meio da intervenção do poder político. Instintivamente, Dickens se voltou contra os dois primeiros, especialmente em Difficult Times , onde os cadetes de Thomas Gradgrind ostentam seus nomes zombeteiramente e, no mesmo romance, ativamente estigmatizou os abusos engendrados pela aplicação estrita das teorias do terceiro. Em Barnaby Rudge , Dickens denuncia a ferocidade cega da multidão que recebeu horrorizada da agitação cartista do País de Gales em 1842. No entanto, sua desconfiança nesse movimento é de origem teórica: enquanto o cartista pressupõe a bondade natural do homem, ele está convencido de que, se há bondade, é fruto de um frágil processo de civilização. Para preservá-lo, as autoridades não devem ceder a qualquer leniência para com os encrenqueiros. Daí sua admiração pela polícia, detetives particulares, agências de aplicação da lei.

Um questionamento mais literário do que político

No entanto, ataca certas instituições que considera flagelos sociais, por exemplo a lei dos pobres de 1834, modificando a antiga lei de assistência aos indigentes da época elisabetana . Essa nova lei, que se seguiu à de 1832 , acabou com a assistência domiciliar aos necessitados, considerada muito cara, e instituiu seu confinamento em hospícios . Em Oliver Twist , o pequeno Oliver é confiado a uma dessas instituições, e Dickens denuncia sua governança, em particular a autoridade investida por pequenos clérigos suficientes e ignorantes, como o vergão Mr Bumble, responsável pelo infortúnio dos moradores. Mais tarde, em La Petite Dorrit , ele estigmatiza a instituição penitenciária que, entre outras coisas, maltrata um velho doente, Nandy, um gentil flautista estacionado com dezenove companheiros de sua idade no fedor de um buraco. A ação de Dickens, escreve Hugh Cunningham, permaneceu literária; ele não fez campanha ativamente para mudar as coisas que duraram muito depois de sua morte, até 1894.

Sensível às condições de trabalho, ele visitou fábricas em Lancashire em 1838, e o que viu lá o encheu de espanto e nojo. Ele ouve, escreveu na época, "dar um grande golpe", que, comenta Hugh Cunningham, "nunca veio, nem mesmo nos tempos difíceis  " . The Edinburgh Review pede a ele um artigo que permanece no limbo; quatro anos mais tarde, contentou-se em enviar ao Morning Chronicle uma carta apaixonada contra a Câmara dos Lordes a respeito de uma emenda que ele desaprovava. Em meados da década de 1850, ele publicou vários artigos na Household Words sobre acidentes de trabalho, culpando chefes e magistrados por "se esforçarem para decifrá-los" . No entanto, embora seja muito sensível ao trabalho infantil, nenhum dos que ele retrata em seus livros trabalha em uma fábrica: apenas David Copperfield é empregado para colar etiquetas, uma tarefa que não é compatível com a escravidão, minas ou fábricas têxteis e metalúrgicas; quanto ao pequeno Joe, sempre varrendo a mesma encruzilhada em La Maison d'Âpre-Vent , está morrendo mais de tédio e fome do que de trabalho duro.

Dickens prestou pouca atenção ao acesso à educação para todos e ao conteúdo dos currículos, questões que agitaram a Grã-Bretanha durante as décadas de 1830 e 1840 e nunca realmente resolveram, sendo o papel do Estado de interesse para ele. Menos do que a ética e pedagogia dos estabelecimentos. Em seu trabalho, os maus mestres são uma legião, desde os brutais Wackford Squeers espancados pelo jovem Nicholas Nickleby e o Sr. M'Choakumchild obcecado pelo "fato", até o mais bem-sucedido e socialmente respeitado de todos, Bradley Headstone , que assola as mentes jovens pelas deficiências de seu caráter e vai ao assassinato para satisfazer seu ego. No entanto, ele está convencido de que a educação é essencial na luta contra o crime. Colocando grande esperança nas Ragged Schools , destinadas desde 1818, por iniciativa do sapateiro John Pounds de Portsmouth, a educar crianças carentes, ele visitou uma em 1843, a Field Lane Ragged School , e ficou consternado com o que viu. Em seguida, ele se compromete a trabalhar pela reforma desses estabelecimentos, pleiteia em vão ao governo um aumento nas dotações, concede-se fundos e escreve Um conto de natal , inicialmente um panfleto sobre a condição das crianças pobres, depois uma história. Dramática que ele considera mais impactante. Na verdade, seu objetivo é encorajar o governo a mudar a lei, caso contrário, ele sugere, a ignorância e a necessidade de condenar os ricos a se tornarem " Scrooge "   desidratados, permitindo-se com sua riqueza e sua posição desprezar os infelizes ao invés de vir a sua ajuda.

Aos poucos, porém, ele começou a pensar que a origem dos males sociais estava nas condições de moradia e higiene reservadas para as famílias pobres. Em 1851, ele disse à Associação Sanitária Metropolitana que a reforma do que está começando a se chamar "saúde pública" deve preceder todos os outros remédios sociais, que mesmo a educação e a religião nada podem fazer enquanto a limpeza e a higiene não forem garantidas. Ele está tanto mais interessado no problema que um de seus cunhados fundou a “Associação para a saúde das cidades” e lhe envia relatórios detalhados, por exemplo, sobre os perigos que o método de sepultamento representa. Seus esboços para Boz e Oliver Twist (em particular a descrição da Ilha de Jacob no capítulo 50) testemunham que sua preocupação com o problema já é antiga e, no prefácio de Martin Chuzzlewit em 1849, ele retorna à "falta de progresso na higiene em a habitação dos pobres ” . Cento e oitenta crianças morreram naquele ano de cólera na instituição Drouet em Tooting, negligência que Dickens denunciou imediatamente em quatro artigos para o Examiner, ironicamente intitulados "Paraíso em Tooting". Ele chama para uma centralização dos esforços de saúde, para o desgosto dos conservadores quem ele zomba em Mr Podsnap . Ele abordou o assunto regularmente em Household Words em 1854, e novamente em 1869.

O que propor, já que falta o Estado

Em última análise, o responsável por todos esses males, Dickens sempre acreditou, é o governo, não tanto os governantes que vêm e vão, mas a pesada administração que os acompanha. Preservação da aristocracia, o recrutamento deveria, de acordo com o relatório Northcote e Trevelyan de 1853, ser por competição, que Dickens aprovava. A lentidão das mudanças, no entanto, alimentou seu ódio à burocracia, que foi reforçado pela inépcia demonstrada durante a Guerra da Criméia de 1854: entre abril e agosto de 1855, ele atacou violentamente em sua revista a incompetência do poder e foi desencadeado no capítulo " Onde se trata de ciência do governo "de La Petite Dorrit, onde o" Ministério das circunlocuções "é descrito como " tornando um dever de nada fazer " . Dickens acreditava na filantropia , envolveu-se no Urania Cottage (veja Urania Cottage para “Mulheres Perdidas” ), Great Ormond Street Hospital for Sick Children , programas de habitação para trabalhadores. No entanto, ele estigmatiza os desvios filantrópicos da Sra. Pardiggle, que "veste [para os necessitados] sua benevolência como uma camisa-de-força" e, devotando-se de corpo e alma às causas africanas, negligencia seus filhos, reduzida a vagar, esfomeada e descuidadamente, em sua casa. Curiosamente, apesar dos ataques aos Estados Unidos, foi em Boston que encontrou instituições (públicas, ao contrário das de seu país) que pareciam ajudar os mais pobres de maneira eficiente e digna. Não fazer nada, pensa ele, ou continuar como está, é preparar a cama para uma revolução francesa; o capitalismo deve aliar-se às forças de trabalho, podendo as brechas que ele engendra serem atenuadas pela boa vontade de todos. Em última análise, ao invés de economia política, é humanidade, decência, valores do Novo Testamento que ele fala.

Dickens e a Revolução Francesa

Que Charles Dickens foi mais um reformador do que um revolucionário aparece claramente em sua percepção da Revolução Francesa  : em Le Conte de deux cités (1859), uma obra de ficção tendo como teatro a Inglaterra e a França do Antigo Regime e da Revolução, contribui para a fundação da opinião inglesa no que diz respeito aos acontecimentos franceses de 1789 a 1793. Dickens realiza uma síntese entre o pensamento de Edmund Burke e o de Thomas Carlyle  : do primeiro, preserva apenas o elogio da constituição inglesa ao se opor a violência e a miséria de Paris para a paz e prosperidade de Londres; do segundo, principal fonte de inspiração, ele toma emprestado a ideia da inexorabilidade de uma revolução considerada como a ação vingativa de um povo contra a corrupção da sociedade do Antigo Regime; em The Tale of Two Cities , Dickens vislumbra, com o sacrifício final de Sydney Carton no lugar de Charles Darnay, herdeiro da família que estava na origem das desgraças de Manette, a possibilidade de escapar do ciclo de violência e punição.

Os principais eixos da criação dickensiana

Em vista do poder criativo de Dickens, as restrições a que teve de obedecer, as influências que recebeu e os moldes em que escorregou permanecem poucas coisas. “Seu gênio os aceitou, assimilou-os e, sem copiar nada, construiu um universo original, ao mesmo tempo fiel ao mundo que conhecia e totalmente diferente, um universo em si de essência poética, único na criação. Literário. "

A publicação serializada

Quase todas as suas obras foram publicadas no ritmo de publicações semanais ou mensais, uma restrição da qual ele foi capaz de tirar proveito, tanto que ele dominou e usou para manter seu público em suspense e às vezes modular o curso da ação ., até mesmo os personagens, de acordo com suas reações. É graças a seus folhetins regulares , transmitidos além das assinaturas por bibliotecas itinerantes que cruzam o país, que os periódicos que recebem suas páginas floresceram, primeiro os de editores independentes, depois os seus próprios, incluindo Household Words e All the Year Round . Cada número tem especificações tácitas: respeito pelo número de páginas, autonomia de cada número, com seu início, seu pico e seu fim, sua dependência dos capítulos anteriores, o anúncio implícito do próximo, a gestão do suspense, o estabelecimento da incerteza , o avanço da trama sem revelar o resto ao lançar pistas discretas. Paradoxalmente, esta publicação difundida exige uma estruturação rigorosa do conjunto, para informar antecipadamente os ilustradores cujas placas demoram a gravar e imprimir e que devem fornecer uma ilustração de capa que, como a embalagem, ofereça desde o início uma visão global ; também é aconselhável evitar repetições e reavivar o interesse em intervalos regulares, daí esta recorrência de torções programadas, dramaticamente no meio e secundárias aos números 5 e 15. Assim, em Dombey et Fils , a morte do pequeno Paul, inicialmente marcada para a quarta edição, foi empurrada de volta para a quinta. Essa forma de publicação foi apreciada pelo público, pelo baixo preço (possibilitado pela publicidade direcionada), pelo convívio de uma família ou pela leitura do bairro, pelas especulações sobre os próximos acontecimentos, pela nostalgia de ações localizadas no passado. Segundo Robert Patten, "aderiu ao ritmo de vida, encaixado na ordem de semanas ou meses, trouxe ordem e regularidade a um mundo sujeito a mudanças rápidas" . Por meio desse meio, acrescenta, Dickens democratizou a literatura.

O Bildungsroman e outras influências literárias

Quase todos os romances de Dickens vêm sob a versão vitoriana do Bildungsroman , um romance de aprendizagem, também chamado de "romance de treinamento" ou "romance educacional". O protagonista é, de fato, considerado desde a infância até a maturidade, com uma frustração inicial que o separa de seu ambiente familiar, engajado em um longo e difícil amadurecimento pontuado por repetidos conflitos entre seu desejo e a ordem estabelecida, alcançando finalmente a 'adequação entre um e a outra que lhe permite reintegrar-se na sociedade em novas bases. Esta passagem da inocência à experiência tem variantes, por exemplo, e talvez seja a mais característica, a dos Papers póstumas do Pickwick Club onde o herói, um homem de experiência aos olhos da sociedade, adulado por seu grupo de amigos, considerado um sábio, um filósofo, um profeta, sai pelas estradas e, no final da estrada, percebe, especialmente graças ao seu tempo na prisão por causa de um mal-entendido, que 'ele não sabe nada, que ele tem tudo para aprender, e que obtém, por meio de seu sacrifício, seu auto-sacrifício, a experiência do coração, um conhecimento saudável dos homens e aquela sabedoria que uma vez acreditou ser dotada.

O gênero vem do modelo picaresco , cujo protótipo é Dom Quixote , um herói pseudo-heróico com um criado de bom senso, que Cervantes foi o primeiro a confiar à viagem. Dickens o admirava, assim como Lesage e seu Gil Blas de Santillane ou filho Diable Lame , em que Asmodeus levanta telhados de casas para observar o que ali se passa, metáfora para a abordagem do narrador na terceira pessoa.

Além Cervantes e Lesage, Dickens foi guiado pelo modelo de Inglês do XVIII °  século, descoberto em sua juventude e objetos permanentes de veneração. Entre eles contam especialmente Defoe , Sterne , Smollett , Fielding , finalmente Goldsmilth, cuja veia sentimental o inspirou a defender o ideal do homem bom (Oliver Twist, Nicholas Nickleby,  etc. ), e também a excentricidade ingênua, personagens como o Sr. Pickwick e o Sr. Micawber , Sr. Jarndyce ou Sr. Meagles . Desde o início de David Copperfield , o narrador os enumera e acrescenta: “Eles alimentaram minha imaginação e minha esperança por algo além deste lugar e tempo [...] Eu fui o filho de Tom Jones por uma semana, suportei a vida de Roderick Random por um mês consecutivo [...] Esse era o meu único e constante conforto. “ Outra influência, observa Monika Fludernik, muitas vezes esquecida, de William Godwin , incluindo Caleb Williams , certamente serviu de modelo para crítica social e fonte, entre outros, para suas metáforas de prisão, embora seja principalmente prisão por dívida, conhecida por procuração, que ele descreveu.

O modo satírico adotado por Dickens também veio do século anterior. Como seus modelos, Dickens sabe como identificar falhas, fraquezas e vaidades humanas; no entanto, observa Monika Fludernik, sua abordagem é menos "venenosa" do que a de seus antecessores: assim , Casby , um vigarista punido no final do curso, permanece um homem cujo texto menciona sofrimento, enquanto o vigário de Pickle Peregrino , que parece ótimo , recebe uma retribuição implacável de pura farsa . O mesmo ocorre com a crítica do absurdo burocrático: enquanto Fielding e Godwin vão atrás de juízes e jurados, Dickens ataca a instituição, o tribunal da chancelaria , o ministério da circunlocução . Também compartilhou com o XVIII th  retratos de mulheres do século, de acordo com Monika Fludenik, têm algumas características em encontros pessoais curtas no Sophia e Amelia Fielding, bem como Emilia Smollett ( Peregrine Pickle ), embora idealização de Victorian em Coventry Patmore , a influência da contos de fadas e melodrama de palco ajudaram a moldar seus contornos.

A obra do pintor William Hogarth também, desde os seus primórdios, inspirou muito Dickens, antes de mais nada, nota Malcolm Andrews, do ponto de vista formal. De fato, sua série de gravuras, como A Harlot's Progress ( The career of a prostitute ), Marriage à-la-mode , pertencente a um todo coerente e estruturado, serviu de modelo para a história sequencial, por exemplo em Meditations on Monmouth Rua , onde desfilam diferentes vinhetas muito visuais diante do narrador Boz, técnica também empregada em Oliver Twist , com sua infinidade de salas apertadas, de teto baixo e claro-escuro. Além desse aspecto estrutural, cenas do cotidiano, como as caricaturadas por Hogarth, são encontradas, muitas vezes sem muitas modificações, em palavras simplesmente transportadas para o século seguinte.

Sub-gêneros

Mesmo nos três romances de iniciação em que o "eu" intervém ( David Copperfield , parcialmente La Maison d'Âpre-Vent e Les Grandes Espérances ), as obras de Dickens também são relevantes, como observado por Paul Davis e Philip V. Allingham, de vários subgêneros praticados em seu tempo.

Se Dickens quisesse se distanciar do que Thackeray chamou de "Escola do Romance de Newgate "  , ele tentou fazê-lo no episódio central de Oliver Twist e em alguns outros de seus romances que apresentam o componente criminoso e policial encontrado em vários de seus amigos, Wilkie Collins e Ainsworth em particular. Les Grandes Espérances , por exemplo, está repleta de pontões-prisões , condenados, vigaristas, assassinos, caïds encarregados de assuntos do crime, e há episódios de violência sangrenta. Ao longo do romance, também permanece o enigma da excêntrica Miss Havisham, que só a conclusão desvenda, e o suspense em torno do condenado Magwitch, cujo retorno da deportação australiana pede a forca, reconciliando assim o herói consigo mesmo e selando o fim de sua grandes esperanças, pois, confiscado pela Coroa o bem incriminado, “já não há esperanças” .

Este aspecto do trabalho é inseparável dicas Dickens, que escreve Robert Mighall, ele sacrifícios desde o início da tradição gótica nasce no XVIII th  século, com Walpole e seu Castelo de Otranto ( 1754 ), perseguido, entre outros, por Mrs Radcliffe em Os Mistérios de Udolph ( 1794 ), e que Walter Scott explora com A Noiva de Lammermoor em 1819 . Assim, em The Postumous Papers of the Pickwick Club , a recorrência de fantasmas, incidentes aterrorizantes ou simplesmente grotescos, especialmente nos relatos intercalados, atesta o desejo do autor "de enviar arrepios pela espinha de seus leitores e ao mesmo tempo torcer com risos ” . Muitos outros romances têm as mesmas características, por exemplo The Antique Shop , "paradigma do romance de terror" segundo Victor Sage, onde o anão Quilp, gárgula malvada e "vilão gótico por excelência" prevalece , e durante o qual a pequena Nell é lançada com um avô doente em estradas inóspitas "assombradas pela perseguição e levando à morte" .

Deve-se notar também que Dickens se afastou do modelo udolphiano , fazendo-o abandonar sua casa-fortaleza para chegar ao campo. Da mesma forma, com Barnaby Rudge , mesmo que o gótico rodeie Barnaby, o "fantasma", o "espectro", o "errante da terra", ele se destaca um pouco, pois esse personagem, supostamente central, raramente ocupa o centro. do palco. Além disso, neste romance, Dickens condena o fanatismo anticatólico, aqui levado aos extremos do crime, ao passo que é dado como certo no mundo gótico: sua simpatia vai deliberadamente às vítimas da fúria protestante. Na verdade, explica Michael Hollington, Dickens tentou uma nova abordagem para o gênero em seus primeiros escritos: usando convenções para denunciar os abusos encontrados em sua porta. Desenhado por Boz, continuado em Oliver Twist , esta tendência culmina em La Maison d'Âpre-Vent onde a lentidão da lei é traduzida, mais do que descrita, pela metáfora labiríntica de escuridão e névoa, onde vagueia uma sociedade de fantasmas e de vampiros, que desmorona durante um gotejamento Walpurgis Nacht de combustão espontânea . Em 1860, com a Miss Havisham of Great Hope , uma jovem noiva congelada no tempo em sua mansão dilapidada ironicamente chamada de "Satis House", Dickens explorou o tema do auto-encarceramento, um traço gótico também desviado, já que o confinamento é não imposto por ninguém que não seja a vítima. Como Robert Mighall escreve, Miss Havisham "se transforma em um gótico com aplicação, implantando uma arte consumada de encenação e efeito" e, "postura Frankensteiniana  " , ela transforma sua filha adotiva Estella em um monstro de ingratidão. Ironicamente, é por esta boneca congelada que o herói, Pip, se apaixona para sempre, um amor tão constante, apesar do desprezo demonstrado, que também cai na veia sentimental do século anterior.

Todos os romances de Dickens, mesmo os mais sombrios como The Tale of Two Cities e The Difficult Times , têm aspectos cômicos, tanto situacionais quanto característicos. O leitor é chamado a rir sem malícia da soberana grandiloquência do Sr. Micawber , com desprezo pela auto-sufocamento da língua oficial do ministério das circunscrições , não sem comiseração pela atuação teatral do Sr. Wopsle ou pelo casamento de Wemmick , todas as etapas. organicamente essenciais para a trama e o tema central. A palma da mão cômica, sem dúvida, vai para a criação de dois personagens extraordinários em Os Papéis Póstumas do Pickwick Club , Mr Jingle e Sam Weller. Jingle é o campeão de eloqüência de zero grau, sua sintaxe reduzida a uma pilha espartana de palavras cômicas, mas assustadoramente dramáticas, "linguagem telegráfica tilintando como seu nome"  : "testado, exausto, caixinha, em breve, pilha de ossos, relatório policial, falso conclusões, puxar a cortina ” . Quanto a Sam Weller, além de seu senso cômico de repartição, ele pratica a arte do provérbio desviado, pervertido ou forjado, de onde esta inesgotável antologia de aforismos comentando cada acontecimento de forma incongruente mas essencial. Assim, no momento da morte da segunda esposa de seu pai, um evangelista rabugento que morreu por ter bebido demais, ele encontra a última palavra com toda a simplicidade: "Acabou e não podemos fazer nada, e é um consolo, pois sempre dizem na Turquia quando estão com a cabeça errada ” .

Mantendo grandes expectativas como exemplo, há também o tipo "romance para a colher de prata  " ( Silver Fork Novel ), que floresceu nas décadas de 1820 e 1830, descritivo de uma elegância chamativa e frivolidade crítica da alta sociedade, uma classe pela qual Dickens tem nada além de desprezo, mas que fascina muitos de seus leitores. Seus romances podem ser concebidos como "antiromans com uma colher de prata" tão feroz é a sátira das pretensões e da moral dos ricos e seus bajuladores. O próprio título, Les Grandes Espérances , revela-se irónico , pois na realidade não há "esperanças", os bens do condenado permanecem impuros e, em todo o caso, confiscados no seu regresso pela coroa.

A todos esses gêneros subordinados, Philip V. Allingham acrescenta a categoria de romance histórico , Dickens ancorando suas histórias com uma riqueza de detalhes que acaba dando uma noção dos acontecimentos, personalidades e estilo de vida da época escolhida. Assim, Les Grandes Espérances começa logo após as guerras napoleônicas , continua até os anos 1830-1835, depois salta para a década seguinte de 1840 a 1845 e, ao longo dessas passagens temporais, certas indicações tópicas servem como pontos de referência: as notas , modo de locomoção, localização da forca, soberanos mencionados,  etc. .

Temático

Todos os temas que Dickens aborda têm uma conexão com sua própria experiência, mesmo nos romances que, a priori , parecem distantes dela, O conto de duas cidades e Os tempos difíceis por exemplo. Seu tema pode ser dividido em torno de três eixos principais que John O. Jordan chama de “ficções infantis”, “ficções de cidade” e “ficções de gênero, família e ideologia doméstica”. Soma-se a isso um tema recorrente, especialmente desenvolvido em Les Grandes Espérances , aquele que Thackeray chamou em seu Livro dos Snobs , "dar importância às coisas sem importância" , ou mesmo "admirar as pequenas coisas aos poucos" .

Infância

É tradicional que Dickens importasse da poesia romântica, especialmente a de Wordsworth , o papel da criança inocente como a figura central do romance. Uma vez considerado um adulto incompleto e pouco atraente, a criança tornou-se a tarde XVIII th  século um ser humano diferente de ser qualitativamente e exigem o cuidado adequado para seu bem-estar e para a preservação de sua inocência. A "dura experiência da infância" vivida por Dickens, nas palavras de John Forster, vista como o fim de sua inocência e o determinante da maturidade, tornou-a muito receptiva ao conceito de criança digna de palavras próxima do divino e predeterminante do adulto, um sentindo-se ainda mais exacerbado pela morte prematura de Mary Scott Hogarth , sua cunhada.

Vários fatores, escreve Robert Newsom, "entretanto, tornam esta história mais complexa" . Os vitorianos , especialmente os seguidores da Igreja Inferior , também consideravam a criança particularmente vulnerável às tentações do mal , principalmente a desobediência que leva a todos os pecados. Se Dickens sempre se opôs à severidade da religião, que ele associa ao Antigo Testamento , ele ainda assim imagina certos monstrinhos de desonestidade ou maldade, The Artful Dodger , da gangue de Fagin , Tom Scott , ligado ao anão Quilp ou mesmo Tom Gradgrind , com um egoísmo vertiginoso. Por outro lado, acrescenta Robert Newsom, "Adoradores de crianças ao estilo de Wordsworth são raros em seu trabalho, e aqueles que se revelam ineficazes" , como o avô de Nelly . Quanto às mães amorosas, ou morrem jovens, como as de David Copperfield, ou desapareceram: assim, Oliver Twist se encontra no hospício , enquanto o narrador ironicamente especula sobre as doces mulheres que podem tê-lo rodeado em Seu nascimento.

Na verdade, os filhos dos primeiros romances foram vítimas não só de abandono, mas também de um sadismo às vezes muito ousado para a época: Quilp propôs à pequena Nell ser seu “número 2”, ou seja, contar para sua esposa quando seu "número 1" está morto, e ele acompanha sua declaração de força com beijos sonoros em suas "partes rosadas" , como ele as chama, tanto que o leitor se pergunta "se ele quer comê-la ou estuprá-la" , “Ou talvez ambos”  ; e Wackford Squeers , assim como o Sr. Creakle, chicoteiam meninos com um apetite jubiloso. Outra variante de uma criança abusada, a do puer senex  : Nell é adulta antes de seu tempo, mas por necessidade, enquanto Paul Dombey , o “pequeno Paul”, se dá bem desde o berço descrito por todos como “antiquado”, este que o preocupa, acreditando que significa "magro", "cansa-se facilmente". Jogado em um molde de conformismo, empurrado como uma semente em uma estufa, ele está morrendo sem entender o fato de ser velho aos nove anos: há o contorno de uma consciência limitada, escreve Robert Newsom, uma técnica que Dickens usa com bastante frequência., Como com Joe, o Varredor , para intensificar o pathos da situação.

No meio de sua carreira, Dickens apresentou narrativas em primeira pessoa que tocaram em sua infância. 1848 é um período de luto para ele e a veia pessoal se apoderou dele, seus Fragments autobiográficos beirando David Copperfield . Além disso, o gênero está na moda desde a publicação de Jane Eyre em 1847 e a imensa notoriedade que logo conferiu ao seu autor . Sem dúvida, Dickens não pretendia se deixar suplantar pelos favores públicos, especialmente com La Foire aux vanités . Thackeray também ocupou as primeiras páginas dos jornais literários. Robert Newsom resume da seguinte maneira: "Se Jane Eyre deve muito a Oliver Twist, David Copperfield, Esther Summerson e Pip devem a ele o mesmo . " A consciência da criança passa então a ler diretamente, embora, problema inerente a toda escrita autobiográfica , sua reconstrução a posteriori por uma memória adulta acentua, por efeito de lupa e também de estilo, as reações afetivas, raiva, angústia, desespero. Há aqui uma sutil mistificação narrativa: os sopros do revival, cujo fluxo permanece dominado pela arte, são transcritos como renascidos no presente, mas sem o adulto ser completamente apagado. No início de Grandes Esperanças, a perspectiva infantil e a retrospecção adulta são assim enroladas, quando Pip conta como ele veio a ser nomeado e que ideia teve de seus pais a partir das letras gravadas em seus túmulos. Robert Newsome escreve que aqui Dickens apresenta uma infância "agora removida das gloriosas nuvens divinas de Wordsworth, nascida em um mundo decaído" , marcada, como o herói coloca no capítulo 32, com a "mancha da prisão e do crime" , infância privada da infância, a inocência foi recusada a ele.

Último avatar, filhos adultos, homens ou mulheres que se recusam a crescer, por exemplo Harold Skimpole , inspirado no escritor Leigh Hunt , Flora Finching , Dora , esta flor que David Copperfield tomou como sua primeira esposa. Dickens não os poupa se eles combinam irresponsabilidade com maldade, mas sabe ser indulgente com aqueles que mostram uma bondade em todos os momentos: Sr. Pickwick , os irmãos Cheeryble , Sr. Micawber , todos irresistivelmente engraçados e cujo "frescor, gentileza, a capacidade de estar contente ”, como diz David Copperfield, capítulo 2 , em última análise, provou ser útil, se não essencial, para a comunidade.

A cidade

Antes de Dickens escrever sobre Londres , primeiro nos Esquisses de Boz e Os papéis póstumos do Pickwick Club , a cidade apenas figurava na ficção como cenário ocasional para uma intriga doméstica: com ele, tornou-se uma das protagonistas da obra e um dos motores de seu sucesso. Ao longo de sua vida, Dickens se beneficiou da experiência adquirida como jovem repórter, ele caminhava pelas ruas, um hábito que manteve ao longo de sua vida. Ele sentia uma alegria que chegava à exuberância e, mesmo quando estava no exterior, Londres nunca estava longe de seus pensamentos. Assim, suas histórias levam o leitor sem trégua pela capital, com suas torres de campanários riscando o horizonte, a cúpula de São Paulo erguendo sua massa: ordem, caos, a panorâmica justapõe o bastão, duas perspectivas colidindo sem parar., Como em Episódio de Todgers de Martin Chuzzlewit . Os ruídos da cidade ecoam em contraponto , "coro sinfônico da cidade" , segundo Murray Baunmgarten: guinchos de trens, apitos de estações, gritos de vendedores de jornais ou vendedores ambulantes, às vezes em uma versão onomatopaica como em Dombey et Fils .

Como o poderoso Tâmisa que a irriga, Londres é realmente atravessada por um movimento permanente, fluxo de multidões, mas também mutações que a tornam, para seus habitantes, os personagens, o narrador e o leitor, difícil de apreender, às vezes mercado, labirinto, prisão, às vezes agente de regeneração. Os historiadores notam a precisão dessa tradução: assim, enquanto, na década de 1850, locais de renovação abriram novos jardins e praças públicas, o trajeto diário de Wemmick e o retorno de seu castelo em miniatura à cidade de Londres acontecem no meio de trupes de atores e viagens músicos que saíram dos becos para ocupar esses espaços liberados em um vaivém perpétuo. Neste drama, escreve Murray Baumgarten, Dickens traz para a cidade, "lanterna mágica ópera balada e melodrama do XIX °  século" , a vitalidade de uma Hogarth , com ação instantânea, muitos efeitos reais de tais molas 'um tridimensional diorama .

“Dickens era o demiurgo de uma capital em movimento, acrescenta Philippe Lançon, [...] Sua imaginação determina a capital a tal ponto que pintura, escultura, palco, fotografia emergente, tudo parece ilustrar seus romances. Eles tomam Londres não como um cenário, mas como uma entidade viva, íntima, multicelular ” . E Alain para acrescentar: “Onde quer que Dickens evoque um personagem, ele fundou para sempre uma célula em Londres que continua a se multiplicar à medida que descobrimos habitantes; a impressão da natureza é então tão forte que não se pode recusar esses seres; você tem que segui-los, o que é melhor do que perdoá-los. A atmosfera dickensiana, diferente de todas as outras, vem dessa secreção da moradia pelo morador ” .

Ideologia doméstica

Se Dickens foi reconhecido durante sua vida como o profeta do lar, aqueles que ele descreve geralmente não conhecem harmonia nem felicidade: em seu trabalho, George Newlin conta 149 órfãos, 82 crianças sem pais, 87 sem mães. Apenas quinze personagens tiveram ou ainda têm ambos os pais, e metade dessas famílias, escreve ele, "seria hoje considerada disfuncional" . Para explorar as tensões sociais, econômicas e políticas de seu tempo, sua energia criativa procurou retratar famílias grotescas e fragmentadas.

No entanto, quando ele lançou Household Words e escreveu a Forster que sua revista seria imbuída de "uma filosofia de Natal, [...] uma veia de generosidade calorosa, radiante de alegria em tudo o que diz respeito a casa e lar. Coração" , ele retoma uma antífona já conhecida: desde A Christmas Carol em 1843, retransmitida a cada dezembro por um novo conto dedicado, ele encarna esse espírito aos olhos de todos, como notado pelos comentaristas, Margaret Oliphant por exemplo, ironicamente sobre “o imenso poder espiritual do tradicional peru , ou JWT Ley que o chama de “O Apóstolo do Natal” . Também parte de sua ficção ajudou a moldar a ideologia doméstica de sua época , a família, até então patrimônio de uma linhagem, tornando-se um santuário considerado adequado para cada um de seus membros. Nessa idealização do lar, a mulher garante a harmonia da esfera privada: assim a pequena Nell , Agnes Wickfield , Esther Summerson , a pequena Dorrit e, após alguma hesitação, Bella Wilfer . Catherine Waters observa que duas dessas jovens usam o apelido de "petite" e que, de fato, a pequenez prevalece nessa representação do ideal doméstico: aquele, reconfortante, das pessoas ( Sra. Chirrup , Dot Peerybingle ), ao que corresponde o caloroso estreiteza do lugar (o barco dos Peggottys , o castelo em miniatura de Wemmick ), enquanto os grandes edifícios e mansões, onde o público e o privado se misturam, não abrigam mais a não ser hóspedes insanos ou sem coração ( Chesney Wold , Satis House , a casa do Sr. Dombey ) .

Além desses puros "anjos da lareira", Dickens apresenta personagens femininas mais ambíguas, ao mesmo tempo confirmação e crítica da ideologia doméstica dominante: daí a aristocrática Lady Dedlock , cuja aparência gélida está de acordo com os atributos de sua classe, mas que a intimidade vai se revelando aos poucos nas garras das paixões surdas. O narrador onisciente se mantém longe da invasão, chamando-a apenas de minha senhora e, com cautela por fora, deixa que a própria história revele uma transgressão oculta e seu resultado doloroso, a perda de um filho. A senhora arrogante, basicamente, é apenas uma "mulher perdida" socialmente integrada, enquanto Rosa Dartle , ela mesma magoada para sempre pela traição de Steerforth , recusa qualquer compromisso e nega ferozmente sua suposta especificidade feminina. Além disso, a partir de 1858, e muitos críticos veem nela a influência de Ellen Ternan , as heroínas de Dickens se afirmam mais voluntárias, mais prontas para expressar seus desejos, sem contar com personagens menores que aparecem em contos ou peças de teatro, “paqueradores e caprichosos mulheres, interessadas, claro, mas também mulheres completas, vivas, autênticas… e femininas ” .

Em tempos difíceis , Dickens aborda a questão do divórcio, tecida na textura da narrativa por meio dos personagens de Louisa Gradgrind e Stephen Blackpool . Além de ser pessoalmente confrontado com ele, ele ecoa a lei de 1854, A Divorce and Matrimonial Causes Bill , retransmitida por dois ensaios em Household Words . Se todos os casamentos em Coketown são desastrosos, o paradigma do fracasso continua sendo o de Blackpool, que não pode iniciar o processo de divórcio por causa do preço proibitivo, complicações legais e ostracismo moral.

Assim, por suas repetidas descrições de órfãos, de velhas filhas solteiras, mães monstruosas, famílias deslocadas, Dickens expõe a instabilidade do ideal doméstico que, no entanto, procura afirmar. Certamente, escreve Natalie McNight, ele confiou nos estereótipos de sua época, mas também revela suas tensões e contradições, e sua ficção os transcende com sua riqueza imaginativa.

Esnobismo

De onde vem o dinheiro da Dickens Vem do trabalho, explica Henri Suhamy , mas só é aceitável se for o trabalho de outras pessoas. Miss Havisham ganha sua renda com o aluguel de seus bens, dinheiro puro, imaculado pelo trabalho duro. Além disso, por ser rica, a velha senhora, apesar de sua excentricidade, goza de estima geral e, embora excluída da vida, não está excluída da sociedade, a própria imagem de uma aristocracia terráquea permaneceu poderosa, embora congelada no passado. Por outro lado, o dinheiro que vem de Magwitch é atingido por uma proibição social, porque veio de um presidiário, ganho em campo criminoso e pela força das armas. De quais ativos você precisa para obter acesso à "distinção" Um título, ou na sua falta, laços familiares com a classe média alta: assim, a Sra. Pocket baseia sua aspiração constante no fato de que seu avô foi "quase" nomeado cavaleiro, e Pip mantém a esperança de que a Srta. Havisham eventualmente a adotará, porque a adoção , como evidenciado por Estella que se comporta como uma mocinha nata, é bastante aceitável. Dinheiro e educação, independentemente do aprendizado profissional, são mais importantes, mas não o suficiente. Por isso, é o odioso Bentley Drummle quem encarna o ideal social, razão pela qual Estella se casa com ele sem pestanejar.

Mas o dinheiro corrompe: sua atração prevalece sobre tudo, a lealdade, a gratidão, a própria consciência, e a ideia de um cavalheiro , segundo John Hillis-Miller, "vai à falência" . Essa rejeição, iniciada por Dickens em La Petite Dorrit e confirmada em Les Grandes Espérances , não é necessariamente compartilhada pelos contemporâneos: para Thackeray , a ideia de "cavalheiro" deve ser reavaliada, mas continua sendo um conceito essencial, e para Trollope , a ética só pode ser espontâneo "com essas qualidades que desafiam a análise mostrada pelo homem e pela senhora de distinção" . Enfim, riqueza e distinção não trazem felicidade, “um mundo dominado pela sedução do dinheiro e dos preconceitos sociais que levam à mutilação do ser, à discórdia familiar, à guerra entre homens. E mulheres” .

Realismo à la Dickens

“Uma rua londrina descrita por Dickens é muito parecida com uma rua londrina, mas é ainda mais parecida com uma rua em Dickens, pois Dickens usa o mundo real para criar seu próprio mundo, para adicionar um terreno à geografia da imaginação. " Assim, Lord David Cecil ele resume o realismo de Charles Dickens, implicando que o realismo em sua forma mais pura não existe e que a intenção eventualmente cederá ao poder da visão.

Um universo poético

Tal é o ponto de vista tradicional, resultante de Chesterton , depois de Humphry House, que vê na obra de Dickens, além de sua sátira social e moral, ou de seus questionamentos sobre o que é civilização, elementos reunidos no extraordinário e no fantástico . O maravilhoso surge das trevas ou do cinza e, de forma careta, o mal aparece em toda parte, na lepra das coisas como na corrupção dos corações, e sobretudo porque pessoas, lugares e objetos adquirem o valor de signos, símbolos. , os personagens se movem como emblemas e as paisagens que se cercam de um halo de significados. Mesmo, por exemplo, em Les Grandes Espérances , quando descreve os becos escuros e tortuosos como a fumaça que suja as paredes, explica Henri Suhamy , Dickens não dá à luz a feiura: sob sua pena, o feio torna-se cômico, a azáfama . - bohu abundância de vida, e o pântano plano com sua forca e seus túmulos, o rio negro como o Estige , o mar inacessível, suas carcaças e seus destroços, a cidade labiríntica , tudo isso representa, mais do que os evoca, a morte , o deserto da vida, a eternidade, mas também a esperança e a fé no futuro. Assim, o mundo aparece como outro atlas onde os movimentos das estrelas, ondas, luzes, noite, neblina, chuva ou tempestade isolam as casas, perdem rotas, rastreiam os seres, os aguardam como o destino. Neste universo, os homens se encontram, mas não se unem, se tocam para se repelirem, se unem para lutar uns contra os outros; universo em si onde os seres e as coisas encontram um lugar que não é aquele que lhes seria atribuído na realidade, com suas próprias leis, sem hereditariedade por exemplo, nem grande influência do meio ambiente, com marés erráticas e probabilidades desrespeitando a matemática. Assim, o estranho torna-se normal e o fantástico simplesmente inusitado: este é um universo poético . Além disso, como Virginia Woolf escreveu já em 1925 , “o poder extraordinário de Dickens tem um efeito estranho. Isso nos torna criadores, não apenas leitores e espectadores ” .

A crítica contemporânea diz, no entanto: de acordo com Nathalie Jaëck, os romances de Dickens são deliberadamente dúbios, com, no cerne desta escrita criando o realismo inglês, uma subversão intrínseca, um desejo de introduzir, dentro do sistema de representação que ela constrói, um cheque, uma alternativa formal: "Situado no [...] momento crucial em que o realismo é confrontado com seus limites e quando o modernismo ainda não se estabeleceu como sistema, o texto Dickensien se instala neste espaço de transição: ele constrói muito metodicamente uma eficiente máquina literária realista, ao mesmo tempo em que experimenta os meios formais de apreender a bela obra. " .

Uma língua multifacetada

Segundo Patricia Ingham, “o domínio da língua de Dickens, único em inventividade e densidade [...] o torna o James Joyce da era vitoriana . Utilizando todos os recursos linguísticos possíveis, desde a criação de palavras até a alusão literária, [...] uma escolha raramente sem modelos literários mais antigos que muitas vezes desenvolve além de todo reconhecimento ” .

Denominação e idiossincrasia

Esse poder se manifesta no processo de nomeação, onde a associação de som e sentido já significa o personagem, uma atenção onomástica ao detalhe ilustrada nas notas de trabalho. Assim, o nome do herói homônimo de Martin Chuzzlewit passa por oito estágios para atingir uma combinação de idiota ("simplório") e quebra - cabeça ("enigma"), ou uma pessoa que precisa de iluminação. Da mesma forma, Bella Wilfer combina beleza e vontade, enquanto Carker vem de cark ("assediando implacavelmente") e o financista Merdle é definido imediatamente em termos freudianos . Dickens também enfia contas de nomes com variações mínimas, mas cada uma significativa, como o Boodle, Coodle, Doodle, Koodle, Loodle, Moodle, Noodle , Poodle , clones de Quoodle , alinhando-se com o político Dedlock , ele mesmo "cadeado" e "morte", ou a sequência de Mizzle, Chizzle e Drizzle , sem contar Zizzle , estes advogados a assombrar o pátio da Chancelaria , todos gerando confusão ( garoa ) e frágil decepção ( cinzel ). Em contraste está o monossilábico Joe , um pequeno varredor de encruzilhada quase humano.

Uma vez nomeado, o narrador escuta idiossincrasias verbais: Barney , cúmplice de Sikes , fala pelo nariz, "quer suas palavras venham do coração ou de outro lugar" (15); o inocente inventor Doyce se expressa "com a suavidade de seu nome e a flexibilidade ágil de seu polegar" (I, 10), mas Flintwinch , esta combinação de pederneira e pederneira, "fala com uma pinça, como se as palavras saíssem de seu boca à sua imagem, toda enviesada ” (I, 15). O Sr. Micawber fala "dando a aparência indescritível de fazer algo distinto" (11, X), enquanto o Sr. Dombey "dá a impressão de ter engolido um pedaço grande demais para sua garganta" (21); quanto ao frágil Podsnap , ele se dirige a um estranho "como se estivesse administrando um pó ou poção a um pequeno mudo" (I, 11).

Fale regional ou turma

O engrossamento lingüístico continua com o fornecimento de linguagem regional ou de classe, os dois frequentemente sendo ligados. Sam Weller se identifica como cockney ( w tornou-se v , desaparecimento do h aspirado,  etc. ), os Peggotys se deixaram entender como originários de East Anglia ( bahd para pássaro "pássaro", fust para primeiro "primeiro"), e em Nicholas Nickleby e The Difficult Times , apontam para as particularidades do norte ( voraz por fome "fome", loove por amor "amor"). A grafia dessas formas de dialeto não sendo codificadas, Dickens as reproduz à sua própria maneira, como Emily Brontë em The Heights of Stormwind ou sua irmã Charlotte que corrige para uma edição mais inteligível. Outras características lexicais incluem o jargão dos ladrões  : nab para "prender" ou conkey para "informante" e frases codificadas como "Olivier está na cidade" , que significa "há luar" , o que torna a ação arriscada. Além de sua própria observação, Dickens baseia-se no Critical Pronouncing English Dictionary e Expositor of the English Language de 1791, e até mesmo em certos tratados regionais: Tim Bobbin, A View of the Lancashire Dialect with Glossary de John Collier (1846) para Les Temps difficile ou Suffolk Words and Phrases de Edward Moor para os Peggotys (1823). Em O amigo comum aparece Lizzie Hexam, de baixa extração (seu pai é um ladrão de cadáveres) mas virtuosa, e destinada pela intriga a integrar a classe média: para dissociá-la da vulgaridade de seu discurso cockney, Dickens procede como Henry Higgins de Pigmalião , primeiro dotando-a de expressões populares multifacetadas como aquele (I, 3) ("algo assim"), então, depois de ter recebido alguma instrução, atribuindo-lhe frases longas com palavras abstratas (II, 11 )

Fantasia linguística e a "Novilíngua" americana (George Orwell)

Livre das restrições da linguagem regional ou de classe, Dickens dá rédea solta à sua fantasia linguística. Martin Chuzzlewit fornece dois exemplos disso, com a Sra. Gamp, que cria um mundo e uma linguagem adequados à sua imaginação, e o Novilíngua encontrado pelo herói homônimo e seu companheiro Mark Tapley na América.

A Sra. Gamp, a única detentora e falante de um idioleto opaco, faz-se entender, como escreveu Mowbray Morris em 1882, "por sua fraseologia maravilhosa, suas ilustrações bizarras, sua virada incongruente de mente" . É um caos sintático alimentado por aproximações, nater (para a natureza ), chaminé (para chaminé ), kep (para guardados ), ao qual se misturam neologismos , reconsideram (para reconciliar ), proticipam (para participar ), todos os s tornando-se z e o fonema [dz] interferindo no resto, parapidge (para parapeito ), topdgy-turdgey (para topsy-turvy ). Cada transmissão verbal, na maioria das vezes bêbada ou desagradável, torna-se, por meio da confiança e autoridade demonstradas, discurso, declaração, apóstrofe e até profecia, o que é ainda mais complicado pelo diálogo encenado com a fictícia Sra. Harris, supostamente a palavra do evangelho e abençoando para sempre seu ventríloquo .

Para satirizar América em seu retorno em 1842, curvado Dickens sobre a linguagem, criando um verdadeiro newspeak , a "  novilíngua  ": com neologismos morfológicas ou sintáticas ( draw'd , know'd , você foi , não funcionavam deve ) já utilizado em suas representações da fala cockney, ele adiciona a omissão sistemática de sílabas ( p'raps , geral ) e o hífen sublinhando a deriva tônica ( ativo , Eu-rope ). Além disso, o verbo clichê consertar expressa qualquer ação, "tratar uma doença" ou "abrir uma garrafa", e adivinhar ou calcular substituir pensar ("pensar") e  assim por diante. Essa redução, refletindo o empobrecimento conceitual, é inflada por um grotesco inchaço retórico pelo uso de palavras de origem latina mal assimiladas, portanto opinativas para opinar ou inclinadas discularmente para indiretamente , o todo disposto em metáforas agudas, desvio linguístico expressando o desvio de uma nação corrupta orgulhosa disso.

Alusões literárias

Linguagem de Dickens também é caracterizado pela sua intertextualidade que Valerie Garger declara "ser muito mais significativo do que um simples adorno" , o mais entrelaçada em seus textos, sendo a Bíblia , o Livro de Oração Comum , A Viagem do Peregrino por John Bunyan. , E Shakespeare .

A jornada do peregrino e os textos sagrados

The Antique Shop pode ser lido como uma versão de The Pilgrim's Journey , que a própria heroína menciona no capítulo 15, e o enredo de Hard Times é estruturado em torno de um versículo da Epístola aos Gálatas  : "Já que semearam vento, eles colherão a tempestade " , sendo as grandes partes divididas em" Sementes "," Colheita "e" Colheita ". A referência mais complexa ao Novo Testamento é encontrada em La Maison d'Âpre-Vent, onde a admoestação “Ame seu próximo” e seu corolário “sob pena de danação” são sutilmente entrelaçados nos temas e na própria forma do romance. Então, as referências a Mateus , os Romanos , os Coríntios florescem, a parábola da semeadura e da colheita dominando a narrativa em subtexto . Por fim, o último livro , sobre o entorno e o interior de uma catedral, é naturalmente rico em conotações religiosas. Além de reproduzir a fala dos dignitários e o vocabulário específico do edifício, a linguagem se baseia tanto no Antigo quanto no Novo Testamento , e extrai do Livro de Oração Comum certas citações às vezes tomadas, como observa Peter Preston, para referências bíblicas textos, nunca uma escolha arbitrária, porém, pois corresponde aos temas: pecado, arrependimento, punição.

O pecado é evocado da cena da cova do ópio, com referências ao “espírito contaminado” e a Jesus expulsando demônios. Debaixo das abóbadas da catedral troveja o hino "Onde está o ímpio", seguido na liturgia anglicana por um versículo do Salmo 51  : "Reconheço as minhas transgressões e o meu pecado está constantemente diante de mim. " Caim e Abel são citados desde o desaparecimento de Ewin Drood, primeiro por Neville Landless que se defende com palavras próximas às do Livro do Gênesis , 4, 15: " E o Senhor deixou uma marca em Caim de medo que ninguém encontra-o matá-lo. » E quando conhece Jasper quem lhe pergunta « Onde está o meu sobrinho " , Ele responde: " Por que você está me perguntando isso " Novo eco de Gênesis , 4, 9: " Onde está seu irmão Abel " , Ao que Cain retruca: " Como vou saber Eu sou o guardião do meu irmão " . Múltiplas são as outras alusões que oprimem Neville, cujas palavras e gestos evocam o fratricídio bíblico, por exemplo, quando sai de Cloisterham com a "maldição sobre o seu nome e reputação" . E Honeythunder para proclamar: "Você não deve matar." ", Ao que o Sr. Crisparkle responde: " Você não vai dar falso testemunho contra o seu vizinho. "  ; ele, o segundo cânone, de fato carrega a verdadeira mensagem de Cristo, sua missão sendo com os que sofrem, ele prega, retomando a “Ladainha” do Livro de Oração Comum  : “Queira resgatar, ajudar e confortar todos aqueles atingidos pelo perigo, necessidade e aflição. "

Shakespeare

Igualmente significativo é Shakespeare, especialmente Hamlet , Macbeth , King Lear e, em menor grau , Othello , embora Dickens tenha escrito e executado em 1833 uma farsa musical chamada O'Tello . Ao contrário dos textos religiosos que moldam e modulam o enredo, as peças de Shakespeare integram-se à linguagem, tanto dos personagens quanto do narrador, para criar "fogos de artifício verbais cuja eficácia depende da capacidade. Do leitor de comparar o original ao novo contexto ” . Assim, Dickens poupa poderosos efeitos de contraste, o destaque permanece sendo a paródia de Hamlet do Sr. Wopsle , em A Grande Esperança , com falhas cruelmente detalhadas: rainha com o peito enorme e sobrecarregada de adornos, fantasma tirado de uma reta do além-túmulo , herói sombrio engomado e rígido, hilaridade incoercível de Pip e Herbert (capítulo 31). Não faltam alusões ao texto, todos os grandes dramas sendo convocados para vários personagens, com exceção de Dombey e Son, onde Dickens se concentra em Antoine e Cleópatra com o único propósito de caracterizar a Sra. Skewton, uma septuagenária enrugada que acredita seja a nova Cleópatra. Sem que ela saiba, ela se torna alvo de provocações shakespearianas dos personagens, Dombey e Bagstock acima de tudo, e também do narrador, atormentado pelos títulos, as repartições, as digressões, até o capítulo final (41) onde ela se encontra, em agonia, acolchoada, maquiada, remendada, e de repente se levanta "como uma Cleópatra em um esqueleto" e então morre convicta de sua infinita beleza, "zombaria devastadora, [...] uma das mais cruéis sátiras dickensianas" , comenta Patricia Ingham.

A tragédia de Macbeth , a mais sombria, a mais assassina, está muito presente em O mistério de Edwin Drood , a primeira alusão a que se encontra quando este "pássaro clerical e quieto, a gralha que, asa, volta ao anoitecer" , referência oblíqua a Macbeth , III, 2 (v. 40, 50-51), “A luz se adensa e o corvo voa para o bosque das gralhas” , sentença pronunciada pouco antes da cena do crime. Mesma técnica na véspera do desaparecimento de Edwin, quando Dickens levanta um vento poderoso que arranca as chaminés, como durante a noite do assassinato de Duncan: “a noite foi agitada. Onde estávamos deitados / As nossas chaminés foram derrubadas (e como dizem) / Ouviram-se no ar lamentações, estranhos gritos de morte » . Macbeth também é usado para descrever o peso da culpa, evocado no capítulo 10: Crisparkle vai se banhar ao alcance de Cloisterham "tão confiante em [seus] poderes calmantes [...] e na saúde de sua mente que Lady Macbeth se desesperou de todas as ondas do oceano ” . Se a relação entre Lady Macbeth e Crisparkle é inexistente, especifica Peter Preston, a referência ao oceano refere-se ao "brilho de múltiplos mares" ( mares multidudinosos encarnados ) tão impotente para lavar "a mãozinha" de sua mancha como " todos os perfumes da Arábia ”: um sinal premonitório, pois neste trecho se encontram os pertences de Edwin, uma pista, na falta de provas, de um assassinato. Outra pista apontando para o assassinato antes mesmo do desaparecimento de Edwin, ainda induzido por Crisparkle que encontra Jasper dormindo: Jasper de repente dá um pulo e grita: "O que está acontecendo" O que ele fez " Macbeth ecoa a visão do fantasma de Banquo: " Qual de vocês fez isso “ Como o fantasma de Banquo é uma projeção da culpa de Macbeth, invisível para qualquer um, exceto para o assassino, o jogador parece levado a pensar que Jasper também é assolado por tormentos obscuros semelhantes. Em seu capítulo final, Dickens manda Jasper de volta ao seu esconderijo, e lá ele sussurra para a Princesa Puffer: "Já fiz isso tantas vezes e em períodos tão longos que, quando acabava, simplesmente não parecia gosto mais. "vale a pena, foi feito muito cedo", ecoou Macbeth: "Se for feito quando for, bom / Foi feito rapidamente" , acrescenta Peter Preston, usando um texto familiar para sugerir, em vez de dizer, o que o destino de Edwin Drood foi.

Um estilo "polifônico" (Mikhaïl Bakhtin)

Por trás das interpretações da crítica contemporânea que Philip Allingham identifica, permanecem constâncias, tendo como eixo principal a postura irônica , cujo princípio (segundo a etimologia "eirôneia") é questionar a crua realidade sob as máscaras. Todo um arsenal se apresenta ao serviço do ironista, e Dickens não deixa de utilizá-lo, ou melhor, de emprestá-lo ao seu narrador, mesmo que isso signifique dirigi-lo também a ele. Aí o processo diverge: em relação aos personagens, a ironia é lastreada, dependendo de sua categoria, com sátira ou sentimentalismo  ; em relação ao herói-narrador dos dois romances na primeira pessoa, torna-se indulgente e lúcido, pois, principal agente da sátira, é também, permanentemente, mas com simpatia, seu objeto. Em relação às instituições, por outro lado, permanece intransigente.

Quem fala em Dickens

Em forma jornalística como seus antecessores do XVIII th  século, Dickens fala diretamente ao leitor, mas permanece quanto ao que realmente tem o chão em seus romances. Os papéis póstumas do Pickwick Club são apresentados pela primeira vez como uma coleção de documentos dispersos que o narrador Boz é responsável pela edição. Rapidamente esse papel se esvai e um narrador assume com sua onisciência absoluta, mas prefere assistir ao espetáculo de olhos e ouvidos bem abertos, como em um palco: então descreve a aparência, os gestos e, sobretudo, relata o que é disse, o leitor ao seu lado. Em La Maison d'Âpre-Vent destaca-se uma narradora em desacordo com Dickens, e acima de tudo uma narradora, Esther Summerson, que fala em seu nome e apresenta os fatos de um ângulo particular. Em Martin Chuzzlewit , Pecksniff é constantemente questionado pelo observador externo como um preâmbulo às próprias perguntas de Jonas sobre a confiança que ele deveria mostrar a ele. Em David Copperfield , o narrador se compromete a contar e interpretar fatos passados, uma recriação necessariamente parcial e parcial, já que, a priori , ele é o único olhar e a única voz. Comunicador e pedagogo, portanto, não deixa que os fatos falem por si, mas se afirma dono do jogo narrativo. Gareth Cordery escreve que David Copperfield é [...] a quintessência dos romances de memória" , e como tal, segundo Angus Wilson, igual a Em busca do tempo perdido  : o passado torna-se presente, o vivente toma o lugar da experiência vivida , o presente histórico selando o colapso da experiência original e a recriação de uma consciência ocupando o aqui e agora, um sopro de renascimento às vezes se tornando mais vívido do que a realidade. Estes são "momentos sagrados", escreve Gareth Cordery, onde canta "a música do tempo"; “Prosa secreta”, acrescenta Graham Greene , uma sensação de uma mente falando consigo mesma, sem ninguém por perto para ouvi-la. "

A veia teatral

Os romances de Dickens são proscênios e cenas que, de acordo com Philip V. Allingham, "fervilham de ação e ressoam com vozes [de] todas as classes e condições" . Freqüentemente, como em Martin Chuzzlewit , essa veia teatral vem do gênero farsa , com certos personagens reagindo de forma compulsiva, como as cartas que Nadget envia para si mesmo todos os dias e queima ao receber. Às vezes, essa história em quadrinhos se torna macabra; Assim, o marido da sra. Gamp vende sua perna de pau por uma caixa de fósforos que, manuseada com virtuosismo, no entanto, supera a que lhe é concedida pela natureza, animando-se o objeto enquanto o indivíduo é objetificado. John Bowen insiste nesses elementos fantásticos , indissociáveis, segundo ele, do aspecto cômico . Assim, Pecksniff com a “estranheza selvagem” , máquina formidável para dar a mudança que desdobra em todas as ocasiões a mesma energia hipócrita, autoalimentada, ao que parece. Essa força, pensa Chesterton , denota "uma predominância de humor áspero e hostil sobre a hilaridade e a simpatia" . Agora, acrescenta, Dickens sempre leva vantagem quando ri daqueles que mais admira, como aquele "anjo curado" do Sr. Pickwick, a virtude passiva feita homem, ou Sam Weller, modelo, ele., Da virtude ativa . Seus tolos ou excêntricos são gentis, até Barnaby Rudge , o pobre herói corvo. Em Martin Chuzzlewit , ao contrário, são pessoas abomináveis, com humor gigantesco, certamente, mas desta forma “que não se gostaria de deixar um minuto para meditar sozinho junto à lareira, tantos [seus] pensamentos são aterradores”. .

A veia satírica e patética
Personagens

A caracterização é sempre um tour de force em que uma panóplia de procedimentos recorrentes é implantada: divisão entre os mocinhos e os malvados, com alguns passando de um estado para outro; dicotomia entre personalidades eternamente congeladas e personalidades em evolução; reificação com foco na mania ou uma metamorfose sutil da inocência à maturidade,  etc. Uma vez definida a categoria, Dickens prossegue através do retrato: nome engraçado e em si descritivo, impacto visual de um físico revelador, atitude inchada repetida até a saciedade, tique imutável. Bons personagens beneficiam do mesmo tratamento, mas um sentimentalismo discreto substitui a ferocidade satírica, por uma indulgência imediatamente adquirida, beirando o pathos vitoriano , já que prevalece o humor e não mais o humor, a cumplicidade em vez do traço devastador.

Assim, a morte da pequena Nell , no verdejante interior da Inglaterra, sua fraqueza terminada por um ambiente que, no entanto, era considerado um consolador, é o resultado de uma patética ter comovido até mesmo o ex-editor-chefe da Edinburgh Review que , entretanto, estigmatizou Wordsworth por "sua ... propensão para o pathos degradante" . Sylvère Monod sublinha que esta emoção “pode ser explicada em grande parte porque a morte de um jovem traz de volta a perda de Mary Hogarth e também porque [Dickens] sente pelos filhos da sua imaginação um apego comparável ao amor. Paternal” . Como tal, acrescenta, o "paroxismo emocional" merece "respeito": "devemos agradecer a Dickens por ter sabido amenizar o desgosto da morte com a doçura de uma certa poesia.» , Parte da cena, aliás , sendo escrito em verso em branco . Edgar Poe também encontra virtudes nesse pathos , a "delicadeza" que ele admira, por se basear em uma forma de idealismo e por se comparar a Ondina de Friedrich de La (1811). Motte Fouque  [ sic ] (1777-1843 ), o descobridor da cavalaria, vivendo "no esplendor da pureza e nobreza da alma" .

As instituições

Mas quando se trata de criticar o sistema, a ironia se torna devastadora, especialmente porque as instituições não são descritas de forma maligna, mas mostradas na própria ação de sua feiura e ineficácia. Como tal, o ministério das circunlocuções é exemplar, cujo desperdício verbal, ao desenvolver o que não exige desenvolvimento e desdobrar a eloqüência de força sobre o nada, que um nome simples recebe extensões infinitas e que o jargão inútil, tortuoso e labiríntico, ergue grades piores que o Marshalsea . A linguagem acaba sufocando, reduzindo-se a dêiticos ("  aqui  ", "   ", "  agora  ", "  então  ", "  isso  ", "  isso  ", "  dele  " ou "  dela  "), "linguagem perdida" », Inacessível para as pessoas comuns e, portanto, uma arma formidável de alienação.

A veia lírica
A paisagem idílica ou selvagem
James Thomson , autor de Seasons .

Há também um lirismo nos romances de Dickens, especialmente quando ele descreve o campo em oposição à cidade.

Em Martin Chuzzlewit , uma vez que a gloriosa ancestralidade do Chuzzlewit é exposta de forma humorística , o romance abre com uma cena de campo: uma vila em Wiltshire , não muito longe da "boa e velha cidade de Salisbury  " , campos fluindo nos raios ainda densos do sol de outono, todos os ingredientes convencionais: campos, solo revolvido, sebes, riacho, galhos, chilrear. Verbos, substantivos e adjetivos parecem partir da linguagem poética do XVIII °  século ( dicção poética ), o de James Thomson (1700-1748) em The Seasons (1726-1730), por exemplo. Não como aqui, automatismos fluir, vocabulário obrigatório e seqüências muitas vezes rimado em colina (colina), rill (riacho), de preenchimento (completo), ou vale (vale), dale (val), Gale (rafale), ou até mesmo voar (para voar)), céu (céu), ply (vertente) e maio (maio), gay (gay), pray (pray). Dickens, é verdade, busca um efeito de contraste para a chegada de Pecksniff imediatamente pregado ao solo por uma tempestade. De repente, a natureza despojada de sua elegância, o mundo perturbado, a harmonia quebrada, uma fúria "incontinente" se apodera de todas as coisas, e a "dicção poética" não é mais risonha ou saudável, mas é picada pelo caos e pela loucura.

O lirismo do sentimento e a canção épica

Restam as expressões líricas de sentimento, por exemplo, em Les Grandes Espérances , o amor inexplicável de Pip por Estella  ; e às vezes uma canção surge em sequências de prosa rítmica e cadenciada de acordo com padrões iâmbicos .

Cânticos verdadeiros , essas passagens ampliam a visão e transformam os personagens em heróis épicos . Assim é com a tempestade no capítulo 39 da Grande Esperança , que retoma o diagrama prosódico do início de La Maison d'Âpre-Vent , uma dissonância anunciando uma lágrima: “[...] tempestuoso e úmido, tempestuoso e úmido, e lama, lama, lama, espessa em todas as ruas ” . A invasão dos elementos e o acúmulo verbal marcam a irrupção do condenado Magwitch, o estranho esquecido que, perturbando o cosmos e as vidas, de repente se apodera do destino. Segue-se uma história de fôlego épico que relembra o início da EneidaArma virumque cano  ": "Não vou percorrer quatro caminhos para te contar a minha vida, como uma canção ou um livro de história" , pretensão negada pelas repetições. , o ritmo ternário, o nome "  Compeyson  " repetido em uma célula rangente por frase, depois por parágrafo, então ocupando por si só o resto do discurso.

Esta poesia, longe de se distanciar dela, surge do próprio naturalismo de seu autor: Mikel Dufrenne observa que "só existem pessoas para quem descobre e recorta um sentido na realidade" , o que Henri Bergson corrobora para quem "o realismo é no trabalho quando o idealismo está na alma, e é somente à força da idealidade que retomamos o contato com a realidade ” .

O encontro consigo mesmo

Em suma, a imagem do mundo de Dickens é a da sua personalidade: da realidade, ele retém apenas o que o move, o seu realismo fica ao serviço da sua humanidade. A poesia de seu universo é a de seu ego que se projeta nas coisas e nos seres, e que eles refletem; e o país das fadas nasce porque o autor tem um encontro com seu ser, mesmo o exagero assumindo o valor de revelação.

Trabalho

Para obter uma lista completa das obras de Charles Dickens e descobrir quais escreveu colaborativamente, consulte a paleta na parte inferior de cada artigo sobre ele ou a Cambridge Bibliography of English Literature . Apenas as obras marcadas com um asterisco receberam permissão expressa para tradução de Charles Dickens.

Romances

  • Les Aventures de Monsieur Pickwick ( Os papéis póstumas do clube de Pickwick ), publicação mensal de abril de 1836 a novembro de 1837 ( * ).
  • Oliver Twist ( As Aventuras de Oliver Twist ), publicação mensal na Bentley's Miscellany de fevereiro de 1837 a abril de 1839 ( * ).
  • Nicholas Nickleby ( The Life and Adventures of Nicholas Nickleby ), publicação mensal de abril de 1838 a outubro de 1839 ( * ).
  • The Old Curiosity Shop ( The Old Curiosity Shop ), publicação semanal no Relógio do Mestre Humphrey de abril de 1840 a fevereiro de 1841 ( * ).
  • Barnaby Rudge ( Barnaby Rudge: Um Conto dos Motins dos 'Oitenta ), publicação mensal de 13 de fevereiro de 1841 a 27 de novembro de 1841 ( * ).
  • Martin Chuzzlewit ( A Vida e Aventuras de Martin Chuzzlewit ), publicação mensal de janeiro de 1843 a julho de 1844 ( * ).
  • Livros sobre o tema do Natal (Christmas Tales ):
    • A Christmas Carol ( A Christmas Carol ) (1843) ( * ).
    • Les Carillons ( The Chimes ) (1844) ( * ).
    • Le Grillon du foyer ( O grilo na lareira ) (1845) ( * ).
    • A Batalha da Vida ( A Batalha da Vida ) (1846) ( * ).
    • Man haunted or Covenant Phantom ( The Haunted Man or the Ghost's Bargain ) (1848) ( * ).
  • Dombey et Fils ( Dombey and Son ), publicação mensal de maio de 1849 a novembro de 1850 ( * ).
  • David Copperfield ( A história pessoal, aventuras, experiência e observação de David Copperfield, o jovem de Blunderstone Rookery (que ele nunca pretendeu publicar por conta própria) ), publicação mensal de 1849 a 1850 ( * ).
  • La Maison d'Âpre-Vent ( Bleak House ), publicação mensal de março de 1852 a setembro de 1853 ( * ).
  • Les Temps difficile ( Hard Times ), publicação semanal em Household Words , de abril a agosto de 1854 ( * ).
  • La Petite Dorrit ( Little Dorrit ), publicação mensal de dezembro de 1855 a junho de 1857 ( * ).
  • Le Conte de deux cités ( Um Conto de Duas Cidades ), publicação semanal em Todo o Ano, de abril de 1859 a novembro de 1859 ( * ).
  • Mensagem para o oeste ( uma mensagem do mar ) (1860).
  • Les Grandes Espérances ( Great Expectations ), publicação semanal em todo o ano a partir de dezembro 1860 a agosto 1861 ( * ).
  • L'Ami commun ( Nosso amigo mútuo ), publicação mensal de maio de 1864 a novembro de 1865) ( * ).
  • O mistério de Edwin Drood ( O mistério de Edwin Drood ), publicação mensal de abril de 1870 a setembro de 1870. O romance permaneceu inacabado, apenas seis das doze edições planejadas foram concluídas antes da morte de Dickens ( * ).

Várias coleções

Para obter uma lista completa de obras chamadas "curtas" escritas por Dickens, consulte (em) A Comprehensive List of Dickens's Short Fiction, 1833-1868  " (acessado em 23 de janeiro de 2013 ) .

Sketches on London

Independent News

  • The Mudfrog Papers , publicado em Bentley's Miscellany (1837-1838).
  • A Vida de um Palhaço, Memórias de Grimaldi ( Memórias de Joseph Grimadi ) (1838).
  • O Homem Assombrado (1858).
  • Peças reimpressas (1858) ( * ).
  • The Poor Voyageur ( O viajante não comercial ) (1860-1869) ( * ).

Notícias publicadas no Relógio do Mestre Humphrey ( Relógio do Mestre Humphrey )

  • Confissões encontradas em uma prisão durante o tempo de Carlos II .

Notícias sobre o tema do Natal publicadas no Family Lyrics ( Household Words ), semanal onde Charles Dickens foi diretor e editor desde 1850

  • A Árvore de Natal ( A Árvore de Natal ) (1850).
  • Natal quando envelhecemos ( O que é o Natal, à medida que envelhecemos ) (1851).
  • Uma rodada de histórias pelo fogo de Natal (1852).
  • The Tale of Cinderella ( The Poor Relation's Story ) (1852).
  • Outra Rodada de Histórias do Fogo de Natal (1853).
  • The schoolboy's Tale ( The Schoolboy's Story ) (1853).
  • Os Sete Viajantes Pobres ( Os Sete Viajantes Pobres ) (1854).
  • (L'Auberge de) la Branche de holoux ( The Holly-Tree Inn ) (1855).
  • O naufrágio da Golden Mary ( Os destroços da Golden Mary ) (1856).
  • Perigos incorridos por certos prisioneiros ingleses ( Os perigos de certos prisioneiros ingleses ) (1857).
  • Casa para alugar ( uma casa para alugar ) (1858).

Notícias sobre o tema do Natal publicadas em All Along the Year ( todo o ano ), novo título para Family Lyrics desde 1859, quando Charles Dickens se separou de sua esposa

  • Haunted House ( Haunted House ) (1859).
  • Mensagem para o oeste ( uma mensagem do mar ) (1860).
  • Terra de Tom Tiddler ( Tom Tiddler's Ground ) (1861).
  • The Baggage Doe ( Somebody's Luggage ) (1862).
  • Pensão Lirriper ( Alojamento da Sra. Lirriper ) (1863).
  • Legacy of M me Lirriper ( Sra. Lirriper Legacy ) (1864).
  • Doutor Marigold ( Receitas do Doutor Marigold ) (1865). É uma série de contos escritos para entreter uma menina surda e muda. Encontramos lá:
    • Um julgamento criminal
  • The Branching of Mugby ( Mugby Junction ) (1866). É uma série de contos escritos para distrair uma jovem doente. Encontramos lá:
    • O Sinaleiro .
  • L'Impasse ( No Thoroughfare ) (1867), escrito em colaboração com Wilkie Collins.

Outras obras: crítica, poesia, teatro

(Algumas dessas obras foram escritas em colaboração, em particular com Wilkie Collins e, mas em menor grau, Elizabeth Gaskell ).

  • The Village Coquettes (teatro, 1836).
  • The Fine Old English Gentleman (poesia, 1841).
  • Memórias de Joseph Grimaldi (1838).
  • American Notes ( American Notes: For General Circulation ) (1842) ( * ).
  • Fotos da Itália (1846) ( * ).
  • A Vida de Nosso Senhor: como escrita para seus filhos (1849).
  • A Child's History of England (1853).
  • Frozen Abyss ( The Frozen Deep ) (drama, 1857).
  • The Abyss ( No Thoroughfare ) (1867).

Correspondência

  • Mais de 14.000 cartas de Dickens para 2.500 correspondentes conhecidos, 450 deles formando The Selected Letters of Charles Dickens , British Academy Pilgrim Edition, Jenny Hartley, ed., Oxford, Oxford University Press, 2012.

Dickens no palco, na tela e na literatura

Inumeráveis, eles próprios objetos de trabalhos acadêmicos, são as adaptações que o personagem e a obra de Dickens inspiraram. Philip Allingham dedicou sua tese de doutorado a eles em 1988; a sua exploração do assunto, da qual se extraem principalmente as informações a seguir mencionadas , pode ser consultada online no link citado como referência.

Adaptações famosas

Entre as produções mais notáveis ​​estão quatro adaptações de A Christmas Carol  :

Oliver Twist particularmente inspirado:

Nicholas Nickleby é adaptado em Nicholas Nickleby , filme britânico-americano dirigido por Douglas McGrath , estrelado por Charlie Hunnam , Romola Garai e Christopher Plummer , em 2002 .

David Copperfield foi adaptado em David Copperfield , filme americano dirigido por George Cukor , com WC Fields e Lionel Barrymore , em 1935  ; depois em David Copperfield , filme para a TV britânica dirigido por Simon Curtis , com Daniel Radcliffe , Bob Hoskins e Maggie Smith , em 1999 .

La Petite Dorrit foi levado às telas em La Petite Dorrit ( Little Dorrit ), filme britânico dirigido por Christine Edzard, estrelado por Derek Jacobi , em 1988 .

Les Grandes Espérances deu origem, notadamente, a Les Grandes Espérances ( Great Expectations ), um filme britânico dirigido por David Lean , com John Mills e Alec Guiness , em 1946  ; e Great Hope , filme americano dirigido por Alfonso Cuarón , estrelado por Robert De Niro e Anne Bancroft , em 1998 . Em 2011, a BBC produziu uma minissérie em três partes, a partir de um roteiro de Sarah Phelps e dirigida por Brian Kirk, estrelada por Ray Winstone , Gillian Anderson e Douglas Booth . Mike Newell fez uma nova versão cinematográfica dela em 2012, simplesmente intitulada Great Expectations with Ralph Fiennes e Helena Bonham Carter .

Em Assassins Creed Syndicate , Dickens é um personagem menor que aparece na Londres do 19 º século .

O mistério do mistério de Edwin Drood

O mistério de Edwin Drood , porque o romance está inacabado, recebeu tratamento especial porque, na terça e na quarta-feira, 11 e 12 de janeiro de 2012, a BBC2 transmitiu uma versão inédita e completa da história em duas partes. O roteiro original é de Gwyneth Hughes, autora da série inglesa Five Days , indicada ao Globo de Ouro . A roteirista desejava manter o segredo sobre o desfecho que escolheu encenar. O segundo episódio trouxe algumas surpresas: Jasper ( Matthew Rhys ) luta para dar um duro golpe contra Neville e, embora não haja nenhum cadáver ou outra evocação do assassinato além daqueles, em flashback, das fantasias de Jasper., O todo a cidade está convencida de que Drood foi de fato assassinado. Mas o jovem reaparece calmamente uns dez minutos antes do final e explica que fez uma breve excursão ao Egito: assim, Jasper não matou e, portanto, tudo era apenas sonho e fantasia ... E ainda sim, Jasper matou, mas não Edwin, mas seu pai, o velho Drood; e desembaraça uma meada que se pensaria menos complicada: na realidade, o pai de Drood também é o de Jasper ... e de Neville, de modo que Jasper e Edwin não são tio e sobrinho, mas irmãos, e que Neville é 'ele também acrescenta a os irmãos. Na contramão da história, ao que parece, enquanto ele passava seus últimos dias conspirando contra ela, a família Drood celebra na cena final a memória do tio / pai falecido.

Dickens como um personagem de romance

Charles Dickens se tornou o protagonista de um romance, Drood de Dan Simmons , publicado na França em 2011. Em uma crônica de Le Monde des livres , Hubert Prolongeau explora o fascínio do autor americano pelo romance inacabado de Dickens e explica que, em vez de resolver o mistério insolúvel de seu fim, ele preferiu buscar a chave para sua gênese. A partir do acidente de trem de 1855 em Staplehurst, ele imaginou que o escritor encontrou ali um personagem estranho, com nariz e dedos decepados, chamado Drood. "Quem é esse Drood, que vai ficar obcecado por ele a tal ponto que ele agora dedica toda sua energia para tentar encontrá-lo, jogando nessa busca tanto sua saúde quanto sua salvação " Há mais, no entanto, fazendo o narrador de Wilkie Collins , Simmons também sondar seu próprio mistério: que " este pequeno mestre do romance vitoriano , [é] o verdadeiro herói do livro [é] isso aleatoriamente Ao pintá-lo com admiração e ciúme de Dickens, seu brilhante colega, preso entre a inveja e a amizade, Salieri desse Mozart de palavras, Simmons sem dúvida revela algumas de suas dúvidas sobre a criação literária. Encontramos em Drood a necessidade de associar permanentemente seus escritos aos dos grandes mestres do passado, homenageando-os e afirmando a necessidade de filiação ” .

Charles Dickens também desempenha um papel principal no romance Rogue ( Dodger ) de Terry Pratchett , publicado em 2012 no Reino Unido.

Na literatura francesa, Jean-Pierre Ohl , em seu romance gótico Le Chemin du Diable , retrata Charles Dickens quando criança e descreve a vida na prisão de Marshalsea em detalhes .

Bibliografia

Como William Shakespeare , Charles Dickens é o assunto de centenas, senão milhares, de publicações anuais. Cada obra especializada oferece sua bibliografia na qual aparecem determinados títulos que, em sua maioria servindo no desenvolvimento deste artigo, são retidos a seguir.

Traduções francesas

"Charles Dickens cruzando o Canal com seus livros"
Gill , L'Éclipse , 14 de junho de 1868.

Durante a vida de Charles Dickens, muitas de suas obras foram, com seu consentimento e muitas vezes um prefácio escrito por ele, traduzidas para o francês. Após sua morte, traduções conseguiram até o final do XIX °  século. Sylvère Monod fez a lista dos vários oradores, em particular de Paul Lorain, a quem as edições da Hachette , responsáveis ​​por essas publicações, às vezes atribuíam traduções feitas por terceiros. A sua análise termina com uma observação bastante negativa: "imprecisões, nevoeiro intelectual e moral, falta de princípios e referências" . O milagre, acrescenta, é que, sob tais condições, "traduções estimáveis ​​[nasceram] do mesmo jeito [...] e Dickens [foi] capaz de conquistar um público francês por meio delas" .

As edições La Pléiade , na maioria das vezes escritas ou editadas por Sylvère Monod , publicaram novas traduções das obras de Dickens. O catálogo inclui dezoito títulos:

  • Memórias íntimas de David Copperfield , Great Expectations , Paris, Gallimard, The Pleiades, n o  105, 1954.
  • Arquivo da casa Dombey et Fils , Temps difficile , Paris, Gallimard, La Pléiade, n o  118, 1956.
  • Os Artigos Póstumas do clube Pickwick , Les Aventures d'Oliver Twist , Paris, Gallimard, La Pléiade, n o  133, 1958.
  • The Old Curiosity Shop , Barnaby Rudge , Paris, Gallimard, The Pleiades, n o  163, 1963.
  • The Life and Adventures of Nicolas Nickleby , Christmas Books , Paris, Gallimard, La Pléiade, n o  186, 1966.
  • Little Dorrit , A Tale of Two Cities , Paris, Gallimard, the Pleiades, n o  216, 1970.
  • La Maison d'Âpre-Vent , Histórias para o Natal e outros , Paris, Gallimard, La Pléiade, n o  278, 1979.
  • Sketches by Boz , Martin Chuzzlewit , Paris, Gallimard, The Pleiades, n o  334, 1986.
  • L'Ami commun , Le Mystère d'Edwin Drood , Paris, Gallimard, La Pléiade, n o  373, 1991.

Obras gerais

  • (pt) Michael Stapleton, The Cambridge Guide to English Literature , Londres, Hamlyn,, 993  p. ( ISBN  0600331733 ).
  • (pt) Margaret Drabble, The Oxford Companion to English Literature , Londres, Guild Publishing,, 1155  p..
  • (en) Nicolas Bentley, Michael Slater e Nina Burgis, The Dickens Index , Oxford, Oxford University Press (IUSA),, 320  p. ( ISBN  0192116657 e 978-0192116659 ).
  • (en) Andrew Sanders, The Oxford History of English Literature (edição revisada) , Oxford, Oxford University Press,( ISBN  0-19-871156-5 ).
  • (pt) Philip Hobsbaum, Guia do leitor para Charles Dickens , Nova York, Syracuse University Press,, 318  p.
  • (en) Paul Schlicke, Oxford Reader Companion to Dickens , Nova York, Oxford University Press,, 675  p. ( ISBN  978-0-198-66253-2 ).
  • (pt) Charles Dickens (Lettres) ( ed. ), The Letters of Charles Dickens, Pilgrim Edition , vol.  12, Oxford, Clarendon Press, 1965-2002.
  • (pt) Paul Davis, Charles Dickens de A a Z , Nova York, Checkmark Books,, 432  p. ( ISBN  0-8160-4087-7 ).
  • (en) John O. Jordan, The Cambridge companion to Charles Dickens , New York, Cambridge University Press,( ISBN  978-0-198-66253-2 ).
  • (pt) Jon Mee, The Cambridge Introduction to Charles Dickens , Cambridge, Cambridge University Press, 2010, 115 p.
  • (pt) David Paroissien, A Companion to Charles Dickens , Chichester, Wiley Blackwell,, 515  p. ( ISBN  978-0-470-65794-2 ).
  • (pt) Paul Davis, companheiro crítico de Charles Dickens, Uma referência literária a sua vida e obra , Nova York, Facts on File, Inc.,, 689  p. ( ISBN  0-8160-6407-5 ).

Trabalhos específicos

  • Nathalie Jaëck, Charles Dickens: escrita como poder, escrita como resistência , Ophrys,, 192  p.
  • (pt) John Forster, The Life of Charles Dickens , Londres, JM Dent & Sons, 1872-1874, editado por JWT Ley, 1928.
  • (pt) John Forster, Life of Charles Dickens , Londres, Everyman's Library,, 486  p. ( ISBN  0460007823 e 9780460007825 ) (reedição)
  • (pt) John Forster, Life of Charles Dickens , Centraal Boekhuis,, 629  p. ( ISBN  9077932038 e 9789077932032 ) (reedição)
  • (en) GK Chesterton, Charles Dickens , London, Methuen and Co., Ltd.,
  • (pt) GK Chesterton, Appreciations and Criticisms of the Works of Charles Dicken , London, JM Dent,
  • (pt) SJ Adair Fitz-Gerald, Dickens and the Drama , London, Chapman & Hall, Ltd.,
  • (pt) Gilbert Keith Chesterton, Apreciações e Críticas às Obras de Charles Dickens , Londres,
  • (in) George Gissing , The Immortal Dickens , London, Cecil Palmer,
  • (fr) André Maurois, Um ensaio sobre Dickens , Paris, Grasset,, 240  p.
  • (fr) André Maurois, Novos retratos de Charles Dickens , Paris, La Revue de Paris,, 289-301  p. , cap.  6
  • (pt) Edmund Wilson, Dickens, The Two Scrooges , Boston, Houghton, Mifflin,
  • (pt) Robin Gilmour, A Idéia do Cavalheiro no Romance Vitoriano , Londres, Boston, Allen & Unwin,( ISBN  0048000051 ) , p.  190
  • (pt) Humphry House, The Dickens World , Londres, Oxford University Press,, 232  p.
  • (pt) Alain, Reading Dickens , Paris, Gallimard,, 189  p.
  • (pt) Una Pope Hennessy, Charles Dickens , Londres, The Reprint Society,, 496  p., publicado pela primeira vez em 1945
  • (pt) Hesketh Pearson, Dickens , London, Methuen,
  • (pt) Jack Lindsay, Charles Dickens, A Biographical and Critical Study , New York, Philosophical Library,, 459  p.
  • (pt) Barbara Hardy, Dickens e o Século XX. O Coração de Charles Dickens , Nova York, Edgar Johnson,
  • (pt) Edgar Johnson, Charles Dickens: His Tragedy and Triumph. 2 voos , Nova York, Simon e Schuster,, 1158  p.
  • (fr) Sylvère Monod, romancista de Dickens , Paris, Hachette,, 520  p.
  • (pt) Arthur A. Adrian, Georgina Hogarth e o círculo de Dickens , Nova York, Kraus,, 320  p., publicado pela primeira vez pela Oxford University Press em 1957 (320 páginas)
  • (pt) KJ Fielding, Charles Dickens, uma introdução crítica , London, Longmans, Green and Co.,, 218  p.
  • (pt) John Hillis-Miller, Charles Dickens, The World of His Novels , Harvard, Harvard University Press,, 366  p. ( ISBN  9780674110007 )
  • (pt) EA Horsman, Dickens and the Structure of Novel , Dunedin, NZ,
  • (pt) RC Churchill, Charles Dickens, From Dickens to Hardy , Baltimore, Md., Boris Ford,
  • (pt) Earle Davis, The Flint and the Flame: The Artistry of Charles Dickens , Missouri-Columbia, University of Missouri Press,
  • (pt) Steven Marcus, Dickens: From Pickwick to Dombey , London, Chatto & Windus,
  • (pt) KJ Fielding, Charles Dickens, A Critical Introduction , London, Longman,
  • (pt) Christopher Hibbert, The Making of Charles Dickens , London, Longmans Green & Co., Ltd.,
  • (pt) Harry Stone, Uncollected Writings from Household Words 1850-1859 de Charles Dickens , vol.  1 e 2, Indiana, Indiana University Press,, 716  p. ( ISBN  0713901209 e 978-0713901207 )
  • (pt) EDH Johnson, Random House Study in Language and Literature Series , New York, Random House,, 251  p. , "Charles Dickens: An Introduction to His Novels"
  • (pt) FR & QD Leavis, Dickens the Novelist , London, Chatto & Windus,, 371  p. ( ISBN  0701116447 )
  • (pt) AE Dyson, The Inimitable Dickens , London, Macmillan,, 304  p. ( ISBN  0333063287 )
  • (pt) George Leslie Brook, The Language of Dickens , London, A. Deutsch,, 269  p.
  • (pt) Angus Wilson, The World of Charles Dickens , Harmondsworth, Penguin Books,, 312  p. ( ISBN  0140034889 e 9780140034882 ), (fr) traduzido por Suzanne Nétillard, Paris, Gallimard, 1972, 277 p.
  • (pt) Philip Collins, Charles Dickens: The Public Readings , Oxford, Clarendon Press,, 486  p.
  • (en) Robert L. Patten, Charles Dickens and His Publishers , Oxford, Oxford University Press,, 518  p. ( ISBN  0198120761 e 978-0198120766 )
  • (pt) Harry Stone, Dickens and the Invisible World, Fairy Tales, Fantasy and Novel-Making , Bloomington and London, Indiana University. Aperte,, xii + 370  pág.
  • (pt) Michael Slater, Dickens and Women , London, JM Dent & Sons, Ltd.,( ISBN  0-460-04248-3 ).
  • (pt) Anny Sadrin, Ser e tê-lo nos romances de Charles Dickens , vol.  2, Lille e Paris, Oficina Nacional de Reprodução de Teses; divulgação Didier Érudition,, 800  p.
  • (pt) Virginia Woolf e Andrew McNeillie, The Essays of Virginia Woolf: 1925-1928 , Londres, Hogarth Press,( ISBN  978-0-7012-0669-7 )
  • (pt) Dickens's England: A Traveller's Companion , Londres, BT Batsford, 1986, 200 p.
  • (pt) Norman Page, A Dickens Chronology , Boston, GK Hall and Co.,
  • (pt) Kathryn Chittick, The Critical Reception of Charles Dickens 1833-1841 , New York, London, Garland,, 277  p. ( ISBN  0-8240-5620-5 )
  • (pt) Alexander Welsh, The City of Dickens , Cambridge (Massachusetts) e London, Harvard University Press,, 232  p.
  • (pt) Alexander Welsh, From Copyright to Copperfield: The Identity of Dickens , Cambridge, Mass., Harvard University Press,, 200  p.
  • (fr) (en) Fred Kaplan, Dickens, A Biography , William Morrow & Co,, 607  p. ( ISBN  9780688043414 ), (fr) traduzido por Éric Diacon, Paris, Fayard, 1990, 519 p.
  • (pt) Gilbert Keith Chesterton, The Collected Works of GK Chesterton , San Francisco, Ignatius Press,, 571  p.
  • (pt) Beth Herst, The Dickens Hero: Selfhood and Alienation in the Dickens World , Londres, Weidenfeld e Nicolson,, 206  p.
  • (pt) Claire Tomalin, The Invisible Woman: The Story of Nelly Ternan e Charles Dickens , New York, Knopf,( ISBN  0-14-012136-6 )
  • (fr) (en) Anny Sadrin, Dickens ou Le roman-théâtre , Paris, Presses Universitaires de France,, 219  p.
  • (pt) Natalie McKnight, Idiots, Madmen, and Other Prisoners in Dickens , New York, St Martin's Press,, 148  p.
  • (pt) Peter Ackroyd, Charles Dickens , London, Stock,( ISBN  978-0099437093 ) , p.  1234, (fr) traduzido por Sylvère Monod, Paris, Stock, 1993, 1234 p.
  • (pt) Malcolm Andrews, Dickens e o filho adulto , Basingstoke, Macmillan,, 214  p.
  • (pt) Philip Collins, Dickens and crime , London, Macmillan,, 371  p.
  • (pt) Philip Collins, Charles Dickens, The Critical Heritage , London, Routletge,, 664  p.
  • (pt) Hilary Schor, Dickens e a Filha da Casa , Cambridge, Cambridge University Press,.
  • (en) Juliet John, Dickens's Villains: Melodrama, Character, Popular Culture , Oxford, Oxford University Press,, 258  p.
  • (pt) Lynn Pykett, Charles Dickens , Nova York, Palgrave Macmillan,, 224  p. ( ISBN  0333728033 e 978-0333728031 )
  • (pt) John Bowen e Robert Patten, Palgrave Advances in Charles Dickens Studies , Nova York, Palgrave Macmillan,
  • (pt) Lynn Cain, Dickens, família, autoria: perspectivas psicanalíticas sobre parentesco e criatividade , Burlington, VT, Ashgate

Publicação, col.  "A Série do Século XIX",, 228  p. ( ISBN  978-0-7546-6180-1 )

  • (in) Linda Lewis, Dickens, His Parables, and His Readers , Columbia, University of Missouri Press,
  • (pt) Fred Kaplan, Charles Dickens: A Life Defined by Writing , New Haven, Yale University Press,, 696  p.
  • (pt) RE Pritchard ed., Dickens's England: Life in Victorian Times , Stroud, Gloucestershire, The History Press,, 284  p.
  • (pt) Sally Ledger, Dickens and the Popular Radical Imagination , Cambridge, Cambridge University Press,.
  • (pt) Claire Tomalin, Charles Dickens: a life , Hardmondsworth, Penguin,, 576  p. ( ISBN  0141036931 e 978-0141036939 )
  • (pt) Simon Callow, Charles Dickens e o Grande Teatro do Mundo , Nova York, Harper Press, 384  p. ( ISBN  0007445318 e 978-0007445318 )
  • Jane Smiley, Charles Dickens , Les Éditions Fides,( leia online )
  • (pt) Peter Ackroyd , Dickens , New York, Harper Perennials,, 1195  p. ( ISBN  0060922656 e 9780060922658 )
  • (pt) Susan M. Rossi-Wilcox, Dinner For Dickens: The Culinary History Of Mrs Charles Dickens 'Menu Books , Blackawton, Totnes, Devon, Prospect Books (UK),, 368  p. ( ISBN  1903018382 e 978-1903018385 )
  • (pt) Gladys Storey, Dickens and Daughter , London, Muller,
  • (pt) Lillian Nayder, The other Dickens: a life of Catherine Hogarth , Ithaca, NY, Cornell University Press,, 359  p. ( ISBN  978-0-8014-4787-7 )
  • (pt) Thomas Wright, The Life of Charles Dickens , Londres, H. Jenkins limitada,, 392  p.
  • (fr) Lucien Pothet , Mythe e a tradição popular na imaginação dickensiana , Paris, Modern Letters, coll.  "Biblioteca Circé" ( n o  1),, 281  p. ( ISBN  2-256-90787-2 , aviso BnF n o  FRBNF34652328 )
  • (pt) Max Vega-Ritter, Dickens e Thackeray, ensaio sobre análise psicócrita: de Pickwick Papers a David Copperfield e de Barry Lyndon a Henry Esmond , Montpellier, Montpellier III,, 548  p.
  • (fr) Janine watrin , From Boulogne to Condette, uma história de amizade: Charles Dickens, Ferdinand Beaucourt-Mutuel , Condette, J. Watrin,, 126  p. (observe BnF n o  FRBNF35567431 )
  • (fr) Anny Sadrin, Dickens ou Le roman-théâtre , Paris, Presses Universitaires de France,, 219  p. ( ISBN  213044069X e 9782130440697 )
  • (fr) Jean-Pierre Naugrette ed., Zaynab Obayda, Annie Amartin-Serin, Judith Bates, Odile Boucher-Rivalain, et al , Réussir l'quête de litterature, David Copperfield , Paris, Ellipses,
  • (pt) Zaynab Obayda, Infância órfã e fracasso dos pais nos romances de Dickens: o gênio estilístico da escritora comprometida , Nancy, Université Nancy 2,
  • (pt) Gayet Razanantsoa, ​​Fara Lalao, A questão do sujeito na ficção de Charles Dickens: Oliver Twist , David Copperfield e Great Expectations ,
  • (fr) Luc Bouvard, Les fils de Dickens: filiação e foco em cinco adaptações cinematográficas dos romances de Charles Dickens , Montpellier, Université Paul Valéry Montpellier III,
  • (fr) Marie-Amélie Coste, Ser e aparecer nos romances de Charles Dickens , Paris, Atelier national de Reproduction des theses,, 540  p.
  • (fr) Nathalie Vantasse , Charles Dickens entre as normas e o desvio , Aix-en-Provence, Publications de l'Université de Provence, col.  "Mundos de língua inglesa",, 252  p. ( ISBN  978-2-85399-668-6 , aviso BnF n o  FRBNF41044474 )
  • (fr) Stefan Zweig , três mestres: Balzac, Dickens, Dostoïevski , Paris, Gutenberg,, 208  p. ( ISBN  978-2-35236-020-9 , aviso BnF n o  FRBNF41214390 )
  • (fr) Anne-Gaëlle Fayemi-Wiesebron, O objeto Dickensiano, entre a profusão e o vazio: estudo do objeto em David Copperfield , Bleak House and Great Expectations , Rennes, Université Rennes II,, 309  p.

Sociedades dickensianas eruditas

Na Grã-Bretanha e no mundo anglo-saxão

  • The Dickens Fellowship , [1]
  • The Dickens Society , [2]
  • The Charles Dickens (Malton) Society , [3]

Na França

Sociedade Francesa de Estudos Vitorianos e Eduardianos

A "Society for Victorian and Edwardian Studies" foi criada na França em maio de 1976 em um congresso da "Society of Anglicists in Higher Education" (SAES, empresa-mãe). Como o próprio nome indica, em parte, é especializada no estudo do XIX °  século, seus escritores e vários aspectos da civilização britânica durante este período. Como tal, Charles Dickens é uma de suas áreas de interesse.

Simpósios e congressos
  • Paris III, Villetaneuse, janeiro de 2004: “Excess”.
  • Clermont-Ferrand, janeiro de 2005: “Vieillir / Aging  ”.
  • Congresso SAES: Versalhes, Saint-Quentin, maio de 2004: “Parcours et desvios”.
  • Toulouse, Le Mirail, maio de 2005: “Texto (s), contexto (s), detalhe (s)”.
Publicações

“Center for Victorian and Edwardian Studies and Research”, Montpellier, Paul Valéry University, University Press of Montpellier III, 2006.

Amigos de Charles Dickens

  • Sede: 29, boulevard Mariette, 62200 Boulogne-sur-Mer.
  • Contato: Marie-Angèle Dauvin [4]
  • Assunto: conhecimento das obras de Charles Dickens, a 19 ª  Inglês e francês do século.

Amigos de Charles Dickens de Boulogne-Condette

Assento
Avenida de l'Yser, nº 14, 62360 Condette.
Objeto
Associação cultural com o objetivo de reunir admiradores de Dickens a fim de perpetuar a memória e discutir suas obras.

Homenagens

Apêndices

Notas

  1. Charles, após seu avô paterno, John, após seu pai e Huffam, após seu padrinho.
  2. Hoje, 396 Old Commercial Road, Portsmouth e o Dickensian Birth Museum.
  3. Chatham e Rochester são vizinhos imediatos, tão próximos, escreve Michael Allen, que é difícil saber onde termina um e começa o outro.
  4. "Fui encontrado em um sótão nos fundos. Colocaram-me uma cama e lençóis no chão e, quando tomei posse da minha nova casa, pensei que estava no paraíso. "
  5. Doctors 'Commons, ou College of Civilians  : associação de advogados especializados em direito civil residentes.
  6. A avó de Dickens ganhou £ 8  como governanta e um professor pode esperar cerca de £ 35  , um vigário da igreja £ 30  .
  7. Nome dado pelos novos proprietários após a publicação do romance.
  8. Canon William Benham (1831-1910), "  Reitor de St. Edmund the King, Lombard Street, e Honorary Canon of Canterbury  ".
  9. Os livros vendidos geralmente trazem um ex-libris representando um leão segurando uma cruz enquanto mostra a língua e a menção: "Da Biblioteca de CHARLES DICKENS, Gadshill Place, junho de 1870." , como Robert Katz  (in) o evoca na revista Dickens Quarterly de (Vol. 6, No. 2, p. 66-68).
  10. O termo é devido ao filólogo Johann Karl Simon Morgenstern , que vê nele "a essência do romance em oposição à história épica" .
  11. Expressão usada por Dickens para caracterizar seu relacionamento com Londres.
  12. Dickens obtém seu famoso pseudônimo devido ao apelido que deu a seu irmão mais novo, Augusto, "Moisés", em homenagem a um personagem de O Vigário de Wakefield, de Oliver Goldsmith . Pronunciado pelo nariz como uma piada, o nome mudou para "Boses", depois abreviado para "Boz". O pseudônimo está associado ao adjetivo "inimitável", então "Boz" desapareceu e Dickens permaneceu "o inimitável" ( O Inimitável ). Originalmente, Boz era pronunciado [b | oʊ | z], mas hoje é [b | ɒz].
  13. Mugby Junction é um conto que inclui The Signalman , The Signal Man , um conto do espectro de um sinaleiro cuja cada aparição na entrada de um túnel é um prelúdio para um desastre de trem.
  14. Este título também foi dado a um conto publicado em 1867 na edição de Natal da All the Year Round ).
  15. Esta sociedade erudita publica o jornal Dickens Quarterly desde 1970.

Referências

  1. David Paroissien 2011 , p.  4
  2. Paul Schlicke 2000 , p.  167
  3. John O. Jordan 2001 , p.  5
  4. Les Fragments autobiographique  " (acessado em 4 de março de 2013 ) .
  5. John O. Jordan 2001 , p.  3
  6. Jane Smiley 2003 , p.  19
  7. Paul Schlicke 2000 , p.  162
  8. David Paroissien 2011 , p.  3
  9. Para obter mais informações sobre as lembranças de Dickens, consulte o relato de John Forster sobre ele em Charles Dickens por John Forster  " (acessado em 30 de janeiro de 2011 ) .
  10. Ver "  O Sonho de Uma Estrela de Uma Criança , Palavras da Família , 6 de abril de 1850.
  11. Paul Schlicke 2000 , p.  163
  12. Charles Dickens, Journalism , 4, p.  140 .
  13. Peter Ackroyd 1993 , p.  76
  14. John Forster 2006 , p.  13
  15. Charles Dickens citado por John Forster  " (acessado em 30 de janeiro de 2013 ) .
  16. Jane Smiley 2003 , p.  109
  17. Una Pope Hennessy 1947 , p.  11
  18. Walks in London  " (acessado em 30 de janeiro de 2013 ) .
  19. David Paroissien 2011 , p.  5
  20. Peter Ackroyd 1993 , p.  46
  21. Angus Wilson 1972 , p.  53
  22. Charles Dickens, The Great Expectations , capítulo 27.
  23. Charles Dickens, Autobiographical Extracts , Charles Dickens and the Warren Manufactory  " (acessado em 30 de janeiro de 2013 ) .
  24. John Forster 2006 , p.  23
  25. Tradução de Louis Cazamian , Le roman social en Angleterre, 1830-1850: Dickens, Disraeli, Sra. Gaskell, Kingsley , Paris, H. Didier, 1934, (paginação ausente).
  26. Louis Cazamian , Le roman social en Angleterre, 1830-1850: Dickens, Disraeli, Sra. Gaskell, Kingsley , Paris, H. Didier, 1934.
  27. John Forster 2006 , p.  24
  28. Louis Cazamian , Le roman social en Angleterre, 1830-1850: Dickens, Disraeli, Sra. Gaskell, Kingsley , Paris, H. Didier, 1934, “  Ouvrage de Louis Cazamian  ” (consultado em 26 de janeiro de 2013 ) , capítulo IV (paginação ausente )
  29. Charles Dickens and the Warren Manufactory  " (acessado em 30 de janeiro de 2013 ) .
  30. Citado por John Forster , em homenagem a Charles Dickens, "  Additional Note - December 1833  ", A Charles Dickens Journal , Journal de Charles Dickens  " (acessado em 27 de janeiro de 2013 ) .
  31. Angus Wilson 1972 , p.  58
  32. David Paroissien 2011 , p.  6
  33. (em) Michael Allen, Charles Dickens 'Childhood , London, Palgrave Macmillan, 148  p. ( ISBN  0312012756 e 978-0312012755 ).
  34. John O. Jordan 2001 , p.  4
  35. Lynn Cain 2008 , p.  91
  36. Angus Wilson 1972 , p.  61
  37. John O. Jordan 2001 , p.  6
  38. Una Pope Hennessy 1947 , p.  18
  39. Carta de Charles Dickens para Wilkie Collins  " (acessada em 30 de janeiro de 2013 ) .
  40. David Paroissien 2011 , p.  6-7.
  41. David Paroissien 2011 , p.  7
  42. Paul Davis 1999 , p.  23
  43. Andrew Sanders, Authors in Context, Charles Dickens, 2003 .
  44. “  Spartacus Educacional sobre a relação entre Charles Dickens e Maria Beadnell  ” (acessado em 02 de fevereiro de 2013 ) .
  45. John O. Jordan 2001 , p.  7
  46. John O. Jordan 2001 , p.  8
  47. David Paroissien 2011 , p.  8
  48. Paul Schlicke 2000 , p.  164
  49. (em) Dinah Birch, jovem, agradável, alegre, arrumado, agitado, silencioso, o outro Dickens: uma vida de Catherine Hogarth de Lillian Nayder , vol.  33, n o  3, London, London Review of Books, p.  25-28 .
  50. André Maurois 1934 , p.  239-301.
  51. Paul Schlicke 2000 , p.  159.
  52. (em) Dinah Birch, jovem, agradável, alegre, arrumado, agitado, silencioso, o outro Dickens: uma vida de Catherine Hogarth de Lillian Nayder , vol.  33, n o  3, London, London Review of Books, p.  27 .
  53. David Paroissien 2011 , p.  9
  54. Paul Schlicke 2000 , p.  160
  55. (em) James Benson e Robert H. Hiscock , A History of Gravesend gold Uma perambulação histórica de Gravesend e Northfleet , Phillimore, 159  p. ( ISBN  0850332427 ) , p.  112.
  56. Paul Schlicke 2000 , p.  280
  57. Paul Schlicke 2000 , p.  281
  58. "Charles Dickens e Miss Betsey Trotwood" ( Internet Archive versão 9 de maio de 2008 ) , no Dickens House Museum .
  59. Guia para Nicholas Nickleby de Michael J. Cummings  " (acessado em 15 de novembro de 2011 ) .
  60. Jane Smiley 2003 , p.  224.
  61. Charles Dickens  " (acessado em 18 de outubro de 2011 ) .
  62. (in) Paul Schlicke, Oxford Reader Companion to Dickens , Oxford, Oxford University Press,( ISBN  0-19-866253-X ) , “Michael Slater, 'Hogarth, Mary Scott'” , p.  272.
  63. Fred Kaplan 1988 , p.  92
  64. Charles Dickens, Carta ao Richard Jones , 31 de maio de 1837.
  65. Robert Gottlieb, “  Quem foi Charles Dickens  » , Na New York Review of Books ,(acessado em 12 de novembro de 2011 ) .
  66. Peter Ackroyd 1993 , p.  346.
  67. Philip V. Allingham, “  Mary Scott Hogarth, 1820-1837: Amado Sister-in-Law and Inspiration de Dickens,  ” na Web vitoriana (acessada 13 novembro de 2011 ) .
  68. Dickens in love  " (acessado em 7 de novembro de 2011 ) .
  69. Michael Slater 1983 , p.  111
  70. Peter Ackroyd 1993 , p.  346 e Michael Slater 1983 , p.  101
  71. John O. Jordan 2001 , p.  9
  72. Susan M. Rossi-Wilcox 2005 , p.  376.
  73. WC Desmond Pacey, American Literature , vol. 16, n o  4, Duke University Press, janeiro de 1945, p.  332-339 .
  74. Gladys Storey 1939 , p.  67
  75. Paul Schlicke 2000 , p.  276.
  76. George Washington Putnam (1812-1896), "  Relato da visita americana de 1842: Quatro meses com Charles Dickens  ", Atlantic Monthly , outubro de 1870.
  77. Charles Dickens por Camille Le Rocher  " (acessado em 12 de novembro de 2011 ) .
  78. The Canadian , 30 de maio de 1842, p.  2 .
  79. John Forster 1872-1874 , p.  Não-listado.
  80. (in) Martin Chuzzlewit , Ware, Wordsworth Edition Limited de Charles Dickens( ISBN  1-85326-205-6 ) , XVII e 814, introdução e notas de John Bowen, p.  I - XVII .
  81. (em) Dickens in Rome  " (acesso em 16 de dezembro de 2011 ) .
  82. Frederick Mullet Evans, Letters , Bradbury & Evans , p.  236 .
  83. Carta de Dickens para John Forster  " (acessada em 2 de novembro de 2011 ) .
  84. Charles Dickens, Carta para Wilkie Collins, 13 de abril de 1856.
  85. (em) Jack Malvern , Plano covarde de Dickens para sua esposa  " , The Times ,( ISSN  0140-0460 , ler online , consultado em 3 de março de 2019 ).
  86. (em) Dickens' Dream por Robert W. Buss  " (acessado em 16 de dezembro de 2011 ) .
  87. John Forster, The Life of Charles Dickens , Londres, Chapman and Hall, 3 volumes, 1872-1874, nova edição com notas e índice por AJ Hoppé, Londres, Dent, 1966, livro II, capítulo 1.
  88. John Forster, The Life of Charles Dickens , Londres, Chapman and Hall, 3 volumes, 1872-1874, nova edição com notas e índice por AJ Hoppé, Londres, Dent, 1966, livro II, capítulo 10.
  89. Paul Schlicke 2000 , p.  166
  90. David Paroissien 2011 , p.  10
  91. (em) Charles Dickens, The Pilgrim Edition of the Letters of Charles Dickens , Book II, p.  225.
  92. Charles Dickens (Letters) 1965-2002 , p.  III, 576.
  93. David Paroissien 2011 , p.  10-11.
  94. David Paroissien 2011 , p.  11
  95. Paul Davis 1999 , p.  98
  96. Paul Schlicke 2000 , p.  277.
  97. Lillian Nayder 2010 , p.  204
  98. Lillian Nayder 2010 , p.  198.
  99. Lillian Nayder 2010 , p.  199
  100. Charles Dickens, uma história de criança de Inglaterra , ed. David Starkey, Icon Books, Harper Collins Publishers, 2006 ( ISBN  0-06-135195-4 ) .
  101. Edgar Johnson, Charles Dickens: His Tragedy and Triumph , 1952, p.  785-786 .
  102. Charles Dickens (Letters) 1965-2002 , p.  3 de maio de 1860.
  103. George Bernard Shaw em Dickens , introdução, p.  XVI .
  104. “  Revisão do livro de Lilian Nayder sobre Catherine Dickens  ” (acessado em 10 de novembro de 2011 ) .
  105. (em) As relações de Dickens  " (acesso em 16 de dezembro de 2011 ) .
  106. (em) Maria Beadneel and Charles Dickens  " (acesso em 16 de dezembro de 2011 ) .
  107. Maria Beadnell and Dickens  " (acessado em 24 de novembro de 2011 ) .
  108. Lillian Nayder 2010 , p.  236.
  109. Catherine Hogarth Dickens  " (acessado em 2 de novembro de 2011 ) .
  110. Paul Schlicke 2000 , p.  281-282.
  111. Tavistock House  " , em British History on Line (acessado em 22 de outubro de 2011 ) .
  112. Paul Schlicke 2000 , p.  276-277.
  113. Paul Schlicke 2000 , p.  161
  114. Página de David Perdue: Página de Dickens  " (acessado em 11 de novembro de 2011 ) .
  115. Robert Giddings, Dickens and the Great Unmentionable , Birkbeck College, University of London, 20 de março de 2004, Dickens and Sex colloquium , University of London Institute of English Studies.
  116. Gad's Hill Place  " (acessado em 8 de novembro de 2011 ) .
  117. (em) Dinah Birch ( trad.  Barnabé de Albes), The Other Dickens, A Life of Catherine Hogarth de Lillian Nayder , vol.  33 No. 3, London, London Review of Books,, p.  25-28.
  118. David Paroissien 2011 , p.  15
  119. John O. Jordan 2001 , p.  10
  120. David Paroissien 2011 , p.  12
  121. David Paroissien 2011 , p.  13
  122. John Glavin, Dickens on Screen , Londres, Cambridge University Press, 2003.
  123. Michael Slater, Charles Dickens , Yale University Press, 2009, p.  169, 269 .
  124. Nina Auerbach, Mulher e o Demônio: a Vida de um Mito Vitoriano , Harvard University Press, 1982, p.  181 .
  125. Jenny Hartley, Charles Dickens e a Casa das Mulheres Caídas , Universidade de Michigan, 2010.
  126. Urania Cottage  " (acessado em 6 de fevereiro de 2013 ) .
  127. The Page of David Perdue  " (acessado em 6 de fevereiro de 2013 ) .
  128. The David Perdue page  " (acessado em 6 de fevereiro de 2013 ) .
  129. David Paroissien 2011 , p.  14
  130. Charles Dickens, Speeches , p.  389 .
  131. Household Words , 28 de maio de 1859, Pilgrim, 9, p.  965-966 .
  132. Paul Schlicke 2000 , p.  599.
  133. Charles Dickens, Carta ao Exmo. Sra. Watson, 7 de dezembro de 1857, (em) "Ellen Lawless Ternan" (versão de 6 de maio de 2007 no Internet Archive ) .
  134. (em) Descobrindo Dickens, Um Conto de Duas Cidades  " (acessado em 9 de dezembro de 2011 ) .
  135. (em) The Frozen Deep e A Tale of Two Cities  " (acessado em 30 de novembro de 2011 ) .
  136. The Marriage of Charles and Catherine Dickens  " (acesso em 21 de novembro de 2011 ) .
  137. Carta de Charles Dickens para Buckstone, 13 de outubro de 1857.
  138. Paul Schlicke 2000 , p.  566.
  139. Ellen Lawless Ternan  " (acedida 11 de novembro, 2011 ) .
  140. (in) OS Nock, Historic Railway Disasters , London Ian Allan Ltd.,( ISBN  0 7110 0109 X ) , p.  15-19.
  141. (em) Peter R. Lewis, The Dickensian, 104 (476) ,, "Dickens and the Staplehurst Rail Crash" , p.  197.
  142. David Paroissien 2011 , p.  205, capítulo escrito por Trey Philpotts.
  143. Relatório da reação Dickens (in) Dickens in Staplehurst  " (acessado em 26 de novembro de 2011 ) e (in) Peter R. Lewis, The Dickensian, n o  104 (476) , Londres,, "Dickens and the Staplehurst Rail Crash" , p.  197.
  144. (em) O acidente na linha ferroviária de Staplehurst  " (acesso em 5 de dezembro de 2011 ) .
  145. Página de David Perdue: Dickens e Ellen Ternan  " (acessado em 7 de fevereiro de 2013 ) .
  146. Ellen Ternan Robinson  " (acessado em 7 de fevereiro de 2013 ) .
  147. Michael Slater 1983 , p.  423.
  148. Claire Tomalin 1991 , p.  135-141 e 147-148.
  149. Ellen Lawless Ternan  " (acessado em 7 de fevereiro de 2013 ) .
  150. Peter Ackroyd 1993 , p.  833.
  151. E. DH Johnson, Charles Dickens: Uma Introdução ao seus romances , Capítulo I: "  Carreira Profissional de Dickens  ", Londres, Random House, 1969, p.  26-27 .
  152. Dickens no amor  " (acessada 07 de novembro de 2011 ) .
  153. Carreira Profissional de Dickens  " (acessado em 15 de novembro de 2011 ) .
  154. Charles Dickens, Carta ao Exmo. Sra. Watson , 7 de dezembro de 1857, The Letters of Charles Dickens, editado por sua cunhada e sua filha mais velha (Mamie Dickens e Georgina Hogarth) em dois volumes , volume I, 1833 a 1856, Londres, Chapman and Hall, 1880 .
  155. Claire Tomalin 1991 , p.  135-141.
  156. Michael Slater 1983 , p.  378.
  157. Andrew Gasson, “  Wilkie Collins and Charles Dickens  ” (acessado em 15 de novembro de 2011 ) .
  158. Claire Tomalin 1991 , p.  271-273.
  159. Dickens in France  " (acessado em 30 de novembro de 2011 ) .
  160. Robert Gottlieb, “  Who Was Charles Dickens  » , Na New York Review of Books ,(acessado em 21 de novembro de 2011 ) .
  161. Michael Slater 1983 , p.  423, nota 27.
  162. Claire Tomalin 1991 , p.  135-41 e 147-8.
  163. Gladys Storey 1939 , p.  94
  164. Paul Schlicke 2000 , p.  567.
  165. Peter Ackroyd 1993 , p.  480
  166. Paul Schlicke 2000 , p.  56
  167. EDH Johnson 1969 , pág.  251.
  168. Thomas Wright 1935 , p.  67
  169. Lloyd Shearer, The Secret Love of Charles Dickens , The Palm Beach Post , 22 de maio de 1970, p.  6-8 , (em) “  Os amores secretos de Charles Dickens  ” (acessado em 8 de dezembro de 2011 ) .
  170. Sra. Wright, Notes and Queries , CLXXX, 111, 14 de agosto de 1943.
  171. Robert Gotlieb, "  Who was Charles Dickens  ," The New York Review of Books , 10 de junho de 2010, (em) Report of Robert Gotlieb read  " (acessado em 3 de janeiro de 2012 ) .
  172. Stefan Dickers, Ternan Family Papers , (MS 915), © Senate House Library, University of London, abril de 2005, p.  2-4 .
  173. Thomas Wright 1935 , p.  383.
  174. Philip Collins, ed., Dickens, The Critical Heritage , Londres, Routledge e Kegan Paul, 1971, p.  XVII .
  175. George Dolby, Charles Dickens como eu o conhecia: A história das excursões de leitura na Grã-Bretanha e na América, 1866-1870 , Londres, Everett, 1912, p.  451 .
  176. Dickens  ' leituras públicas " (acessado em 07 de fevereiro de 2013 ) .
  177. Matt Shinn, The Guardian , sábado, 31 de janeiro de 2004.
  178. Charles Dickens (Letters) 1965-2002 , p.  VIII, 640-660.
  179. Charles Dickens (Letters) 1965-2002 , p.  VIII, 643.
  180. David Paroissien 2011 , p.  15-16.
  181. David Paroissien 2011 , p.  16
  182. (em) The Tower XVI Staplehurst Roman bloqueado: Charles Dickens; Ellen Ternan; Frances Ternan  ” , em charlesdickenstarot.com (acessado em 2 de dezembro de 2018 ) .
  183. Paul Davis 1999 , p.  291.
  184. Paul Davis 1999 , p.  251.
  185. Edmund Wilson 1941 , p.  XXX.
  186. Paul Davis 1999 , p.  254.
  187. (em) The death of Dickens  " (acesso em 25 de janeiro de 2012 ) .
  188. Arthur A. Adrian 1971 , p.  136
  189. John Forster 1872-1874 , p.  XXX.
  190. (em) A misteriosa morte de Charles Dickens  " (acessado em 22 de julho de 2012 ) .
  191. (em) A suposição de Peckham  " (acessado em 18 de julho de 2012 ) .
  192. Claire Tomalin 1991 , p.  271-283.
  193. The Peckham Hypothesis  " (acessado em 7 de fevereiro de 2013 ) .
  194. John Forster 1872-1874 , cap.  12 , pág.  3
  195. Paul Schlicke 2000 , p.  169
  196. Edgar Allan Poe. Dickens cópia pessoal das obras poéticas de Poe  ” , em sothebys.com
  197. (em) Henry Sotheran (Firm) , Catálogo da biblioteca de Charles Dickens, Compreender sua biblioteca inteira como existente em seu falecimento 1878.
  198. (em) John Harrison Stonehouse , Catálogo da biblioteca de Charles Dickens de Gadshill , Piccadilly fountain Press, 1935.
    Este catálogo foi impresso em 275 cópias (incluindo 25 não comerciais).
  199. David Paroissien 2011 , p.  159.
  200. David Paroissien 2011 , p.  160
  201. Myron Magnet, Dickens and the Social Order , Wilmington DI, ISI Books, 2004.
  202. David Paroissien 2011 , p.  164
  203. David Paroissien 2011 , p.  165
  204. David Paroissien 2011 , p.  166
  205. Charles Dickens, Letters, Book I, p.  483-484 .
  206. Charles Dickens, Letters, carta para o Morning Chronicle , 20 de outubro de 1842.
  207. David Paroissien 2011 , p.  168
  208. Página de David Perdue: personagens  " (acessado em 13 de fevereiro de 2013 ) .
  209. History of Field Lane Ragged School  " (acessado em 13 de fevereiro de 2013 ) .
  210. Charles Dickens and the Ragged Schools  " (acessado em 13 de fevereiro de 2013 ) .
  211. Michael Slater, Charles Dickens, The Christmas Books , Nova York, Penguin 1971, p.  XIV .
  212. Charles Dickens, Discurso , p.  129 .
  213. Charles Dickens, Letters , Letter to Henry Austin, Book VI, Chapter 47.
  214. Oliver Twist , Capítulo 50  " (acessado em 14 de fevereiro de 2013 ) .
  215. Charles Dickens, Discurso , p.  104 .
  216. The Paradise of Tooting  " (acessado em 13 de fevereiro de 2013 ) .
  217. Charles Dickens, Journalism 3 , p.  147-156 .
  218. Charles Dickens, o amigo comum , livro I, capítulo 11.
  219. Charles Dickens, Journalism 3 , p.  228 .
  220. Charles Dickens, Discurso , p.  407 .
  221. Asa Briggs, Victorian People , Harmondsworth, Penguin, 1955, p.  85 .
  222. Theodore K Hoppen, The Mid-Victorian Generation, 1846-1886 , Oxford, Oxford University Press, 1998, p.  110-112 .
  223. David Paroissien 2011 , p.  170
  224. David Paroissien 2011 , p.  172
  225. Charles Dickens, La Maison d'Âpre-Vent , capítulo 30.
  226. David Paroissien 2011 , p.  172-173.
  227. David Paroissien 2011 , p.  173
  228. Sob a direção de Jean-Clément Martin, Dicionário da Contra-Revolução , Joël Félix, “Dickens, Charles”, Paris, ed. Perrin, 2011, 551 páginas, p.  222 .
  229. Sob a direção de Jean-Clément Martin, Dicionário da Contra-Revolução , Joël Félix, “Dickens, Charles”, Paris, ed. Perrin, 2011, 551 páginas, p.  223 .
  230. Robert Ferrieux, Charkes Dickens, un univers en soi , Perpignan, Presses UTL, 2012, p.  26 .
  231. Paul Schlicke 2000 , p.  527.
  232. Paul Schlicke 2000 , p.  531.
  233. Paul Schlicke 2000 , p.  528.
  234. Paul Schlicke 2000 , p.  529.
  235. Paul Schlicke 2000 , p.  530.
  236. (De) Significado da palavra Bildungsroman  " (acessado em 25 de agosto de 2012 ) .
  237. Genres of Great Expectations  " (acessado em 25 de agosto de 2012 ) .
  238. Charles Dickens e a tradição do romance picaresco britânico  " (acessado em 12 de fevereiro de 2013 ) .
  239. Monika Fludernik, David Paroissien 2011 , p.  68
  240. Charles Dickens, David Copperfield , Livro I, Capítulo 4.
  241. David Paroissien 2011 , p.  68
  242. David Paroissien 2011 , p.  71
  243. David Paroissien 2011 , p.  69
  244. David Paroissien 2011 , p.  70
  245. David Paroissien 2011 , p.  73
  246. Charles Dickens, Esquisses de Boz , 100, p.  1 .
  247. David Paroissien 2011 , p.  106-107.
  248. David Paroissien 2011 , p.  457.
  249. Paul Davis 2007 , p.  134-135.
  250. (em) Tipos de grandes expectativas  " (acessado em 25 de agosto de 2012 ) .
  251. David Paroissien 2011 , p.  85
  252. (em) Keith Hollingsworth, The Newgate Novel, 1830-1847, Bulwer, Ainsworth, Dickens & Thackeray , Detroit, Wayne State University Press,.
  253. (em) The character of Jaggers  ' (acessado em 26 de agosto de 2012 ) .
  254. Paul Davis 2007 , p.  134
  255. David Paroissien 2011 , p.  82
  256. Victor Sage, Ficção de terror na tradição protestante , Basingstoke, Macmilan, 1988, p.  8 .
  257. David Paroissien 2011 , p.  83
  258. Charles Dickens, Barnaby Rudge , Capítulo 17.
  259. John Bowen, Barnaby Rudge , introdução, Londres, Penguin, 2003.
  260. Michael Hollington, "  Gothic Gargoyles de Boz " Dickens Quarterly , n o  16, p.  160-176 .
  261. David Paroissien 2011 , p.  87
  262. David Paroissien 2011 , p.  92
  263. David Paroissien 2011 , p.  93
  264. David Paroissien 2011 , p.  154
  265. Charles Dickens, The Pickwick Papers , Harmondsworth, Penguin Classics, 1984, [ ( ISBN  0-14-007435-X ) )], com uma introdução de Robert L. Patten, p. XI-XXX, publicado pela primeira vez em 1972, p.  599 .
  266. David Paroissien 2011 , p.  155
  267. Charles Dickens, The Pickwick Papers , Harmondsworth, Penguin Classics, 1984, [ ( ISBN  0-14-007435-X ) )], com uma introdução de Robert L. Patten, p. XI-XXX, publicado pela primeira vez em 1972, p.  315 .
  268. Alison Adburgham, Silver Fork Society: Fashionable Life and Literature de 1814 a 1840 , Londres, Constable, 1983.
  269. Richard Cronin, Romantic Victorians: English Literature, 1824-1840 , London, Macmillan, 2002, capítulo 4, ( ISBN  0-333-96616-3 ) .
  270. (em) The Great Hope como anti Silver Fork romance  " (acessado em 25 de agosto de 2012 ) .
  271. (em) Tipos de grandes expectativas  " (acessado em 25 de agosto de 2012 ) .
  272. (em) elementos históricos em grandes expectativas  " na Web vitoriana (acessado em 25 de agosto de 2012 ) .
  273. Robert Ferrieux, Charles Dickens, un univers en soi , Perpignan, Presses UTL, 2012, II, p.  9 .
  274. John O. Jordan 2001 , p.  91-135.
  275. (em) William Makepeace Thackeray, The Book of Snobs , Punch Office, 180  p. ( leia online ), ilustrado pelo autor, capítulo = II.
  276. John O. Jordan 2001 , p.  92
  277. William Wordsworth, “  Ode to Immortality,  ” Lyrical Ballads , 1798.
  278. John O. Jordan 2001 , p.  93
  279. David Grylls, Guardians and Angles , London, Faber e Faber, 1978, p.  24 .
  280. John O. Jordan 2001 , p.  93-94.
  281. Andew Malcom, Dickens and the Grown-Up Child , Iowa City, University of Iowa Press, 1994, p.  57-70 .
  282. John O. Jordan 2001 , p.  95
  283. Philip Collins, ed., The Critical Heritage , Londres, Routledge e Barnes and Noble, 1971, p.  470-471 .
  284. John O. Jordan 2001 , p.  98
  285. John O. Jordan 2001 , p.  99-100.
  286. John O. Jordan 2001 , p.  100
  287. Robert Ferrieux, Autobiographical Literature in England and Ireland , Paris, Ellipses, 2001, p.  117-118 .
  288. John O. Jordan 2001 , p.  101
  289. (em) James Henry Leigh Hunt  " (acessado em 3 de março de 2013 ) .
  290. Malcom Andrews, Dickens and the Grown-up Child , Iowa City, University of Iowa Press, 1994, p.  57-70 e 193-198 .
  291. Murray Baumgarten, John O. Jordan 2001 , p.  107-108.
  292. John Forster 1872-1874 , p.  I, 1.
  293. John Forster 1872-1874 , p.  IV, 5.
  294. John O. Jordan 2001 , p.  111
  295. Murray Baumgarten, "  Comboio / Reading / hora, Dombey e Filho e do Mundo Industrial  ", de Dickens Estudos Anual , n o  19, de Nova York, AMS Press, 1990, p.  65-67 .
  296. John O. Jordan 2001 , p.  112
  297. Philip Collins, "  Dickens and the City  " , Visions of the Modern City , ed. William Sharpe, Heyman Center for the Humanities, 1983, p.  101-102 .
  298. John O. Jordan 2001 , p.  114
  299. John O. Jordan 2001 , p.  113
  300. Philippe Lançon , "  Charles Dickens, man of London  ", Liberation , Paris,( leia online , consultado em 4 de fevereiro de 2019 ).
  301. Alain, Reading Dickens , Paris, Gallimard, NRF, 1945, p.  9 .
  302. George Newlin, Everyone in Dickens, a Taxonomy , volume III, "  Characteristics and Commentaries, Tables and Tabulations  ", Westport, Connecticut, Greenwood Press, 1995, p.  285 .
  303. Catherine Waters, John O. Jordan 2001 , p.  120
  304. John Forster 1872-1874 , p.  5, 1.
  305. Margaret Oliphant, Charles Dickens , Critical Heritage , Londres, Collins, p.  559 .
  306. JWT Ley, "  The Apostle of Christmas  " The Dickensian , n o  2, 1906, p.  324 .
  307. John O. Jordan 2001 , p.  120
  308. John O. Jordan 2001 , p.  122-123.
  309. John O. Jordan 2001 , p.  123
  310. John O. Jordan 2001 , p.  129-130.
  311. Sylvère Monod 1953 , p.  77
  312. Anne Humpherys "  de Louisa Gradgrind Segredo: Casamento e divórcio no Hard Times", Dickens Estudos Anual , n o  25, p.  177-196 .
  313. John D. Baird, Divórcio e Causas Matrimoniais , uma aparência de Hard Times (Estudos vitorianos, Vol. 20, n o  4)  " ,(acessado em 29 de outubro de 2012 ) .
  314. Eliza Lynn Linton, One of Our Legal Fictions , Household Words , 29 de abril de 1854.
  315. Nancy Fix Anderson, Eliza Lynn Linton, Dickens e a questão da mulher (vitoriana periódicos revisão vol. 22, n o  4)  " em JSTOR ,(acessado em 29 de outubro de 2012 ) .
  316. Tony Tanner, Adultery and the Novel, Contract and Transgression , Baltimore, The Johns Hopkins University Press, 1979, p.  15 .
  317. David Paroissien 2011 , p.  398.
  318. John O. Jordan 2001 , p.  133
  319. David Paroissien 2011 , p.  197.
  320. Henry Suhamy, Great Expectations , Cours d'Agregação, Vanves, CNED de 1971, p.  8 .
  321. Henry Suhamy, Great Expectations , Cours d'Agregação, Vanves, CNED de 1971, p.  10 .
  322. Henry Suhamy, Great Expectations , Cours d'Agrégation, Vanves, CNED, 1971, p.  12 .
  323. John Hillis-Miller 1958 , p.  269-270.
  324. GN Ray, Thackeray, The Uses of Adversity , 1811-1846, Novo. York, McGraw Hill, 1955, xv + 537 páginas.
  325. John Hillis-Miller 1958 , p.  270
  326. Henry Suhamy, Great Expectations , Cours d'agrégation, Vanves, CNED, 1971, p.  14 .
  327. (em) Lord David Cecil, Early Victorian Novelists: Essays in Revaluation , Londres, Bobbs-Merrill,, 342  p.
  328. Robert Ferrieux, Charles Dickens, un univers en soi , Perpignan, Presses UTL, 2012, p.  24 .
  329. Gilbert Keith Chesterton 1911 , p.  351.
  330. Humphry House 1941 , p.  203
  331. Robin Gilmour 1981 , p.  125
  332. Robert Ferrieux, Charles Dickens, un univers en soi , Perpignan, Presses UTL, 2012, p.  10-11 .
  333. (em) Symbolime of Great Expectations  " (acessado em 31 de agosto de 2012 ) .
  334. Robert Ferrieux, Charles Dickens, un univers en soi , Perpignan, Presses UTL, 2012, p.  21 .
  335. Virginia Woolf, David Copperfield , citado por (in) Stephen Wall, Charles Dickens: A Critical Anthology , Harmondsworth, Penguin,, p.  275-276 .
  336. Nathalie Jaëck, Charles Dickens: a escrita como poder, a escrita como resistência , Paris, Ophrys, 192 páginas, 2008, apresentação.
  337. David Paroissien 2011 , p.  126
  338. David Paroissien 2011 , p.  127
  339. David Paroissien 2011 , p.  127-128.
  340. Stanley Gerson, “  Som e Símbolo no Diálogo das Obras de Charles Dickens  ”, Stockholm Studies in English , volume 19, Stockholm, Almquist e Wiksell, 1967.
  341. Manasori Miyata, Tipos de desvio linguístico em Oliver Twist  " (acessado em 25 de fevereiro de 2013 ) .
  342. David Paroissien 2011 , p.  129
  343. David Paroissien 2011 , p.  130-131.
  344. Mowbray Morris, "  Charles Dickens  ", Philip Collins, ed., The Critical Heritage , Londres, Routledge e Kegan Paul, 1971, p.  607 .
  345. Philip Collins, ed., The Critical Heritage , Londres, Routledge e Kegan Paul, 1971, p.  197 .
  346. George Orwell, Ninteteen-Eighty-Four , 1949.
  347. David Paroissien 2011 , p.  133-134.
  348. Valerie L. Garger, Shakespeare e Dickens: The Dynamism of Influence , Cambridge, Cambridge UNiversity Press, 1996, p.  10 .
  349. David Paroissien 2011 , p.  134-135.
  350. Gálatas 6, 7.
  351. David Paroissien 2011 , p.  136
  352. David Paroissien 2011 , p.  136-137.
  353. Peter Preston, "Introdução", Charles Dickens, The Mystery of Edwin Drood and Other Stories , Ware, Hertfordshire, Wordsworth Editions Limited, 2005, p.  IX .
  354. Mark , I, 25-23.
  355. Mateus , 17, 14-21.
  356. Peter Preston, "Introdução", Charles Dickens, The Mystery of Edwin Drood and Other Stories , Ware, Hertfordshire, Wordsworth Editions Limited, 2005, p.  145 .
  357. Peter Preston, "Introdução", Charles Dickens, The Mystery of Edwin Drood e Outras Histórias , Ware, Hertfordshire, Edições Wordsworth Limited, 2005, p.  X .
  358. Gênesis , 4, 13-14.
  359. Peter Preston, "Introdução", Charles Dickens, The Mystery of Edwin Drood and Other Stories , Ware, Hertfordshire, Wordsworth Editions Limited, 2005, p.  153 .
  360. Charles Dickens Chronology  " (acessado em 27 de fevereiro de 2013 ) .
  361. David Paroissien 2011 , p.  137
  362. David Paroissien 2011 , p.  139-140.
  363. Peter Preston, "Introdução", Charles Dickens, The Mystery of Edwin Drood and Other Stories , Ware, Hertfordshire, Wordsworth Editions Limited, 2005, p.  143 .
  364. Peter Preston, "Introdução", Charles Dickens, The Mystery of Edwin Drood and Other Stories , Ware, Hertfordshire, Wordsworth Editions Limited, 2005, p.  113 .
  365. Macbeth , II, 3, 54-56.
  366. Peter Preston, "Introdução", Charles Dickens, The Mystery of Edwin Drood and Other Stories , Ware, Hertfordshire, Wordsworth Editions Limited, 2005, p.  86-87 .
  367. (em) Macbeth, 11, 2  " (acessado em 9 de janeiro de 2012 ) .
  368. Macbeth , II, 2, 57-60.
  369. Macbeth , V, 1, 50-51.
  370. Peter Preston, "Introdução", Charles Dickens, The Mystery of Edwin Drood e Outras Histórias , Ware, Hertfordshire, Edições Wordsworth Limited, 2005, p.  XI .
  371. Peter Preston, "Introdução", Charles Dickens, The Mystery of Edwin Drood and Other Stories , Ware, Hertfordshire, Wordsworth Editions Limited, 2005, p.  92 .
  372. Macbeth , III, 4, 47.
  373. Peter Preston, "Introdução", Charles Dickens, The Mystery of Edwin Drood and Other Stories , Ware, Hertfordshire, Wordsworth Editions Limited, 2005, p.  226 .
  374. Macbeth , I, 7, 1-2.
  375. Peter Preston, "Introdução", Charles Dickens, The Mystery of Edwin Drood and Other Stories , Ware, Hertfordshire, Wordsworth Editions Limited, 2005, p.  XI-XII .
  376. Philip Alligham, “  Estilo e gênero nas obras de Charles Dickens  ” (acessado em 28 de fevereiro de 2013 ) .
  377. (in) eirôneia  " (acesso em 17 de julho de 2012 ) .
  378. (em) John L. Drew, Dickens the Journalist , London, Palgrave Macmillan,( ISBN  9780333987735 ) , p.  255.
  379. Gérard Genette, Figuras III , Paris, Seuil, col.  "Poético",.
  380. Gérard Genette , Figures III , Paris, Seuil, Poétique, 1972.
  381. (em) Style in The Pickwick Papers  " (acessado em 21 de fevereiro de 2012 ) .
  382. Charles Dickens ( traduzido  Alfred Stanislas Langlois des Essarts (editado por Paul Lorain)), Vida e aventuras de Martin Chuzzlewit , Paris, Hachette,, volume II, capítulo 41.
  383. David Paroissien 2011 , p.  372.
  384. Angus Wilson 1972 , p.  214.
  385. David Paroissien 2011 , p.  373.
  386. Graham Greene, The Lost Childhood and Other Essays , Londres, Eyre e Spottiswode, 1951, p.  53 .
  387. (em) Philip V. Allingham, uma visão geral do romance picaresco de Dickens Martin Chuzzlewit , Thunder Bay, Ontário, Lakehead University, p.  1.
  388. George Gissing , Charles Dickens  " ,(acessado em 30 de julho de 2011 ) .
  389. Charles Dickens, Martin Chuzzlewit , ed. por John Bowen, 1997, p.  XI .
  390. Charles Dickens, Martin Chuzzlewit , ed. por John Bowen, 1997, p.  IX .
  391. Gilbert Keith Chesterton 1911 , p.  XXX, capítulo X.
  392. Michael Hollington em Odile Boucher-Rivalain, romance e poesia na Inglaterra no XIX th  século , Paris, elipses de 1997, p.  37 .
  393. Andrew Sanders, Introdução à velha loja de curiosidade , 1996, p.  406 .
  394. Sylvère Monod, Charles Dickens , Paris, Pierre editor Seghers, 1958, p.  77 .
  395. (em) Charlotte M. Yonge, "Prefácio", Friedrich of the Motte Fouque, Ondine , 2009, (em) Ondine online  " (acessado em 31 de agosto de 2011 ) .
  396. John O. Jordan 2001 , p.  145
  397. John O. Jordan 2001 , p.  146
  398. David Paroissien 2011 , p.  40
  399. Charles Dickens, Martin Chuzzlewit , ed. por Kenneth Hayens, London & Glasgow, Collins, Verona impresso, 1953, p.  24-25 .
  400. (em) Owen Barfield, Poetic Diction, A Study in Meaning , London, Faber and Faber,, reimpresso por Wesleyan University Press, 1984, ( ISBN  081956026X ) .
  401. Dicção poética  " (acessado em 25 de julho de 2011 ) .
  402. O Castelo da Indolência  " (acessado em 24 de julho de 2011 ) .
  403. Charles Dickens, Martin Chuzzlewit , ed. por Kenneth Hayens, London & Glasgow, Collins, Verona impresso, 1953, p.  26-27 .
  404. Charles Dickens, Great Expectations , 1996, p.  313 .
  405. Henri Suhamy, Great Expectations , Cours d'Agrégation, Vanves, CNED, 1971, capítulo “Romantismo”, p.  4 .
  406. (en) Henri Talon, O Projeto Dickens, Dickens Estudos Anual , vol.  3, Santa Cruz, Universidade da Califórnia em Santa Cruz, , "Espaço, tempo e memória em grandes expectativas  ".
  407. (fr) Mikel Dufrenne, Fenomenologia da experiência estética , vol.  2, Paris, Presses Universitaires de France,, p.  268.
  408. Henri Bergson, Le Rire. Ensaio sobre o significado da história em quadrinhos , Paris, Payot, col.  "Petite Biblioteca Payot" ( N O  833),, 201  p. ( ISBN  978-2-228-90714-9 ).
  409. Paul Schlicke, "  Charles Dickens  " Cambridge Bibliografia de Inglês e Literatura , 3 ª edição, Cambridge: Cambridge University Press, 1999.
  410. Desde a data da 1 st publicação francesa em 1837 até 2006 o título na França tem sido quase sempre: as aventuras de Mr. Pickwick (veja as instruções do catálogo da Biblioteca Nacional da França).
  411. GM Miller, Dicionário de Nomes Britânicos da BBC , Oxford, Oxford University Press, 1971, p.  19 .
  412. Texto disponível em Mugby Junction  " (acessado em 25 de janeiro de 2013 ) .
  413. Philip Allingham na Web Vitoriana  " (acessado em 14 de março de 2013 ) .
  414. Oliver! ganhou o Oscar de melhor filme no 41 º Academy Awards .
  415. (in) Informações sobre as produções da BBC (acessado em 29 de julho de 2012 ) .
  416. (en) Edwin Drood at the BBC  " (acessado em 20 de dezembro de 2011 ) .
  417. (em) BBC 2, The Mystery of Edwin Drood , 2 º episódio  " (acessado em 12 de fevereiro de 2012 ) .
  418. Dan Simmons, Drood , traduzido do inglês por Odile Demange, 2011, 876 p.
  419. Hubert Prolongeau, "" Drood ", de Dan Simmons: a caça ao" Drood "", Paris, Le Monde des livres , 22 de setembro de 2011.
  420. Sylvère Monod, "Os primeiros tradutores Dickens franceses, no Romantismo de 1999 n o  106. Traduzir o XIX th  século, p.  126 , Texto completo .
  421. Sylvère Monod, "Os primeiros tradutores Dickens franceses" romantismo de 1999 n o  106. Traduzir o XIX th  século, p.  119-128 .
  422. Catálogos das obras de Charles Dickens da coleção La Pléiade  " (acesso em 20 de janeiro de 2013 ) .
  423. Sociedade Francesa de Estudos Vitorianos e Eduardianos  " (acessado em 16 de março de 2013 ) .
  424. (em) Fred G. Alberts (editor), Geographic Names of the Antarctic ,, p.  188.
  425. (em) SCAR Composite Gazetteer of Antarctica  " (acessado em 19 de dezembro de 2018 ) .

Artigos relacionados

Família e relacionamentos

Ilustradores

Editores

Colegas

links externos

Texto:% s

Esperamos que as informações que coletamos sobre Charles Dickens tenham sido úteis para você. Se for o caso, não se esqueça de nos recomendar a seus amigos e familiares, e lembre-se que você pode sempre nos contatar se precisar de nós. Se, apesar de nossos melhores esforços, você acha que o que fornecemos sobre _título não é totalmente exato ou que devemos acrescentar ou corrigir algo, ficaríamos gratos se você nos avisasse. Fornecer as melhores e mais completas informações sobre Charles Dickens e qualquer outro assunto é a essência deste website; somos movidos pelo mesmo espírito que inspirou os criadores do Projeto Enciclopédia, e por esta razão esperamos que o que você encontrou sobre Charles Dickens neste website o tenha ajudado a expandir seu conhecimento.

Opiniones de nuestros usuarios

Wilson Magalhaes

Isso mesmo. Fornece as informações necessárias sobre Charles Dickens.

Edilson Silveira

Finalmente um artigo sobre Charles Dickens fácil de ler.

Anderson Maia

Finalmente! Hoje em dia parece que se eles não escrevem artigos de dez mil palavras eles não estão felizes. Senhores redatores de conteúdo, este SIM é um bom artigo sobre Charles Dickens.