Sigmund Freud



As informações que conseguimos compilar sobre Sigmund Freud foram cuidadosamente revisadas e estruturadas para torná-las tão úteis quanto possível. Você provavelmente veio aqui para saber mais sobre Sigmund Freud. Na Internet, é fácil se perder na confusão de sites que falam sobre Sigmund Freud e ainda não fornecem o que você quer saber sobre Sigmund Freud. Esperamos que nos informe nos comentários se você gostar do que leu sobre Sigmund Freud abaixo. Se as informações sobre Sigmund Freud que fornecemos não são as que você estava procurando, por favor nos informe para que possamos melhorar este site diariamente.

.

Sigmund Freud
Imagem na Infobox.
Sigmund Freud fotografado por Max Halberstadt, por volta de 1921.
Função
Professor
Biografia
Aniversário
Morte
Enterro
Golders Green Crematorium ( em )
Nome de nascença
Sigismund Schlomo Freud
Nacionalidades
Casas
Treinamento
Atividades
Pai
Jacob Freud ( em )
Mãe
Amalia Freud ( em )
Irmãos
Alexander Freud ( d )
Maria Freud ( d )
Regina Debora Freud ( d )
Esther Adolfine Freud ( d )
Anna Freud Bernays ( d )
Pauline Regine Freud ( d )
Julian Freud ( d )
Cônjuge
Crianças
Anna Freud
Oliver Freud ( d )
Sophie Freud ( d )
Martin Freud ( d )
Ernst Ludwig Freud ( en )
Mathilde Freud ( d )
Parentesco
Edward Bernays (sobrinho)
Outra informação
Trabalhou para
Áreas
Membro de
Mestres
Prêmios
Arquivos mantidos por
Biblioteca Albert Sloman ( d ) Arquivos da
Biblioteca do Congresso
do Instituto Federal Suíço de Tecnologia de Zurique ( en ) (CH-001807-7: Hs 1261)
Gravação de voz
Trabalhos primários
assinatura de Sigmund Freud
assinatura
Estela - Sigmund Freud, Das Geheimnis des Traumes (Viena 1900) 002.jpg
placa comemorativa
Crematório Golders Green (fotos) 004.jpg
Vista do túmulo.

Sigmund Freud [ s i g m u n d f ʁ ø ː d ] ou [ f ʁ œ j d ] ( em alemão  : [ z i ː k m ʊ n t f ʁ ɔ ʏ t ] ), nascido Sigismund Shlomo Freud oem Freiberg ( Império Austríaco ) e morreu emem Londres , é neurologista austríaco , fundador da psicanálise .

Médico vienense , Freud conheceu várias personalidades importantes para o desenvolvimento da psicanálise, da qual foi o principal teórico. Sua amizade com Wilhelm Fliess , sua colaboração com Josef Breuer , a influência de Jean-Martin Charcot e as teorias sobre hipnose da École de la Salpêtrière o levarão a repensar os processos psíquicos. Suas duas grandes descobertas são a sexualidade infantil e o inconsciente . Elas o levam a desenvolver várias teorizações de instâncias psíquicas, primeiro em relação ao conceito de inconsciente, em relação aos sonhos e à neurose , a seguir propõe uma técnica de terapia, o tratamento psicanalítico . Por ocasião de sua viagem à América em 1909, Freud explicou os fundamentos da técnica psicanalítica. É no quadro do tratamento, a partir dos Estudos sobre a Histeria , e particularmente em sua primeira análise do "  caso Dora  ", que Freud vai descobrindo gradativamente a importância da transferência .

Freud reúne uma geração de psicoterapeutas que, passo a passo, desenvolvem a psicanálise, primeiro na Áustria, Suíça, Berlim, depois em Paris, Londres e Estados Unidos . Apesar das cisões e críticas internas, a psicanálise se estabeleceu como uma nova disciplina nas ciências humanas a partir de 1920. Em 1938, Freud, ameaçado pelo regime nazista, deixou Viena para se exilar em Londres, onde morreu de câncer no maxilar em 1939.

O termo “psicanálise” aparece pela primeira vez em 1896 em um artigo escrito em francês, publicado nessa língua em 30 de março de 1896, depois em alemão em 15 de maio de 1896. Mas “os dois artigos foram enviados no mesmo dia ”, 5 de fevereiro de 1896. A psicanálise se baseia em várias hipóteses e conceitos desenvolvidos ou retomados por Freud. “O que caracteriza a psicanálise, como ciência, é menos o material sobre o qual trabalha, do que a técnica que utiliza”. A técnica da cura, a partir de 1898 na forma do método catártico , com Josef Breuer, então o desenvolvimento da cura analítica, é a principal contribuição da psicanálise. A hipótese do inconsciente aprofunda a teoria da psique. Outros conceitos irão gradualmente desenvolver e complicar a teoria psicanalítica, tanto a ciência do inconsciente quanto o conhecimento dos processos psíquicos e terapêuticos.

Biografia

Biógrafos de Freud

A história da vida de Freud é a da psicanálise. Foi objeto de numerosos artigos e biografias, das quais a mais conhecida é a de Ernest Jones ( The Life and Work of Sigmund Freud , 1953 a 1958), um contemporâneo próximo de Freud. O primeiro biógrafo foi Fritz Wittels , que em 1924 publicou Freud: Man, Doctrine, School . O escritor Stefan Zweig também escreveu uma biografia ( Cura Espiritual , 1932). O médico de Freud, Max Schur , que se tornara psicanalista, estudou sua relação com a morte na prática clínica e na teoria, e então enfrentou a doença que prevaleceria em 1939 ( Morte na vida e obra de Freud , 1972).

Muitos contemporâneos ou discípulos também dedicaram uma biografia, muitas vezes hagiográfica, a ele, como Lou Andreas-Salomé , Thomas Mann , Siegfried Bernfield, Ola Andersson, Kurt Robert Eissler e Carl Schorske .

Didier Anzieu publicou em 1998, sob o título A autoanálise de Freud e a descoberta da psicanálise , um estudo bastante detalhado da autoanálise de Freud e do processo criativo dela decorrente. Marthe Robert é autora de uma biografia literária ( La Révolution psychanalytique , 2002). Peter Gay escreveu Freud a Life (1991); Henri Ellenberger, uma história da descoberta do inconsciente (1970).

As obras críticas publicadas são de autoria de Mikkel Borch-Jacobsen e Sonu Shamdasani ( Le Dossier Freud: investigação sobre a história da psicanálise , 2006), Jacques Bénesteau ( Mensonges freudiens: histoire d'une desinformation seculaire , 2002) ou Michel Onfray. ( Twilight of an Idol , 2010).

Ao mesmo tempo, Alain de Mijolla analisou em Freud et la France, 1885-1945 (2010) as complexas relações entre Freud e os intelectuais franceses até 1945, enquanto Élisabeth Roudinesco publicou em 2014 um ensaio biográfico e histórico intitulado Sigmund Freud em seu tempo e no nosso .

Infância e estudos (1856-1882)

Infância

Ele nasceu em 6 de maio de 1856. A história de sua família , originária da Galiza , é pouco conhecida. Terceiro filho de Jakob Freud, comerciante, certamente comerciante de lã, e de Amalia Nathanson (1836-1931), é o primeiro filho de seu último casamento. Sigmund é o mais velho de seus irmãos, formado por cinco irmãs (Anna, Rosa, Mitzi, Dolfi e Paula) e dois irmãos, Julius, falecido no primeiro ano de vida, e Alexander.

Segundo Henri Ellenberger, “a vida de Freud oferece o exemplo de uma ascensão social progressiva da classe média baixa à alta burguesia” . Sua família, portanto, segue a tendência para a assimilação que é a da maioria dos judeus vienenses . Na verdade, não é educado em estrito respeito à ortodoxia judaica. Embora circuncidado ao nascer, recebeu uma educação longe da tradição e aberta à filosofia do Iluminismo . Ele fala alemão, iídiche e parece saber espanhol por meio de um dialeto misto do hebraico, então comumente usado na comunidade sefardita de Viena, embora ele próprio fosse asquenazi.

Passou os primeiros três anos em Freiberg, cidade que sua família partiu para Leipzig antes de se estabelecer definitivamente, em fevereiro de 1860, no bairro judeu de Viena. Freud viveu lá até seu exílio forçado em Londres em 1938, após o Anschluss . De 1860 a 1865, o Freud mudou-se várias vezes antes de se instalar em Pfeffergasse, no distrito de Leopoldstadt .

Recebendo as primeiras lições de sua mãe e depois de seu pai, ele foi primeiro enviado para uma escola particular e depois passou no teste de admissão aos nove anos de idade para o colégio de Leopoldstadt. Aluno brilhante, foi o primeiro da turma nos últimos sete anos do ensino médio no colégio municipal, o “Sperlgymnasium”. Seus professores são o naturalista Alois Pokorny , a historiadora Annaka, o professor de religião judaica Samuel Hammerschlag e o político Victor von Kraus. Obteve a menção de "excelente" no exame de maturidade em 1873. Depois de se inclinar brevemente para a lei sob a influência de um amigo seu, Heinrich Braun , mostrou-se mais interessado na carreira de zoólogo após ouvir a leitura de Carl Brühl de um poema intitulado Nature , então atribuído a Goethe, durante uma palestra pública. No entanto, ele escolheu a medicina e matriculou-se na Universidade de Viena no início do ano letivo de inverno de 1873. Ele desenvolveu uma paixão pela biologia darwiniana , "que serviria de modelo para todo o seu trabalho" .

Estudos

Obteve o diploma de médico em 31 de março de 1881 após oito anos de estudos, em vez dos cinco esperados, durante os quais fez duas estadias em 1876 na estação de zoologia marinha experimental de Trieste , a cargo de Carl Claus , para então trabalhar de 1876 a 1882 com Ernst Wilhelm von Brücke , cujas teorias rigorosamente fisiológicas o influenciam.

Ingressou em outubro de 1876 como fisiologista-assistente no instituto de fisiologia de Ernst Brücke , onde conheceu Sigmund Exner e Fleischl von Marxow , e especialmente Josef Breuer. Freud concentra seu trabalho em duas áreas: neurônios (certas afirmações são repetidas no artigo "  Esboço de uma psicologia científica  ") e cocaína . Segundo Alain de Mijolla , Freud descobre nessa época as teorias positivistas de Emil du Bois-Reymond , das quais se torna seguidor, e que explicam a biologia por forças físico-químicas cujos efeitos estão ligados a um rigoroso determinismo .

Aproveitou o período do serviço militar, em 1879-1880, para iniciar a tradução das obras do filósofo John Stuart Mill e aprofundar o conhecimento das teorias de Charles Darwin . Freqüenta aulas com Franz Brentano e lê Os pensadores da Grécia, de Theodor Gomperz, e especialmente os volumes da História da civilização grega, de Jacob Burckhardt . Ele então fez seus primeiros exames em junho de 1880 e março de 1881 e se formou em 31 de março de 1881, tornando-se então um preparador temporário no laboratório de Brücke. Ele então trabalhou dois semestres no laboratório de química do Professor Ludwig. Ele continuou sua pesquisa histológica e ficou impressionado com as demonstrações do magnetizador dinamarquês Carl Hansen, às quais compareceu em 1880.

Em 31 de julho de 1881, ele foi recrutado como cirurgião assistente de Theodor Billroth no hospital geral de Viena; ele só ocupou este cargo por dois meses.

Em junho de 1882, estabeleceu-se como médico, mas sem muito entusiasmo. Existem duas explicações neste ponto. Segundo o próprio Freud, Brücke o aconselhou a começar a praticar em um hospital para se arrumar , enquanto para Siegfried Bernfeld e Ernest Jones , seus biógrafos, é seu plano de casamento que o obriga a desistir do prazer do casamento. pesquisa. Sigmund Freud de fato conheceu Martha Bernays, de uma família de comerciantes judias, em junho de 1882, e muito cedo os acordos de família então em vigor obrigaram os dois noivos a se casar, especialmente porque sua situação financeira era muito precária. No entanto, o jovem casal só se casou em 1886, pois Freud condicionou sua aliança com Martha Bernays à obtenção de seu consultório. Em outubro de 1882, ele entrou no departamento cirúrgico do hospital de Viena, então um dos centros mais famosos do mundo. Após dois meses, trabalhou como aspirante, sob a responsabilidade do doutor Nothnagel, até abril de 1883. Brücke obteve para ele o título de Privat-docente em neuropatologia . Ele é chamado a 1 r maio 1883 Sekundararzt o serviço psiquiátrica Theodor Meynert em que ele continua estudos histológicos na medula espinhal, até 1.886.

Da histeria ao método catártico (1883-1893)

Primeira pesquisa

Em setembro de 1883, ele entrou na quarta divisão do Doutor Scholtz. Lá ele adquiriu experiência clínica com pacientes nervosos. Em dezembro do mesmo ano, depois de ler um artigo do Dr. Aschenbrandt, ele experimentou a cocaína e deduziu que ela era eficaz no combate à fadiga e aos sintomas da neurastenia . Em seu artigo de julho de 1884, “  Über Coca  ” , ele aconselha seu uso para distúrbios múltiplos.

Freud, após ler um texto que sugere tratar o vício em morfina com cocaína, trata seu amigo e colega do Laboratório de Fisiologia Ernst Fleischl von Marxow  : tornara-se viciado em morfina após ter recorrido à morfina para acalmar as dores insuportáveis ​​de uma lesão no corpo mão que foi infectada e o neuroma que se desenvolveu lá. Freud, que havia descoberto a cocaína em 1884, tentou curar seu amigo de seu vício em morfina aconselhando-o a usar cocaína, mas Fleischl "caiu em um vício em cocaína pior do que seu vício anterior em morfina" . Ele morreu em 1891 muito deteriorado física e mentalmente. Um método que Fliess usou para tratar doenças nasais era a administração local de cocaína. Didier Anzieu nota o sentimento de culpa de Freud ligado à pessoa de Fleischl, cujo "nome corresponde ao de Wilhelm Fliess" e que se repete em vários sonhos de A Interpretação do Sonho como "  A injeção feita a Irma  ", a "Monografia botânica", o sonho "Non vixit" ...

Embora tenha negado publicamente em várias ocasiões, Freud usou cocaína entre 1884 e 1895, como atesta sua correspondência. Ele trabalhou em sua descoberta com Carl Koller , que então pesquisou uma maneira de anestesiar o olho para operações minimamente invasivas. Este então informa Leopold Königstein quem aplica esse método à cirurgia. Ambos comunicam sua descoberta à Sociedade de Médicos de Viena em 1884, sem mencionar a primazia da obra de Freud.

O jovem médico foi então designado para o departamento de oftalmologia de março a maio de 1884, depois para o departamento de dermatologia. Ele escreveu um artigo sobre o nervo auditivo que teve uma recepção favorável. Em junho, fez a prova oral para o cargo de Docente Privat , onde apresentou seu último artigo. É chamado dee, vendo o seu pedido de bolsa de viagem aceite, decide continuar a sua formação em Paris, ao serviço de Jean-Martin Charcot no hospital Salpêtrière . Após seis semanas de férias com a noiva, Freud mudou-se para esta cidade. Admirador do neurologista francês, com quem conheceu o, ele se oferece para traduzir seus escritos para o alemão. A partir de então, Charcot o notou e o convidou para suas noites suntuosas no Faubourg Saint-Germain . No entanto, parece que Freud não passou tanto tempo quanto diz com Charcot, desde que deixou Paris em 28 de fevereiro de 1886; no entanto, ele sempre se orgulha disso e fez de sua estada em Paris um momento chave em sua existência. Ele também permanece em contato epistolar com Charcot.

Dentro Freud estudou pediatria em Berlim, com o pediatra Alfred Baginsky, e finalmente voltou a Viena em abril. Ele abriu um consultório na Rathausstrasse, onde se estabeleceu como médico particular. Ele também trabalha três tardes por semana como neurologista na clínica Steindlgasse no “  Erste Öffentliche Kinder-Krankeninstitut  ” (“Primeiro instituto público para crianças doentes”) dirigido pelo Prof. Max Kassowitz. Ele deu consultas ao departamento de neurologia de 1886 a 1896 no Instituto Max-Kassowitz, um hospital pediátrico privado. Escreveu o seu relatório sobre o hipnotismo, praticado pela Escola Salpêtrière , perante os sócios do Clube de Fisiologia e perante os da Sociedade de Psiquiatria, enquanto organizava os preparativos para o seu casamento. Um artigo de Albrecht Erlenmeyer o critica fortemente sobre os perigos do uso da cocaína. Freud terminou de traduzir um volume das lições de Charcot, que apareceu em julho de 1886 e para o qual escreveu o prefácio. Após alguns meses de serviço militar em Olmütz como médico do batalhão, Freud casou-se com Martha Bernays em setembro de 1886 em Wandsbek; eles passam a lua de mel no Mar Báltico.

O , em frente à Sociedade de Médicos de Viena, Freud faz um discurso sobre a histeria masculina, discurso publicado sob o título Beiträge zur Kasuistik der Hysterie  " . Esse tema é então controverso, especialmente porque a concepção clássica de Charcot opõe a histeria pós-traumática à chamada histeria simulada. Apoiando-se na distinção entre "grande histeria" (caracterizada por convulsões e hemianestesia) e "pequena histeria", e em um caso prático examinado na Salpêtrière, Freud explica que a histeria masculina é mais frequente do que costumam observar os especialistas. Para Freud, a neurose traumática pertence ao campo da histeria masculina. A Sociedade protesta contra esta opinião que, aliás, já é conhecida dos neurologistas vienenses. Segundo Ellenberger, a idealização de Freud para Charcot rendeu-lhe a irritação da Sociedade, aborrecida com sua atitude arrogante. Ferido, Freud então apresentou à Sociedade um caso de histeria masculina para apoiar sua teoria. A Sociedade o ouve novamente, mas o afasta. Ao contrário de uma certa lenda em torno deste evento, Freud não se retira da Sociedade; ele até se torna um membro em.

O encontro com Wilhelm Fliess e a primeira topografia

Naquele ano, conheceu Wilhelm Fliess, médico berlinense que pesquisava fisiologia e bissexualidade , com quem manteve uma correspondência científica amigável, mas ainda assim ambígua. Além disso, a família Freud acumulava dívidas, o consultório médico não atraindo clientela abundante. Além disso, Meynert discute com Freud em 1889, sobre a teoria de Charcot. Em 1889, Freud disse que se sentia muito sozinho; ele só pode realmente se comunicar com seus amigos Josef Breuer e Jean Leguirec. Então ele escreveu: “Eu estava totalmente isolado. Em Viena me evitavam, no exterior não se interessavam por mim ” . Freud e Martha têm seis filhos: Mathilde (1887-1978), Jean-Martin (1889-1967), Oliver (1891-1969), Ernst (1892-1970), Sophie (1893-1920) e Anna Freud (1895-1982 )).

A partir daquele momento, o pensamento de Freud mudou: ir para a escola de Bernheim em 1889 o afastaria de Charcot. Freud fala contra uma interpretação materialista da hipnose que ele defende contra a difamação de que ela é o objeto por parte de seus adversários: ele traduz a obra de Hippolyte Bernheim , De la sugestão et des aplicações terapias e discute a técnica da hipnose. Ele foi para Nancy, na escola Bernheim , e conheceu Ambroise-Auguste Liébeault em 1889 para confirmar sua opinião sobre a hipnose. Aí aprende que o histérico conserva uma forma de lucidez com os seus sintomas, sabendo quem pode ser mobilizado pela intervenção de um terceiro, ideia que posteriormente retoma na sua concepção do inconsciente , mas conclui que a hipnose tem pouca eficácia. no tratamento geral de casos patológicos. Ele sente que o passado do paciente deve desempenhar um papel na compreensão dos sintomas. Ele prefere a "cura pela fala" de seu amigo Breuer. Após esta visita, ele participou do Congresso Internacional de Psicologia em Paris, em julho.

Em 1891, Freud publicou seu trabalho sobre paralisia cerebral unilateral em crianças, em colaboração com Oscar Rie, um pediatra vienense. Em seguida, ele trabalhou em seu estudo crítico das teorias sobre a afasia , Contribuição para o projeto da afasia . Sua distância do pensamento de Charcot é máxima lá; ele delineia nela um "aparato de linguagem" que torna possível dar conta dos distúrbios da função da linguagem e começa a apresentar, por ocasião deste estudo, sua noção distinta de "representação de palavras" e "representação de coisas" . Este modelo prefigura o "aparelho psíquico" do primeiro tópico . Em 1892, publicou sua tradução da obra de Bernheim sob o título Hypnotism, sugestion, psychotherapy: new studies e expôs perante o Viennese Medical Club uma concepção próxima a Charcot.

Em 1893, Freud publicou vários artigos sobre histeria em colaboração com Josef Breuer e, em particular, o ensaio The Psychic Mechanism of Hysterical Phenomena (Preliminary Communication.) . Ele defende a concepção neurótica da histeria, ao propor "um método terapêutico baseado nas noções de catarse e ab - reação  " . Em 1894, com seu artigo “  Neuropsicoses de defesa  ”, ele se concentrou na fobia . Ele sofre de sintomas cardíacos e para de fumar. Cuidando da histeria de uma paciente chamada "Emma", Freud, influenciado pela teoria da bissexualidade de Fliess, pede que ela opere o nariz da jovem, por achar que a neurose dela está ligada a isso. Mas Fliess esquece a gaze iodoformada no nariz do paciente. Freud tem então um sonho marcante (o chamado sonho de "  A injeção dada a Irma  ") que vincula a esse incidente e se compromete a analisar seu significado por meio do método da associação livre  ; "Este estudo se tornaria, [observa Ellenberger], o protótipo de qualquer análise de sonhos . "

A invenção da psicanálise: da hipnose ao tratamento psicanalítico (1893-1905)

Freud e Breuer: Estudos sobre a histeria

Em 1895, Josef Breuer e Freud publicaram seus Estudos sobre a histeria , que incluem casos tratados desde 1893, incluindo o de Anna O .. A paciente desse Breuer, cujo nome verdadeiro é Bertha Pappenheim, é apresentada como um exemplo típico de cura catártica . Antes de se tornar o tratamento psicanalítico em sentido estrito, Freud teve de fato que abandonar a sugestão e a hipnose, então o método catártico de Breuer, e levar em conta a transferência, isto é, o renascimento das emoções instintivas reprimidas da infância do paciente que são movido e encaminhado para o analista. Na verdade, é a transferência que coloca Freud no caminho de uma nova abordagem, o renascimento da experiência infantil reprimida que anima a transferência informando sobre a natureza do conflito psíquico em que o paciente está preso.

Em 1896, considerando que sua teoria era aceita na psicologia, Freud batizou-a com o nome de "psicanálise", mas o fator sexual ainda não era predominante nela. Composto pelo grego ana (que designa a “subida ao original”, o elementar), e pela lise (a “dissolução”), o termo designa desde o início a procura de memórias arcaicas em relação aos sintomas . A partir daí, Freud rompeu com Breuer , que se manteve fiel ao tratamento catártico, e escreveu um ensaio que não foi publicado: Esboço de uma psicologia científica . É em outro artigo, escrito em francês: "A hereditariedade e a etiologia das neuroses", de 1896, que ele explica sua nova concepção. Finalmente, ele escreveu Zur Äthiologie der Hysterie  " ("A Etiologia da Histeria"). Em ambos os artigos, a palavra "psicanálise" aparece pela primeira vez sob a pena de Freud.

O , antes da Sociedade Psiquiátrica de Viena, presidida por Hermann Nothnagel e Krafft-Ebing , foi agraciado com o título de “  Extraordinarius  ”. No Congresso Internacional de Psicologia de Munique em agosto de 1896, o nome de Freud foi citado entre as autoridades mais competentes na área, enquanto em 1897 Albert Willem Van Renterghem, psiquiatra holandês, o citou como uma das figuras da ' Escola de Nancy .

Após a morte de seu pai o , Freud se interessa exclusivamente pela análise de seus sonhos e se engaja em um "trabalho de escavação em seu passado" . Alimentando-se da culpa em relação ao pai, ele empreende uma auto-análise. Ele diz que tenta analisar sua "pequena histeria" e aspira a trazer à luz a natureza do aparelho psicológico e da neurose. Durante essa autoanálise, e depois de abandonar sua teoria da histeria, suas memórias de infância fluem. O de sua babá permite que ele desenvolva a noção de "  memória de tela  ", por exemplo, enquanto vê nos sentimentos de amor pela mãe e no ciúme pelo pai uma estrutura universal que ele liga à história de Édipo e Hamlet . Suas análises de pacientes trazem-lhe argumentos na construção de uma nova concepção, que lhe permite rever tanto a histeria quanto as obsessões. A correspondência com Fliess atesta essa evolução de seu pensamento; é em particular em uma carta deque Freud evoca pela primeira vez o “  complexo de Édipo  ”. O neurologista vienense explica: "Encontrei em mim, como em todos os lugares, sentimentos de amor por minha mãe e ciúme por meu pai, sentimentos que são, creio eu, comuns a todas as crianças" .

A Interpretação dos Sonhos e outros textos fundadores

Placa comemorativa do local, perto de Grinzing onde "oO mistério dos sonhos foi revelado a D r Sigmund Freud "( Injeção de Sonho de Irma ).

Anunciou a Fliess, no início de 1898, que pretendia publicar uma obra sobre a análise dos sonhos e, após um período de depressão, publicou A Interpretação do Sonho ( Die Traumdeutung  " ). É uma obra “autobiográfica” na medida em que Freud se baseia em parte no material de seus próprios sonhos. Esse período de autoanálise mesclado com neurose é, segundo Henri Ellenberger , característico da “doença criativa” , uma fase de depressão e intenso trabalho que permitiu a Freud desenvolver a psicanálise para além de seus problemas pessoais. Em novembro de 1898, Freud se preocupou com as fases predominantemente sexuais infantis em sua obra “  Die Sexualität in der Ätiologie der Neurosen  ” ( Sexualidade na Etiologia das Neuroses ). Nesta obra, Freud utiliza o termo "  psiconeurose  " delimitado de "  neurastenia  ".

Sua situação, tanto social quanto financeira, está melhorando; de 1899 a 1900, atuou como assessor da Royal Society of London em psiquiatria e neurologia para a revista Jahrbuch für Psychiatrie und Neurologie  " . Além disso, trabalha intensamente em suas pesquisas e se retrata como um "  conquistador  ". Ele realmente desfruta de uma clientela lucrativa e é reconhecido pela sociedade vienense. Dentro, ele se sente capaz de visitar Roma, na companhia de seu irmão Alexandre. A “  Cidade Eterna  ” “sempre o fascinou” e Freud, por sua fobia de viajar, sempre adiou sua visita à Itália. Em Roma, ele ficou "impressionado" com o Moisés de Michelangelo . Poucos anos depois, em 1914, publicou anonimamente, na revista Imago , um ensaio intitulado Der Moses des Michelangelo  " ("O Moisés de Michelangelo"), no qual opunha as duas figuras, a histórica e a mítica , do libertador do povo judeu, Moisés .

Durante uma visita a Dubrovnik (então Ragusa), Freud supõe que o mecanismo psíquico do deslize é indicativo de um complexo inconsciente. No mesmo ano, dois psiquiatras suíços, Carl Gustav Jung e Ludwig Binswanger, de Zurique , ingressam na nascente psicanálise e, graças à “  escola de Zurique  ”, o movimento é ampliado na Europa e nos Estados Unidos. Anteriormente, em 1901, Eugen Bleuler , com quem Freud iniciou uma correspondência, ficou extremamente impressionado com A interpretação dos sonhos . Ele pediu a seu segundo, Jung, que apresentasse o livro à equipe psiquiátrica de Burghölzi . A Suíça tornou-se assim um grande aliado no desenvolvimento do movimento psicanalítico, a partir de 1900.

Bertha Pappenheim , citada sob o nome de Anna O. em Studies on Hysteria , paciente de Josef Breuer , iniciador da cura pela fala .

De volta a Viena, Freud interrompeu todas as trocas com Fliess em 1902. Em seguida, ele apresentou suas opiniões científicas durante várias conferências, na frente do “  Doktorenkollegium  ” em Viena, então em frente à B'nai B'rith , um círculo de judeus leigos, aos quais ele se juntou em 1897; eles são bem recebidos. No outono de 1902 , por iniciativa de Wilhelm Stekel , Freud reuniu à sua volta um grupo de interessados, que tomou o nome de Psychologische Mittwoch Gesellschaft  " ("  Sociedade Psicológica de Quarta-feira  ") e que, todas as quartas-feiras, discutia a psicanálise. Segundo Ellenberger, a partir dessa data a vida de Freud se confunde com a história do movimento psicanalítico. Na França, seu trabalho foi mencionado no Congresso de Médicos Alienistas e Neurologistas em Grenoble, no mesmo ano.

Em 1901, publicou Psychopathology of Daily Life . Em setembro, ele abordou Eugen Bleuler , de Zurique, e sua correspondência científica aumentou. Os tratamentos empreendidos por Freud com base nessas hipóteses já o haviam levado a descobrir que todos os seus pacientes não sofreram traumas sexuais reais na infância: eles evocam fantasias e contam um “romance de família” em que acreditam. Ao mesmo tempo, ele descobre que alguns pacientes parecem incapazes de ser curados. Eles resistem, em particular, repetindo e transpondo velhos sentimentos para o analista: um mecanismo que Freud chama de "  transferência  " que ele ainda vê, e essencialmente, como um freio à cura.

Freud em setembro de 1909, durante uma série de palestras na Clark University, em Worcester , Massachusetts. Da esquerda para a direita, primeira fila Sigmund Freud, G. Stanley Hall , Carl Gustav Jung; segundo: Abraham A. Brill , Ernest Jones, Sándor Ferenczi.

Em 1909, Freud falou sobre "psicanálise" ( Über Psychoanalysis ) pela primeira vez publicamente nos Estados Unidos , onde foi convidado por Stanley Hall para dar uma série de palestras na Clark University em Worcester , Massachusetts , em companhia. Por Carl Gustav Jung, Ernest Jones e Sándor Ferenczi. Freud e Jung são homenageados com o título de “  LL. D.  ”. Foi nesse ponto que ele designou explicitamente Jung como seu “sucessor e príncipe herdeiro” . Freud então declara que o mérito da invenção da psicanálise vai para Josef Breuer, mas ele especifica posteriormente que considera que o "processo catártico" de Breuer constitui uma fase preliminar à invenção da psicanálise e que ele é o inventor dela a partir da rejeição da hipnose. e a introdução da associação livre .

A instituição psicanalítica (1905-1920)

Insights e publicações

Em 1905, publicou Três Ensaios sobre Teoria Sexual , que reunia suas hipóteses sobre o lugar da sexualidade e seu futuro no desenvolvimento da personalidade. A sexualidade infantil é um aspecto importante da psicanálise. Ele também publica Fragment of an Analysis of Hysteria , que é um relato do caso de Ida Bauer , que ilustra o conceito de transferência psicanalítica.

Segundo Ellenberger, Ilse Bry ou Alfred H. Rifkin, as idéias de Freud foram bem recebidas. Para Ernest Jones e, mais tarde, Jean-Luc Donnet , o oposto é verdadeiro. Donnet especifica que a rejeição violenta da psicanálise por médicos e especialmente por psiquiatras é uma das causas do fato de Freud ter ficado tão encantado com a mobilização de Eugen Bleuler para a psicanálise e, de fato, cabe a Zurique que a psicanálise primeiro obtenha a cidadania na psiquiatria . A França foi imediatamente resistente à psicanálise. Em outros lugares, o sucesso das obras de Freud é importante, mas desigual dependendo do país; é lido, por exemplo, em traduções de 1900, em russo. Também aparecem as primeiras obras dos discípulos de Freud: Otto Rank , de 21 anos , deu-lhe de fato o manuscrito de seu ensaio psicanalítico O Artista Der Künstler  " ).

Em 1906, ele se interessou por La Gradiva , um conto do escritor alemão Wilhelm Jensen , e escreveu um ensaio, The Delirium and Dreams in Jensen's “Gradiva”, no qual aplicou princípios psicanalíticos à criação literária, estudando as ligações entre a psicanálise e arqueologia. No mesmo ano, brigou definitivamente com Wilhelm Fliess, que posteriormente escreveu um panfleto, Por minha causa , no qual acusava Freud de ter roubado suas idéias.

A gratidão

Dentro , O isolamento de Freud cessa definitivamente. O grupo emergente de psicanalistas tenta criar uma coleção intitulada “Escritos de psicologia aplicada” com as edições Deuticke. Freud, diretor da publicação, publica O Delírio e os Sonhos na Gradiva de Wilhelm Jensen . No mesmo ano, escreveu atos obsessivos e exercícios religiosos , nos quais abordou o tema da religião: ali presumiu que havia uma conexão entre uma neurose obsessiva e exercícios religiosos. Em 1908, o pequeno grupo em torno de Freud tornou-se a Sociedade Psicanalítica de Viena e em agosto Karl Abraham fundou a Sociedade Psicanalítica de Berlim. No ano seguinte, a primeira revista psicanalítica publicou seu trabalho; leva o nome de Jahrbuch für psychoanalytische und psychopathologische Forschungen  " , freqüentemente abreviado como Jahrbuch  " , com Bleuler e Freud como diretores e Jung como editor-chefe. Freud inaugura esta resenha com a publicação do caso do Pequeno Hans .

Daniel Paul Schreber  ; Freud, Notas psicanalíticas sobre a autobiografia de um caso de paranóia , 1911.

Em 1910, surgiu o “  Über Psychoanalysis: Fünf Vorlesungen  ” ( Cinco aulas de psicanálise ) ministrado no ano anterior na Clark University , onde Freud expõe “os fundamentos da técnica psicanalítica” . Freud também questiona a natureza da prática psicanalítica em um ensaio, “  Über„ wilde “Psychoanalysis  ” ( Sobre a chamada psicanálise selvagem ou “  análise secular  ”). O ano de 1910 marca um ápice na história da psicanálise e na vida de Freud; no segundo Congresso Internacional de Nuremberg organizado por Jung, nos dias 30 e 31 de março, foi criada a “  Internationale Psychoanalytische Vereinigung  ” ( Associação Psicanalítica Internacional , “API”), do qual o primeiro presidente é Carl Gustav Jung , bem como um segundo jornal, o “  Zentralblatt für Psychoanalyse, Medizinische Monatsschrift für Seelenkunde  ” . O IPA reúne sob o seu guarda-chuva os grupos locais ( Ortsgruppen ), os de Zurique (que é a sua sede), Viena e Berlim; seu objetivo é defender a coesão do movimento psicanalítico. Um paciente de Jung com quem este havia atuado , Sabina Spielrein , o coloca no caminho da teorização da transferência do amor para o analista, bem como da contratransferência (do analista para o paciente) e que Freud integra à sua teoria.

Durante suas férias na Holanda em 1910, Freud analisou o compositor Gustav Mahler , durante um passeio vespertino pela cidade. Freud então viaja para Paris, Roma e Nápoles, acompanhado por Ferenczi. A psicanálise nascente encontrou sua primeira grande oposição: em outubro, respondendo ao apelo de Oppenheim no Congresso de Neurologia de Berlim, médicos alemães em Hamburgo colocaram a prática psicanalítica em sanatórios no índice . O, o primeiro Congresso Internacional de Psicanálise em Salzburg reúne 42 membros . Freud apresenta seu “  Bemerkungen über einen Fall von Zwangsneurose  ” ( Observações sobre um caso de neurose obsessiva ).

Dissensão

Freud publicou “  Eine Kindheitserinnerung des Leonardo da Vinci  ” ( Uma Memória da Infância de Leonardo da Vinci ) em 1910, em que os conceitos de “ narcisismo  ” e “  sublimação  ” aparecem pela primeira vez  . Ele também examina as razões psíquicas da criatividade. No mesmo ano, a psicanálise foi alvo de novas críticas de certos círculos médicos. Além disso, os primeiros cismas dentro dela estão surgindo. A oposição de Freud à teoria de Jung, que em 1914 se tornou “  psicologia analítica  ”, de fato o ocupou naqueles anos. Ainda em 1910, Freud, em um texto intitulado "A perturbação psicogênica da visão na concepção psicanalítica", formula pela primeira vez um dualismo pulsional  : as "pulsões sexuais" se opõem às "pulsões de autopreservação". Esse dualismo prefigura, no contexto de tensões na Europa antes da Primeira Guerra Mundial, a atualização dos impulsos de vida e de morte (ocorrida em 1920).

Em 1911, Freud escreveu um texto conhecido sob o título "  Presidente Schreber  ", mas posteriormente intitulado Psychoanalytische Bemerkungen über einen autobiographisch beschriebenen Fall von Paranoia (Dementia paranoides)  " ( observações psicanalíticas sobre um caso de paranóia (Dementia paranoides) descrito na forma autobiográfica ) . Freud refaz a análise do jurista e político Daniel Paul Schreber . Ele também publicou um breve texto metapsicológico: “  Formulierungen über die zwei Prinzipien des psychischen Geschehens  ” ( Formulações sobre os dois princípios do curso dos eventos psíquicos ) no qual descreve o princípio do prazer e o princípio da realidade .

A direção das revistas e o trabalho teórico da International Association of Psychoanalysis , o dos seminários também, ocuparam Freud nesse período, tanto mais que entre aqueles que trabalharam com ele surgiram rivalidades e também dissensões teóricas que ele luta quando. eles questionam os papéis da sexualidade infantil e do complexo de Édipo, como fazem os de Jung, Adler e Rank. Assim, ele recusa a ênfase na agressividade de Alfred Adler , por considerar que essa introdução vem ao custo de diminuir a importância da sexualidade. Ele também rejeita a hipótese do inconsciente coletivo em detrimento das pulsões do ego e do inconsciente individual, e a não exclusividade das pulsões sexuais na libido proposta por Carl Gustav Jung . Em junho de 1911, Alfred Adler deixou Freud o primeiro a fundar sua própria teoria. No ano seguinte foi a vez de Wilhelm Stekel , enquanto em 1913, em setembro, Freud brigou com Carl Gustav Jung , porém anunciado como seu "golfinho" .

Em 1913 , “  Totem und Tabu  ” ( Totem e Tabu ) permite a Freud apresentar o âmbito social da psicanálise. Secretamente, desde 1912, por ideia de Ernest Jones , Freud reuniu em torno dele um pequeno comitê de fiéis apoiadores ( Karl Abraham , Hanns Sachs , Otto Rank , Sandor Ferenczi , Ernest Jones, Anton von Freund e Max Eitingon ) sob o nome de “  Die Sache  ” ( a“ Causa ” ) até 1929. Cada membro recebe de Freud um entalhe grego de sua coleção particular, que ele usa com um anel de ouro. Após a Primeira Guerra Mundial , em 1924, o movimento psicanalítico freudiano viu a saída de Otto Rank e, em 1929, de Sandor Ferenczi .

O segundo tópico psíquico

Durante a guerra, Freud pouco se exercitou. Em 1916, escreveu seus cursos universitários, reunidos sob o título Vorlesungen zur Einführung in die Psychoanalyse  " ( Curso introdutório à psicanálise , publicado em francês com o título Introdução à psicanálise ). O destino de seus filhos, na testa, o preocupa. A guerra também paralisa a extensão do movimento psicanalítico; na verdade, o Congresso de Dresden , planejado para 1914, não ocorre. Em 1915, começa a escrever uma nova descrição do aparelho psíquico, da qual guarda apenas alguns capítulos. O que ele está preparando é, na verdade, uma nova concepção do tópico psíquico. No mesmo ano, foi indicado ao Prêmio Nobel pelo médico vienense Robert Bárány . Freud publicou “  Trauer und Melancholie  ” ( Luto e Melancolia ) em 1917. Helene Deutsch , Magnus Hirschfeld e então Sigmund Freud mencionaram mulheres combatentes em seus escritos. Em janeiro de 1920, foi nomeado professor titular. A partir de 1920, e enquanto o contexto político e econômico melhorou, Freud publicou por sua vez: “  Jenseits des Lustprinzips  ” ( Beyond the Pleasure Principle , 1920), que introduziu por meio de um novo dualismo pulsional, os impulsos agressivos, necessários para explicar certos intrapsíquicos conflitos e “  Massenpsychologie und Ich-Analysis  ” ( Psychologie des masses et analise du Moi , 1921) que acrescenta à problemática de Le Bon , a relação entre a psique individual e o comportamento coletivo. Freud, nestes anos de guerra, trabalhou uma metapsicologia que lhe permitiu descrever os processos inconscientes a partir de um triplo ângulo, ao mesmo tempo dinâmico (nas relações entre eles), tópico (nas suas funções dentro do psiquismo) e econômico (no seus usos da libido).

Em 1920, Freud desenvolveu o segundo tópico do aparelho psíquico constituído pelo ego , o id e o superego . É sobreposto ao primeiro (inconsciente, pré-consciente, consciente). O desenvolvimento da personalidade e a dinâmica dos conflitos são então interpretados como defesas do ego contra impulsos e afetos, em vez de conflitos de impulsos; os impulsos envolvidos são os da morte. Ambivalência e raiva foram vistas no primeiro tópico como consecutivas à frustração e subordinadas à sexualidade. Freud completa assim sua teoria com um novo dualismo pulsional, composto por dois tipos de pulsões antagônicas: pulsão de vida ( Eros ) e pulsão de morte (que ainda se abstém de chamar de Thanatos ). Mais fundamentais do que as pulsões de vida, as pulsões de morte tendem a reduzir a tensão (retorno ao inorgânico, repetição que alivia a tensão) e só são perceptíveis por sua projeção para fora ( paranóia ), seu enredamento com pulsões libidinais ( sadismo , masoquismo ) ou seu giro. contra o ego ( melancolia ). Freud assim defende uma visão dupla da mente.

Extensão da psicanálise e anos posteriores (1920-1939)

Freud, líder da psicanálise

Durante o conflito mundial , Freud pode medir os efeitos da neurose traumática em seu enteado e ver o impacto dessa patologia em uma família. Ele, portanto, tem conhecimento direto desses distúrbios e conhecimento indireto por meio de discípulos que moram na clínica de Julius Wagner-Jauregg , como Victor Tausk, ou que trabalharam lá durante a guerra, como Helene Deutsch . Em outubro de 1920, o professor de medicina legal, Alexander Löffler, convidou Freud para testemunhar com uma apresentação perante uma comissão forense sobre neuroses de guerra e práticas de cuidado. Ele se opõe a Julius Wagner-Jauregg, que afirma que os pacientes com neurose de guerra são simuladores. Em seguida, a partir de 08 de setembro de 11, está sendo realizada em Haia em 5 th  Congresso do IPA, presidiu por Ernest Jones . Freud intervém lendo Ergänzungen zur Traumlehre  " ( Suplementos à teoria dos sonhos ). Por outro lado, ali é decidida a criação de um comitê secreto, com Jones como coordenador.

A psicanálise está se desenvolvendo particularmente na Grã-Bretanha e na Alemanha. Max Eitingon e Ernst Simmel de fato criaram uma policlínica psicanalítica em Berlim, enquanto Hugh Crichton-Miller fundou a Clínica Tavistock em Londres.

Sigmund em Anna.jpg
Freud e sua filha Anna em 1913.
A familia freud
Mathilde Freud , casada com Robert Hollitscher (1887-1978) sem filhos
Jean-Martin Freud , casado com Esti Drucker (1889-1967) 2 filhos (Walter Freud: 1921-2004 e Sophie Freud: nascido em 1924)
Oliver Freud , casado com Henny Fuchs (1891-1969) 1 criança (Eva Freud: 1924-1944)
Ernst Freud , casado com Lucie Brasch (1892-1970) 3 filhos (Stephen Freud: nascido em 1921, Lucian Freud  : 1922-2011 e Clement Freud: 1924-2009)
Sophie Freud , casada com Max Halberstadt (1893-1920) 2 filhos ( W. Ernest Freud  : 1914-2008 e Heinz Halberstadt: 1918-1923)
Anna freud (1895-1982) sem filhos

A primeira tradução de um texto de Freud na França, Introdução à la psychanalyse , de Samuel Jankélévitch , foi publicada em 1922. O movimento psicanalítico adquiriu uma clínica psicanalítica em Viena, o “Ambulatorium” (centro ambulatorial), dedicado ao tratamento de psicose e dirigido por três alunos de Freud, que participa pouco: Helene Deutsch , Paul Federn e Eduard Hitschmann . Em 1923, Freud soube que tinha câncer de mandíbula, o que o fez sofrer pelo resto da vida. No mesmo ano, ele optou por fazer uma vasectomia para, ele esperava, lutar melhor contra o câncer. Ele escreveu The Me and the Id em uma época em que o movimento psicanalítico alcançou reputação internacional, notadamente na Inglaterra e nos Estados Unidos. Ele pensa em constituir uma edição completa de seus escritos, o “  Gesammelten Schriften  ” .

O congresso de Salzburg em 1924 ocorreu na ausência de Freud. No mesmo ano, Otto Rank deixou o movimento. Na Inglaterra, membros da British Psychoanalytic Society , fundada em 1919 por Ernest Jones, criaram o “  Institute of Psychoanalysis  ” .

No ano seguinte, em 1925, Freud escreveu Inibição, sintoma e angústia , bem como um esboço autobiográfico. O 9 º  Congresso da Associação Internacional será realizado de 2 a 5 de setembro em Bad-Homburg . Anna Freud leu ali o texto de seu pai: “  Einige psychische Folgen des anatomischen Geschlechtsunterschieds  ” ( Algumas consequências psíquicas da diferença entre os sexos no plano anatômico ). Freud não pode mais viajar, por causa de sua doença. Em 1925 conheceu a princesa Maria Bonaparte , sobrinha-neta de Napoleão, a quem levou para análise e que se tornou sua amiga. Mais tarde, ela traduziu a maioria de seus textos na França.

Freud continua sendo o líder da psicanálise, da qual dirige a evolução. Suas reflexões escritas finais são dedicadas ao estudo e fortalecimento da psicanálise em um nível teórico e clínico. Em seu artigo “Psicanálise e Medicina” (1925), ele convida os não praticantes a usar a psicanálise. A esse respeito, ele fala de psicanálise “laica” ou “laica”, ou seja, praticada por analistas que não são médicos. Ele também relembra a evolução de seu pensamento em sua autobiografia. Em 1927, sua filha Anna publicou Einführung in die Technik der Kinderanalyse  " ( Introdução à psicologia infantil , texto lido e aprovado por seu pai).

Nos últimos anos de sua vida, Freud tenta extrapolar os conceitos psicanalíticos para a compreensão da antropologia e da cultura. Sua visão pessimista da espécie humana é exacerbada, especialmente após a dissolução do comitê secreto formado por Ernest Jones , após brigas por herança, ciúmes e rivalidades internas. Ele, portanto, escreveu uma série de textos nessa direção, em particular sobre a religião como uma ilusão ou neurose. Em 1927, publicou “  Die Zukunft einer Illusion  ” ( O Futuro de uma Ilusão ), que trata da religião do ponto de vista psicanalítico e materialista. Em 1930, ele publicou “  Das Unbehagen in der Kultur  ” ( Malaise na civilização ) em que Freud descreve um processo de civilização que é uma reprodução em uma escala maior do processo de evolução psíquica individual.

Últimos trabalhos, exílio e morte

Diagrama por Freud na “  XXXI ª  Conferência” das Conferências New introdutórias à psicanálise (1933), representando o segundo tópico em comparação com o primeiro tópico  : Ich ( me ), Es ( que ), Überich ( superego ); 1 e tópico: W-Bw (Pc - Cs para Percepção - ciente / consciente) e vorbewusst ( pré-consciente → pcs) unbewusst ( inconsciente → ics) verdrängt ( reprimido ).

Não se considerando um escritor, Freud se surpreendeu ao obter o Prêmio Goethe da cidade de Frankfurt em agosto de 1930. Em seguida, voltou no ano seguinte à sua cidade natal, Freiberg, para uma cerimônia em sua homenagem. Em uma carta de 3 de janeiro, o escritor Thomas Mann pede desculpas a Freud por ter dedicado tempo para compreender o interesse da psicanálise. Em 1932 , Freud trabalhou em um livro de síntese apresentando palestras para um público imaginário, Neue Folge der Vorlesungen zur Einführung in die Psychoanalyse  " ( Novas palestras introdutórias à psicanálise ).

Albert Einstein - Sigmund Freud, Warum Krieg (“  Por que a guerra  ”), Paris, 1933.

No mesmo ano, publicou, em colaboração com o físico Albert Einstein , seus pensamentos sobre guerra e civilização, resultantes de sua correspondência, em um ensaio intitulado “  Warum Krieg  ” ( Por que guerra ). Em Viena, Thomas Mann , em 8 de maio de 1936, elogiava e apoiava publicamente Freud (intitulado “  Freud und die Zukunft  ”: “Freud e o futuro”) onde explicava: “Freud faz de seu pensamento um artista, como Schopenhauer; como ele, é um escritor europeu ” , justificando com este discurso a atribuição do Prémio Goethe de Frankfurt ao inventor da psicanálise. Freud e Thomas Mann são amigos desde a publicação do escritor de Freud and Modern Thought ( 1929 ) e Knight Between Death and the Devil ( 1931 ). Sobre a última obra de Freud, “  Der Mann Moses und die monotheistische Religion  ” ( Moses and monotheism , 1936), Jacques Le Rider explica que “inventa uma tradição judaica do liberalismo e do espírito científico” .

Dentro , Obras de Freud foram queimados na Alemanha durante os nazistas ao fogo queimaduras . Ele se recusou a ir para o exílio até março de 1938, quando os alemães entraram em Viena ( Anschluss , 12 de março). A Sociedade Psicanalítica de Viena decide então que todo analista judeu deve deixar o país e que a sede da organização deve ser transferida para onde Freud reside. Este último finalmente decide ir para o exílio quando sua filha Anna é presa em 22 de março, por um dia, pela Gestapo . Graças à intervenção do embaixador americano William C. Bullitt e a um novo resgate pago por Marie Bonaparte , Freud consegue um visto válido para dezesseis pessoas e pode sair de Viena pelo Orient-Express com sua esposa, sua filha Anna e a serva Paula Fichtl , 4 de junho. Ao sair, ele assinou uma declaração afirmando que não havia sido maltratado: “Eu, abaixo assinado, Professor Freud, declaro que desde a anexação da Áustria pelo Reich alemão, tenho sido tratado com todo o respeito e consideração devido à minha reputação como cientista pelas autoridades alemãs e em particular pela Gestapo e que pude viver e trabalhar em plena liberdade; Pude também continuar a desenvolver as minhas actividades da forma que desejava e para o efeito tive todo o apoio das pessoas interessadas, não tenho motivos para apresentar a menor reclamação. " De acordo com seu filho Martin, ele teria acrescentado ironicamente: " Posso recomendar de coração a Gestapo a todos. " . Para Michel Onfray , isso é um “mito” e uma lenda hagiográfica. Para sair da Áustria, Freud também conta com o apoio de Anton Sauerwald, o comissário nazista encarregado de assumir o controle de sua pessoa e de seus bens: ex-aluno de Josef Herzig , professor e amigo de Freud, Sauerwald facilita a saída. seus parentes para Londres, onde ele vai visitá-lo. Freud é às vezes criticado por não ter indicado os nomes de suas irmãs na lista de dezesseis pessoas autorizadas a deixar a Áustria, em particular seu médico, sua família, suas enfermeiras, sua criada. Estas, Rosa, Marie, Adolfina e Paula, já idosas e não se sentindo ameaçadas pela idade, não quiseram partir, mas foram deportadas e morreram em um campo de concentração .

O Freud Museum em Londres hoje
Freud resumindo sua trajetória na BBC em dezembro de 1938, é a única gravação de áudio conhecida com a voz do psicanalista.

A família Freud chegou pela primeira vez a Paris, onde Freud foi recebido por Marie Bonaparte e seu marido, Georges da Grécia , depois Londres , onde foi recebida com todas as honras, em particular pelo embaixador americano William Bullit, que Freud conhecia há alguns anos. , quando os dois homens trabalharam juntos em um estudo sobre o presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson, intitulado Woodrow Wilson: A Psychological Study  " (publicado em 1966 ). Freud e sua família mudam-se para uma casa em 20 Maresfield Gardens, no distrito de Hampstead, em Londres . Ele foi nomeado membro da Royal Society of Medicine . Freud recebe a consulta em casa, incapaz de se mover, debilitado pelo câncer e por trinta e duas operações e tratamentos sucessivos.

Freud morreu em sua casa em Londres em , às 3 da manhã, de carcinoma verrucoso de Ackerman, aos 83 anos . A seu pedido, e com o consentimento de Anna Freud , Max Schur , seu médico pessoal, injetou nele uma grande dose de morfina , possivelmente letal . Ele foi cremado no Cemitério Golders Green e homenagens foram prestadas a ele por Ernest Jones , em nome da International Psychoanalytic Association , e pelo escritor Stefan Zweig , em 26 de setembro. Após a morte de Anna Freud em 1982, a casa de Freud em Maresfield Gardens foi transformada em um museu . Em 2002, uma placa azul foi afixada na fachada do museu.

Seu trabalho: psicanálise

O movimento psicanalítico

Teoria psicanalítica: a "ciência do inconsciente"

A psicanálise - cuja ideia evoluiu desde seu início em 1896 até as últimas apresentações da pena de Freud em 1930 - agrupa três significados segundo Paul-Laurent Assoun , que os retira do artigo de Freud de 1922 Psychanalyse and libido theory . O termo designa antes de tudo um certo método de investigação da psique inconsciente, mas também um método de tratamento ( tratamento psicanalítico ) e, mais geralmente, uma concepção psicológica global que afeta a própria visão do homem. Segundo Lydia Flem , psicanalista e escritora: “Pela tripla via do pessoal, do patológico e do cultural, não é do conhecimento da alma humana que ele [Freud] procura tornar-se o intérprete” . O movimento psicanalítico também representa o corpus de teorias resultante da experiência analítica, participante da conceituação do aparelho psíquico e desenvolvida a partir de Freud. Esta teoria psicanalítica (que se diz ser de orientação psicodinâmica , dentro da disciplina psicológica) baseia-se antes de tudo na pesquisa de Freud e nos principais conceitos que ele criou como os de "  inconsciente  ", de "  transferência  ", "  repetição  " e “  Drive  ”. Do ponto de vista de seu método de abordagem, tendo como objeto o inconsciente, a psicanálise é uma disciplina centrada na observação e não na experimentação; é, portanto, uma "ciência fenomenal" ligada à medicina e à psiquiatria , mas possuindo relativa autonomia em relação a elas.

Desde seus primeiros escritos fundadores, Freud considera que a cientificidade da psicanálise repousa sobre seu objeto: o inconsciente. No entanto, a maioria dos críticos da psicanálise contesta essa qualificação de cientificidade. No entanto, de acordo com Paul-Laurent Assoun , é um conjunto de conhecimentos e pesquisas que atingiu um grau suficiente de unidade e generalidade e, portanto, capaz de fundar "um consenso sobre relações objetivas gradualmente descobertas e confirmadas por métodos de verificações definidas. “A psicanálise é considerada por Freud como uma ciência natural porque se baseia em conceitos fundamentais, incluindo o da pulsão ( Trieb ). Finalmente, a psicanálise rejeita toda metafísica .

Desenvolvimento e influência do movimento psicanalítico

Com sua concepção do inconsciente , Freud permitiu uma compreensão das neuroses e, além, do psiquismo. As obras históricas de Ernest Jones e, mais recentemente, de Henri Ellenberger show, no entanto, que o conceito de "  inconsciente  " antecede Freud, mas especifica que o último é um precursor na sua maneira de teorizar que, em sua primeira topografia. Primeiro , então no segundo . Marcel Gauchet , em The Cerebral Unconscious (1999) evoca a ideia “revolucionária” de Freud, a de um “inconsciente dinâmico” . O movimento psicanalítico desenvolveu-se primeiro em referência a Freud e seus apoiadores próximos, depois em oposição a seus detratores, tanto internos ( Carl Gustav Jung , Alfred Adler e Otto Rank entre os principais) e externos com entre outros Pierre Janet e alguns médicos acadêmicos e / ou psiquiatras. Os métodos de formação dos psicanalistas foram formalizados em particular com seu pilar central: a análise didática foi estabelecida pela primeira vez no Instituto Psicanalítico de Berlim .

Desde 1967, os psicanalistas da “terceira geração” estabeleceram um retorno histórico e epistemológico a esse movimento. No Vocabulário da psicanálise , Jean Laplanche e Jean-Bertrand Pontalis isolam aproximadamente 90 conceitos estritamente freudianos dentro de um vocabulário psicanalítico contemporâneo composto de 430 termos, enquanto Alain de Mijolla traça um panorama cronológico preciso. O trabalho pioneiro de Freud teve impacto em outras disciplinas: na psicologia em primeiro lugar, mas também na nosografia dos transtornos mentais, na psicopatologia , na relação de ajuda , na psiquiatria , na educação , na sociologia , na neurologia e na literatura . Em um nível mais geral, Freud também é considerado por alguns psicanalistas (como Wilhelm Reich ou André Green , Françoise Dolto e Daniel Lagache mais tarde) como aquele que deu a palavra sobre a sexualidade e em particular a sexualidade feminina, temas até então desprezados por muitos médicos.

Os continuadores de Freud

Após a morte de Freud (mas também durante sua vida), várias escolas psicanalíticas mantiveram relações muitas vezes controversas entre si, dependendo dos postulados adotados e das especificidades nacionais. Podem-se distinguir dois tipos de correntes: as ditas “ortodoxas”, próximas do freudianismo, e as que dele se desviam nos seus fundamentos: as correntes “heterodoxas”. Vários pontos teóricos constituirão áreas de divisão. Assim, durante a Segunda Guerra Mundial, a questão da análise de grupo se desenvolveu, com analistas como Wilfred Bion , que desenvolveu sua própria concepção. Além disso, foi na Inglaterra que, a partir de 1942, ocorreram as dissensões teórico-clínicas entre Melanie Klein , Anna Freud e o Grupo dos Independentes , sobre diversos assuntos. A associação psicanalítica internacional reúne psicanalistas freudianos ortodoxos.

Na França, por exemplo, a Sociedade Psicanalítica de Paris retransmite a psicanálise, essencialmente freudiana, kleiniana e winnicottiana de acordo com as orientações dos membros que a compõem. A corrente lacaniana desvia-se dela, porém, até a ruptura nos anos 1950, em particular no que se refere ao axioma lacaniano segundo o qual "o inconsciente se estrutura como uma linguagem" e, especialmente, sobre os métodos de formação de psicanalistas que, para Lacan e sua seguidores, diferem radicalmente daqueles da IPA e das associações afiliadas. Se Lacan estava em oposição ao IPA, ele não deveria ser visto como estando em oposição a Freud: seu "  retorno a Freud  " e esta observação de Jean-Michel Rabaté testemunham : "Assim como Althusser se perguntou como ler Marx em um" sintomático Dessa forma, ao separar o que é autenticamente “marxista” do que é puramente “hegeliano” em seus escritos, Lacan se pergunta onde e como localizar os textos em que Freud se mostra autenticamente “freudiano”. "

Com a imigração de muitos psicanalistas da Europa antes, durante e depois da guerra, a psicanálise ganha muita importância nos Estados Unidos, com a American Psychoanalytic Association ou Self-psychology . Há também psicologia do ego e correntes totalmente autônomas, resultantes de cismas sucessivos: os de Alfred Adler , Otto Rank , Wilhelm Reich e Carl Gustav Jung . Por fim, muitos psicanalistas contemporâneos, como Sándor Ferenczi ou Donald Winnicott, desenvolvem e propagam sua visão de concepções freudianas, como aquelas chamadas de “  nebulosa marginal  ” segundo Paul Bercherie, ou aquelas com um pensamento mais individual como: Juliette Favez-Boutonier , Daniel Lagache , Françoise Dolto , André Green ou Didier Anzieu .

Influência da psicanálise

A psicanálise teve uma influência profunda na maioria das ciências humanas  : na etnologia (com Géza Róheim e etnopsicanálise ), na antropologia e nas ciências jurídicas (com o jurista Pierre Legendre ), no marxismo (pelo Freudo-marxismo e com Herbert Marcuse ) e em ciência política. A filosofia do XX °  século tem sido capaz de alimentar as contribuições da psicanálise de Paul Lawrence Assoun e através de personalidades como Jean-Paul Sartre , Deleuze , Jacques Derrida , Felix Guattari , Rene Girard , Jean-François Lyotard ou Michel de Certeau . O sociólogo Norbert Elias , ao se distanciar do movimento psicanalista , reconhece os avanços de Freud, que propõe, segundo ele, "o modelo mais claro e avançado da pessoa humana" . O filósofo Paul Ricoeur coloca-o ao lado de Karl Marx e Friedrich Nietzsche como um dos três grandes "mestres da suspeita" , daqueles que induziram a dúvida na concepção filosófica clássica do assunto .

O estudo psicanalítico da questão da psicossomática também é importante na medicina com, por exemplo, as contribuições de Franz Alexander e de Michael Balint na Inglaterra: os “  Grupos Balint  ” são liderados por psicanalistas , para médicos e em relação aos práticas deste último, com base em estudos de caso. Na França, Pierre Marty , Michel Fain e Michel de M'Uzan para afecções somáticas, Françoise Dolto para pediatria e Didier Anzieu para grupos são exemplos de aplicações da psicanálise fora do campo do tratamento padrão. Na arte, o surrealismo de André Breton reivindica a psicanálise. A influência também é importante no campo da interpretação artística ou literária. A noção de sublimação e, de forma mais geral, a teoria freudiana na arte, foi retomada por Deleuze e Guattari , René Girard , Jean-François Lyotard , bem como na estética , na história da arte e nos Estudos Culturais .

Principais conceitos freudianos

O inconsciente

Freud introduziu uma nova concepção do inconsciente nas ciências humanas . Por muito tempo, percebeu-se que certos fenômenos escapavam à consciência . Os filósofos Leibniz e Arthur Schopenhauer consideram que há um pano de fundo para a consciência. O poeta alemão Novalis é o primeiro a usar a palavra “inconsciente”, na continuidade das teses pós-românticas de Karl Robert Eduard von Hartmann com sua obra “  Philosophie des Unbewussten  ” ( Filosofia do inconsciente ) em 1869, mas especialmente de Carl Gustav Carus ( Psique  " , 1851 ), este último imaginando um "inconsciente absoluto" e um "inconsciente relativo". A teoria de Freud está diretamente ligada ao seu trabalho. Freud também deve à psicologia experimental e, em particular, à abordagem da histeria . Os fenômenos de embriaguez ou transe realmente dão exemplos da abolição da consciência. Ora, o inconsciente que Freud introduz não é simplesmente aquele que não se relaciona com a consciência, como em von Hartmann. Por "inconsciente", significa, ao mesmo tempo, um certo número de dados, informações, injunções mantidas fora da consciência, mas também inclui todos os processos que impedem certos dados de alcançarem a consciência e permitem que outros os acessem, como refoulement , o princípio de realidade , o princípio do prazer , a pulsão de morte. Assim, Freud considera o inconsciente como a origem da maioria dos próprios fenômenos conscientes, e isso de forma claramente diferenciada de seus antecessores, pois evolui de forma dinâmica.

O inconsciente é a "tese inaugural da psicanálise" graças à obra de Freud. Em Algumas observações sobre o conceito de inconsciente na psicanálise ( 1912 ), o vienense se propõe a descrever a especificidade do conceito. Ele dá uma apresentação hierárquica da noção, que primeiro designa o caráter ou a aptidão de uma representação ou de qualquer elemento psíquico presente na consciência de forma intermitente e que parece não depender dela. Nesse ponto, Freud se refere à teoria do psiquiatra francês Hippolyte Bernheim a respeito da experiência sugestiva e da hipnose . Além disso, a noção agrupa a observação de uma dinâmica específica dessa representação inconsciente, cujo exemplo mais revelador é o fenômeno da histeria . O inconsciente freudiano, portanto, adquire seu qualificador de "psíquico". Um terceiro nível então completa a noção tal como é aceita na psicanálise  : o nível sistêmico pelo qual o inconsciente manifesta as propriedades de um sistema (que Freud designa pela abreviatura Ubw , “Ics” em francês). Os primeiros psicanalistas poderiam falar sobre esse assunto de “  subconsciente  ”, termo rapidamente dispensado por Freud, por ser impreciso para explicar um sistema sui generis existente e, portanto, independente da consciência.

As três instâncias do aparelho psíquico

Em seu primeiro tópico , ou seja, no segundo modelo teórico de representação do funcionamento psíquico proposto em 1920, Freud distingue três instâncias: o inconsciente , o pré - consciente e o consciente . No segundo tópico , o aparelho psíquico inclui o Id, o Ego e o Superego, três instâncias fundadoras adicionais da psicanálise. O Id ( Es ) está presente desde o nascimento; essas são manifestações somáticas. Se o Id é inacessível à consciência, os sintomas da doença psíquica e dos sonhos nos permitem ter um vislumbre dele. O Id obedece ao princípio do prazer e busca satisfação imediata. O ego ( Ich ) é amplamente consciente, é o reflexo do que somos na sociedade; procura evitar as tensões excessivas do mundo exterior e também o sofrimento, graças, em particular, aos mecanismos de defesa ( repressão , regressão , racionalização , sublimação , etc.) encontrados na parte inconsciente desta instância. O ego é a entidade que torna a vida social possível. Segue o princípio da realidade . Embora o Superego ( Über-Ich ) exista desde o nascimento e que, até os cinco anos, a criança que herda a autoridade parental, grupal e social armazene uma série de regras de etiqueta a serem observadas, o Superego se desenvolve principalmente quando o complexo de Édipo está resolvido. Por pressões sociais, ao internalizar as regras morais ou culturais de seus pais e do grupo, a criança, depois o adulto, pratica a repressão . Na verdade, o Superego pune o Ego por seus desvios por meio do remorso e da culpa.

Libido infantil e sexualidade

As pulsões sexuais são concebidas por Freud como uma energia, que ele chama de “libido” (“desejo” em latim). Esses impulsos são suscetíveis a muitas transformações e adaptações, dependendo da personalidade e do ambiente. A libido é de fato essencialmente plástica e sua repressão está na maioria das vezes na origem dos distúrbios psíquicos, enquanto sua sublimação explica as produções culturais, intelectuais e artísticas da humanidade. A doutrina freudiana da libido foi freqüentemente criticada como “ pansexualismo ”   materialista. Constituindo a base da metapsicologia freudiana, o conceito de libido, descrito em Três ensaios sobre teoria sexual (1905/1915/1920), vincula-se ao de pulsão  : “A teoria da libido permite medir a complexidade. a sexualidade humana, cujo caráter bifásico não permite reduzi-la a uma função biológica ” , ainda que se deva considerar a consideração da função de procriação. Na verdade, sua natureza é pré - genital e simbólica, e sua fixação condiciona a formação da neurose .

Freud é o primeiro a desenvolver uma concepção da sexualidade infantil. A ideia de "sexualidade infantil" foi formalizada sobretudo em 1905 na obra Três ensaios sobre teoria sexual , mas decorre de trabalhos anteriores, em particular da teoria da sedução , abandonada em 1897, e pela qual Freud enfatiza. sexualidade infantil por meio de seu aspecto instintivo . Ele descreve a existência de uma oposição radical entre a sexualidade primária e a sexualidade adulta, marcada pelo primado do genital, e a sexualidade infantil , onde os objetivos sexuais são múltiplos e as zonas erógenas numerosas, a tal ponto que Freud é muitas vezes considerado o descobridor da sexualidade da criança. Gradualmente, entre 1913 e 1923, esta tese foi revisada pela introdução da noção de "fases pré-genitais", anteriores ao estabelecimento da fase genital propriamente dita, e que são: a fase oral , a fase anal e a fase fálica. ( Ver acima ). Freud se propõe, assim, a explicar a evolução da criança por meio de personagens instintivos de natureza sexual, que irão evoluir por vários estágios psicoafetivos, para então conduzir à sexualidade genital adulta. Hoje é uma importante base teórica em psicologia clínica ou psiquiatria infantil .

Sonhos

Odilon Redon , Muse sur Pégase , 1900.

Segundo Freud, “a interpretação dos sonhos é o caminho régio que leva ao conhecimento do inconsciente” . Os sonhos são, de fato, no modelo psicanalítico, representações de desejos reprimidos no inconsciente pela censura psíquica (o Superego). Os desejos são, portanto, manifestados no sonho de uma forma menos reprimida do que no estado de vigília. O conteúdo manifesto do sonho é o resultado de um trabalho intrapsíquico que visa mascarar o conteúdo latente , por exemplo, um desejo edipiano. No tratamento psicanalítico, o trabalho é baseado na interpretação da história (conteúdo manifesto) do sonho. As associações do paciente com seu sonho permitem revelar seu conteúdo latente; este "  trabalho dos sonhos  " ( Traumarbeit ) é baseado em quatro processos fundamentais. Em primeiro lugar, o sonho se condensa , como se obedecesse a um princípio de economia psíquica, ou seja, uma única representação concentra várias idéias, várias imagens, às vezes até desejos contraditórios. Em segundo lugar, o sonho está descentrado e o desejo deformado é fixado em outro objeto que não aquele a que se destina, ou em múltiplos objetos a ponto de se espalharem, o que constitui "um deslocamento do acento emocional" . Além disso, o sonho é uma ilustração (ou "figurabilidade") do desejo no sentido de que não o expressa nem em palavras nem em ações, mas em imagens; o símbolo onírico segundo a psicanálise é, portanto, uma "representação substitutiva do objeto e da meta do desejo (...) típica e de uso universal" . Finalmente, o sonho também é o produto de uma atividade inconsciente, mas muito próxima da atividade vigilante, na medida em que se esforça para dar-lhe uma aparência de plausibilidade, organização, lógica interna (esta é a "  elaboração secundária  ").

No nível epistemológico, o gesto de Freud consiste em reintroduzir a produção de sonhos na psicologia. Rompe com a ideia romântica de um sonho que contém uma chave ou um segredo e só a obra do sonho explica sua natureza: a produção ao mesmo tempo complexa e imanente da psique que se assemelha a um rébus . Essa teoria dos sonhos ( Traumlehre ) é, segundo Freud, o que a psicanálise foi capaz de elevar: a princípio uma terapia simples poderia ter se tornado, segundo ele, uma metapsicologia geral. A ciência dos sonhos em psicanálise é a base de todo o resto de seu edifício teórico: "O sonho assume seu significado paradoxal na medida em que mostra o inconsciente em ação em qualquer sujeito e que, como um protótipo normal, lança luz sobre isso outro. formação de gêmeos que é o sintoma neurótico ” .

Impulsos e repressão

“Conceito fundamental da metapsicologia” freudiana, a pulsão ( Trieb ) responde a uma definição polissêmica. A excitação psíquica, fronteira de conceito entre o psíquico e o somático, é definida por um empurrão ( Drang ), um objetivo ( Ziel ), um objeto ( Objekt ) e uma fonte ( Quelle ). Ela condiciona a representação tanto quanto o afeto . Os impulsos têm sua origem em uma excitação corporal e, com isso, estão próximos do instinto . Ao contrário de um estímulo, o impulso não pode ser evitado ou foge e pede para ser descarregado no consciente. Segundo Freud, existem três maneiras de descarregar uma pulsão: pelo sonho , pela fantasia e pela sublimação . Freud primeiro distingue dois grupos de impulsos: os do ego (ou autopreservação) e os impulsos sexuais. Posteriormente, e em seus escritos posteriores, ele distinguiu dois outros tipos principais de impulsos: o instinto de vida (o “Eros”) e o instinto de morte (o “Thanatos”). Eros representa amor, desejo e relacionamento, enquanto Thanatos representa a morte, impulsos destrutivos e agressivos. Thanatos tende a destruir tudo o que Eros constrói (a perpetuação da espécie, por exemplo). O masoquismo é um exemplo típico.

A descarga ( Verdrängung ) "pedra angular" da psicanálise, é também o conceito mais antigo da teoria freudiana. Já em 1896, Freud de fato identificou um mecanismo de defesa primário, que ele então comparou à censura e que estrutura a priori o ego e, em geral, a psique. A repressão é tanto a recusa de um impulso quanto a ação psíquica de manter essa lacuna. Fronteira entre o consciente e o inconsciente, a “cláusula de censura” também atesta que o inconsciente é sim “trabalho” e processo, e não apenas um princípio.

O complexo de Édipo

“O complexo de Édipo é sem dúvida a palavra mais famosa do vocabulário psicanalítico, aquela que mais certamente serve para designar o freudianismo” . Freud teoriza o complexo de Édipo em seu primeiro tópico . Isso é definido como o desejo inconsciente de fazer sexo com o pai do sexo oposto (isso é incesto ) e o desejo de eliminar o pai rival do mesmo sexo ( parricídio ). Assim, o fato de um menino se apaixonar por sua mãe e desejar matar seu pai responde ao imperativo do complexo de Édipo. Está na carta para Wilhelm Fliess deque Freud evoca o complexo pela primeira vez, mas foi já em 1912 e 1913 que “o Édipo” entrou completamente no pensamento clínico de Freud. Este último se empenha em estudar sua universalidade, no livro Totem et Tabou . Freud avança a seguinte tese: a da "vocação civilizadora do complexo" , resumida por Roger Perron: "em tempos muito antigos os humanos eram organizados em uma horda primitiva dominada por um grande homem despótico que monopolizava as mulheres e as mantinha afastadas. Filho, mesmo ao custo da castração. "

Para ele, a estrutura da personalidade é criada em relação ao complexo de Édipo e sua relação com a função paterna ( imago do pai). O complexo de Édipo ocorre durante o estágio fálico. Esse período termina com a associação entre a busca do prazer e uma pessoa externa, a mãe. O pai se torna o rival do filho; o último tem medo de ser punido em conseqüência de seu desejo pela mãe pela castração . A criança, portanto, reprime seus desejos, o que alimenta seu Superego durante seu desenvolvimento, com o nascimento nele de sentimentos de culpa e modéstia, entre outros, e através do complexo de castração . O complexo seria, portanto, transmitido de geração em geração e com ele o sentimento de culpa associado. Freud sempre procurou vincular esses conceitos, e em particular o do complexo de Édipo, a uma teoria geral da filogenia (da história da humanidade como espécie).

Os cinco estágios do desenvolvimento psicoemocional

Segundo Freud, conforme descreve em seu ensaio “A organização genital infantil” ( “  Die infantile Genitalorporation  ” , 1923 ), a elaboração do complexo de Édipo representa uma etapa constitutiva do desenvolvimento psíquico infantil. O desejo pela mãe, de fato, origina-se desde os primeiros dias de vida e afeta todo o seu desenvolvimento psíquico (psicogênese). A mãe é, por um lado, a “nutridora” e, por outro, aquela que proporciona o prazer sensual, através do contato com o seio e dos cuidados com o corpo. A criança, seja menina ou menino, faz deles, portanto, o primeiro objeto de amor que permanece decisivo para toda a sua vida amorosa. Essa relação objetal é assim investida de sexualidade e se desdobra em cinco "fases" libidinais que também encontram sua origem na constituição por parte da criança da cena primitiva . A noção de "fase" ou "estágio" não deve ser tomada no sentido literal. Sinaliza a primazia de uma determinada zona erógena , mas não implica que o processo ocorra de maneira mecânica e linear. O complexo de Édipo, portanto, se desdobra nessas fases de acordo com suas próprias propriedades que se enredam para constituir um agregado de pulsões que, para os freudianos, encontra seu ápice por volta dos 5 anos de idade . Freud chegou a esse modelo estudando o chamado caso do “  pequeno Hans  ” em 1909.

Fase oral Estágio anal
(+ oral)
Estágio fálico
(+ oral, + anal)
Período de latência
(+ oral, + anal, + fálico)
Estágio genital
Até 18 meses De 18 meses a 3 anos De 3 a 7 anos
Situação edipiana
De 7 a 8 anos Adolescência

A "  fase oral  " constitui a organização psíquica do primeiro elo. O alimento que passa pela boca é, de fato, a primeira fonte de sensualidade. O prazer produzido pelas zonas erógenas é sustentado por esse elo vital e depois se afasta dele, por exemplo, durante as preliminares sexuais de adultos. Diferenciamos a "fase oral da sucção" da "fase oral da mordida" que inaugura uma manifestação de agressividade baseada na ambivalência inerente à relação objetal. Para os kleinianos , o complexo de Édipo já se manifesta nessa fase oral e seu declínio ocorre com o advento da posição depressiva . Já a "  fase anal  ", que varia de 1 a 3 anos , está ligada ao prazer de controlar as próprias vias de excreção. A “  fase fálica  ” (ou “genital infantil”), por volta dos 3 aos 6 anos , está ligada à masturbação . Ele experimenta o surgimento e, em seguida, o conflito edipiano em sua fase mais aguda. A "fase de latência", então, estende-se dos 6 anos à pré-adolescência, e corresponde ao declínio do complexo de Édipo pela repressão das pulsões sexuais postas a serviço do conhecimento (ou "epistemofilia") que se estende até a adolescência. e que é habilitado pelo processo de sublimação . Essa "latência" é bastante relativa e pode variar de acordo com os indivíduos, as circunstâncias e os tempos de desenvolvimento.

A cura psicanalítica

Ética e o quadro terapêutico

Divan icônico psicanalista Freud ( Freud Museum em Londres )

Tratamento psicanalítico, comumente conhecido como “  psicanálise  ” ou mesmo “cura típica”, designa a prática psicoterapêutica desenvolvida por Sigmund Freud então por seus sucessores e inspirada na “ cura pela  fala  ” de Josef Breuer . A prática da psicanálise foi gradualmente diferenciada por Freud desta última, bem como daquela da hipnose . O tratamento psicanalítico se aplica mais amplamente a toda uma série de tratamentos mais ou menos derivados da psicanálise, a ponto de Jean Bergeret fazer de seu uso com certos psicanalistas um abuso da linguagem. Perto do fim da vida, o próprio Freud volta à eficácia do tratamento, lembrando que a psicanálise é antes de tudo conhecimento. De natureza transferencial, baseia-se em associações livres e parte do estudo do sintoma (do qual a neurose é a manifestação geral) para chegar à sua fonte, a pulsão reprimida. Esse conteúdo censurado deve chegar à consciência do paciente, que constitui o seu tratamento.

A psicoterapia psicanalítica está implementando todos os conceitos destacados por Freud, em particular os de "  associação livre  " e de neutralidade (o analista deve permitir que as ideias espontâneas do paciente se expressem, deve ouvir sem dizer nada - muito menos fazer - que não perturbe as associações do analisando) e “  atenção flutuante  ” (a atenção do analista não deve se concentrar em um ou outro elemento da fala do analisando, mas permanecer atenta aos elementos inconscientes que possam surgir). Além disso, o arcabouço ético da análise se baseia na sinceridade do paciente e também no compromisso do psicanalista com a neutralidade e a benevolência. O único objetivo da análise é, portanto, por meio do trabalho do paciente e do trabalho interpretativo do psicanalista , suprimir a repressão que cria a repetição; mas o analisando só pode tomar consciência da repressão se, anteriormente, a resistência que a mantém foi suprimida.

Os cinco casos fundadores

Sergei Pankejeff , conhecido como "The Wolf Man", e sua esposa, em 1910.

Freud faz sua primeira análise com Dora, cujo nome verdadeiro é Ida Bauer , que alimenta fantasias sexuais incapacitantes em dois sonhos. Mas, por causa da transferência que ocorre em sua pessoa, Freud não consegue curar Dora. Ele só reconhece mais tarde, em um pós-escrito, que não percebeu que era o objeto transferível de seu paciente apaixonado. O caso Dora foi descrito de dezembro de 1900 a janeiro de 1901, mas Freud só publicou seu Fragmento de uma análise da histeria quatro anos depois.

Freud então acolhe em análise Ernst Lanzer , apelidado de "o homem rato". Essa cura forneceu-lhe material clínico, principalmente no estudo da neurose obsessiva . O paciente mantém a culpa após a punição paterna por se masturbar , tornando-o neurótico. Um terceiro caso fundador da prática psicanalítica é o de Herbert Graf , apelidado de "Pequeno Hans". Este último, entretanto, não foi analisado por Freud. A criança sofre de fobia de cavalo, associada a uma fixação psicoafetiva ao nível do complexo de Édipo . Ao compreender esse padrão psíquico, Herbert fica curado de suas fantasias. Um quarto caso é famoso na literatura psicanalítica: o de Sergei Pankejeff , conhecido como "o homem com lobos". Finalmente, com Daniel Paul Schreber ("Presidente Schreber"), Freud examina os delírios psicóticos e paranóicos presentes em Memoires d'un névropathe du magistrat.

Controvérsias e debates

A questão da homossexualidade

Freud gradualmente desiste de fazer da homossexualidade uma disposição biológica ou um resultado cultural, mas sim a assimila a uma escolha psíquica inconsciente. Em 1905 , em Três ensaios sobre teoria sexual , falava de “inversão”, mas em 1910 , em Un souvenir d'enfance de Léonard de Vinci , desistiu desse termo para escolher o de “homossexualidade”. Em carta datada de 1919 à mãe de um jovem paciente, Freud explica: “a homossexualidade não é uma vantagem, mas também não é algo para se envergonhar, também não é. Não é um defeito, nem uma degradação, nem pode deve ser classificado como uma doença. “ Porém, em toda a obra de Freud, existem várias teorias e questionamentos sobre o nascimento da homossexualidade no assunto: a homossexualidade adulta se apresenta ora imatura por bloquear a libido na fase anal , ora como uma retirada narcísica ou mesmo como uma identificação com a mãe. Freud de fato afirmou certa vez que a homossexualidade resulta de uma "interrupção do desenvolvimento sexual". " Então ele finalmente concluiu que a homossexualidade é uma escolha de objeto inconsciente.

Segundo Freud, a homossexualidade não é objeto de tratamento analítico. Só a culpa que o acompanha pode dar origem a uma neurose . Finalmente, em uma nota de 1915 para os Três Ensaios sobre Teoria Sexual , ele também explica que “a pesquisa psicanalítica se opõe de maneira decidida à tentativa de separar os homossexuais de outros seres humanos como um grupo particularizado. [...] Ela aprende que todos os seres humanos são capazes de uma escolha de objeto homossexual e que de fato fizeram essa escolha no inconsciente. “ “ Nem Freud, nem seus discípulos, nem seus herdeiros fizeram da homossexualidade um conceito ou um conceito exclusivo da psicanálise ”, conclui Elisabeth Roudinesco , embora a questão tenha dividido os psicanalistas. No entanto, uma distinção deve ser feita entre a homossexualidade psíquica em todos os seres humanos e a homossexualidade ativa. Segundo o crítico Didier Eribon , os psicanalistas compartilham um "inconsciente homofóbico", enquanto para Daniel Borrillo , Freud e alguns psicanalistas (como Jacques Lacan ) fazem o trabalho da homofobia classificando a homossexualidade entre as "inversões". No entanto, não se deve esquecer que Freud saiu dessa classificação.

Cultura e natureza

Charles Darwin cujas teorias Freud admirava.

Para Freud, cultura ( Kultur ) designa o conjunto de instituições que distanciam o indivíduo do estado animal. A natureza, portanto, corresponde às emoções, instintos , impulsos e necessidades. O ser humano está constantemente lutando contra sua natureza instintiva e seus impulsos, que tenta conter para viver em sociedade, sem os quais o egoísmo universal traria o caos. No entanto, Freud opera uma confusão constante em seus escritos entre civilização de um lado e cultura do outro. Quanto mais alto o nível da sociedade, maiores são os sacrifícios de seus indivíduos. Ao impor acima de tudo a frustração sexual, a civilização tem um efeito direto na gênese das neuroses individuais. O texto de 1929, Malaise dans la civilization , apóia a tese de que a cultura é a principal causa da neurose e da disfunção psíquica. Pelas regras claras que lhe impõe, a cultura protege o indivíduo, mesmo que requeira renúncias instintivas consequentes. Essas restrições podem explicar por que existe uma raiva e rejeição - muitas vezes inconscientes - em relação à cultura. Em troca, a cultura oferece uma compensação pelas restrições e sacrifícios que impõe, por meio do consumo, do entretenimento, do patriotismo ou da religião.

No ensaio "Une dificuldade de la psychanalyse" publicado em 1917, e em suas palestras introdutórias à psicanálise, escritas durante a Primeira Guerra Mundial , Freud explica que a humanidade, ao longo de sua história, já sofreu "dois grandes vexames infligidos pela ciência a seu auto-estima . A primeira, explica ele, data do momento em que Nicolau Copérnico estabeleceu que "nossa Terra não é o centro do universo, mas uma minúscula parte de um sistema do mundo dificilmente representável em sua imensidão" . A segunda, segundo ele, ocorre quando a biologia moderna - e Darwin em primeiro lugar - "devolveu o homem aos seus descendentes do reino animal e ao caráter indelével de sua natureza bestial" . Ele acrescenta: "O terceiro aborrecimento, e a mais amarga, megalomania humana deve passar por isso a partir da pesquisa psicológica de hoje, que quer provar ao ego que ele nem mesmo é dono de sua própria casa., Mas que está reduzido a informações parcimoniosas sobre o que se joga inconscientemente em sua vida psíquica ” . Segundo Freud, é a “renúncia progressiva aos impulsos constitucionais” que permite ao homem evoluir culturalmente.

Religião

Dizendo-se “incrédulo”, Freud é crítico da religião. Ateu convicto, acredita que o ser humano perde mais do que ganha com a fuga que ela lhe propõe. Segundo ele, a humanidade deve aceitar que a religião é apenas uma ilusão para sair de seu estado de infantilismo , e ele relaciona esse fenômeno à criança que deve resolver seu complexo de Édipo  : "essas idéias [religiosas], que professam ser dogmas, não são o resíduo da experiência ou o resultado final da reflexão: são ilusões, a realização dos desejos mais antigos, fortes e urgentes da humanidade; o segredo de sua força é a força desses desejos. Já sabemos: a terrível impressão de sofrimento infantil despertou a necessidade de ser protegida - protegida por ser amada - uma necessidade que o pai satisfazia ” . Em seu primeiro escrito sobre religião , Atos obsessivos e exercícios religiosos , publicado em 1907, ele explica que o cerimonial litúrgico envolve necessariamente “atos obsessivos”. Ele fala, portanto, de “cerimonial neurótico” . Segundo ele, “a repressão, a renúncia a certos impulsos instintivos também parece ser a base da formação da religião” . Quanto ao vínculo que a prática psicanalítica mantém com a religião, e em uma carta ao Pastor Pfister de, Freud diz que “em si mesma, a psicanálise não é mais religiosa do que irreligiosa. É um instrumento sem festas, que podem ser utilizados por religiosos e leigos, desde que apenas a serviço dos sofredores ” .

Freud e filogenia

Apoiando-se nas teses de Charles Darwin , em 1912, em Totem e tabu , Freud explica que a origem da humanidade está baseada na fantasia de uma "horda primitiva" em que o assassinato primitivo do pai ocorre como ato fundador da empresa . Os homens viviam em hordas gregárias, sob o domínio de um homem todo-poderoso, que se apropriava das mulheres do grupo e excluía os demais homens. Este último então comete o assassinato do “Pai primitivo”, um parricídio que então explica o tabu do incesto como elemento constitutivo das sociedades. Em Malaise dans la civilization , Freud divide a evolução da humanidade em três fases: uma fase animista caracterizada pelo narcisismo primário e totemismo primeiro, depois uma fase religiosa marcada pela neurose coletiva e finalmente uma fase científica em que predomina a sublimação . Essa concepção de herança filogenética foi criticada por antropólogos, historiadores e invalidada pela biologia . Segundo Plon e Roudinesco, para Freud trata-se apenas de "hipóteses que ele considera tantas" fantasias "" .

Freud em face do anti-semitismo

O anti-semitismo não pesa um igualmente durante a vida de Freud, e de acordo com as mudanças políticas de Áustria e Alemanha no início do XX °  século. O sentimento anti-semita teve um papel decisivo no final de sua vida, quando teve que fugir da Áustria em face da ameaça nazista . Antes da Primeira Guerra Mundial, como assinala Yerushalmi , “gostaria de frisar que sua consciência do fenômeno precedeu seu ingresso na Universidade de Viena, ou o fim do Burgerminister liberal e a ascensão do anti-semitismo político”. A partir de 1917, a censura de artigos anti-semitas nos jornais tornou-se menos rígida e tornou-se comum ver judeus tratados como “aproveitadores de guerra”. Foi em 1918 que o anti-semitismo atingiu seu auge, os judeus se tornando explicitamente os bodes expiatórios de todos os infortúnios que sobrevieram à Áustria. Em 1933, as obras de Freud foram queimadas pelos nazistas, que viram nelas uma “ciência judaica” (para usar a fórmula do Partido Nazista) contrária ao “espírito alemão”: “Na Alemanha de 1933, depois de haver queimou as obras de Freud, ficou evidente que o regime liderado pelos nazistas, que acabavam de obter o poder, não deixava espaço para a psicanálise. “ Com a anexação da Áustria pela Alemanha, muitos psicanalistas tiveram que interromper sua prática ou emigrar quando não foram mortos ou enviados para campos de concentração por serem judeus. A segregação desenvolveu-se pela primeira vez na Hungria, especialmente sob o regime de Miklós Horthy . Então, se espalhou para a Alemanha já na década de 1920 e para a Áustria. A partir de então, a maioria dos que sobreviveram emigrou para os Estados Unidos (bem como para o Reino Unido, França, América do Sul, Max Eitingon entretanto foi para o exílio na Palestina ).

Henri Ellenberger fez um estudo aprofundado da situação dos judeus em toda a região e afirma que Freud exagerou o impacto do anti-semitismo em sua não nomeação para um cargo acadêmico de professor extraordinário. Ele argumenta sua tese de maneira documentada. Outros historiadores consideram que Ellenberger minimizou o fenômeno em Viena, que elegeu Karl Lueger, abertamente anti-semita, prefeito em 1897. O pai de Freud fora vítima de um ato anti-semita, que ele contou ao filho. Desde o início, a psicanálise freudiana foi acusada de ser uma "ciência judaica". Martin Staemmler escreve, em um texto de 1933: “A psicanálise freudiana constitui um exemplo típico da desarmonia interna da vida da alma entre judeus e alemães. [...] E quando formos ainda mais longe e trouxermos para a esfera sexual todos os movimentos da mente e todas as condutas impróprias da criança [...], quando [...] o ser humano n 'é nada mais que um órgão sexual em torno do qual o corpo vegeta, então devemos ter a coragem de recusar essas interpretações da alma alemã e dizer àqueles senhores da comitiva de Freud que eles não devem apenas fazer seus experimentos psicológicos em material humano que pertence à sua raça ” . Pois Lydia Flem , Freud e Theodor Herzl , cada um a seu modo, respondem à crise da identidade judaica, o primeiro imaginando um tema psíquico, o segundo sonhando com um país geográfico para o povo judeu.

Sobre Judaísmo e Sionismo

Élisabeth Roudinesco , em artigo de 2004 em que estuda uma “carta inédita de Freud sobre o sionismo e a questão dos lugares sagrados”, evoca a posição de Freud que se recusa, nesta carta, a apoiar publicamente a causa sionista na Palestina e na acesso dos judeus ao Muro das Lamentações, conforme solicitado em 1930 por Chaim Koffler, um membro vienense do Keren Ha Yesod . Ela lembra neste artigo que o "judaísmo" de Freud, que ele "nunca negou", era uma "identidade de um judeu sem Deus, de um judeu vienense assimilado - e da cultura alemã" . Esta carta, considerada desfavorável à causa sionista, não foi tornada pública e permaneceu inédita, embora, como nos lembra Elisabeth Roudinesco, Freud teve "muitas vezes a oportunidade de expressar sobre o sionismo, a Palestina e os lugares sagrados uma opinião idêntica à que se dirigiu ao Keren Ha Yesod ” . No mesmo dia, ele também enviou uma carta a Albert Einstein, na qual desenvolveu as mesmas ideias de “empatia com relação ao sionismo” de que “jamais compartilharia o ideal” e de “desconfiança do sionismo”. ' a criação de um estado judeu na Palestina ' .

Pesquisa de cocaína

A descoberta do alcalóide da planta da coca é contemporânea da pesquisa de Freud, que busca utilizá-lo para a cura psíquica. Em 1884, os laboratórios da Merck confiaram a Freud a tarefa de realizar experimentos com a substância. Antes de criar a psicanálise, Freud estudou esse produto e achou que poderia lhe dar todo tipo de indicação médica - especialmente no tratamento da neurastenia. Freud trabalhou nas propriedades anestésicas da cocaína com dois colegas, Carl Köller e Leopold Königstein, já em 1884. No entanto, ele não teve tempo de testar seu poder narcótico e teve que deixar Viena. Seus colegas continuaram os experimentos, especialmente no contexto da cirurgia ocular, e acabaram apresentando sua descoberta à Sociedade Médica de Viena sem mencionar o papel pioneiro de Freud.

Freud também consumia cocaína ocasionalmente. Na época, essa substância recente não era proibida, o consumo de vários produtos da cocaína era comum (a Coca-Cola continha até 1903) e parecia para alguns médicos americanos uma panacéia. Freud a usou entre 1884 e 1887 e até escreveu um texto sobre essa droga: “  Über Coca  ” . Ele também o prescreveu para aplicação nasal até 1895, quando iniciou sua autoanálise. Em um artigo de 1886, o D r Albrecht Erlenmeyer adverte a comunidade médica em termos específicos, chamando a cocaína "terceiro flagelo da humanidade" . Diante de críticas crescentes, o D r Johann Schnitzler, em artigo na revista Internationale Klinische Rundschau de 1887, defende Freud, acusado de ter difundido o recurso. Este último escreveu um último artigo sobre a cocaína em 1887 e afirma que é o sujeito que está predisposto e não a droga que causa o vício . Ele então desiste completamente de seu estudo após sugerir a seu amigo Ernest von Fleischl-Marxrow que o use para curar seu vício em morfina . Freud esperava curar seu vício com cocaína. No entanto, Fleischl von Marxow torna-se viciado em cocaína, depois reverte para morfina e morre prematuramente aos 45 anos , deixando Freud com um forte sentimento de culpa. Não sendo ele próprio dependente, Freud não conhecia o fenômeno da adicção ou os casos relatados na literatura médica contemporânea.

Freud e o marxismo

Clotilde Leguil observa que Freud, em Le malaise dans la civilization, compara o efeito da religião na psique com o dos narcóticos. Freud situa sua tese na linhagem daquela de Marx que poderia afirmar não só que é o “ópio do povo” , mas também que “a religião é apenas o sol ilusório que gira em torno do homem enquanto o homem não gira em torno de si mesmo. ” .

Avaliações

Dissidência e cismas na psicanálise

As principais disputas levaram, durante o desenvolvimento do movimento psicanalítico, a grandes cisões, primeiro a de Alfred Adler (que então fundou a psicologia individual ), depois a de Carl Gustav Jung, iniciador da psicologia analítica . Os pontos de divergência teórica são numerosos, ligados à libido, ao complexo de Édipo ou mesmo à importância da sexualidade no psiquismo. Essas controvérsias começam nos anos 1907 e 1911. Chamados de "apóstatas" por Freud, Adler, o primeiro, depois Jung, então se opõem à concepção da libido como essencialmente de origem sexual e que eles vêem mais como um "impulso de vida" em o sentido amplo. Freud teme acima de tudo que os dissidentes sequestrem a teoria e a prática psicanalíticas. Paul-Laurent Assoun sublinha, de fato, que ambos dizem querer colocar a psicanálise na direção certa e salvá-la do culto da personalidade formado em torno de Freud. A competição entre as várias escolas, principalmente entre o círculo vienense e a escola de Jung de Zurique, foi o golpe mais duro para o jovem movimento psicanalítico, e este a partir de 1913, com a deserção de Jung. As outras divergências internas dizem respeito, por exemplo, à precocidade do Superego descrita por Melanie Klein ou Donald Winnicott , com quem, ao se libertar da herança freudiana integrando suas contribuições, inicia o pós-freudianismo. A oposição com Wilhelm Reich relaciona-se essencialmente com diferenças fundamentais relativas à prática do tratamento psicanalítico, em particular no que diz respeito à regra de abstinência.

Sobre Freud e as Guerras Freud

Por muito tempo, a maioria das obras sobre Freud referia-se quase exclusivamente à biografia de Ernest Jones , criticada por seus aspectos hagiográficos . Após os estudos críticos de Pierre Janet , Karl Popper , seguiu uma nova pesquisa histórica iniciada por Henri Ellenberger , seguida por outros autores mais críticos, como os de Mikkel Borch-Jacobsen ou Jacques Van Rillaer ou Jacques Bénesteau.

Uma coleção muito grande de escritos originais e cartas freudianas pode ser encontrada na Coleção Sigmund Freud da Biblioteca do Congresso em Washington .

Em Freud em seu tempo

Contemporâneos de Freud, como Karl Kraus e Egon Friedell , fizeram várias críticas; Kraus rejeita a interpretação sexual psicanalítica na literatura, enquanto Friedell chama a psicanálise uma “pseudo-religião judaica” e uma “seita”.

Paul Roazen publica um estudo sobre as complexas relações entre Freud, Victor Tausk e Helene Deutsch . Tausk pedira uma análise a Freud, que a recusara, antes de enviá-la a Deutsch. Este último estava então ele mesmo em análise com Freud. Esta situação é discutida por Roazen, que também a relaciona com as outras causas do suicídio de Tausk. Existem muitos outros críticos credenciados por documentos históricos .

Freud Wars nos Estados Unidos

Segundo Samuel Lézé, as Guerras de Freud , que ele observa como um "enigma local" , são uma expressão comum na Imprensa dos Estados Unidos entre 1993 e 1995: trata-se de uma "série de polêmicas" das quais, curiosamente, a objeto "focado principalmente na personalidade de Freud  " , enquanto ainda, especifica Lézé, a psicanálise "não tem estado no banco do motorista da psiquiatria americana" desde pelo menos meados da década de 1980 e as faculdades de psicologia não estiveram lá. 'Ensine mais. Um remake aconteceu na França dez anos depois, entre 2005 e 2010, por ocasião do Livro Negro da Psicanálise e especialmente do Crepúsculo de um ídolo. A afirmação freudiana de Michel Onfray . Segundo Samuel Lézé, o que está em jogo nessa “guerra dos analistas” na mídia e nos ensaios críticos franceses é de fato político: “uma nova geração de profissionais de saúde mental pretende ocupar o lugar da geração mais velha formada no rebanho da psicanálise em início dos anos 1980 ” .

Em uma resenha da obra de Lézé, Yannis Gansel afirma que “nos Estados Unidos, onde a influência religiosa e a construção da jurisdição médica sobre“ problemas pessoais ”contêm a psicanálise na esfera clínica, c ele é um“ Freud científico ”que os críticos apontar "para . Segundo Gansel, Lézé descreve em seu livro "o" debate imóvel "e a infindável" cerimônia de degradação "operada pelos antifreudianos" . O movimento antifreudiano opera de fato sob dois aspectos: o de uma crítica racional (um debate) e o de uma denúncia moral correspondente a uma degradação. Para Yannis Gansel, a originalidade do livro consiste em “mostrar em que medida a crítica depende do ícone que pretende enterrar” .

Críticas teóricas

Na França, a crítica teórica é representada por uma obra coletiva e multidisciplinar, Le Livre noir de la psychanalyse (2005), conjunto de artigos publicados sob a direção de Catherine Meyer, e que reflete várias décadas de crítica a Freud. Muitos dos pontos críticos são discutidos, desde a natureza científica da psicanálise até a personalidade de Freud, incluindo contradições, a suspeita de fabricação de casos psicopatológicos e falsas curas. Com base em estudos epidemiológicos, segundo esses autores, destaca-se a baixa eficácia terapêutica do método psicanalítico em relação a outras técnicas psicoterapêuticas, como as terapias cognitivo-comportamentais . Este livro despertou reações em vários círculos psiquiátricos, terapêuticos e psicanalíticos, relançando assim conflitos de interesse subjacentes. Em resposta a essas críticas, a psicanalista Élisabeth Roudinesco editou um livro chamado Pourquoi tant de haine : anatomia do Livro Negro da Psicanálise (2005). Outros psicanalistas e psiquiatras criticaram o livro.

Frank Sulloway , por sua vez, em Freud biologiste de esprit (1979), desenvolveu a tese segundo a qual Freud elaborou um modelo "criptobiológico" para ocultar suas teorias biológicas reconhecidas como já obsoletas em sua época por alguns de seus partidários, como Ernst Kris , para apresentar a psicanálise como uma teoria revolucionária e original. Jacques Lacan , por sua vez, acredita que a obra de Freud deve ser entendida do ponto de vista da linguagem e não da biologia, afirmando em particular que "o inconsciente se estrutura como uma linguagem".

O ensaísta francês Michel Onfray publicou em abril de 2010 Le Crépuscule d'une idole: the Freudian affabulation , em que notavelmente reprova Freud por ter generalizado seu caso pessoal, por ter sido um médico medíocre, por ter desenvolvido a teoria psicanalítica sem seguir um científico. abordagem, por se basear em suas observações e nas curas obtidas, com o único propósito de garantir seu sucesso pessoal e financeiro, e de ter fundado a comunidade psicanalítica em princípios quase sectários. Ele também destaca que Freud assinou uma dedicatória a Benito Mussolini e que escreveu O Homem, Moisés e o Monoteísmo Ascendente do Nazismo e do Anti-semitismo. O interessado retoma as críticas ao freudianismo conhecidas e desenvolvidas antes dele, a partir de uma grade interpretativa de inspiração nietzschiana. Em novembro de 2010, publicou Apostille au Twilight: for a Non-Freudian Psychoanalysis , em que propôs um modelo psicológico que nos permite “ir além” da psicanálise freudiana.

O trabalho de Lionel Naccache sobre eventos de priming semântico inconsciente demonstrou a existência de um inconsciente cognitivo que não pode ser equiparado ao inconsciente freudiano. A teoria freudiana do sonho centrada na satisfação alucinatória do desejo oculto graças aos mecanismos de deslocamento, condensação e dramatização também tem sido criticada, tanto na função atribuída aos sonhos quanto em seu processo. Segundo o psicólogo, sociólogo e ensaísta G. William Domhoff e o psicólogo cognitivo David Foulkes, a ideia de que a associação livre permite o acesso ao conteúdo latente do sonho é invalidada por trabalhos da psicologia experimental que concluíram que ele é arbitrário. método.

Segundo o neurocientista Winson, em 1985, a associação livre de Freud é um método válido que permite o acesso a conteúdos latentes. O neuropsiquiatra Allan Hobson criticou o trabalho de Domhoff criticando-o por ignorar os mecanismos neurobiológicos que investiga e Drew Westen  (em) observa que Foulkes compartilha pontos de vista com a teoria de Freud, especialmente que há um conteúdo latente e um conteúdo manifesto que é a sua transformação, e que essa transformação faz parte de uma linguagem a ser decifrada. Segundo o neurologista Bernard Lechevalier , há compatibilidade entre a concepção psicanalítica de sonho e as neurociências . O pesquisador de neurociência e ganhador do Prêmio Nobel Eric Kandel fez algumas críticas à psicanálise, mas admite que ela “ainda representa a concepção de mente mais coerente e intelectualmente satisfatória”.

Críticos religiosos e políticos

Em 1952, Papa Pio XII deu um discurso para os participantes do V ° Congresso Internacional de psicoterapia e Clinical Psychology que reconhecido psicanálise, mas relativizado o poder descritivo dos seus conceitos. Assim, se a psicanálise descreve o que acontece na alma, ela não pode pretender descrever e explicar o que é a alma para tudo isso.

Antes da Revolução de 1917 , a Rússia era o país onde Freud mais foi traduzido. Após a tomada do poder pelos bolcheviques, houve conexões entre o pensamento de Freud e o de Karl Marx . Porém, posteriormente, “quando Trotsky , que era muito favorável à psicanálise, foi condenado ao exílio em 1927, a psicanálise foi associada ao trotskismo e oficialmente banida”, explica Eli Zaretsky . Em 1949, Guy Leclerc publicou em L'Humanité o artigo "Psicanálise, ideologia da baixa polícia e espionagem", no qual considera a psicanálise uma ciência burguesa destinada a escravizar multidões. Portanto, depois de ter aceitado sua importância com o Freudo-marxismo , o Partido Comunista Francês começa sua campanha contra a psicanálise e, mais amplamente, contra a psicanálise na França .

Críticas epistemológicas

Parte da crítica de Freud e da psicanálise diz respeito à questão de sua cientificidade. Ludwig Wittgenstein , por exemplo, disse: “Freud prestou um péssimo serviço com suas fantásticas pseudo-explicações. Qualquer burro agora tem essas imagens em mãos para explicar, graças a elas, fenômenos patológicos. “ O filósofo Michel Haar ( Introdução à psicanálise. Análise crítica , 1973) e os cognitivistas Marc Jeannerod e Nicolas Georgieff traçam o panorama dessas críticas que assumem a epistemologia . Os críticos de Freud, em seu tempo e hoje, às vezes questionam a cientificidade de sua abordagem, sua metodologia (em particular o pequeno número de casos, ou a interpretação literária), seu aspecto altamente especulativo também, sua inconsistência. Teórica, a ausência de validação experimental ou estudos clínicos rigorosos (controlados e reproduzíveis), manipulação de dados e resultados clínicos e terapêuticos.

Em The Psychoanalysis on the Test (1992), Adolf Grünbaum explica que Freud não demonstra nada no nível científico: “o caráter retrospectivo do teste específico para o quadro psicanalítico é incapaz de autenticar com segurança até mesmo a existência. Da experiência infantil retroduzida (...), e menos ainda o seu papel patogênico. " Embora crítico da psicanálise, Grünbaum se opõe a outro crítico da obra de Freud: Karl Popper. Este explica que: "As" observações clínicas ", ingenuamente consideradas pelos psicanalistas como confirmações de sua teoria, não são mais convincentes do que as confirmações diárias que os astrólogos encontram em sua prática. Quanto ao épico freudiano do Ego, do Superego e do Id, ele não pode reivindicar mais seriamente um status científico do que as histórias que Homero colecionou no Olimpo. Essas teorias descrevem certos fatos, mas como mitos. Eles contêm algumas das declarações psicológicas mais interessantes que não podem ser verificadas. " O teste de sua falseabilidade (a"  falseabilidade  "em outras palavras) ocupa a maior parte do debate. Ao contrário de Popper, que considera a psicanálise irrefutável e, portanto, pseudocientífica, Grünbaum pensa que certas afirmações psicanalíticas podem ser testadas, como a ligação suposta por Freud entre paranóia e repressão da homossexualidade (se a segunda foi de fato a causa necessária, a primeira, menos homofóbica as sociedades devem experimentar uma prevalência mais baixa de paranóia).

Segundo Vannina Micheli-Rechtman, os críticos de Grünbaum e Popper não levam suficientemente em conta a epistemologia específica da psicanálise. Assim, a psicanálise é antes de tudo "uma prática de comunicação e uma prática de cuidado", segundo Daniel Widlöcher , que lembra esta frase de Lacan "" a psicanálise é uma ciência das ações humanas da mesma forma que um certo número de ciências da humanidade. seres. ações ". Ou seja, é uma prática de ações (fazemos algo com outra pessoa) e disso deduzimos generalidades que desenvolveremos como modelos. A psicanálise constrói modelos descritivos da mesma forma que a economia ou outras ciências sociais, como a etnologia. No entanto, adota a mesma racionalidade que a racionalidade científica, como mostrado, por exemplo, por Jean-Michel Vappereau . Mas onde as ciências experimentais evacuam a subjetividade para alcançar a objetividade, a psicanálise se apega ao que é adequado para estruturar a subjetividade, por meio de um objeto (o inconsciente) e um protocolo (o "divã") que usa são limpos e perfeitamente racionais.

Cronograma rápido

  • 1856: nascimento em Freiberg na Morávia, atual República Tcheca.
  • 1860: a família Freud instala-se em Viena.
  • 1881: Freud obtém seu diploma de médico na Universidade de Viena.
  • 1883: Freud estuda o caso “Anna O”. trazido à sua atenção por Josef Breuer.
  • 1885: Freud permanece ao serviço de Jean-Martin Charcot na Salpêtrière.
  • 1886: Freud se estabelece como médico em Viena e se casa com Martha Bernays.
  • 1895: Freud começa sua auto-análise e descobre Édipo.
  • 1896: primeiro uso do termo "psicanálise".
  • 1899: publicação de The Interpretation of Dreams .
  • 1905: publicação de Três ensaios sobre teoria sexual .
  • 1908: Freud e seus discípulos fundam a Sociedade Psicanalítica de Viena.
  • 1920: Freud desenvolve o segundo tópico do aparelho psíquico.
  • 1938: após a anexação da Áustria pelos nazistas, Sigmund Freud vai para o exílio na Inglaterra.
  • 1939: Freud morre aos 83 anos , em Maresfield Gardens, Hampstead, Londres.

Trabalho

Traduções

Em francês, as primeiras traduções foram para artigos e, em particular, de Henri Hoesli para a Revue française de psychanalyse . Traduções de livros, às vezes coleções de artigos, são publicadas por muitas editoras: Payot, Gallimard , PUF, Alcan. Anne Berman foi, por exemplo, a tradutora de várias obras de Freud, Anna Freud e Ernest Jones. A University Press of France publicou de 1988 a 2019 as Obras Completas de Freud / Psicanálise sob a direção científica de Jean Laplanche . Essa tradução foi objeto de polêmica, pelo que Laplanche define como "uma exigência de fidelidade ao texto alemão" , mas que seus oponentes veem como um exercício formalista, composto por neologismos que dificultam a compreensão. O volume Translate Freud (1989) tenta explicar e justificar os princípios a que se refere este grande empreendimento de uma nova tradução das Obras Completas de Freud na França.

Em alemão, dezessete volumes foram publicados entre 1942 e 1952, intitulados Gesammelte Werke . Em inglês, vinte e quatro volumes apareceram entre 1953 e 1974 sob o título Standard Edition . Em 2010, a situação das traduções de obras mudou radicalmente à medida que os escritos de Freud entraram no domínio público .

Listas cronológicas de textos freudianos (escolha)

Os escritos de Freud traduzidos para o francês, apresentados a seguir com o primeiro ano de publicação em alemão entre parênteses, podem ser listados de acordo com várias fontes bibliográficas localizadas em obras sobre Freud, incluindo por exemplo a bibliografia elaborada por Élisabeth Roudinesco e aquela elaborada por Jean- Michel Quinodoz . Com as novas traduções PUF das Obras Completas de Freud / Psicanálise - OCF.P (1988-2019), os escritos psicanalíticos de Sigmund Freud estão agora disponíveis em francês na íntegra: o Índice Geral ( vol.  21) inclui um "completo" Bibliografia de Freud "dos escritos de Freud traduzidos nos vinte volumes anteriores do OCF.P onde são classificados na ordem cronológica de sua escrita em alemão e suas primeiras publicações.

Escritos do período pré-analítico

O período pré-analítico inclui os escritos de Freud que datam de sua formação médica e de seus primeiros trabalhos.

  • “Escritos sobre a cocaína” (1884), “Contribuição para o conhecimento dos efeitos da coca” (1885), agrupados com outros artigos e correspondência sobre o mesmo assunto em De la cocaine ( tradução  do alemão), Bruxelas, Complex Editions ,, 95  p. ( ISBN  2-914388-76-4 ). Traduzido de volta para Um pouco de cocaína para soltar minha língua , Max Milo Éditions, 2005 ( ISBN  978-2870270004 )
  • Contribution to the Design of Afhasia  : A Critical Study (1891), Puf, 1996 ( ISBN  2130415474 )
  • "Charcot" (1893) em Resultados, ideias, problemas , Paris, Puf, 1984

Escritos do período da cura catártica

O primeiro tópico

O segundo tópico

Correspondência

  • Sigmund Freud, Karl Abraham, correspondência completa: 1907-1925 , Paris, Gallimard, coll. "Conhecimento do inconsciente", 2006 ( ISBN  2-07-074251-2 )
  • Cartões postais, notas e cartas de Sigmund Freud para Paul Federn (1905-1938) , traduzidos do alemão por Benjamin Lévy, com a colaboração de C. Woerle para a transcrição, Introdução do Grupo de Trabalho Paul Federn (F. Houssier, D. Bonnichon , A. Blanc e X. Vlachopoulou), Les éditions d'Ithaque, 2018, ( ISBN  978-2-916120-87-4 )
  • Sigmund Freud, Sándor Ferenczi, Paris, Calmann-Lévy:
    • Correspondência 1908-1914 , t.  1 , 1996 ( ISBN  2702120857 )
    • Correspondência 1914-1919 , t.  2 , 1997.
    • Correspondência. 1920-1933 Os anos dolorosos , t.  3 , 2000 ( ISBN  2702131050 )
  • Sigmund Freud, Ernest Jones, Correspondência completa, 1908-1939 , Paris, PUF, 1998, col. "History of psychoanalysis", ( ISBN  2-13-048636-3 )
  • Sigmund Freud, Oskar Pfister, Correspondence with Pasteur Pfister, 1909-1939 , Gallimard, 1966, Paris, Gallimard, 1991, coll. "Tel", ( ISBN  2-07-072293-7 ) .
  • Lou Andreas-Salomé, Correspondência com Sigmund Freud: 1912-1936 , Paris, Gallimard, 1970 ( ISBN  2-07-027003-3 ) .
  • Sigmund Freud, Carl-Gustav Jung, Correspondance 1906-1914 , Paris, Gallimard, 1992 ( ISBN  2-07-072159-0 ) .
  • Sigmund Freud, Ludwig Binswanger, Correspondance, 1908-1938 , Paris, Calmann-Lévy, 1995 ( ISBN  2-7021-2374-0 ) .
  • Sigmund Freud, Stefan Zweig, Correspondance , Paris, Rivages, 1991, col. “Petite Bibliothèque Rivages” n o  166 de 2013 ( ISBN  9782743624583 ) .
  • Sigmund Freud e Romain Rolland, correspondência 1923-1936 , Paris, PUF, 1993 ( ISBN  2-13-044746-5 )
  • Cartas para Fliess ,
  • (en) Sigmund Freud, Eduard Silberstein , Walter Boehlich (ed.) ( trad.  AJ Pomerans), The Letters of Sigmund Freud to Eduard Silberstein, 1871-1881 , Harvard University Press ,, 244  p. ( ISBN  978-0-674-52827-7 , leia online ).
  • Cartas de família de Freud e o Freud de Manchester , Paris, PUF, 1996, ( ISBN  2-13-047119-6 ) .
  • “Correspondência não publicada com Ernst Simmel 1918”, Psychoanalysis at the University , 1983, ( ISSN  0338-2397 ) .
  • Stéphane Michaud (dir.), Correspondances de Freud , Paris, Presse Sorbonne nouvelle, 2007 ( ISBN  2-87854-407-2 ) .
  • Sigmund Freud, Max Eitingon, Correspondance 1906-1939 , Paris, Hachette, 2009, ( ISBN  2-01-235749-0 ) .
  • Sigmund Freud, Letters to his children , Paris, Aubier, 2012.
  • Sigmund Freud e Minna Bernays, Correspondance 1882-1938 , Paris, Le Seuil, 2015.
  • Sigmund Freud e Eugen Bleuler, Letters 1904-1937 , Gallimard, coll. “Conhecimento do inconsciente”, 2016. ( ISBN  2070101312 )

Nas artes

Teatro

  • São Sigmund reze por nós , Anne Marie Despas, Théâtre de Nesle, dirigido por Thibaud de Montjoye.
  • Vienne 1913 , Alain Didier-Weill (2006) é uma peça que narra o improvável encontro entre Freud e Adolf Hitler .

Cinema e Web

Literatura

Astronomia

Freud Museus

Notas e referências

Fontes usadas

Obras de Sigmund Freud

  • Sigmund Freud ( trad.  Samuel Jankélévitch), Contribuições para a história do movimento psicanalítico em Cinco lições sobre psicanálise , Payot , col.  "Pequena biblioteca Payot",( ISBN  2-228-88126-0 )
  1. O processo catártico de Breuer constitui uma fase preliminar da psicanálise. Freud acrescenta que rejeita definitivamente a hipnose pelo método da associação livre, p.  70
  2. p.  24: "Muitas vezes proclamei com gratidão os grandes méritos que a escola psiquiátrica de Zurique adquiriu, e mais particularmente Bleuler e Jung, por sua contribuição para a divulgação da psicanálise" .
  3. Freud explica que trabalhou para desenvolver a psicanálise sozinho durante dez anos, uma solidão que não terminou realmente até 1904, p.  69
  4. "Não acredito mais na minha neurótica  " , carta de 21 de setembro de 1897, em Sigmund Freud ( traduzido  do inglês), Cartas a Wilhelm Fliess, 1887-1904 , Paris, Presses Universitaires de France ,, 763  p. ( ISBN  2-13-054995-0 , leia online ) , p.  334.
  5. Sigmund Freud, “Resistance and Repression” , em Introdução à psicanálise , Payot, col.  "Pequena biblioteca",( 1 st  ed. 1904) ( ISBN  2228894052 ).
  6. "Ainda estamos nos perguntando por que, em análise, é a transferência que se opõe ao tratamento com a resistência mais forte" , em Sigmund Freud, "A técnica de transferência" , em Technique psychoanalytique , Presses universitaire de France, col.  "Textos do Quadriga Grands",( 1 st  ed. 1912) ( ISBN  2130563147 ).
  7. p.  101-102.
  8. “Eu havia julgado necessário adotar a forma de associação oficial, a fim de evitar abusos que pudessem ser cometidos em nome da psicanálise, uma vez que ela se popularizasse” , p.  119
  1. Este diagrama de Freud se encontra na “  XXXI a  Lição. A decomposição da personalidade psíquica ”do Novo conjunto de lições introdutórias em psicanálise , 1933 ( OCF.P , XIX, p.  161 ). A nota de rodapé OCF.P especifica que este diagrama é orientado verticalmente e que, em O ego e o id , o diagrama análogo não menciona o superego ( OCF.P , XVI, p.  269 ).
  • Outras obras de Freud citadas
  1. Falando de sua autobiografia, Freud confirma esse vínculo entre sua vida e a psicanálise: “Minha apresentação de mim mesmo mostra como a psicanálise se torna o conteúdo de minha vida, e então se conforma a esse princípio justificado de que nada do que acontece pessoalmente não merece interesse. a respeito das minhas relações com a ciência ” , in Sigmund Freud apresentado por ele mesmo , Gallimard, 1991, p.  121-122 .
  2. Über Coca  " , em Centralblatt für die Gesamte Therapie  " , tomo II , 1884, p.  289-314.
  3. Carta para Wilhelm Fliess de, “Eu preciso de muita cocaína. "
  4. Über den Ursprung des Nervus acusticus  " , em Monatsschrift für Ohrenheilkunde  " , Neue Folge, XX, 1886, p.  245-282.
  5. Über Hypnose und Suggestion  " , em Internationale Klinische Rundschau  " , VI, 1892, p.  814-818.
  6. "A hereditariedade e a etiologia das neuroses", em La Revue neurologique III , retomado em Neurosis, psychosis and perversion , PUF, 1973.
  7. Carta para Wilhelm Fliess deintitulado “O abandono da neurótica  ”, em Cartas a Wilhelm Fliess: 1887-1904 , Presses Universitaires de France, col. Psicanálise Biblioteca de 2007 e em Sigmund Freud, o nascimento da psicanálise , 7 ª edição, Presses Universitaires de France, Paris, 1996, p.  197 .
  8. Carta a Jung de 16 de abril de 1909, em Correspondance S. Freud-CG Jung , Taurus, 1978.
  9. Sigmund Freud, Introdução à psicanálise , Payot , col.  "Little Payot Library",, p.  414.
  10. "Notas psicanalíticas sobre a autobiografia de um caso de paranóia: presidente Schreber", 1911.
  11. Sigmund Freud, Correspondence de Freud 1873-1939 , Paris, Gallimard ,, p.  461-462.
  12. Sigmund Freud, Correspondence de Freud 1873-1939 , Paris, Gallimard ,, p.  461.
  13. Sigmund Freud, Correspondência , Paris, Gallimard ,, p.  461-462.
  14. Sigmund Freud, Três ensaios sobre teoria sexual , Gallimard ,, p.  44.
  15. Texto retomado em Introdução à psicanálise , Payot, col. "Little Library" 1975 II ª parte, capítulo 18, p.  266-267.
  16. Sigmund Freud, O Futuro de uma Ilusão , Presses Universitaires de France ,, p.  23.
  17. Antologia de textos de Sigmund Freud, prefácio de Charles Melman e Jean-Louis Chassaing, Um pouco de cocaína para soltar minha língua , Max Milo Éditions, 2005, col. “Essays and Papers” ( ISBN  2-914388-76-4 ) .

Livros de referência

  1. “Em reação à morte de seu pai (...) Freud empreende um intenso trabalho de escavação em seu passado, tenta trazer de volta à luz de sua memória os fragmentos reprimidos de sua infância” , p.  46 .
  2. "O medo de um acidente ferroviário o perseguiu por toda a vida" , p.  27
  3. Paralelamente, surge um texto do historiador da literatura Walter Muschg, escritor freudiano , que saúda "a pena de um mestre" , p.  140
  4. p.  141
  5. p.  96
  6. p.  15
  7. As representações de Freud sobre o sistema psíquico usam analogias recorrentes, como as que se referem à arqueologia ou à casa, p.  36-37 e 48.
  8. Freud também envia a Herzl uma cópia de The Interpretation of Dreams , p.  98-101.
  1. p.  44
  2. Para uma rápida visão geral das biografias das cinco irmãs de Freud, veja p.  47 .
  3. O poema de Goethe, ao contrário, teria contribuído para sua escolha pela medicina, p.  58 .
  4. p.  64
  5. p.  74
  6. p.  58
  7. Origem e condição do seu encontro, p.  150
  8. "nenhum outro homem jamais teve tanta influência sobre mim", observa Freud, p.  80 .
  9. De 1887 a 1904, os dois homens trocaram mais de 300 cartas; aqueles de Fliess a Freud foram perdidos, p.  38
  10. p.  83
  11. Freud foi influenciado, notadamente em seus Três Ensaios sobre Teoria Sexual de 1905, pela concepção bissexual de Fliess, p.  39 .
  12. Freud atribui a autoria do método catártico a JosefBreuer, p.  92
  13. Freud retém da hipnose apenas a posição do paciente, deitado e escondido da vista do analista, p.  90-97 .
  14. p.  94
  15. p.  76 .
  16. p.  110
  17. Consiste, nota René Major e Chantal Talagrand, de uma análise de seus próprios sonhos e memórias de infância, p.  46. ​​Essa auto-análise está na origem das “objetividades propriamente analíticas” da psicanálise, que Freud descobre estabelecendo relações e analogias entre suas memórias e fantasias e a literatura mundial, p.  51 .
  18. Freud teve um medo profundo desde muito cedo: o de morrer antes de sua mãe, p.  45
  19. Sobre as origens de sua fobia de viagens, veja p.  116
  20. Ele só pode ir para Roma após a morte de seu pai, p.  107
  21. p.  117
  22. p.  121
  23. p.  180
  24. p.  102-104.
  25. “O pesquisador rigoroso e meticuloso teve que estar acoplado a um político sábio e dono de si mesmo” , p.  120
  26. p.  226.
  27. Com esse trabalho, ele estabelece uma "antropologia psicanalítica" , em reação ao estudo do simbolismo do mundo de CG Jung , p.  234.
  28. p.  186.
  29. A maioria dos psicanalistas é realmente enviada para a frente, p.  229.
  30. Vários manuscritos que atestam seu trabalho na descrição de uma metapsicologia foram perdidos, p.  237.
  31. A concepção de impulsos parciais é composta por pares de opostos, p.  145. De acordo com Ernest Jones  : “Muitos dos que estudaram Freud ficaram impressionados com o que se poderia chamar de seu dualismo insistente. Se fosse filósofo, certamente não teria sido monista , nem teria compartilhado o universo pluralista de William James  ” , p.  146
  32. Anna Freud é a única filha de Freud que foi psicanalista ao lado do pai; ela contribuiu para o desenvolvimento da psicanálise na Inglaterra ao fundar uma escola que rivalizava com a de Melanie Klein , p.  72-74.
  33. p.  57
  34. p.  34
  35. p.  193 e 279-280.
  36. p.  197-200.
  37. p.  199
  38. p.  200-203.
  39. p.  204-206.
  40. p.  207-210.
  41. p.  377-379.
  1. Duas bolsas de estudo, totalizando 180 Gulden, foram concedidas a ele pelo Departamento de Educação em 1875 e 1876 para que ele pudesse estudar enguias de rio machos. Suas dissecações confirmam a existência de testículos na enguia macho. Suas obras foram publicadas em 1877 na Academia de Ciências de Viena, p.  655.
  2. Alain de Mijolla explica que seu trabalho se relaciona mais especificamente com as fibras nervosas posteriores do petromizon , p.  655.
  3. p.  656.
  4. Depois desse revés, Freud abandonou suas pesquisas sobre a cocaína, mas continuou a usá-la, principalmente para aumentar sua capacidade de trabalho e superar sua timidez, p.  656.
  5. Esta estada em Paris teria começado em e teria terminado em , p.  656 .
  6. É um verdadeiro "diálogo de surdos" entre os dois homens, no sentido de que Fliess interpreta mal as intenções de Freud enquanto este superestima a compreensão de suas teses por seu correspondente, p.  656.
  7. "Depois de ter usado a sugestão hipnótica por um tempo, Freud conclui que ela não é muito eficaz" , p.  656.
  8. O sucesso editorial deste trabalho é, porém, fraco: Freud vende apenas 420 cópias em seis anos, p.  657.
  9. p.  657.
  10. p.  659.
  11. p.  660.
  12. p.  1363
  13. Roger Perron, na entrada “Complexo de Édipo” especifica que essas fases são mais prontamente chamadas de “organizações” pelos sucessores de Freud, p.  335
  14. Entrada "Civilização ( Kulture )", p.  309.
  15. Entrada "Civilização ( Kulture )", p.  310.
  16. Entrada "Civilização ( Kulture )", p.  310-311.
  17. No artigo de Panos Aloupis "  Lesão narcisista  ", é antes de mais nada o ataque narcisista ao indivíduo como resultado de traumas que podem afetar a integridade do Ego ou do Ego p.  215
  18. p.  661.
  1. p.  443 .
  2. p.  444 .
  3. p.  438 .
  4. p.  445 .
  5. p.  437 .
  6. p.  448 .
  7. p.  449 .
  8. p.  450 .
  9. p.  451.
  10. p.  453.
  11. p.  454.
  12. p.  455.
  13. p.  456.
  14. "A relação de Freud com Charcot é mais uma espécie de 'encontro' existencial do que uma relação clássica entre discípulo e mestre" , p.  456-457 .
  15. A Sociedade de Médicos de Viena (ou Kaiserliche Gesellschaft der Aertzte zu Wien  " ) é uma das sociedades médicas mais famosas da Europa, p.  458
  16. Para um relato completo e detalhado, consulte a pág.  459-462.
  17. "Freud parecia levar os neurologistas da Sociedade para pessoas ignorantes" , p.  463.
  18. p.  464.
  19. Segundo Ellenberger, seu encontro com Wilhelm Fliess é um dos quatro eventos fundadores da psicanálise, p.  467. Sua primeira carta a Fliess data de. Diz respeito ao diagnóstico de um paciente.
  20. p.  466.
  21. p.  468.
  22. p.  467.
  23. p.  473.
  24. "A publicação de A Interpretação do Sonho marca o fim de sua neurose" , p.  469.
  25. p.  470.
  26. p.  479.
  27. p.  480
  28. p.  481.
  1. p.  36
  2. p.  43
  3. p.  49.
  4. p.  54
  5. A autonomia da psicanálise encontra-se sobretudo na questão da supermedicalização e na percepção do que é o sintoma , p.  61-62.
  6. Assoun apresenta três teses epistemológicas principais que constituem a psicanálise, p.  64
  7. p.  67
  8. "Dizer que a psicanálise é de fato uma ciência é, portanto, significar a contrario que ela rejeita um modo metafísico de pensar" , p.  36
  9. Esta é uma verdadeira "genealogia das inovações pós-freudianas" , p.  643.
  10. p.  86
  11. p.  88-89.
  12. "O termo" subconsciente "é, portanto, na melhor das hipóteses vago (...) na pior, falsificador: porque a psicanálise rejeita radicalmente a ideia de uma segunda consciência que dobraria a outra" , p.  90
  13. p.  377-380.
  14. A concepção da libido freudiana é “evolutiva”; permite a Freud começar descrevendo as perversões , p.  270
  15. p.  277-278.
  16. Ver pág.  130-131 para a origem da passagem, em Freud, da teoria da sedução à da libido.
  17. p.  285.
  18. “(...) a expressão simbólica constitui de certa forma a própria lógica do sonho que permite apreender sua analogia com outras formações inconscientes” , p.  148-149.
  19. p.  148
  20. p.  149.
  21. Resumo das definições da noção de "pulsão", p.  389.
  22. p.  391.
  23. A introdução da pulsão de morte, acima de tudo, é semelhante a um "terremoto final" na estrutura psicanalítica de Freud, p.  437-444.
  24. p.  396.
  25. p.  407.
  26. p.  410
  27. p.  217.
  28. p.  239.
  29. p.  464.
  30. p.  463.
  31. "Basicamente, esta regra dupla introduz um determinismo estrito e uma liberdade radical de expressão e escuta" , p.  469-470.
  32. p.  479.
  33. p.  248-249.
  34. p.  708
  35. "Assim, desde o início da década de 1920, Freud dedicou boa parte de seus textos a reagir a esse movimento de evolução interna" , p.  706 .

Outras fontes usadas

  1. Pronúncia em francês da França transcrita de acordo com o padrão API . Fonte: Jean-Marie Pierret , Fonética histórica do francês e noções de fonética geral , Peeters, Louvain-la-Neuve, 1994, p.  103
  2. pronúncia em alto alemão ( alemão padrão ) transcrita de acordo com o padrão API .
  3. S. Freud (1910), Cinco lições sobre psicanálise , Paris, Payot, 1965, p.  34-35 .
  4. Maïté Klahr e Claudie Millot, "Cinco lições sobre psicanálise" , em Alain de Mijolla (ed.), Dictionnaire international de la psychanalyse , Paris, Hachette,( ISBN  201279145X ) , p.  326-327.
  5. E. Jones, A vida e obra de Sigmund Freud, PUF, Paris, 1958, p.  270
  6. Sigmund Freud, Introdução à psicanálise [1916-1917], Payot, Paris, 1961, p.  366
  7. Roudinesco, 2014 , p.  10
  8. É criticada por seus aspectos hagiográficos e questionada a partir de 1970 e a obra de Henri Ellenberger Roudinesco, 2014 , p.  10
  9. Stefan Zweig descreve Freud assim: “Não se poderia imaginar um ser mais intrépido de espírito. Freud constantemente ousava expressar o que pensava, mesmo quando sabia que se preocupava e se perturbava com suas afirmações claras e inexoráveis; ele nunca procurou tornar sua posição menos difícil pela mais leve concessão, mesmo puramente de forma. Estou convencido de que Freud poderia ter exposto quatro quintos de suas teorias sem encontrar resistência da universidade, se ele estivesse pronto para vesti-las com cautela, para dizer “erótico” em vez de “sexualidade”, “Eros”. ”Em vez de“ libido ”, e nem sempre para ir ao fundo das coisas, mas se limitam a sugeri-las. Mas quando se tratava de seu ensino e da verdade, ele permaneceu intransigente; quanto mais firme a resistência, mais se fortalece em sua resolução ” , citado em Roudinesco e Plon, 2006 , p.  369.
  10. [revisão] Thierry Bokanowski, “  Freud, uma vida de Peter Gay  ”, Revue française de psychanalyse , vol.  57, n o  1,, p.  251-258 ( ler online , acessado em 16 de janeiro de 2021 ).
  11. Henri Ellenberger, História da descoberta do inconsciente , Fayard ,( 1 st  ed. 1970), p.  587 :
  12. Devido à presença no registro de nascimento da cidade de Freiberg da data de, relatado pela primeira vez por E. Jones em 1953 em A vida e obra de Sigmund Freud e qualificado por ele como um "erro" , W. Granoff em Filiações: o futuro do complexo de Édipo (1975) e M Balmary em O homem com o Estátuas: Freud e a falha oculta do pai (1979) lançam dúvidas sobre a data de nascimento comumente aceita de Freud. No entanto, para E. Roudinesco , H. Ellenberger , A. de Mijolla e D. Anzieu , a data de 6 de maio é atestada, em particular por Renée Gicklhorn em seu artigo "  O período Freiberg da família Freud  " publicado no Journal of a História da Medicina e Ciências Afins, 02/1969, 24 (1), p.  37-43, [1] .
  13. Jacob Freud  (en)
  14. Ernst Freud, Lucie Freud, Ilse Grubrich-Simitis e KR Eissler (2006) , p.  12
  15. (em) G. Fichtner, Freud e a família Hammerschlag: uma relação formativa  " , International Journal of Psychoanalytics , vol.  5, n o  91,, p.  1137-56 ( PMID  20955249 , DOI  10.1111 / j.1745-8315.2010.00321.x , apresentação online ).
  16. Roudinesco e Plon, 2006 , p.  369.
  17. Max Kohn, Freud e Yiddish: The Preanalytic (1877-1897) , Paris, MJW Fdition,, 249  p. ( ISBN  979-10-90590-17-5 )
  18. Freud não traduz toda a obra, mas "apenas" o décimo segundo volume que trata da emancipação das mulheres, é claro, mas também de Platão, da questão dos trabalhadores e do socialismo; este trabalho foi publicado em 1880. cf. (pt) Michael Molnar , The Pre-Psychoanalytic Writings of Sigmund Freud , Karnac Books,, 261  p. ( ISBN  1-85575-285-9 , leia online ) , p.  112-123
  19. Freud apresentado por ele mesmo , 1925-1935 , Gallimard, Paris, 1984, p.  28
  20. David M. Cohen e Daniel Roche, Freud under coque , Balland, 2012, ( OCLC 829977289 ) p.  115
  21. Roland Jaccard , Freud , PUF ,, p.  33
  22. Didier Anzieu , Auto-análise de Freud - e a descoberta da psicanálise , Paris, PUF ,( 1 st  ed. 1959), p.  490.
  23. Cartas para Martha, 2 de junho de 1884.
  24. Françoise Coblence, "Freud et la cocaine", Revue française de psychanalyse , 2002/2 Vol. 66, pág.  371-383.
  25. Élisabeth Roudinesco e Michel Plon, Dicionário de psicanálise , Paris, Fayard ,, 1789  p. ( ISBN  978-2-253-08854-7 ), entrada: Freud Schlomo Sigismund, dit Sigmund ((1856-1939), p.  535 .
  26. (De) "Sigmund Freud Wirken an der Abteilung für Nervenerkrankungen am Ersten Öffentlichen Kinder-Kranken-Institutes", site da biblioteca de medicina da Universidade de Viena, consultado em 10 de março de 2021, [ ler online ] .
  27. "Entrevista com Eli Zaretsky  ", em Vida e destino da psicanálise , Hors Série Le Monde , 2010, p.  70
  28. James [Charles Napier] Webb, Das Zeitalter des Irrationalen. Politik, Kultur & Okkultismus im 20. Jahrhundert [ The Occult Establishment , Open Court, La Salle IL 1976, ( ISBN  0-912050-56-X ) ], Marix, Wiesbaden, 2008, p.  411, 413 , ( ISBN  978-3-86539-152-0 ) .
  29. Expression of Freud, in To conceive aphasies (1891), tradução de Fernand Cambon, Epel, 2010, p.  147 , passagem citada por Thierry Longé em seu artigo “Sigmund Freud, To conceive aphasies. Um estudo crítico ”, Essaim, vol. 26, n ° 1, 2011, p.  169-179 .
  30. Georges Lanteri-Laura , “aphasie” (artigo), em Alain de Mijolla (ed.), Dicionário Internacional de Psicanálise , Volume I, Calmann-Lévy (2002), Hachette-Littératures, 2005, p.  122-123 .
  31. Lysis designa ao mesmo tempo a dissolução, a solução e a resolução e, em particular, dar o nó, o fim, o resultado, a superação das dificuldades, mas também a ruptura, etc.
  32. Christophe Bormans, “  O parto da psicanálise. Fliess e Freud. Les pains et les contractions  ” , em psychoanalyste-paris.com (consultado em 17 de setembro de 2011 ) .
  33. (de) Freud, Sigmund. “  Die Sexualität in der Ätiologie der Neurosen  ” (1898) em Gesammelte Werke, Band I , S. Fischer Verlag, Frankfurt 1953, ( ISBN  3100227034 )  ; páginas 496f.
  34. “  Lista de membros da Royal Society até 2007,  ” em royalsociety.org (acessado em 20 de setembro de 2011 ) .
  35. (De) Ausgewählte, kommentierte Bibliography: Sigmund Freud Themen  " , em freud-museum.at (acessado em 19 de setembro de 2011 ) .
  36. Muriel Pic, “L'ancrage suisse” , na Revue internationale Henry Bauchau. Ouvindo escrever , Presses Universitaires de Louvain,( ISBN  9782874632570 ) , cap.  3, pág.  63.
  37. Michel Juffé , Sigmund Freud - Benedictus de Spinoza. Correspondência 1676-1938 , Edições Gallimard, 2016
  38. Dennis B. Klein, Origens judaicas do movimento psicanalítico , University of Chicago Press, 1985
  39. Alain Lellouch, "Freud au B'nai B'rith" , site da B'nai B'rith França, 2011
  40. Olivier Douville, Cronologia: Situação da psicanálise no Mundo, durante a vida de Freud  " ,(acessado em 15 de junho de 2011 )  ; cf. Olivier Douville , Chronologie de la psychanalyse, 1856-1939: du temps de Freud , Paris, Dunod , col.  "Psycho sup",, 207  p. ( ISBN  978-2-10-053030-4 ).
  41. Casa da psicanálise antes de 1914  " , em spp.asso.fr (consultado em 19 de setembro de 2011 ) .
  42. Zur Psychopathology of the Alltagslebens  "
  43. (em) 1909. Cronologia de Sigmund Freud. Journey to America  ” , em freud-museum.at (acessado em 12 de junho de 2011 ) .
  44. Élisabeth Roudinesco e Michel Plon, “Estados Unidos”, em Dictionary of Psychoanalysis , Paris, Fayard, 2011, p.  401 .
  45. (em) As palestras de Sigmund Freud e Carl Jung na Clark University  " na Clark University (acessado em 12 de junho de 2011 ) .
  46. "On psychoanalysis", Freud, 1910.
  47. Filip Geerardyn e Gertrudis van de Vijver, The Sources of Psychoanalysis: An Analysis of Freud's Early Writings (1877-1900) , Éditions L'Harmattan , coll.  "Estudos psicanalíticos",, 331  p. ( ISBN  978-2-7384-6184-1 , leitura online ) , p.  165.
  48. O "processo catártico" de Breuer constituiu uma fase preliminar da psicanálise e que esta data da época em que, rejeitando a técnica hipnótica, introduzi a da associação livre. […] Cheguei à conclusão de que afinal nada havia que me impossibilitar de ser o verdadeiro autor de tudo o que a caracteriza e distingue " em S. Freud" Contribuição para a história do movimento psicanalítico ”em Cinco lições de psicanálise , Paris , Payot, 1965, ( p.  67 a 155 ), [2]
  49. Drei Abhandlungen zur Sexualtheorie  "
  50. (em) Ilse Bry e Alfred H. Rifkin, Science and Psychoanalysis ' , vol.  V,, "  Freud e a História das Idéias: Fontes Primárias, 1886-1910  " , p.  6-36.
  51. Eugen Bleuler : Para o 70 th  anniversary de Freud , em Colectivo: Psicanálise na Suíça, uma história turbulenta , Le Coq-Heron , 2014/3 ( n o  218)
  52. As primeiras traduções francesas datam de 1922,1923 para os Três ensaios sobre sexualidade e em 1926 para a Ciência dos sonhos , em Jean-Pierre Bourgeron, Marie Bonaparte e a psicanálise por meio de suas cartas a René Laforgue , Paris / Genebra, Éditions Slatkine Genebra,, 241  p. ( ISBN  2-85203-708-4 ) , p.  136.
  53. Jacques Sedat, "  A recepção de Freud na França durante a primeira metade do XX °  século prova freudismo espírito latino  " Topical revisão ,, p.  51-68 ( ISBN  9782847952056 ).
  54. Originário da Áustria, Alemanha, Hungria, Suíça, Inglaterra e Estados Unidos.
  55. Élisabeth Roudinesco e Michel Plon , Dicionário de Psicanálise , Paris, Fayard , col.  "  The Pochothèque  ",( 1 st  ed. 1997), 1789  p. ( ISBN  978-2-253-08854-7 ), p.  1269
  56. "Freud e Jung tentariam juntos desvendar os mistérios da psique e desafiar a ordem psiquiátrica estabelecida . " Na verdade, "eles eram revolucionários engajados de uma forma ousada e imaginativa e a personalidade era tarefa das alturas" , em Linda Donn ( trad.  Do inglês), Freud e Jung. Da amizade à ruptura , Paris, Presses Universitaires de France ,, 260  p. ( ISBN  2-13-045559-X ) , p.  8.
  57. Gilles Tréhel, "  Magnus Hirschfeld, Helene Deutsch, Sigmund Freud e as três mulheres lutadoras  ", Psychothérapies , n o  36 (4),, p.267-274
  58. Cordelia Schmidt-Hellereau, “Sobrevivendo na Ausência. », Revue française de psychanalyse , 2/2007 (Vol. 71), p.  555-580 , DOI : 10.3917 / rfp.712.0555
  59. Élisabeth Roudinesco e Michel Plon , Dicionário de Psicanálise , Paris, Fayard , col.  "  The Pochothèque  ",( 1 st  ed. 1997), 1789  p. ( ISBN  978-2-253-08854-7 ), p.  1272
  60. Gilles Tréhel, "  Sigmund Freud (1856-1939): um pai de guerra  ", L'Information Psychiatrique , vol.  84, n o  4,, p.  329-342.
  61. Gilles Tréhel, "  Victor Tausk (1879-1919) e medicina militar  ", L'Information Psychiatrique , n o  3,, p.  239-247.
  62. Gilles Tréhel, "  Helene Deutsch (1884-1982): teorizações sobre transtornos psiquiátricos em mulheres durante a Primeira Guerra Mundial  ", L'Information Psychiatrique , vol.  83, n o  4,, p.  319-326.
  63. Jones, E. (1957) Sigmund Freud: Life and Work (Vol. 3), Hogarth Press, p.  104 citado por Sengoopta http://cdn.elsevier.com/promis_misc/Endreview.pdf
  64. Dominique Bourdin, 2007 , p.  217.
  65. Dominique Bourdin, 2007 , p.  147
  66. Jacques Le Rider , "  Egyptian Joseph and Moses: Sigmund Freud and Thomas Mann  ", Savoirs et Clinique , n o  6,, p.  19 ( ler online ).
  67. Jacques Le Rider , "  Egyptian Joseph and Moses: Sigmund Freud and Thomas Mann  ", Savoirs et Clinique , n o  6,, p.  8 ( ler online ).
  68. Eric Grillo (ed.), Dire / Believe , vol.  19-20, L'Harmattan ,, p.  202.
  69. (em) Martin Freud, Sigmund Freud, homem e pai Jason Aronson Inc. Publishers, 1977, p.  217. Ernest Jones também alude a esse ponto irônico, mas ao escrever simplesmente que Freud "perguntou se ele poderia adicionar uma frase" , em The life and work of Sigmund Freud , PUF, Quadridge, 2006, volume 3, p.  257 e 258. Por fim, Peter Gay questionou-se sobre o significado desse “gesto curioso, que exige que paremos por aí” , em Freud une vie , Hachette, Pluriel, tomo 2, p.  400
  70. Michel Onfray, “Contra-história da filosofia: Freud”, volumes 15 e 16, Éditions Frémeaux & Associés, Paris, 2009-2010-2011.
  71. David M. Cohen, Freud under coke, Balland, 2012 Ver também DM Cohen, The Nazi who saved Sigmund Freud , Huffingtonpost, 30/03/2012 http://www.huffingtonpost.com/david-m-cohen/freud- nazi-germany_b_1392377.html
  72. (de) Lisa Appignanesi e John Forrester, Die Frauen Sigmund Freuds , List,, p.  34
  73. (em) Urna contendo as cinzas de Sigmund Freud esmagada durante a tentativa de roubo  " no The Guardian ,
  74. (em) Maev Kennedy, Comedian unveils blue plate tribute to Freud  " em www.theguardian.com/uk ,(acessado em 22 de novembro de 2013 )
  75. Freud, Psicanálise e Teoria da Libido, Obras Completas, Volume XVI, PUF 2003, p.  183
  76. Dominique Bourdin, 2007 , p.  252.
  77. Yvonne Knibiehler, Sexuality and History , Odile Jacob ,, 267  p. ( ISBN  978-2-7381-1174-6 , leitura online ) , p.  130.
  78. Dominique Bourdin, 2007 , p.  183
  79. Bercherie, Epistemologia da herança freudiana (concluída) , na revisão de Ornicar , Setembro de 1984, n o  30, p. 94-125.
  80. Dominique Bourdin, 2007 , p.  224-243.
  81. Jean-Michel Rabaté (dir.) ( Tradução  do inglês), Lacan , Paris, Bayard , col.  "Os companheiros filosóficos",, 338  p. ( ISBN  2-227-47496-3 ).
  82. Paul Bercherie, clínica psiquiátrica , clínica psicanalítica: estudos e pesquisas, 1980-2004 , Éditions L'Harmattan ,, 284  p. ( ISBN  978-2-7475-8375-6 , leitura online ) , p.  65, 149-150.
  83. Dominique Bourdin, 2007 , p.  244-259.
  84. Paul-Laurent Assoun , Freud, Filosofia e Filósofos , Paris, PUF ,, p.  6.
  85. Norbert Elias , Além de Freud: Sociologia, psicologia, psicanálise , Éditions La Découverte , coll.  "Textos de apoio",( ISBN  978-2-7071-5760-7 e 2-7071-5760-0 ).
  86. Paul Ricoeur, 1965 , p.  40
  87. Dominique Caïtucoli , "  Michelle Moreau-Ricaud, Michael Balint: A renovação da Escola de Budapeste  ", Figures de la psychanalyse , n o  5,, p.  211 ( DOI  10.3917 / fp.005.0211 )
  88. Jean-Bertrand Pontalis , “  Os vasos não comunicantes. O mal-entendido André Breton - Freud  ”, Sigmund Freud House Bulletin , Viena, vol.  2, n o  1,( leia online , acessado em 19 de junho de 2011 )
  89. Anne D'Alleva, "História da arte e psicanálise" , em Métodos e teorias da história da arte ,, 88-108  p. ( ISBN  2-35278-006-3 ).
  90. Edmundo Morim de Carvalho, Do inconsciente ao consciente: Psicanálise, ciência, filosofia. Variações sobre o paradoxo IV , vol.  1, Paris, Éditions L'Harmattan , col.  "Epistemologia e filosofia da ciência",, 409  p. ( ISBN  978-2-296-13829-2 , ler online ) , “As fontes de Freud”, p.  371-374.
  91. Yvon Brès, "  Home, Carus, Hartmann (história do inconsciente)  ", Philosophical Review of France and Foreign , Presses Universitaires de France, vol.  2, t.  129,, p.  228 ( ISSN  0035-3833 ).
  92. Luc Magnenat, Freud , Le Cavalier Bleu , col.  "Estereótipos",, 126  p. ( ISBN  978-2-84670-138-9 , leitura online ) , p.  45-49.
  93. Élisabeth Roudinesco , “A Batalha dos Cem Anos” , em História da psicanálise na França , t.  1, Fayard,, p.  56.
  94. Jo Godefroid, Psychology: Human science and cognitive science , Brussels / Paris, De Boeck Supérieur, coll.  "Aberturas psicológicas LMD",, 1101  p. ( ISBN  978-2-8041-5901-6 , leitura online ) , p.  72.
  95. Jean-Pierre Dumont, Philippe Dunezat e Jacques Prouff, Criança e psiquiatria do adolescente , vol.  2, Horário da França,, 256  p. ( ISBN  978-2-85385-157-2 , leitura online ) , p.  23-27.
  96. Sigmund Freud, Cinco lições sobre psicanálise , (1909), Payot, Paris, 1966, p.  38
  97. Françoise Parot, L'Homme qui rêve , Presses Universitaires de France , col.  "Primeiro ciclo",( ISBN  978-2-13-046815-8 ) , p.  69.
  98. Erich Fromm , Grandeza e limites do pensamento freudiano , Paris, Laffont,, p.  51-52.
  99. Claude Le Guen, 2008 , p.  279.
  100. Alain de Mijolla, 2002 , p.  335
  101. Alain de Mijolla, 2002 , p.  336.
  102. Josianne Lacombe, Desenvolvimento infantil do nascimento aos 7 anos: abordagem teórica e atividades corporais , De Boeck ,( ISBN  978-2-8041-5401-1 ) , p.  168-174.
  103. “O argumento de Freud, em seus diversos trabalhos teóricos e clínicos, do Manuscrito H (dirigido a Fliess) ao Abreviado em 1938, visa mostrar que se trata de uma orientação sexual, de uma escolha de objeto entre outros” , in Ruth Menahem, “  Desorientação sexual. Freud e a homossexualidade  ”, Revue française de psychanalyse , vol.  67,, p.  11-25 ( ISBN  2-13-053562-3 ).
  104. Roudinesco e Plon, 2006 , p.  471.
  105. Roudinesco e Plon, 2006 , p.  468
  106. Denis P. (1984) Homossexualidade envelhecida e homossexualidade psíquica, Les Cahiers du Centre de Psychanalyse e de Psychothérapie, 1984, 8.
  107. Didier Eribon, "Número  especial" Psicanálise: o que resta de nossos amores "(Editado por Francis Martens)  ", Revue de l'Université de Bruxelles , Éditions Complexe,.
  108. Roudinesco 1993 , p.  1780.
  109. Élisabeth Roudinesco, “  Psicanálise e homossexualidade: reflexões sobre o desejo perverso, o insulto e a função paterna  ”, Clínicas Mediterrâneas , CAIRN, vol.  65, n o  1,, p.  7 ( ISSN  0762-7491 , DOI  10.3917 / cm.065.0007 , ler online ).
  110. Claire Pagès, Freud passo a passo , Paris, Elipses ,, 340  p. ( ISBN  978-2-7298-4099-0 ) , p.  308-309.
  111. Thomas Wieder, O Explorador da Alma, em Sigmund Freud. A revolução do íntimo , Edição especial Le Monde, uma vida, uma obra,, “Prefácio”, p.  3
  112. Gabriel Lavoie, “  Atos obsessivos e exercícios religiosos. Um escrito freudiano sobre religião  ”, Laval theologique et philosophique , vol.  34, n o  3,, p.  15 ( ler online ).
  113. HC Ratee, Freud e a necessidade religiosa , L'Age d'Homme ,, p.  10
  114. Gabriel Lavoie, “  Atos obsessivos e exercícios religiosos. Um escrito freudiano sobre religião  ”, Laval theologique et philosophique , vol.  34, n o  3,, p.  247-260 ( ler online ).
  115. Ernest Jones, A Vida e Obra de Sigmund Freud , Paris, Puf, t.  2 , 1961, pág.  164 .
  116. Lina Balestrière, Freud e a questão das origens , Bruxelas, De Boeck Supérieur, col.  "Oxalis",, 286  p. ( ISBN  978-2-8041-5671-8 , leitura online ) , p.  166.
  117. “Hoje surge o problema de saber preencher o vazio deixado pelo abandono, por parte dos biólogos contemporâneos, da teoria haeckeliana da recapitulação na qual Freud se apoiou. O que resta de suas hipóteses filogenéticas contra as quais antropólogos e historiadores protestaram " In Jacqueline Duvernay Bolens,"  A teoria da recapitulação de Haeckel a Freud  ", L'Esprit du temps, Topique , n o  75,, p.  13-34.
  118. David Benhaïm, "  A filogenia e a questão do transgeracional  ", Le Divan familial , n o  18,( leia online ), " abstrato ".
  119. Plon e Roudinesco 2011 .
  120. (in) James E. Goggin e Eileen Brockman Goggin, Death of a Ciência judaica: Psicanálise no Terceiro Reich , Purdue University Press,, 242  p. ( ISBN  978-1-55753-193-3 , leitura online ) , p.  9.
  121. Max Schur , Morte na vida de Freud , Gallimard , col.  " Telefone ",, 688  p. ( ISBN  978-2-07-025794-2 ) , p.  41-46.
  122. Yosef Hayim Yerushalmi , Le Moïse de Freud, Judaism terminable et interminable , Gallimard , coll.  "Testes Nrf",, 266  p. ( ISBN  2-07-013367-2 ) , p.  88.
  123. Jacques Le Rider , os judeus vienenses na Belle Epoque , Paris, Albin Michel , coll.  "Presença do Judaísmo",, 354  p. ( ISBN  978-2-226-24209-9 ) , p.  268-284.
  124. Alain De Mijolla ( trad.  , Do alemão) Aqui, a vida continua de uma maneira muito surpreendente ...: contribuição para a história da psicanálise na Alemanha , Paris, Associação Internacional de História psicanálise ,, 293  p. ( ISBN  2-85480-153-9 ) , p.  82
  125. Collective, "Anti-judaísmo e anti-semitismo na Áustria a partir de 17 º a 20 º século" em Austriaca , n o  57, Dezembro de 2003, PUR de 2005.
  126. S. Freud, The Interpretation of Dreams , 1900, PUF, Paris, 1967, p.  175
  127. élisabeth roudinesco “em relação a uma carta inédita de Freud sobre sionismo e a questão de lugares sagrados”, CLINIQUES Méditerranéennes , 2004/2 n o  70, p.  5-17 DOI : 10.3917 / cm.070.0005 [ ler online ]
  128. Françoise Coblence, "  Freud et la cocaína  ", Revue Française de psychanalyse , vol.  66,, p.  371-389 ( ISBN  2-13-052649-7 , ler online ).
  129. (de) Karl Koller, "  Ueber die Verwendung of cocain zur Anästhesirung am Auge  " Wiener Medizinische Wochenschrift , n o  43,, p.  1276-1278. O artigo foi traduzido por L. Leplat com o título: "Sobre o uso de cocaína como anestésico em oftalmologia", em Le Progrès Médical , 1884, vol.  12, n o  47, p.  984-987 .
  130. (De) Elisha Ben-Zur, Die Geschichte der Lokalanästhesie unter besonderer Berücksichtigung der Entdeckung des Kokains , Zurique, Juris-Verlag, prova que Freud foi o primeiro a pensar no uso anestésico da cocaína.
  131. (De) Freud un das kokain  " , em sgipt.org (acessado em 8 de junho de 2010 ) .
  132. Roland Jaccard, "O aluno" , em Freud , Paris, PUF,( ISBN  9782130576037 ) , p.  31-35
  133. (De) Albrecht Erlenmeyer , Ueber Cocainsucht  " , Deutsche Medizinal-Zeitung , vol.  7, N o  44,, p.  483-484, citado em Françoise Coblence, "  Freud et la cocaine  ", Revue française de psychanalyse , vol.  66,, p.  372 ( ISBN  2-13-052649-7 , ler online ).
  134. Elisabeth Roudinesco, Sigmund Freud em seu tempo e em nosso , p.  55 , Paris, Seuil, 2014
  135. Marx Crítica do direito político hegeliano , em Sur la religion , Paris, éditions sociales, 1975, p.  41
  136. Freud, Sigmund, 1856-1939. ( traduzido  do alemão), Inquietação na civilização , Paris, Points ,, 184  p. ( ISBN  978-2-7578-0215-1 e 2757802151 , OCLC  664326522 , ler online ) , p.61
  137. Mikkel Borch-Jacobsen e Sonu Shamdasani, 2006
  138. Jacques Bénesteau, 2002 .
  139. (em) Sigmund Freud. Um registro de seus artigos na coleção Sigmund Freud na Biblioteca do Congresso  ” [PDF] , em lcweb2.loc.gov (acessado em 15 de setembro de 2011 ) , p.  58
  140. Gerald Stieg e Jean-François Laplénie, "  Karl Kraus contra a escola de Freud ou como deslegitimar a interpretação psicanalítica da literatura  ", Savoirs et clinique , n o  6,, p.  53-58 ( ler online ).
  141. “Para Roazen, Tausk teria cometido suicídio no quadro de uma manipulação, com intenção punitiva, por parte de Freud, que se teria manifestado nas atitudes de rejeição deste perante Tausk” , explica German Arce Ross em "O suicídio maníaca de Victor Tausk", clínicas Mediterrâneo , 2/2002, n o  66, p.  155-174, disponível online em cairn.info .
  142. Samuel Lézé, Freud Wars: Um Século de escândalos , Paris, Presses Universitaires de France / Humensis de 2017, [ lido on-line ] , extratos e-book: [ lido online ] .
  143. Yannis Gansel , “  Samuel Lézé, Freud Wars. Um século de escândalos  ”, Leituras ,( ISSN  2116-5289 , ler online , acessado em 31 de outubro de 2019 )
  144. Jean-Paul Krivine, "  Os argumentos dos detratores do Livro Negro da psicanálise  ", Ciência et pseudociências , n o  271,, p.  17-23 ( leia online ).
  145. International Journal of Psychoanalysis 87: 5, 2006, DOI : 10.1516 / 3JYE-39CB-8QN2-0W58
  146. Annales Médico Psychologiques , volume 164 (2006) DOI : 10.1016 / j.amp.2006.10.007
  147. Revue française de psychanalyse , volume 70, 2006
  148. (em) Paul Robinson, Freud and his critics  " , University of California Press,, p.  4 e 11 .
  149. Émile Jalley, O Debate sobre a psicanálise na crise na França , Paris, L'Harmattan , 259  p. ( ISBN  978-2-296-56182-3 ) , cap.  II (“Always Onfray”), p.  67-70.
  150. Jacques Galinier, "Lionel Naccache, O novo inconsciente: Freud, Christophe Colomb des neurociências  " , em L'Homme ,, 187-188  p. ( leia online ).
  151. (em) Foulkes D., A Grammar of Dreams (1978), Basic Books, 1998 Domhoff GW O estudo científico dos sonhos , American Psychological Association, 2003
  152. J. Winson, Brain and psyche , Double Day, New York, 1985, p.  153
  153. J. Allan Hobson, “Book Review: The Scientific Study of Dreams, de G. William Domhoff. APA Press, 2002 ”em Dreaming , setembro de 2003, Volume 13, Edição 3, p.  187-191
  154. “Uma perspectiva cognitiva que compartilha muitos pontos de vista com a teoria de Freud é a perspectiva cognitiva proposta por um pesquisador que estudou sonhos, David Foulkes (...). Foulkes, como muitos psicólogos psicodinâmicos contemporâneos, não está satisfeito com a conclusão relativa ao significado latente do sonho, ou seja, um desejo inconsciente. Em vez disso, ele propõe que os sonhos são simplesmente expressões de preocupações comuns de um tipo ou de outro, traduzidas em uma linguagem com sua própria gramática específica. » Drew Westen, Psicologia: pensamento, cérebro e cultura , De Boeck Supérieur, 2000, p.  496
  155. "Como o inconsciente psicanalítico pode ser percebido por um neurologista" [...] Quanto ao sonho, o estado original “nem acordado nem dormindo”, não vemos nenhum obstáculo neurológico para considerá-lo como uma forma particular, não aleatória de pensamento, usando um modo simbólico correspondente à ativação de conjuntos. De redes pré-formado durante as fases de sono paradoxal "em Séverine Lestienne e Françoise Lotstra" a neuroplasticidade e o inconsciente, os sujeitos de articulação entre psicanálise e ciências neurológicas", Cahiers críticas deothérapie familiar et de práticas de redes , 2/2009 ( n o  43), p.  35-45 , DOI : 10.3917 / ctf.043.0035
  156. (em) Eric R. Kandel , Psychiatry, Psychoanalysis, and the New Biology of Mind , American Psychiatric Publishing,, 440  p. ( ISBN  978-1-58562-684-7 , leia online )
  157. "A psicanálise ainda representa a visão mais coerente e intelectualmente satisfatória da mente" em Eric R. Kandel , "  Biologia e o Futuro da Psicanálise: Uma Nova Estrutura Intelectual para a Psiquiatria Revisitada  ", American Journal of Psychiatry , American Psychiatric Association, vol.  156, n o  4,, p.  505-524 ( ISSN  0002-953X , leia online )
  158. “  Psicanálise na sociedade francesa  ” , no Société psychanalytique de Paris (consultado sobre 16 setembro de 2011 ) .
  159. Entrevista com Eli Zaretsky sobre Sigmund Freud. A revolução íntima , na edição especial Le Monde, une vie, une oeuvre , p.  72
  160. Edição de 27 de janeiro de 1949.
  161. (em) Ludwig Wittgenstein, Reading and Conversations on Aesthetics, Psychology and Religious Belief , Cyril Balett e H. Blackwell, Oxford, 1966, p.  41 .
  162. Artigo "Psicanálise e ciência (s)", 2000.
  163. Michel Legrand, Psicanálise, ciência, sociedade , vol.  130, Publicação Mardaga , col.  "Psicologia e ciências humanas",, 280  p. ( ISBN  978-2-87009-191-3 , leitura online ) , p.  101-106.
  164. Adolf Grünbaum, 1999 , p.  71
  165. Karl Popper, 1963 , p.  37-38.
  166. “Da mesma forma, a contestação do caráter falsificável da psicanálise por Popper, ou do caráter científico da psicanálise por Grünbaum, repousa em grande parte em uma abordagem deliberadamente fora do campo próprio da psicanálise. Aqui, novamente, essas abordagens poderiam parecer legítimas se a psicanálise não tivesse sua própria epistemologia. Lamentamos que este último esteja tantas vezes ausente desses debates. "In Vannina Micheli-Rechtman" A eficácia da psicanálise: uma questão epistemológica ", Figures de la psychanalyse 1/2007 ( n o  15), p.  167-177 . URL: www.cairn.info/revue-figures-de-la-psy-2007-1-page-167.htm. DOI: 10.3917 / fp.015.0167.
  167. Marie-Frédérique Bacqué “Perguntas a Daniel Widlöcher”, Le Livrete Psy 8/2005 ( N O  103), p.  31-41 . URL: www.cairn.info/revue-le-carnet-psy-2005-8-page-31.htm. DOI: 10.3917 / lcp.103.0031. O autor acrescenta: “Alguém já pediu a um ministro das finanças para garantir que houvesse um estudo randomizado com verificação duplo-cega para descobrir qual atitude era melhor do que outra Nunca ! Os economistas usam modelos, esses modelos são mais ou menos relevantes, e os gestores da economia, por razões de oportunismo, para levar em conta um contexto individual (a situação de uma determinada sociedade em um determinado momento), dizem “vamos usar tal e tal modelo, vai funcionar melhor que outro modelo ”: fazemos um modelo à la Keynes, ou fazemos um modelo neoliberal, e exploramos, nos comportamos de acordo com esse modelo. Bem, a psicoterapia e a psicanálise em particular se comportam de acordo com modelos. "
  168. Markos Zafiropoulos "Psicanálise e práticas sociais ou prova através da psicanálise", Recherches en psychanalyse 1/2004 (no 1), p.  97-118 . URL: www.cairn.info/revue-recherches-en-psychanalyse-2004-1-page-97.htm. DOI: 10.3917 / rep.001.0097 O autor fala de “um 'arquiliano' entre a psicanálise e as ciências sociais, encontrando sua expressão mais completa na fórmula de Lévi-Strauss que apreende a psicanálise como ciência social”.
  169. Jean-Michel Vappereau, “Psicanálise e Ciências; the Foundation of Discourse analysis ", na análise freudiana," the unbinding of Ethics ", n o  16-17, Spring Autumn 1998, L'Harmattan, 1999, p.  107 e seguintes.
  170. Michel Lapeyre e Marie-Jean Sauret "Psychoanalysis with science", Mediterranean Clinics 1/2005 (no 71), p.  143-168 .URL: www.cairn.info/revue-cliniques-mediterraneennes-2005-1-page-143.htm. DOI: 10.3917 / cm.071.0143.
  171. Patricia Cotti, Théo Leydenbach e Bertrand Vichyn, “  What translation for the Traumdeutung    », Le Champ Psychosomatique , n o  31,, p.  25-45.
  172. Philippe Chevallier, "  Freud no domínio público  ", L'Express ,( leia online ).
  173. Lista de livros e artigos (excluindo correspondência) baseada em bibliografia elaborada por É. Roudinesco: Élisabeth Roudinesco , Sigmund Freud: No seu tempo e no nosso , Paris, Seuil ,, 577  p. ( ISBN  978-2-02-118379-5 e 2-02-118379-3 ), p.  537-547
  174. Jean-Michel Quinodoz , Read Freud: Chronological Discovery of Freud's Work , Presses Universitaires de France , coll.  "Fora da coleção",, 324  p. ( ISBN  978-2-13-053423-5 ) [ leia online ] e Sigmund Freud , Paris, Presses Universitaires de France , col.  "O que eu sei ",, 128  p. ( ISBN  978-2-13-065227-4 )Bibliografia: [ leia online ]
  175. François Robert, “Bibliografia de Freud” , in François Robert, Sigmund Freud. Obras completas / Psicanálise Volume XXI Índice geral , PUF / Humensis,( ISBN  978-2-13-078640-5 ) , p.  31-47.
  176. Jean-Michel Quinodoz , Ler Freud. Descoberta cronológica da obra de Freud , Presses Universitaires de France,, "Metapsychology, S. Freud (1915-1917)", p.  159-179[ ler online ]
  177. Alguns mecanismos neuróticos no ciúme, paranóia e homossexualidade Parte 1
  178. Alguns mecanismos neuróticos no ciúme, paranóia e homossexualidade parte 2
  179. Alguns mecanismos neuróticos no ciúme, paranóia e homossexualidade parte 3
  180. [revisão] Janine Abecassis, “  Freud's List, a Literary Imposture,  ” Huffington Post (Blog) , atualizado em 5 de dezembro de 2016 ( ler online , acessado em 2 de abril de 2020 ).

Trabalhos citados, mas não usados

  1. Marcel Gauchet , The Cerebral Inconscious , Seuil, 1999, col. "Librairie du XXI e  century" ( ISBN  2-02-013548-5 ) , p.  12-15.
  2. Daniel Borrillo , Homossexualidade de Platão a Foucault. Antologia Crítica , Plon ,, p.  62-65.
  3. Jacques van Rillaer, The Illusions of Psychoanalysis , Mardaga, 1995 ( ISBN  2-87009-128-1 ) .
  4. (em) J. Allan Hobson, Dreaming: uma introdução muito curta , Oxford, 2002.

Notas Adicionais

  1. Não se sabe ao certo se este é o segundo ou terceiro casamento do pai de Freud.
  2. Uma placa ( "é nesta casa em 24 de julho de 1895 o mistério dos sonhos foi revelado a D r  Sigmund Freud" ) que está atualmente antes do 19 Berggasse em Viena dizia que o sonho contado da "injeção feita a Irma" é o protótipo da interpretação dos sonhos segundo a psicanálise.
  3. O título de "  Extraordinário  " corresponde ao primeiro grau universitário, ou seja, a professor sem cátedra. A carta promovendo Freud é assinada pelo Imperador Franz Joseph .
  4. A Wednesday Psychological Society é a primeira sociedade psicanalítica do mundo, reúne em particular: Rudolf Reitler (1865-1917), Max Kahane (1866-1923), Ludwig Jekels (1861-1954), Wilhelm Stekel (1868-1940 ), Hugo Heller (1870-1923), Alfred Adler (1870-1937), Paul Federn (1871-1950), Eduard Hitschmann (1871-1957), Max Graf (1875-1958), Hanns Sachs (1881-1947) e Otto Rank (1884-1939).
  5. Os Schriften zur angewandten Seelenkunde  " publicam obras de Freud, Franz Riklin , Carl Jung, Karl Abraham, Sadger, Oskar Pfister , Max Graf, Ernest Jones, Sorfer, Keilholz e von Hug-Hellmuth. A coleção terminou em 1913, logo após a publicação da revista Imago , em Brigitte Lemérer et al. , “  Freud and the editorial activity  ”, Essaim , vol.  1, n o  7,, p.  59-81.
  6. Esta "Folha Central de Psicanálise ou Psicologia Médica Mensal" tem Alfred Adler e Wilhelm Stekel como primeiros editores e Freud como editor.
  7. Segundo Élisabeth Roudinesco, Jacques Lacan “aceitou analisar os homossexuais como pacientes comuns, sem buscar normalizá-los” . Ela acredita que ele foi o primeiro a permitir que homossexuais se tornassem psicanalistas.

Apêndices

Bibliografia adicional

Documento usado para escrever o artigo : documento usado como fonte para este artigo.

Biografias

  • Adam Phillips, Becoming Freud , Olivier Edition, col. "Pensando / Sonhando", 2014
  • Ernest Jones, The Life and Work of Sigmund Freud , Presses Universitaires de France , coll.  "Quadriga textos grandes", Documento usado para escrever o artigo
3 volumes: t.  1 ( ISBN  2-13-055692-2 )  ; t.  2 ( ISBN  2-13-055693-0 )  ; t.  3 ( ISBN  978-2-13-055694-7 )
  • Frank Sulloway ( trad.  Do inglês), mente do biólogo Freud , Paris, Fayard ,, 595  p. ( ISBN  2-213-60192-5 )
  • Marthe Robert, The Psychoanalytic Revolution: The Life and Work of Freud , Paris, Payot , coll.  "Little Payot Library",, 567  p. ( ISBN  2-228-89670-5 )
  • Peter Gay, Freud, a life , Hachette literatures,
2 volumes: t.  1 ( ISBN  2-01-279054-2 )  ; t.  2 ( ISBN  2-01-279055-0 ) .

Estudos sobre o seu trabalho

(Em ordem alfabética dos nomes dos autores)

Transmissões de rádio

Documentários

Estudos críticos

  • Marc Jeannerod e Nicolas Georgieff, "  Psychanalyse et science (s)  ", ISC Working Paper , Institut des Sciences Cognitives, n o  4,( leia online )
  • Samuel Lézé, Freud Wars: A Century of Scandals , Paris, Presses Universitaires de France / Humensis, 2017, [ leia online ] , extratos de livros eletrônicos: [ leia online ] .
  • Claire Pagès, “Uma guerra psicológica. Sobre: ​​Samuel Lézé, Freud Wars. Um século de escândalos  ”, Recension Philosophie de 15 de janeiro de 2018, site:“ La vie des idées ”(Collège de France), consultado em, [ ler online ]
  • Michel Onfray , O Crepúsculo de um Ídolo , Paris, Grasset , coll.  "Ensaios franceses",, 612  p. ( ISBN  978-2-246-76931-6 )
  • Paul Ricœur, Sobre a interpretação: Ensaio sobre Freud , Éditions du Seuil, col.  " Ciências Sociais ",( 1 st  ed. 1965) ( ISBN  978-2-02-023679-9 )
  • Jacques Bénesteau, Freudian Lies. História da desinformação secular , Pierre Mardaga, col.  "Psicologia e ciências humanas",, 400  p. ( ISBN  2-87009-814-6 , leia online ) Documento usado para escrever o artigo
  • Mikkel Borch-Jacobsen e Sonu Shamdasani, Le Dossier Freud. Investigação sobre a história da psicanálise , Paris, Empêcheurs de Penser en Rond,, 506  p. ( ISBN  2-84671-132-1 )
  • Adolf Grünbaum, Psicanálise posta à prova , Editions de luster,, 143  p. ( ISBN  978-2-905372-76-5 , leia online ) Documento usado para escrever o artigo
  • (pt) Karl Popper, Conjectures and refutations: The Growth of Scientific Knowledge , Routledge ,, 582  p. ( ISBN  978-0-415-28594-0 , leia online ) Documento usado para escrever o artigo
  • André Haynal , Paul Roazen e Ernst Falzeder, Nos segredos da psicanálise , Paris, Puf ,, 489  p. ( ISBN  2-13-055300-1 )

Artigos relacionados

links externos

Esperamos que as informações que coletamos sobre Sigmund Freud tenham sido úteis para você. Se for o caso, não se esqueça de nos recomendar a seus amigos e familiares, e lembre-se que você pode sempre nos contatar se precisar de nós. Se, apesar de nossos melhores esforços, você acha que o que fornecemos sobre _título não é totalmente exato ou que devemos acrescentar ou corrigir algo, ficaríamos gratos se você nos avisasse. Fornecer as melhores e mais completas informações sobre Sigmund Freud e qualquer outro assunto é a essência deste website; somos movidos pelo mesmo espírito que inspirou os criadores do Projeto Enciclopédia, e por esta razão esperamos que o que você encontrou sobre Sigmund Freud neste website o tenha ajudado a expandir seu conhecimento.

Opiniones de nuestros usuarios

Antonio Trindade

Acho muito interessante a forma como esta entrada em Sigmund Freud está escrita, lembra-me dos meus anos de escola. Que tempos bonitos, obrigado por me trazer de volta a eles.

Jean Das Chagas

Ótimo post sobre Sigmund Freud.

Felipe Da Silveira

Grande descoberta este artigo na Sigmund Freud e na página inteira. Vai direto para os favoritos.

Diego Braga

Precisava encontrar algo diferente sobre Sigmund Freud, que não era o típico que se lê sempre na internet e gostei deste artigo de Sigmund Freud.