Souda



As informações que conseguimos compilar sobre Souda foram cuidadosamente revisadas e estruturadas para torná-las tão úteis quanto possível. Você provavelmente veio aqui para saber mais sobre Souda. Na Internet, é fácil se perder na confusão de sites que falam sobre Souda e ainda não fornecem o que você quer saber sobre Souda. Esperamos que nos informe nos comentários se você gostar do que leu sobre Souda abaixo. Se as informações sobre Souda que fornecemos não são as que você estava procurando, por favor nos informe para que possamos melhorar este site diariamente.

.

O Souda (do grego  : Σοῦδα  / Souda ) ou Suidas ( Σουίδας  / Souídas ) é uma enciclopédia grega a partir do final da X ª  século. É uma obra de referência, em particular para citações, muito utilizada em obras relacionadas com a Antiguidade . O nome da obra, a data de sua redação, a identidade de seu (s) autor (es) colocaram problemas delicados para os pesquisadores.

Contente

La Souda é um dicionário que apresenta as definições de palavras raras no grego antigo e formas gramaticais complexas. É também uma enciclopédia com comentários sobre pessoas, lugares ou instituições. As fontes que ela usa são freqüentemente bíblicas ou antigas, e ela fornece poucas informações sobre a era bizantina . Ignorada na Idade Média , a obra foi produzida no Império Bizantino . Foi publicado pela primeira vez na Europa em 1499 , em Milão , sob o nome de Lexicon græcum .

Este trabalho massivo de um milhão e meio de palavras inclui 31.342 entradas que cobrem dados históricos, biográficos e lexicográficos . As entradas são classificadas de acordo com um sistema alfabético e fonético: os ditongos são classificados após vogais simples. Assim, αι / ai é classificado após ε epsilon . E ω omega vem depois de ο omicron , o que não corresponde à classificação alfabética do grego clássico.

É uma compilação de compilações, que usa biografias, bibliografias e outras informações sobre escritores pagãos e cristãos, a maioria das quais desaparecidas: as escolias de Aristófanes , Sófocles e Tucídides serviram muito. Biografias muitas vezes vêm à confissão do autor do Onomatologion ou Pinax de Hesychius de Mileto ( VI th  século ). Outras fontes amplamente utilizadas incluem o Excerpta de Constantino Porfirogeneto , a Crônica de Jorge, o Monge , as biografias de Diógenes Laërce , as obras de Ateneu e Filóstrato .

Origens incertas

Autor único ou obra coletiva

Alguns Suidas - ou Souidas - é um compilador do fim do IX th  século conhecido apenas pelo trabalho de Souda , que teria quase o mesmo nome que ele Souda Suidas suídeo , como dizem no tempo atualmente o “Bayle”, o “ du Cange ”, o“ Larousse ”ou o“ Littré ”. Uma nota de prefácio errônea, uma conjectura acadêmica de Eustathius de Thessaloniki , há muito tempo leva a acreditar que o Souda foi obra de um único autor chamado Souidas. Angelo Poliziano , Florentino estudioso da tarde XV th  século, acreditava que o único nome era suposto. Em apoio à opinião de Politien vêm os fatos que ninguém se apresenta para dizer em que país Suidas viveu, ou mesmo em que época, e que vários estilos se combinam na obra.

Se no entanto Souidas existisse, ele é considerado um lexicógrafo grega da tarde IX th  século. Este estudioso teria escrito um primeiro rascunho que teria sido modificado e aumentado por copistas sucessivos.

Para outros, é uma compilação feita por um coletivo de estudiosos, corrigida e aumentada por copistas que se seguiram até a primeira impressão.

datas

Na sua redescoberta na Itália do Renascimento , foi mencionado data do reinado de Augusto ao XIV th  século . A incerteza sobre a data da sua composição ainda estava acontecendo na do XIX °  século "acredita-se que floresceu sob o reinado do imperador bizantino Aleixo I primeiro Comnenus  ."

O livro agora é datada do final da X ª  século. A data aproximada de composição da obra pode ser deduzida de seu conteúdo: no artigo "  Adão  ", o autor do léxico apresenta uma breve cronologia da história mundial que termina com a morte do imperador João I er Tzimiskes (976), enquanto no artigo "  Constantinopla  " são mencionados seus sucessores Basílio II e Constantino VIII  : a questão é se não é uma interpolação posterior ao texto original.

Antes de sua redescoberta oficial durante a Renascença, entretanto, a obra havia circulado na Inglaterra medieval porque Robert Grossetête (1175-1253) traduziu passagens substanciais dela em um caderno para seu uso pessoal.

Origem do nome

Várias etimologias são consideradas para este nome de Suidas ou Souda. Em 1998, Bertrand Hemmerdinger considerou Suidas o nome do criador ou editor do grupo de compiladores de léxico.

Outra interpretação explica o título como uma sigla composta pelas letras de Sunagogè onomastikès ulès di alphabeton ou diaphorôn andrôn , "coleção de material onomástico de acordo com o alfabeto", ou "de acordo com diferentes homens", que também poderia significar "léxico alfabético ou léxico biográfico "ou com diaphorôn andrôn  :" classificação segundo diferentes historiadores ou diferentes autores ".

Finalmente, no grego bizantino, também mencionamos “fortaleza”, “fosso”, e em latim guida ou summa (“soma”) e sudarium (“mortalha”) através do grego tardio Soudarion .

Críticas e comentários

Artigo sobre Aristóteles, em uma edição do falecido XV th  século
"Filho de Nikomachos e Phaistia. Nikomachos era um médico da tradição das Asclepias, de Nikomachos, filho de Machaon. [1] [Aristóteles veio] de Stageira, uma cidade da Trácia; [2] ele era um filósofo, um discípulo de Platão, com uma gagueira. Ele tinha irmãos: Arimnestos e Arimneste, e uma filha de Pítias, filha de Hermeias, o eunuco que a gerou apesar de sua castração. [3] A filha de Aristóteles se casou três vezes e depois que aquele que a deu à luz morreu antes de seu pai, Aristóteles. Ele também teve um filho Nikomachos, de Herpyllis, a concubina que ele tomou depois de Pítias, filha de Hermeias, o eunuco que era governante de Atarneos. Este lugar [está localizado] na Troad, e tendo se tornado um escravo de Euboulos, o Bitíneo, Hermeias o recebeu [dele]. [4] E o próprio Hermeias tornou-se amante de Aristóteles. [5] Ele presidiu por 13 anos [6] a filosofia que tem sido chamada de peripatética; ele recebeu esse nome porque estava ensinando em um passeio [peripatos] ou em um jardim, depois que ele deixou a Academia em que Platão havia lecionado. Ele nasceu na 99ª Olimpíada [7] e diz-se que morreu bebendo cicuta em Chalkis [Mito], tendo sido condenado a receber esta punição, porque havia escrito um hino a Hermeias, o eunuco; [8] mas alguns dizem que ele morreu de doença quando tinha 70 anos. Timeu [1] disse contra Aristóteles que ele era arrogante, imprudente e teimoso ... [mas não] [2] um sofista pedante e detestável que teria mantido seu tesouro fechado a sete chaves; fora isso, nunca perdia a oportunidade de ter sua corte e, a cada vez, era glutão e epicurista, pensando na boca antes de mais nada. Acho que tal linguagem não poderia ser tolerada, pois parece ter saído da boca de algum patife sem escrúpulos que faz acusações aleatórias em um tribunal de justiça. [3] [Nota] Este Aristóteles foi naturalmente empregado para mergulhar sua pena no intelecto; seja uma reflexão pouco necessária ou questões mais técnicas, ele provou ser uma pessoa excepcional. [4] E "palavra aristotélica". "

Essa compilação de compilações se parece um pouco com uma confusão inextricável: um dicionário de palavras está entrelaçado com um dicionário de coisas; artigos sobre a interpretação de palavras alternam-se com artigos sobre a vida de pessoas famosas; pode até se tornar desconcertante quando um artigo sobre Aristóteles é seguido por um artigo contra Aristóteles, como se fosse um personagem diferente. Por outro lado, pode se tornar muito interessante nas anotações biográficas ou citações.

Os fatos que ele relata nem sempre são exatos, mas as obras sobre a Antiguidade grega freqüentemente citam essa fonte. Foi uma obra muito popular e, por isso, muitos manuscritos ou extratos foram preservados. Autores posteriores como Eustáquio de Tessalônica , João Zonaras , Constantino Lascaris ou mesmo Máximo, o grego , fizeram uso extensivo dela.

Se o autor se contentou em copiar a compilação de estudiosos de sua época, ele o fez silenciando todas as críticas e julgamentos pessoais. Se sucessivos copistas adicionaram erro após erro duplicando este trabalho manuscrito, esta compilação contém um grande número de fatos, detalhes e citações de autores que não podem ser encontrados em nenhum outro lugar e que teriam sido perdidos para sempre se tal trabalho não existisse. Erasmo citou e comentou muito freqüentemente sobre Souda em seus Adágios (1508-1536).

Depois de Küster, muitos estudiosos se encarregaram de restaurar ou explicar passagens dos Soudas. Jakob Gronovius , famoso estudioso, excessivo e briguento, discutiu muito sobre esse trabalho com Küster.

Vários helenistas extraíram e comentaram diferentes passagens: Étienne Bergler, Lambert Bos , Théodore Hase, professor de teologia em Bremen; em Michaud , também se cita Louis Valkenaer.

A Coleção da antiga Academia de Inscrições e Letras das Belles reuniu correções de Souda feitas pelo Abade Sellier e pelo Barão de Sainte-Croix.

JL Schultze publicou: Specimen Noticeum miscellanearum in Suidam, cum prolusione critica de glossarii a Suida denominati indole et pretio , Halle, 1761, in-4 ° .

As correções de John Toup on Suidas ( Emendationes in Suidam ), Londres, 1760, 1764, 1775, 3 vols. em-8 °, tornou-o conhecido com vantagem para os estudiosos.

Chardon de la Rochette, depois de ter esclarecido alguns artigos de Suidas na Magasin encyclopédique (1812), reuniu-os em seu Mélanges de critique , t.  1 , pág.  92 .

Jean Chrétien Gottlieb Ernesti extraiu dos léxicos dos Suidas e Favorinus todas as passagens relativas aos cultos antigos, e as publicou com notas, sob o título de Glossae sacrae .

Um léxico etimológico atribuído por Gronove a Suidas, que pertencia sucessivamente a Henri Estienne, Goldast e Vessies , é mantido na biblioteca pública de Leiden .

Edições

  1. A primeira edição de Suidas é devida a Demetrius Chalcondyle  ; publicado em Milão , 1499, in-fol., é baseado em um manuscrito incompleto.
  2. A edição Aldine , Veneza, 1516, às vezes apresenta diferenças bastante significativas; foi criado a partir de outro manuscrito; foi reproduzido na Basiléia , em 1544, fólio .
  3. O fólio publicado em 1619, Coloniae Allobrogum (atualmente em Genebra ), e cujo título foi atualizado em 1630, raramente é citado. Apresenta a versão grega e uma tradução latina de Aemilius Portus. O volume está disponível online na edição de 1630 Apud Heredes Petri de la Roviere  "
  4. A edição de Cambridge, 1705, 3 vols. in-fol., com amplos comentários, publicado por Ludolf Küster  ; a tradução de Émile Portas (Aemilius Portus), anexada ao volume de 1619, foi corrigida em muitos lugares; o texto grego foi revisado em vários manuscritos. O editor foi criticado por correções um tanto imprudentes. Esta edição é precedida por uma dissertação sobre Suidas que Jean Albert Fabricius reuniu na Bibliotheca graeca , t.  9 , pág.  621 , e ele acompanhou esta dissertação com três índices:
    1. autores que Suidas deve ter consultado;
    2. escritores sobre os quais ele oferece informações;
    3. de todos os personagens mencionados lá.
  5. The Oxford Edition, 1834, por Thomas Gaisford, 3 vols. in-fol. : o texto, cuidadosamente revisado e acompanhado por notas acadêmicas, obteve a aprovação de estudiosos; a beleza da impressão combina com o que as impressoras Oxford geralmente produzem; o terceiro volume é inteiramente dedicado ao índice.
  6. A edição alemã de Gottfried Bernhardi, que se comprometeu a fazer a obra de Gaisford reaparecer em Halle, com alguns acréscimos no comentário. Iniciada em 1834, esta edição, que forma quatro volumes em-4 °, não foi concluída até 1853.
  7. Emmanuel Bekker , conhecido pela quantidade de textos gregos que publicou, também cuidou de Suidas, e o publicou em Berlim, em 1854, grande em -8 °. O texto é cuidadosamente revisado em vários manuscritos; não há tradução.
  8. A versão latina de Jérôme Wolf foi impressa em Basel em 1564 e 1581.
  9. Edição Suidae Lexicon , Teubner, 5 volumes, 1928-1938.
  10. O Souda digital. Uma edição digital em inglês, Suda on line: Bizantine Lexicography foi criada após a edição do estudioso dinamarquês Ada Adler em que cada palavra, classificada de acordo com a chamada ordem de Adler, é transcrita com possíveis anotações, comentada e traduzida para Inglês de acordo com uma fórmula muito semelhante à da Wikipedia.
    Oferece indexação em tabelas tridimensionais, por meio de software, e permite classificar os lançamentos de acordo com o assunto abordado. Ele oferece trinta e três opções:
arquitetura Atletismo biografia
botânico cronologia comédia
definições dialetos lei
épico etiologia mulheres
gênero e sexualidade geografia gramática e etimologia
confecções história a história da arte
historiografia medicamento medidas e música
mitologia Comida operações militares
filosofia poesia provérbios
religião retórica Ciência e Tecnologia
tragédia vida cotidiana zoologia

Referências

  1. Gallica
  2. Blair 2010 , p.  24
  3. Dicionário Histórico de Feller
  4. Biografia universal antiga e moderna
  5. Grande Dicionário Universal da XIX th  século
  6. Artigo "Suidas" da antiga e moderna Biografia Universal , t.  40
  7. Dölger, 1936; Gregory, 1936; Lammert ( Suda, die Kriegsschriftsteller und Suidas ), 1938.
  8. Dicionário histórico, crítico e bibliográfico , Volume 25, Paris, 1823.
  9. Veja os elementos da controvérsia nos vários dicionários de wikisource .
  10. Bertrand Hemmerdinger, "Suidas, não Souda," Bollettino dei classici, 3rd ser. 19 (1998), pp. 31f.
  11. Lammert, 1938.
  12. Gregory, 1937.
  13. Dölger, 1936; cf. Sinagoga de Ian C. Cunningham : Textos da Versão Original e do MS. B , Walter de Gruyter, 2003.
  14. Gregory, 1936
  15. Com as variantes guida, cuida, cogda, sogda segundo Mercatti, 1955-1957.
  16. Siamakis, 1994.
  17. Para uma revisão abrangente, consulte S. Matthaios, Suda: o caráter e a dinâmica de um dicionário enciclopédico Bizantino , Universidade de Chipre, 2003.
  18. Este livro está no Catalogus Librorum Impressorum Bibliothecae Bodleianae no Google Livros
  19. Glossae sacrae Haesychii no Google Books , Leipzig, 1785, in-8 °
  20. Muller, Programma de Suida cum Observaçãoibus T. Reinerii , Leipsick, 1696, in-8 °
  21. Veja os livros do Google .
  22. Suda on line: Lexicografia Bizantina
  23. Leipzig, 1928-1938.

Apêndices

Bibliografia

Artigos relacionados

links externos

No Wikisource

Em outro lugar

Esperamos que as informações que coletamos sobre Souda tenham sido úteis para você. Se for o caso, não se esqueça de nos recomendar a seus amigos e familiares, e lembre-se que você pode sempre nos contatar se precisar de nós. Se, apesar de nossos melhores esforços, você acha que o que fornecemos sobre _título não é totalmente exato ou que devemos acrescentar ou corrigir algo, ficaríamos gratos se você nos avisasse. Fornecer as melhores e mais completas informações sobre Souda e qualquer outro assunto é a essência deste website; somos movidos pelo mesmo espírito que inspirou os criadores do Projeto Enciclopédia, e por esta razão esperamos que o que você encontrou sobre Souda neste website o tenha ajudado a expandir seu conhecimento.

Opiniones de nuestros usuarios

Gilson Marques

A entrada em Souda foi muito útil para mim.

Rogerio Antunes

Bom artigo de Souda.