Alaa al-Aswany



As informações que conseguimos compilar sobre Alaa al-Aswany foram cuidadosamente revisadas e estruturadas para torná-las tão úteis quanto possível. Você provavelmente veio aqui para saber mais sobre Alaa al-Aswany. Na Internet, é fácil se perder na confusão de sites que falam sobre Alaa al-Aswany e ainda não fornecem o que você quer saber sobre Alaa al-Aswany. Esperamos que nos informe nos comentários se você gostar do que leu sobre Alaa al-Aswany abaixo. Se as informações sobre Alaa al-Aswany que fornecemos não são as que você estava procurando, por favor nos informe para que possamos melhorar este site diariamente.

.

Alaa al-Aswany
علاء الأسواني
Imagem na Infobox.
Alaa al-Aswany na Praça Tahrir em 12 de agosto de 2011
Biografia
Aniversário
Nome na língua nativa
علاء الأسواني
Nacionalidade
Treinamento
Atividades
Outra informação
Áreas
Membro de
Distinção
Trabalhos primários

Alaa al-Aswany ( árabe  : علاء الأسواني , também transcrito Alaa El Aswany ), nascido emno Cairo , é um escritor egípcio que exerce a profissão de dentista no Cairo .

Biografia

Nascido em uma família intelectual, de pai escritor (Abbas al-Aswany), ele foi educado em uma escola de ensino médio egípcia de língua francesa e também estudou cirurgia dentária nos Estados Unidos , na Universidade de Illinois em Chicago .

Ele contribui regularmente para jornais da oposição e está próximo de intelectuais de esquerda, em particular Sonallah Ibrahim . Ele afirma ser independente de partidos políticos, mas é um dos membros fundadores do movimento de oposição “Kifaya” ( Chega ), que clama por eleições presidenciais verdadeiramente livres.

Seu romance L'Immeuble Yacoubian , publicado em 2002 , é um verdadeiro fenômeno editorial no mundo árabe e é rapidamente traduzido para cerca de vinte línguas, além de ser objeto de adaptações para o cinema e a televisão. Ele descreve a vida fervilhante de um edifício outrora grandioso no centro do Cairo, onde os residentes enfrentam a corrupção opressiva do regime e a crescente pressão islâmica. Ele continua com o romance Chicago , publicado em 2006 , que retrata a vida de estudantes árabes nos Estados Unidos após os acontecimentos de 11 de setembro de 2001 . Este livro também é um grande sucesso de vendas.

Embora ideologicamente próximo de escritores de esquerda como Sonallah Ibrahim , Alaa al-Aswany adota um estilo realista e direto, o que o torna inteligível para um grande número de leitores, sem sacrificar o poder da narrativa. Sua habilidade em capturar a vida fervilhante do Egito em toda a sua diversidade atraiu comparações com o Prêmio Nobel de Literatura Naguib Mahfouz .

Em 2008 e 2011, participou do Festival Metrópolis Azul .

Em 2011 , ele participou ativamente da revolução egípcia de 2011 , ilustrando notavelmente oem um debate televisionado contra Ahmed Chafik , o primeiro-ministro nomeado por Hosni Mubarak , e pela publicação na imprensa escrita de uma crônica, reunida para a tradução francesa na obra Crônicas da revolução egípcia (Actes Sud, 2011). Esta compilação de artigos será seguida por uma segunda em francês com o título Extremismo religioso e ditadura (Actes Sud, 2014). Aswany continua a comentar as notícias egípcias, especialmente no site DW.com . Este compromisso revolucionário será finalmente estendido pela escrita de um romance, traduzido para o francês em 2018 sob o título J'ai couru vers le Nil , o original sendo publicado por uma editora libanesa, mas proibido de distribuição no Egito. todo o mundo árabe, com exceção do Líbano, Marrocos e Tunísia. Novela polifônica, é um mergulho na efervescência revolucionária e suas difíceis extensões, focando em particular em lançar luz sobre as áreas cinzentas que cercam as práticas da polícia por meio da reprodução de depoimentos em primeira mão sobre os episódios dos mais dolorosos do post -Era de Mubarak.

O Automobile Club d'Égypte tem sede na cidade do Cairo na década de 1940. Foi publicado no Egito em e em francês pelas edições Actes Sud em .

Ele agora mora nos Estados Unidos, onde dá aulas de literatura.

Crítica do fundamentalismo islâmico

“Não é apenas uma questão de hipocrisia ou ignorância. O resultado final é que muitas pessoas têm um conceito errado sobre religião que valoriza os aspectos visíveis da religiosidade. Essa assim chamada religião é confortável porque não requer esforço, é barata, é limitada a slogans e aparências e dá uma sensação de paz interior e auto-satisfação. Os verdadeiros princípios do Islã, por outro lado - justiça, liberdade e igualdade - colocam você em risco de perder seu salário, sua situação social e sua liberdade.
Aqueles que adotaram essa suposta religião jejuam, oram, cumprimentam à maneira muçulmana e impõem às suas esposas o hijab (véu do cabelo) e o niqab (véu do rosto). "

“O regime saudita gastou bilhões de dólares para propagar a concepção Wahhabi (fundamentalista) do Islã, uma concepção que inevitavelmente leva a uma religião de fachada pura (aqueles que contestam isso devem olhar para a enorme lacuna entre o discurso e a realidade na Arábia Saudita ) Nos canais sauditas por satélite, dezenas de religiosos falam 24 horas por dia sobre questões religiosas, mas nunca sobre o direito dos cidadãos de eleger seus governantes, ou leis de emergência, nem tortura e prisões arbitrárias. Seu pensamento nunca se detém em questões de justiça e liberdade. Por outro lado, eles se gabam de terem conseguido colocar o véu em uma mulher. Como se Deus tivesse revelado o Islã com o único propósito de cobrir os cabelos das mulheres, não para estabelecer justiça, liberdade e igualdade. "

“O Islã em toda sua grandeza levou os muçulmanos a apresentar a humanidade, a civilização, a arte e a ciência ao mundo. Mas a tartuferia nos levou a toda essa ignomínia e miséria em que vivemos. "

Obra de arte

Romances

Coleções de notícias

  • Alladhī iqtarab wa raʾa , 1990 ( árabe  : الذى اقترب و رأى )
  • Jamʾiyat muntaẓirī il-zaʿīm , 1998 ( árabe  : جمعية منتظرى الزعيم )
  • Nīrān sadīqa , 2004 ( árabe  : نيران صديقة )
    Eu gostaria de ser egípcio , traduzido por Gilles Gauthier, Arles, Actes Sud, coll.  “Blue”, 2009, 200 p. ( ISBN  978-2-7427-8081-5 )  ; reedição, Arles, Actes Sud, col.  “Babel” n O  1004, 2013, 280 p. ( ISBN  978-2-7427-8990-0 )

Ensaios e Artigos

  • Li mā dhā lā yathūr il-Miṣriyūn , 2010 ( árabe  : لماذا لا يثور المصريون؟ )
    Crônicas da revolução egípcia , traduzido por Gilles Gauthier, Arles, Actes Sud, 2011, 346 p. ( ISBN  978-2-3300-0137-7 )  ; reedição, Arles, Actes Sud, col.  “Babel” n o  1170, 2010, 399 p. ( ISBN  978-2-330-01799-6 )
  • Hal nastaḥiqq il-dimuqrāṭiyya , 2011 ( árabe  : هل نستحق الديمقراطية؟ )
  • Miṣr ʿalā dikkat il-iḥṭiyāṭy , 2011 ( árabe  : مصر على دكة الإحتياطى )
  • Hal akhṭaʾat il-thawra il-Miṣriyya , 2012 ( árabe  : هل أخطأت الثورة المصرية؟ )
  • Kayf naṣnaʾ il-diktātūr , 2014 ( árabe  : كيف نصنع الديكتاتور؟ )
    Extremismo religioso e ditadura: as duas faces de um infortúnio histórico , traduzido por Gilles Gauthier, Arles, Actes Sud, 2014, 228 p. ( ISBN  978-2-330-03651-5 )
  • Le Syndrome de la dictature , traduzido do inglês por Gilles Gauthier, Arles, Actes Sud, 2020, ( ISBN  978-2330137014 ) .

Decoração

Prêmios

Notas e referências

  1. Arts Zone - ICI.Radio-Canada.ca , Abertura do Festival Literário da Metrópole Azul  " , em Radio-Canada.ca (acessado em 9 de dezembro de 2017 )
  2. Vídeo do debate no YouTube
  3. Artigo no Figaro , 03-03-2011
  4. لماذا لا يثور المصريون؟  » [Livro], em goodreads.com (acessado em 15 de setembro de 2020 ) .
  5. Artigos em árabe, alguns dos quais traduzidos para o inglês. Consulte “  Ela é uma mulher, não um objeto  ”, 9 de agosto de 2017.
  6. Cf. "  No Egito, foram realizados testes públicos de virgindade para separar as mulheres que se manifestam  ", La Libre.be , 23 de setembro de 2018.
  7. Al-Aswany do Egito lança romance 'histórico' ambientado sob o colonialismo britânico  " , em aswatmasriya.com (acessado em 15 de setembro de 2020 ) .
  8. http://www.actes-sud.fr/catalogue/litterature-etrangere/automobile-club-degypt
  9. "O Islã não foi revelado para o véu das mulheres" em courierinternational.com, 4 de dezembro de 2008
  10. Artigo do Egypt Independent , 21 de dezembro de 2016
  11. Membros da Academia  " , em beitalhikma.tn (acessado em 4 de fevereiro de 2018 )

links externos

Esperamos que as informações que coletamos sobre Alaa al-Aswany tenham sido úteis para você. Se for o caso, não se esqueça de nos recomendar a seus amigos e familiares, e lembre-se que você pode sempre nos contatar se precisar de nós. Se, apesar de nossos melhores esforços, você acha que o que fornecemos sobre _título não é totalmente exato ou que devemos acrescentar ou corrigir algo, ficaríamos gratos se você nos avisasse. Fornecer as melhores e mais completas informações sobre Alaa al-Aswany e qualquer outro assunto é a essência deste website; somos movidos pelo mesmo espírito que inspirou os criadores do Projeto Enciclopédia, e por esta razão esperamos que o que você encontrou sobre Alaa al-Aswany neste website o tenha ajudado a expandir seu conhecimento.

Opiniones de nuestros usuarios

Denise Teles

A linguagem parece antiga, mas a informação é confiável e em geral tudo que se escreve sobre Alaa al-Aswany dá muita confiança.

Vinicius De Barros

Grande descoberta este artigo na Alaa al-Aswany e na página inteira. Vai direto para os favoritos.

Reginaldo Coutinho

A linguagem parece antiga, mas a informação é confiável e em geral tudo que se escreve sobre Alaa al-Aswany dá muita confiança.